sábado, 12 de janeiro de 2008

Farense esmaga na Serra Algarvia Salir 0-4 Farense

O Farense obteve hoje uma gorda vitória na deslocação à aldeia de Salir, na serra algarvia. Resultado inequívoco e sem constestação para equipa da capital algarvia, que dominou o encontro em todas as vertentes do jogo.
Na primeira parte, a equipa de Faro, encostou totalmente a equipa de Salir para o seu meio terreno, em virtude da sua atitude ofensiva em campo, jogando com as linhas muito juntas e defesa alta, o que dificultou em muito a tarefa do Salir. Nesta mesma primeira parte, em apenas uma ocasião o Salir criou situação real de golo, situação que foi um oásis em todo o jogo por parte da equipa de Salir. O Farense, por seu turno, dispôs de algumas situações de perigo iminente, por Caras e Edinho, até que o mesmo Edinho, claramente livre de marcação no centro da área, abriria o marcador, num belo golpe de cabeça.
Na segunda parte, o Salir deu um assomo inicial na partida, mas seria novamente o Farense a marcar, desta feita por Túlio, numa bela combinação atacante. A comemoração do golo foi efusiva por parte da equipa Farense e da claque South Side Boys, e em consequência disso, a rede que circundava a zona da baliza norte cedeu, provocando dois feridos ligeiros entre a claque Farense. Lamentável a ausência de bombeiros e ambulância no local, até porque estamos a falar da maior competição regional desportiva futebolisticamente falando. Por incrível que pareça um dos feridos teve que aguardar sentado no pelado, cerca de 35 minutos por uma maca, ambulância e bombeiros. De louvar a atitude do massagista do Farense, que esteve practicamente toda a segunda parte junto do elemento da claque South Side, prestando dentro das suas possibilidades toda a ajuda necessária.
Voltando ao jogo, o Farense marcaria ainda mais dois golos, um por Brasa numa das mais belas jogadas do encontro, e outra por Arlindo, ficando ainda por marcar algumas outras oportinidades, uma delas num vistoso remate de Bruno que razou a trave e outra por Túlio num remate dentro da área, que na cara do guarda redes, enviou a bola com muita força à parte exterior da trave da baliza defendida por Nuno Jerónimo. Vitória amplamente justa do Farense, dando sequencia a uma fase muito produtiva do ataque Farense nestes ultimos jogos. O jogo terminaria sob o signo do conformismo da equipa local e visitante dado o desnivelamento do resultado. Arbitragem tranquila de Silvia Domingos.

Ficha de Jogo: Parque Desportivo J A Teixeira, 15 horas, 12/01/2008
Assistência: 300 espectadores
Salir 0-4 Farense
(Edinho 40mn, cruzamento da direita e Edinho a parecer solto a marcar de cabeça)
(Túlio 60mn, na sequencia de uma combinação dentro da área com Edinho)
(Brasa 63 mn, cruzamento com Bruno a deixar passar a bola e Brasa a não dar hipótese ao guardião Nuno Jerónimo)
(Arlindo, 86mn remate dentro da área)

Farense: Costa; Amilcar, Né, Wilson, Caras; Barão, Ricardo, Túlio, Brasa(Rui Loja 73mn); Edinho(Arlindo 70mn),Bruno (Roque 80mn). Treinador: Carlos Costa

2 comentários:

E. Roque disse...

Neste jogo o Farense deu uma clara noção das suas potencialidades, controlando sempre um jogo desde o seu ínicio.
Isto apesar de Barão ter jogado muito abaixo das suas potencialidades, possivelmente afectado por problemas pessoais. Mas os restantes elementos da equipa tiveram um comportamento muito positivo, dizendo aos seus adeptos que podem contar com eles para darem tudo o que podem para atingir os seus objectivos.
Quanto ao acidente com a claque, na verdade foram 3 feridos, um partiu o tornozelo e teve que ser operado, outros 2 tiveram que ser assistidos nos serviços de saúde, devido a ferimentos e e lesões traumáticas, resultantes do embate nos ferros da vedação que cedeu nos festejos do 2º golo.
Não se percebe porque não existia ambulância no campo, pois apesar de ser um jogo do distrital, é sempre possível haver problemas com os jogadores ou com a assistência, e neste caso em que a ambulânica tem que vir de Loulé, a mais de 20 minutos de distância ainda se compreende menos. Devia ser obrigatório em competições desportivas haver sempre um meio de assistência por perto. Acho que se é exigida a presença das autoridades para que se realize um jogo de Futebol oficial, também devia ser para uma ambulância.

SamM disse...

Subscrevo a sua opinião. Acho que o jogo pouca história teve e a maior lição que devemos tirar é mesmo relativa àquele incidente, que se fosse doutra índole traumática podia ter consequencias bem mais graves, dada a ausencia de um unico bombeiro ou ambulancia por perto e da sua chegada tardia.