terça-feira, 30 de junho de 2009

FARO: Macário 'fecha torneira', Apolinário justifica com educação

Se Macário Correia ganhar, pessoas que se reformarem da Câmara não vão ser substituídas. Já José Apolinário justifica aumento de funcionários com área da educação.
"Não vou colocar mais pessoas no quadro da Câmara de Faro. Não podemos aumentar a despesa corrente e por isso não vamos substituir as pessoas que se reformarem", admitiu Macário Correia, perante um cenário de eventual conquista da Câmara Municipal de Faro e falando sobre as questões do desemprego na capital algarvia no frente-a-frente de ontem à noite, promovido pelo Observatório do Algarve.

Num debate quente - não só pelas ideias, como pela insuficiência do ar condicionado para 'arrefecer' perto de 250 pessoas que se deslocaram à Penha para assistir in loco ao debate - Apolinário e Macário esgrimiram posições tanto sobre Tavira como sobre Faro, entre elas o tema do momento, o desemprego.

Apolinário insistiu que Faro foi dos concelhos em que menos se notou o aumento, acenando por contrapartida com o caso de Tavira. Macário justificou a realidade com o facto de Faro ser uma capital administrativa (com mais função pública) e por isso mais imune ao desemprego em sectores privados da economia.

Macário garantiu, ainda assim, que como parte de um plano de saneamento financeiro para a Câmara, não admitirá - caso vença as eleições - mais pessoas para o quadro fixo de pessoal, criticando Apolinário pelo aumento de pessoas e, consequentemente, de despesa corrente.

O presidente socialista justificou o aumento com as actividades extra-currriculares nas escolas, em que os professores são contratados pela autarquia, garantindo que o mesmo se passa em todas as câmaras municipais, a nível nacional.
O debate, que se 'debateu' com problemas técnicos na transmissão em directo (por razões alheias ao OdA só foi possível acompanhar a partir da segunda parte), proporcionada pela Digitalmaistv, foi seguido na Universidade por mais de 250 pessoas, que não conseguiram todas lugar sentado no Auditório da Escola Superior de Gestão Hotelaria e Turismo (ESGHT).

Muitas delas seguiram o encontro no hall, através de um televisor especialmente montado pela Ualg para o efeito, e mais de um milhar em simultâneo tentou fazê-lo através do site do OdA. A débil rede da Universidade e problemas no servidor da digitalmaistv - devido à sobrecarga de acessos - fizeram com que só a partir da segunda parte fosse possível acompanhar em directo em casa o debate, numa iniciativa pioneira - e totalmente gratuita - do Observatório do Algarve e da Digitalmaistv, empresa do grupo Publirádio.

Ainda assim, durante o dia de hoje e logo que tecnicamente possível, disponibilizaremos aos leitores do OdA o debate na íntegra, em diferido.
Debate animado 'esbateu' diferenças
Durante o encontro, o candidato do PSD a Faro disse querer projectar a capital e promover maior articulação com Olhão e Loulé, enquanto o candidato do PS renegou protagonismos e insistiu numa forte política social e de criação de emprego.

Estas são algumas das linhas estratégicas dos dois dos candidatos à Câmara de Faro, Macário Correia (PSD), líder da coligação "Faro com Macário" e José Apolinário (PS), actual presidente do executivo, no debate organizado pelo Observatório do Algarve e moderado por Conceição Branco, directora do OdA e Idálio Revez, correspondente do jornal Público no Algarve.

Em cima da mesa, estiveram a situação financeira da autarquia, os vectores do Programa Polis Ria Formosa e a questão das acessibilidades à cidade, entre outros temas.

Num debate em que surpreendentemente José Apolinário entrou 'ao ataque', Macário Correia reafirmou que Faro perdeu a "capitalidade" e prometeu projectar o concelho internacionalmente, tirando-o do "marasmo" em que diz ter mergulhado.
Para isso, defendeu um plano conjunto entre Faro, Olhão e Loulé - uma espécie de plataforma do Algarve Central, onde se concentram 200 mil habitantes -, já que Faro por si só, diz, não conseguirá afirmar-se.
José Apolinário, por seu turno, prometeu centrar a sua política nas pessoas e insistir num programa cujos pontos fortes são a área social e a criação de emprego, rejeitando uma lógica de "protagonismo".

Enquanto Macário Correia garante que os eventos e infra-estruturas da cidade estão "aquém" de outros concelhos algarvios, Apolinário afirma que o que o move é o "serviço público" e não "saber quem faz mais festas".

Um dos principais temas em debate foi a situação financeira da Câmara de Faro, já que segundo o candidato do PSD a dívida da autarquia se cifra em 82 milhões de euros, valor refutado pelo PS, que diz que a dívida não chega aos 62 milhões de euros.
Segundo Macário Correia, no mandato de José Apolinário a despesa corrente da autarquia aumentou e houve pouco investimento para o futuro da cidade, o que, assume, faz de Faro um "mau exemplo" em matéria de finanças.
De acordo com José Apolinário, houve durante o seu mandato uma garantia de investimento público na ordem dos 250 milhões de euros e o relançamento de projectos que estavam há muitos anos na gaveta.
O socialista defendeu como forma de antecipar receitas para o município a criação de um Fundo Imobiliário que responda às necessidades da autarquia sem ter que se aumentar os impostos locais.

No que respeita ao Programa Polis da Ria Formosa, a concretizar até 2012 e que envolve um orçamento total de 87 milhões de euros a investir em quatro concelhos algarvios, os dois candidatos parecem também não ter a mesma visão.
Enquanto Macário Correia considera que há demolições têm obrigatoriamente que ser feitas, sobretudo nos extremos da Praia de Faro, Apolinário diz quer mais importante que a questão das casas é a "qualidade de vida" das populações e a preservação dos núcleos históricos, assumindo ainda assim a necessidade de demolições nas 'franjas' da Ilha.
Em matéria de acessibilidades, Macário Correia defende a criação de uma Autoridade Regional de Transportes, uma maior articulação entre os diversos meios de transporte e a urgência numa ligação ferroviária a Espanha.
José Apolinário considera, por seu turno, que a questão central e estratégica nesta matéria é a ligação através de um metro de superfície entre o aeroporto, a universidade e o Parque das Cidades, entre Faro e Loulé.

Tecnologia não ajudou, mas debate foi positivo
Questionado pelo Observatório do Algarve, José dos Santos Lopes, director da Digitalmaistv, afirmou que o debate foi positivo: "Isto mexe com as pessoas, mobiliza-as para aquilo que lhes interessa, apesar dos problemas técnicos que tivemos devido à enorme afluência de pessoas e a alguma falta de apoio da Universidade", disse, após ter tornado possível a emissão do primeiro debate político regional em directo, moderado por jornalistas, via internet.
Também Pedro Duarte, director da RUA FM, que fez a transmissão integral do frente-a-frente na rádio (e na internet), se dava por satisfeito: "O dia de amanhã (hoje) é que vai marcar. Se o debate entrar nas conversas de café é importante porque isso significa que o nosso trabalho - e o vosso, do Observatório - foi bem feito", conclui.
*com Lusa

Assisti ao debate via RUA FM e na parte final consegui aceder via net, ao site da Digital Mais TV, e foi para mim uma surpresa a postura de José Apolinário, literalmente ao ataque, confrontando muitas vezes Macário Correia com situações no concelho de Tavira, enquanto o candidato do PSD, depois de tanto alarido e apresentações de projectos na comunicação social, nada trouxe de novo aos farenses, relativamente às suas últimas intervenções. Tal facto, não significa que Apolinário tenha vencido o debate, que na minha opinião foi algo agitado e não muito esclarecedor, perante tantas situações a que os intervenientes não responderam de forma clara, muitas vezes atacando-se mutuamente... Nota negativa para a postura do público, muitas vezes menos comportado do que num jogo de futebol, e também para alguma parcialidade no que toca à moderadora, muito rígida com Macário Correia. É pelo menos a minha opinião...

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Farense - Cronologia das últimas semanas e caminhos para o futuro

O Sporting Clube Farense vai a votos, depois do processo de venda do Estádio de São Luís se ter revelado um insucesso e o Procedimento Extra-judicial de Conciliação (PEC) que o clube ia utilizar para regularizar as dívidas fora do tribunal ter caído por terra.


As eleições são no dia 8 de Julho, podendo as listas ser apresentadas até dia 6 de Julho.

Há duas semanas, a direcção do Farense convocou uma assembleia-geral extraordinária de sócios para explicar o que foi feito para vender o São Luís e debater o futuro da instituição. Foi aqui que Gomes Ferreira pediu formalmente à Mesa da Assembleia que marcasse uma data para eleições para a direcção do clube «o mais rapidamente possível». No caso do estádio, depois de ter apresentado o relatório de como decorreu todo o processo, a comissão encarregue da sua venda, liderada por Aníbal Guerreiro, apresentou a sua demissão.

A crise económica foi a justificação encontrada por Aníbal Guerreiro para o insucesso de um processo que, garantiu, se tivesse sido encetado há mais tempo, não teria tido o mesmo desfecho. «Em 2004, apresentei a proposta [da solução da venda do Estádio para sanear as contas do clube] ao presidente da Câmara, de quem não vou dizer o nome. Não fui ouvido», queixou-se. Foi só depois da entrada de José Apolinário para o cargo de presidente da autarquia farense é que a ideia avançou. Mas, justificou o membro da comissão, «a oportunidade de vender o estádio esfumou-se com a crise económica».

A situação actual, como se esperava, foi mal aceite pelos sócios presentes. As opiniões dividiam-se, mas a indignação foi transversal. Com a queda do PEC e o pouco provável sucesso na venda do São Luís por um preço que permita pagar as elevadas dívidas que o clube tem, pelo menos para já, o futuro do Farense está mais ameaçado que nunca.

A ideia transmitida pelos ainda membros da direcção é que há solução possível e que o estádio é um produto que se pode vender por um preço que compense o clube, a médio/longo prazo. Assim, há que tentar aguentar o barco, até que o clima económico fique mais favorável. Para Gomes Ferreira, «a nova direcção deve, o mais rapidamente possível, pedir um novo PEC ao Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas», para impedir, por um lado, uma eventual acumulação de juros, mas também «para proteger judicialmente todos os dirigentes que passaram pelo clube».

Um dos sócios que tem sido mais crítico da actual direcção, o ex-presidente da associação South Side Rui Roque, pegou nesta deixa de Gomes Ferreira e acusou a actual direcção de se ter preocupado mais em proteger interesses pessoais do que em resolver a situação económica do Farense.

Ao que o «barlavento» apurou, a associação criada pela claque do Farense vai mesmo apresentar uma lista à direcção do clube. Há três anos, os South Side chegaram a apresentar um projecto para o clube, que passava por uma fusão com o clube Algarve United, cuja equipa sénior iria representar as cores do Farense.

Quem não será candidato com toda a certeza é Gomes Ferreira e a sua equipa. O actual presidente afirmou taxativamente que não tem qualquer interesse em voltar a ocupar o cargo, já que só serviu para o fazer «perder prestígio profissional». Os restantes membros da sua equipa seguem o seu exemplo e não participarão em qualquer lista.

domingo, 28 de junho de 2009

Um fim de semana violento...

Já não bastava o campeonato Nacional de Juniores ser decidido, como numa autêntica final, com o sempre apetecível derby Sporting-Benfica, num recinto que fica a atrás de muitos campos do nosso Distritalão em termos de segurança, sendo a partida interrompida devido a incidentes entre adeptos de ambas as colectividades, para hoje se conhecer que os Super Dragões não quiseram ficar atrás, tendo destruído uma pastelaria em Lagoa, cidade que acolheu este ano a final da Taça de Portugal em andebol, nos resquícios da vitória do ABC sobre o FC Porto, actual campeão nacional em título. É caso para dizer que fins de semanas desportivos com estes acontecimentos: Não, Obrigado!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Michael Jackson (1958-2009)

Estou chocado com o que ouvi à minutos na Renascença... Faleceu um dos maiores ícones e impulsionadores da música mundial. Quer se goste ou não do estilo, trata-se duma grande perda, ele que despontou na música com Thriller, um dos melhores cd's da história da música mundial, "pedrada no charco" na altura...

A vida é éfemera...

Faro vai ter um «paraíso perdido»


Pegar num «conceito inato» de paraíso perdido e trazê-lo para a cidade de Faro é aquilo a que se propõe Sidónio Pardal, o arquitecto paisagista responsável pelo projecto do futuro Parque Urbano do Vale da Amoreira.

Dois lagos, ligados entre si por uma ribeira, são elementos centrais neste espaço de lazer, que se quer relaxante e acolhedor. Para já, este é um projecto em fase de criação, que está ainda dependente de alguns estudos para tomar forma definitiva.

Terá que saber-se, por exemplo, se é viável criar lagos naturais escavando abaixo da cota do lençol freático ali existente, questão que até foi um ponto de alguma discórdia na sessão de apresentação do projecto, que decorreu na terça-feira, em Faro. O avanço deste parque urbano de 10 hectares depende, igualmente, da aprovação em Assembleia Municipal do Plano de Urbanização (PU) do Vale da Amoreira, no qual está inserido. Algo que deverá acontecer até final do ano, segundo o presidente da Câmara de Faro José Apolinário. O começo da construção deste parque deverá acontecer «a partir do segundo trimestre de 2010».

Na visão de Sidónio Pardal, um parque urbano tem que ter uma base arquitectónica «que dê ideia de espaço livre e paraíso perdido». «Só resulta se transmitir bem-estar a quem usufruir dele», acredita. Foi esta a assinatura que procurou deixar em duas das suas mais emblemáticas obras, o Parque Cidade do Porto e o Parque da Paz, em Almada. O Parque Urbano de Faro assenta num espaço quase sempre verde, com caminhos a circundá-lo, com dois lagos ao centro. Estes estarão inseridos «em taças» escavadas no terreno. «Estes elementos ajudam a criar interioridade. Superfícies côncavas dão sensação de conforto», considerou.

Uma das marcas deste arquitecto paisagista, que estará presente no parque que idealizou para Faro, é o uso de pedra, utilizada em estruturas que designa como «uma espécie de falsas ruínas». Estas marcarão «estadias», ou seja, os pontos indicados para fazer uma pausa. «Estes elementos introduzem a intemporalidade romântica. Queremos transmitir sossego, bem-estar e desprendimento», revelou. Sempre com um discurso convicto, Sidónio Pardal deixou algumas declarações mais polémicas no ar, com uma frontalidade que o caracteriza. Por exemplo, criticou os que acreditam que não se deve construir em altura junto de um parque urbano, defendendo que são estes locais que aguentam «mais pressão urbanística».

Em Faro, revelou José Apolinário, os prédios que rodeiam o espaço de lazer vão ter, no máximo, a altura de seis andares. Mas haverá outros elementos associados a este parque que não terão cotas tão elevadas. São os casos da unidade hospitalar e do centro comercial que ali serão instalados. Este último substituirá o supermercado Modelo existente nas imediações, que se mudará para a superfície comercial, promovida pelo grupo Sonae. Também será construído um hotel junto ao parque urbano.

A construção deste parque, orçada em 1,7 milhões de euros, resulta de uma contrapartida negociada pela Câmara de Faro com o promotor do PU e do processo de construção subsequente, a empresa Imogharb.
A autarquia ficará, depois da conclusão do parque, responsável pela manutenção deste espaço público. In Barlavento

Agrado-me com esta obra a ser projectada com a colaboração do actual executivo, que vêm cobrir uma das grandes pechas de Faro, podendo-se considerar um dos maiores projectos desta índole alguma vez criados de raiz por algum dos municípios algarvios, muitos deles mais interessados em eventos ou retail parks... Apraz-me apenas dizer que esperava mais das contrapartidas negociadas pela CMF com a promotora do Plano Urbanístico do Vale da Amoreira, a empresa Imogharb. A quantia de 1,7 milhões de euros, não chega para os encargos anuais da Associação de Municípios Faro/Loulé com o Parque das Cidades, a título de mera comparação, pelo que me parece, como observador, que Faro podia ter ganho mais neste aspecto, face aos lucros que a promotora angariará com tão vasta obra naquela zona da cidade. Ou não será assim?

quarta-feira, 24 de junho de 2009

A boa notícia do dia!

A próxima edição do Rali de Portugal, a realizar entre 28 e 30 de Maio de 2010, volta a figurar no calendário do Campeonato do Mundo WRC, anunciou esta quarta-feira a Federação Internacional Automóvel (FIA). In A Bola

Tudo indica que será mais uma vez no Algarve... Eu só sei que as férias tem que ser marcadas para essa altura... Dê por onde der!

De Paris à Ilha Deserta...

Cristiano Ronaldo está em férias à algumas semanas. Se numa primeira fase esteve nos "States", divertindo e divertindo-se na noite californiana, onde teve o prazer de conhecer a amiga Paris Hilton, entre outras beldades, a verdade é após a sua fugaz passagem por terras do Tio Sam(M), não foram elogiosas as palavras da multimilionária americana, definindo-o como "algo efemeninado".

Passados alguns dias, Ronaldo refugiou-se então no Algarve, e ontem fez da Ilha Deserta, uma das últimas riquezas naturais do nossa Região que ainda está em bruto, a sua morada ainda que por poucas horas... Acreditando que os media nacionais e internacionais têm seguido insistentemente os passos do "melhor e mais caro do mundo", pergunto se isto acaba por não ter mais impacto mediático que um qualquer mediano evento realizado em muitos concelhos do Algarve... Agora competiria aos nossos governantes locais fazer o resto para potenciar esta situação, proporcionado mais e melhores condições aos visitantes, tanto nos transportes como nas infra extruturas de apoio, sem nunca por em causa a virgindade deste maravilhoso mundo...

terça-feira, 23 de junho de 2009

Será que foi o Calquinhas que tratou desta excursão?

P.S. - Ainda há uma réstia de esperança...

Cortesia de Imagem Bola na Rede B

Campeonato FOTA passa por Portimão...

De acordo com o jornal britânico "The Guardian", a FOTA planeia um campeonato com 17 corridas que contempla uma corrida em Portugal, no novo Autódromo Internacional do Algarve. A competição fica marcada ainda pelo regresso aos Estados Unidos e Canadá e Argentina, e tem mesmo uma prova prevista para a...Finlândia. Outro dos países que não faz parte do pré-calendário é o Brasil, e a primeira corrida terá lugar no primeiro domingo de Março de 2010, em Buenos Aires, Argentina.

A América do Norte regressa em 'força', logo com duas corridas nos EUA, Canadá e México e na Europa, destaque para a corrida do Mónaco e Lausitz (Alemanha) e Helsínquia (Finlândia), a que se juntam as 'asiáticas' Abu Dhabi e Singapura. Curiosamente, o não prevê qualquer corrida em Spa-Francorchamps, na Bélgica. A competição encerra na Austrália, desconhecendo-se ainda o local, que poderá ser Adelaide ou Surfers' Paradise.

Aqui fica o 'esboço' de Calendário 2010 do campeonato FOTA:

7/3 Argentina Buenos Aires
21/3 México Hermanos Rodríguez
11/4 spanha Jerez de la Frontera
25/4 Portugal Algarve/Portimão
2/5 Itália Ímola
23/5 Mónaco Monte Carlo
6/6 Canadá Montreal
13/6 EUA Indianápolis
1/7 Grã-Bretanha Silverstone
25/7 França Magny-Cours
15/8 Alemanha Lausitz
29/8 Finlândia Helsinque
12/9 Itália Monza
26/9 Emirados Árabes Abu Dhabi
10/10 Singapura Marina Bay
24/10 Japão Suzuka
7/11 Austrália Adelaide ou Surfers' Paradise

A última vez que transcrevi um artigo duma publicação do Grupo Imprensa, fui ludibriado pela veracidade, não me livrando de inúmeras críticas, face à pouca credibilidade do artigo revelada dias depois...

Mas hoje atrevo-me novamente a citar uma publicação, porque sabemos hoje que o Autódromo Internacional do Algarve, arrisca-se a receber em 2010 o Campeonato FOTA, que incluirá 8 das 10 equipas da actual F1, cenário cada vez mais provável em virtude da cisão entre a FIA e FOTA... Mesmo que o administrador do autódromo, Paulo Pinheiro, negue peremptoriamente contactos, não tenho muitas dúvidas que, se o campeonato for avante, o Algarve receberá a prova máxima da F1, ainda que de forma oficiosa.

Muitas vezes neste espaço, expressei as minhas ideias sobre tal possibilidade, considerando remotas as hipóteses do Algarve receber a prova num futuro próximo, mas com este rumo, que acredito não seria o esperado e desejado pela administração do AIA, poder-se-á então concretizar o sonho maior que levou à construção deste em empreendimento. Doutra forma tudo se manteria em stand- by como aqui afirmei. Assim ficará a ganhar o Algarve! Assim esperemos...

Actualizado em 24/06/2009: Afinal a FIA chegou a acordo com a FOTA no dia de hoje e todo este projecto no Algarve cai por terra... Pelo menos por agora!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Bora ao Makjeitos?

Pelos vistos, o franchising do McDonalds em Olhão é posse duma firma com um nome muito sugestivo e bem algarvio... Eu bem que ouvia muita gente falar-me que "ia ali ao ma que jeites", mas agora, que finalmente verifiquei com atenção um talão, e assim percebi o motivo deste trocadilho... É caso para dizer: Moss, só agora é que vistes isse, deb?

domingo, 21 de junho de 2009

Para a próxima, vêm mais cedo...


Ao que consta, Manuel Pinho, o mentor do Allgarve e um dos ministros mais optimistas do Governo Rosa, é também useiro em atrasar-se cerimónias públicas... A novidade é que desta vez José Apolinário não foi de promessas, e cumpriu logo!! Porque o estômago está primeiro!!

A minha grande culpa...

O segundo single da banda olhanense (mas com muitas raízes farenses), o[L][U][D][O] é na minha opinião, das melhores malhas da música portuguesa dos últimos anos, no que toca ao pop/rock... Serei só eu que pensa assim?

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Apolinário diz que fez tudo para salvar o Farense

Em declarações ao Observatório do Algarve, o presidente da Câmara de Faro diz ter feito o que podia para salvar o clube.

Presente na Assembleia Geral do Clube, que decidiu pela convocação de eleições gerais para 8 de Julho, na sequência do falhanço da venda do Estádio de São Luís, o presidente da Câmara de Faro não hesita: "A Câmara fez tudo o que estava ao seu alcance e garantiu o património do Farense", adiantou, sem querer especificar de que forma.

José Apolinário enalteceu o papel da Comissão de Venda agora cessante: "A Comissão procurou por sempre em primeiro lugar os interesses do Farense e merecem o nosso elogio por não terem aceitado vender o Estádio a um preço inferior ao valor de mercado", acrescentou.

Alvo de algumas críticas 'surdas' no clube, por alegada falta de empenho na resolução das dificuldades graves que o Farense atravessa. Uma das críticas prende-se com o anúncio recente de um grande empreendimento comercial para o Vale da Amoreira, o que poderá ter inibido o interesse de outros grupos para a compra do São Luís, temendo-se já a eventual sobrecarga de espaços comerciais de grande dimensão na capital algarvia.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Direcção do Farense abandona PEC e decide convocar eleições para 8 de Julho

Reuniram-se na noite de hoje cerca de 150 associados do SC Farense no 3º piso do Ginásio Sede do clube da capital algarvia.

Se a agenda desta assembleia extraordinária contabilizava dois pontos distintos, na primeira fase da reunião magna, procedeu-se ao relatório do serviço efectuado pela da Comissão de Venda desde o dia 19/04/2007 até à data, terminando a sua intervenção com o anúncio da cessação de funções em virtude do fracasso das negociações com eventuais interessados.

Após intervenções de alguns associados, partiu-se para o segundo ponto da ordem de trabalhos, no qual o Dr. Gomes Ferreira, presidente da Direcção do SC Farense informou que, face à morosidade do Processo Extra Judicial de Conciliação, iniciado junto do IAPMEI em 2006, o SC Farense havia sido notificado neste sentido, e tendo as negociações para venda dos terrenos do S. Luís sido abortadas, não haveria condições deste se manter de pé neste momento, abdicando do mesmo no dia 03/06/2009. Com este facto, julgou a Direcção do Clube ser imprescindível convocar eleições com a maior brevidade possível, dado que a vigência do mandato havia já expirado em 2006 e a única razão invocada pela Direcção para não convocar eleições era a não-conclusão do PEC. Anulado este pressuposto entendeu a Direcção dar lugar a novos associados que queiram dirigir o Clube, potenciar a formalização dum novo PEC, e depois, da venda dos terrenos do S. Luís.

Durante a assembleia muitos associados usaram da palavra, mas nem sempre as respostas foram respondidas objectivamente pela Direcção, com realce para a questão da inscrição da equipa de futebol sénior na próxima época desportiva, no qual o Dr. Gomes Ferreira avançou que serão precisos 350 mil euros para formar uma equipa competitiva. Entre outras notas registamos também a afirmação do actual presidente da direcção, que afirmou que não será candidato nas próximas eleições do SC Farense.

Mais tarde foi anunciado pelo Sr. João Pedro Carvalho, presidente da mesa da Assembleia Geral do Farense, que haviam sido marcadas eleições para o dia 8 de Julho

Actualizado às 9h00, 19/06/2009

Construção no Algarve em crise profunda

O Algarve é a região do país onde se verifica a maior quebra de produção no mercado residencial e o maior aumento da taxa de desemprego no sector, de acordo com a última análise regional de conjuntura da Associação de empresas de construção, obras públicas e serviços (Aecops), divulgada hoje.

Nos primeiros quatro meses deste ano, o número de fogos novos licenciados no Algarve caiu 59,7 por cento face a igual período de 2008, contra os -45,0 por cento da região Centro, os -58,4 por cento da zona de Lisboa e os -48,4 por cento do Alentejo. Como refere a Aecops, na sua análise de conjuntura, "os indicadores que têm vindo a ser disponibilizados e que se referem ao desempenho do sector da Construção no Algarve, confirmam a manutenção de uma situação muito desfavorável, em termos de mercado de construção nesta região", o que compromete a actividade das empresas sedeadas na região. Segundo a Aecops, dada esta evolução, “não é de estranhar o forte crescimento do desemprego no sector no Algarve: 205 por cento até Abril do corrente ano, contra os 74,5 por cento de média no País, os 65,9 por cento do Centro, os 70,1 por cento da região de Lisboa e os 79,9 por cento do Alentejo”.

O aumento do desemprego, "três vezes superior à média nacional, reflecte que a crise nesta região assume proporções preocupantes”. Em termos concretos, esta realidade abrangia, até final de Abril, mais de 3,4 mil trabalhadores", sublinha a Aecops, salientando ainda que, a corroborar esta situação, está a redução da capacidade produtiva utilizada pelas empresas algarvias, que é agora de 61,6 por cento (72,3 por cento em média nacional), da carteira de encomendas (7,3 meses no Algarve e 9,5 meses em termos globais) e das perspectivas futuras de produção (-26,0 e -14,0 por cento, respectivamente no Algarve e em Portugal).

Situação preocupante, e que no meu caso particular explica a quebra de vendas de viaturas novas de alta cilindrada na nossa Região... Noutros anos, a percentagem de negócios efectuados com agentes deste ramo chegava à casa dos 40% a 50%...

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Rock One Portimão confirma a presença de James Morrison, Mia Rose e James

James Morrison, Bloc Party, Mia Rose, James, The Offspring, Fonzie, Ana Free, Pontos Negros, Tara Perdida e Da Weasel são alguns dos grupos que vão marcar presença na primeira edição do Rock One Portimão 09, o novo festival de Verão, que procura introduzir um conceito diferente e único, ao juntar a música ao desporto automóvel.

Durante quatro dias, entre 5 e 8 de Agosto, o paddock do Autódromo Internacional do Algarve, onde são disponibilizados cerca de 80 mil metros quadrados de espaço, transforma-se numa zona de diversão entre o fim da tarde e o nascer do dia. Para além do palco principal, estarão disponíveis inúmeros espaços de animação, uma tenda electrónica com Djs nacionais e internacionais, com música pela noite dentro, uma Zona Fun in the Box, composta por 32 boxes de 160 metros quadrados cada, onde irão funcionar discotecas e bares de todo o país, uma Zona Playstation, que acolherá o Playstation Challenge 09, com prémios diários e um grande prémio final, informou Carlos Machado, da organização do Rock One, na conferência de imprensa de apresentação do certame. Outro espaço que se poderá encontrar no Festival será a Blue Planet Inn, uma área de exposição temática dedicada à escassez de água.

No recinto, haverá ainda actividades ligadas ao desporto automóvel, que vão desde os tradicionais test drives ao táxi drive, ou seja, a possibilidade de o público percorrer voltas ao circuito do autódromo num carro conduzido por um piloto profissional de competição.

A organização vai escolher 10 pessoas, com idades entre os 16 e 36 anos, para terem «O Verdadeiro Melhor Emprego do Mundo», ao serem relações públicas do evento a troco de uma choruda remuneração, hotel de cinco estrelas e carro topo de gama à disposição, devendo os candidatos ao lugar inscrever-se no site oficial do Rock One. No recinto haverá, também, uma área de mil metros quadrados destinada às crianças, podendo uma família deixar os seus filhos naquele local e divertir-se no Festival.

«Este Festival só se podia realizar em Portimão, a cidade que mais tem investido em promoção para atrair turistas e eventos», afirmou Manuel da Luz na apresentação do Rock One, na segunda-feira. O presidente da Câmara realçou a internacionalização que pretende para Portimão, que passa também pela realização deste tipo de eventos, considerando que «não nos interessa a efemeridade dos eventos, queremos que eles perdurem no tempo, para que as pessoas voltem sempre».

Durante a apresentação do evento à comunicação social do Algarve, num restaurante da cidade de Portimão, Carlos Machado aproveitou para anunciar que a organização tinha estabelecido um protocolo com o Portimonense, que prevê a entrega ao clube de um euro por cada bilhete vendido. Outro dado adiantado pela organização diz respeito ao material utilizado na área reservada às crianças que, no final do evento, será doado a instituições do concelho.

Os bilhetes para o Rock One Portimão 09 custam entre 50 euros, para uma pessoa e um só dia, ou 80 euros para os quatro dias, havendo outros preços para zonas especificas do recinto, tais como a Rock One Vip Tower, para duas pessoas, com inúmeras mordomias. A organização anunciou que espera ter diariamente no recinto a visita de 50 mil pessoas.
In Barlavento Online por Hélder Nunes


A falta de humildade que ultimamente têm caracterizado a postura de Manuel da Luz, presidente da CM Portimão, vêm mais uma vez à tona com afirmação que registamos a negrito, de que, só Portimão poderia ser palco dum evento desta natureza na região algarvia... A verdade, é que este festival têm grandes probabilidades de ser um fiasco, dada a sobreposição total de datas com o Sudoeste TMN, festival que se realiza a pouco menos de 80 kms de distância com um cartaz muito mais diversificado e rico, com um traçado cravado à largos anos e perfeitamente implantado numa herdade alentejana perto do mar e das praias.

Também a questão monetária parece pender a favor do festival alentejano, parecendo a esta distância e com o actual cartaz confirmado para o Rock One, anedótica a previsão de 50 mil pessoas diárias no recinto do Autódromo do Algarve, quando nem o Sudoeste TMN, Optimus Alive ou Super Bock Super Rock atingem essa fasquia diária, mesmo que nos dois últimos casos estejam inseridos em regiões com uma densidade populacional muito maior. Dos nomes para já confirmados para o Rock One, apenas os Bloc Party nos parecem um nome fortíssimo, bem como James Morrison, mas noutra vertente, contrastando com os decadentes Offspring ou James, e com os repetitivos DaWeasel, Tara Perdida ou Fonzie, tantas vezes vistos pelo Algarve nas semanas académicas da nossa vida... Apenas poderá jogar a favor a questão da componente da animação no recinto, aproveitando as potencialidades da pista do autódromo bem como do torneio Play Station.

Notas finais para a excelente iniciativa, em conjunto com o clube maior do concelho portimonense, ajudando assim o emblema local a enfrentar doutra forma a crise e planear duma forma mais segura a sua época na Liga Vitalis. E se o Moto Clube de Faro fizesse o mesmo na Concentração Motard, revertendo um mísero Euro de cada inscrição a favor do SCFarense?

Por outro, nota para a ideia de Manuel da Luz, em taxar as visitas de turistas ao seu Concelho... Será que põe em prática já neste festival???

Futuro do S. Luís em análise esta quinta-feira

Os sócios do Farense vão decidir esta quinta-feira à noite, em assembleia geral, o próximo passo a dar em relação ao Estádio de São Luís.

"A comissão de venda, mandatada pelos sócios em 2006 para fazer a venda exclusivamente sob concurso, vai fazer um historial do processo e depois a direcção tomará posição", disse à agência Lusa o presidente do clube, Gomes Ferreira.

Questionado sobre se a direcção pedirá aos sócios um mandato para a comissão de venda vender em negociação directa, o dirigente, também membro da comissão de venda, não confirmou esse cenário, acrescentando, contudo, que existe uma empresa "interessada" nos terrenos.
Os dois concursos de venda do recinto revelaram-se infrutíferos apesar de, no segundo, a comissão ter conseguido quadruplicar, para mais de 20 mil metros quadrados, a área destinada a comércio, colocando como base de licitação a verba de 15 milhões de euros.


Nesta segunda fase, a empresa The Edge Group mostrou-se interessada mas apresentou uma proposta de cinco milhões de euros, liminarmente recusada pela comissão de venda.

A referida empresa já se manifestou interessada em seguir para tribunal, por entender que tem base legal para comprar o recinto por aquela verba, mas Gomes Ferreira não se mostra preocupado."A comissão de venda está perfeitamente descansada em relação a esse assunto. Pensamos que não vai levar a qualquer desfecho negativo para o Farense" assegurou.

A venda do Estádio de São Luís é ponto essencial para a assinatura da acta final do Procedimento Extra-judicial de Conciliação (PEC), para que o emblema possa pagar as suas dívidas, estimadas em 11 milhões de euros, de forma faseada.

Também o futuro desportivo do Farense - que assegurou a manutenção na III Divisão Nacional - está dependente das decisões que possam sair da reunião magna de quinta-feira, agendada para as 20h30 horas.

"Neste momento, está tudo em aberto e dependente do que acontecer na assembleia geral", afirmou à agência Lusa o principal mecenas do futebol sénior nos últimos anos, o empresário Aníbal Guerreiro, que também dirige a comissão de venda do Estádio de São Luís.
In Observatório do Algarve com Agência Lusa

terça-feira, 16 de junho de 2009

Vem conhecer a Mata do Pontal este sábado

Porque também eu, não raras vezes visito este magnífico espaço do nosso Concelho para praticar desporto, junto a minha voz e apoio a este Movimento em Defesa do Pontal, espaço que cada vez é mais cobiçado pelos grandes investidores, para o tornar em mais um resort de luxo da Região. Ao contrário disso, este espaço continua ao abandono pela autarquia farense, ministério do Ambiente e o Parque Nacional da Ria Formosa, que pouco ou nada têm feito para reabilitar a zona e dar mais e melhores condições para os utilizadores. Por entre promessas avulsas da criação dum parque ambiental no local, promessas essas, que se diluem no tempo, como já estamos habituados, juntemo-nos todos no próximo sábado, pelas 9h30 para um passeio pela mata do Pontal, desfrutando assim do ecossistema belo que muitos querem dar outro fim!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Cebolas do nosso Algarve


Que no Entroncamento é usual aconterecem coisas do arco da velha, já todos nós sabemos, mas, uma vez por outra, também no Algarve ocorrem situações invulgares... Olhem só para esta cebola "made in Vale das Almas"...

sábado, 13 de junho de 2009

Cristiano Ronaldo já pensou nisto?


Será que CR7 ou melhor, CR94, já se imaginou no mesmo balneário com Ruud van Nistelrooy... É que neste clima de euforia, ainda ninguém se lembrou a rebuscar memórias de alguns desaguisados entre estes dois meninos em Old Trafford...

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Apolinário afasta cenário de coligação (mas essa pode ser a sua salvação!)

O candidato do PS à Câmara de Faro José Apolinário continua a afastar para já cenários de coligações à esquerda, mas admite que empenhar-se em ouvir os vários sectores de Faro que levantaram um "cartão amarelo" aos socialistas nas últimas eleições europeias.

Em declarações à Agência Lusa, José Apolinário sustenta que, face aos resultados das últimas eleições europeias, está "empenhado em ouvir os sectores em Faro que apresentaram cartão amarelo ao PS"."A nossa orientação continua a ser um projecto único enquanto força política, mas o resultado das europeias no domingo passado veio-nos confrontar com alguns cartões amarelos ao PS quer pela abstenção, quer pelo Bloco de Esquerda", admitiu o socialista Apolinário.

Questionado a reagir à coligação de direita aprovada esta madrugada pelo PSD para a Câmara de Faro, Apolinário comenta que a "grande coligação de direita visa pôr em causa e atacar a matriz de esquerda democrática que a Câmara de Faro tem assumido nestes últimos três anos e meio de mandato"."Continuamos a ser a principal força para afastar da Câmara de Faro a grande coligação de direita", defende José Apolinário, apontando, a título de exemplo, as diferentes políticas defendidas para as escolas e professores entre o PS e o PSD."Eu tenho defendido a autonomia das escolas e da função dos docentes e o PSD quer instrumentalizar a função do docente e municipalizar a função dos professores".

A candidatura de Macário Correia (PSD) à Câmara de Faro nas próximas eleições autárquicas vai coligar-se ao CDS-PP, ao Movimento Partido da Terra (MPT) e ao Partido Monárquico (PM), uma decisão tomada esta madrugada em sede distrital do PSD/Algarve.

Em Abril transacto, o candidato do PS a Faro, José Apolinário, afastava o cenário de coligações, embora frisasse que o projecto socialista fosse aberto à sociedade civil e que era uma "candidatura de Faro"."Em princípio o PS está a preparar-se com um projecto próprio. Não queremos fazer alianças tácticas. Não vale tudo", declarava na altura à Lusa o socialista.
In Barlavento Online


Se dúvidas haviam em relação à impopularidade crescente em torno do PS a nível nacional, tais foram dissipadas no ultimo domingo, em virtude do resultado que se conhece, mas no que toca ao nosso cantinho, com mais razões de preocupação ficou José Apolinário e seus pares, que neste últimos três anos e meio de mandato, pouco mudaram na face da capital algarvia, deixando cair por terra algumas das bandeiras da sua campanha em 2005. Recordo-me logo da maior delas, o famigerado passeio ribeirinho, que passado este tempo, permanece no papel, quer queiramos, quer não...

Se neste últimos anos poucas obras de monta se efectivaram no Concelho, é ver agora o lançamento de Planos de Pormenor (Má Vontade, Estói, Vale da Amoreira), e um sem número de projectos desde o Museu de Arte Contemporânea, passando pelo Centro Unesco, Programa Polis, Variante a Faro, isto falando das que me recordo agora...

É neste contexto que surge agora a candidatura do PSD, encabeçada pelo tavirense Macário Correia, à semelhança de José Apolinário, ex-ministro e não-natural de Faro, mas que em 12 anos de mandatos na cidade do Gilão, teve tempo e espaço para mostrar obra, que lhe é reconhecida, não só na cidade mas em todo o vasto concelho do Sotavento Algarvio.

Agora que Macário acaba de garantir uma coligação à direita, e numa altura em que alguns estudos de opinião lhe parecem dar vantagem nas intenções de voto, surge uma nova nota neste campo... Apolinário parece piscar o olho à Esquerda, com o intuito de perceber a reacção destas forças políticas o que nos parece, nunca será prejudicial para a sua performance, pois no mínimo poderá roubar alguns votos tremidos na posse de CDU ou BE, que virão nesta atitude, um sinal de preocupação pelos problemas das munícipes... Na melhor das hipóteses poder-se-à coligar com uma destas forças, renovando assim as suas forças numa altura em que a balança começa a pender para o homem de Tavira...

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Caras da política...


Realizaram-se no domingo passado as eleições para o Parlamento Europeu, cuja vitória do PSD foi um dos momentos da noite eleitoral, vitória essa alicerçada na pessoa de Paulo Rangel, uma figura emergente nos laranjas, à custa do sua inteligência e poder de comunicação, em contraste com a estrondosa derrota do PS, mas principalmente de José Sócrates, que fora o responsável pela escolha de Vital Moreira e que com ele correu várias localidades do país em campanha, descurando o governo da nação, que já de si não gostava da suas decisões.

Mas para além deste duelo entre os dois maiores partidos, ambos com taxas de votação baixas, sinal duma clara ruptura dos portugueses para com as últimas governações, a grande nota foi a subida do Bloco de Esquerda nas intenções de voto, conseguindo uma fatia de 10,73% do eleitorado, num movimento que têm pouco mais de 10 anos de existência e que situa muito próximo do eterno partido comunista, tendo mesmo o ultrapassado nesta votação...

Como todo este texto politicamente correcto que vos escrevo, dei por mim a relembrar-me de algumas caras bonitas que figuram ou já figuram nas listas do BE, casos de Joana Amaral Dias e agora de Ana Drago e Marisa Matias, como que uma lufada de ar fresco na nossa política, rodeada de homens de rostos fechados, discursos enfadonhos e posturas passivas perante os problemas de Portugal, em contraste com a atitude positiva destas meninas... A questão que coloco é se este facto não poderá também justificar o sucesso do BE, que reconheça-se têm no seu líder a face mais visível duma oposição forte ao Governo. A ver vamos se depois das Legislativas actuará da mesma forma...

Do outro lado, surge outro dos vencedores da noite, ainda que no último lugar dos maiores partidos. A vitória (moral) do CDS, muito por culpa das sondagens que lhe davam mais uma vez 2% a 3% dos votos, mas que se efectivou num resultado de 8,37 % do eleitorado, é tida por algumas figuras de "café", devido à apelativa imagem de Nuno Melo, a que muitos acusam de ter desviado parte do eleitorado feminino, sem descurar a competência política do menino bonito dos Democratas Cristãos...

Novas batalhas se aproximam, e com caras também se faz política, não é Manuela?

quarta-feira, 10 de junho de 2009

O dia de Portugal...

Hoje, que se comemora o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas espalhadas pelo Mundo é dia de reflectir sobre o rumo da nossa nação, independente desde 1143, e impulsionadora na descoberta de novos mundos pelo globo terrestre.

Depois de perdidas as colónias além-mar, e mais tarde de Timor e Macau, Portugal é hoje um país cada vez mais só, mas também mais subjugado aos poderes da UE, que a médio prazo ditarão uma autêntica unificação no velho Continente, convergindo ainda mais a linhas da legislação e comércio por forma poder ultrapassar as crescentes dificuldades económicas e sociais que o planeta atravessa.

A crise internacional está aí, e Portugal, como país super-dependente do mercado internacional, encontra-se hoje muito parecido com a imagem recolhida à uns dias atrás, junto ao aeroporto de Faro... Um país esfarrapado, à procura dum novo rumo para o seu destino...

terça-feira, 9 de junho de 2009

Paes do Amaral quer obrigar Farense a vender

Empresa que fez a proposta exige que o Clube assine contrato de compra e venda pelos 5,5 milhões de euros, alegando ter cumprido com tudo o que estava no contrato. Clube diz que mais vale ir à falência.

A Ixilu, empresa que se propôs comprar o Estádio de São LuíEsta imagem remete-nos para o último jogo disputado para a primeira liga no velho. S. Luís. Para além de desportivamente o futuro ser muito negro, também o palco citadino aguarda outro destino, que não os jogos de futebol...s, em Faro, por 5, 5 milhões de euros – muito abaixo dos 15 milhões pedidos - diz que o Sporting Clube Farense é obrigado a vender àquele preço e já notificou o clube, instando-o a celebrar o contrato de promessa de compra e venda.

A nossa era a única proposta que cumpria com todas as formalidades e requisitos, nomeadamente a minuta de contrato de promessa, forma de pagamento e a junção do comprovativo de pagamento do caderno de encargos”, afirma ao Observatório do Algarve Nuno Pereira da Cruz, director jurídico da empresa Edge Group, à qual a Ixilu pertence e da qual Miguel Paes do Amaral é sócio a 50 por cento.

Apesar de o clube ter estabelecido de início um valor mínimo de 15 milhões de euros para a venda dos terrenos, Nuno Pereira da Cruz garante tratar-se de um preço-base, apenas indicativo e não de um preço mínimo: “Nós entendemos que o anúncio não estabelecia um preço mínimo, mas sim um preço de referência, um preço-base como resulta do anúncio publicado”, afirma.

Não há nada no caderno de encargos que refira que é um preço mínimo e como tal nós oferecemos os 5,5 milhões que nos pareceram um preço justo, tanto mais que o concurso previa a licitação entre as três melhores propostas e isso dava-nos margem para negociar”, diz.

A posição da empresa, que não exclui recorrer aos tribunais, surgiu na sequência da notícia avançada em primeira mão pelo Observatório do Algarve, de que Paes do Amaral tinha sido o primeiro proponente no segundo concurso lançado pelo clube para a venda do Estádio (ver aqui).

Instado a comentar a intenção de obrigar o clube a aceitar os cinco milhões, Carlos Ataíde Ferreira, da Comissão de Venda do Estádio de São Luís, não poupa críticas à empresa: “O preço base é o preço mínimo, se acham que não é vão para tribunal, até agradeço para podermos pedir uma indemnização”, admite.

Mas admira-nos que o grupo Paes do Amaral, que deve ser sério, aja com esta falta de respeito. Lamentamos tamanha falta de ética do senhor e do grupo que representa”, acrescenta, mostrando-se disponível para um debate na praça pública, sobre o assunto.

“Esta comissão quer salvar o Farense, e esse senhor está-se nas tintas para o Farense, para as pessoas e para Faro. Quer é comprar isto pela tuta mijona e ganhar dinheiro”, diz já exaltado, Carlos Ferreira. “Eu não admito que o preço base de 15 milhões possa ser transformado em 5 milhões. Só na República das Bananas! Mais valia ir à falência do que aceitar isso!”, remata.

Instado a esclarecer a regra em casos semelhantes, o presidente do Conselho Distrital da Ordem dos Advogados, António Cabrita, refere que há geralmente em vendas por carta fechada, um valor-base ou valor mínimo mas que apenas em casos onde está expressa a adjudicação à melhor proposta, a entidade vendedora fica obrigada à venda, qualquer que seja o valor.

António Cabrita salienta, no entanto, não ter conhecimento do clausulado deste caso em concreto, pelo que reforça o carácter não vinculativo da sua opinião: “Às vezes há cláusulas dentro de um mesmo contrato que vão umas contra as outras, e já se sabe que quem perde tenta sempre pegar por onde pode, mas não sei se será este o caso”, desabafa.

In Observatório do Algarve por Mário Lino


No primeiro concurso, realizado em meados de Setembro, foi afixado no jornal diário Correio da Manhã um anuncio para venda do estádio S. Luís. Sabendo que este anuncio se referia ao primeiro concurso, mas que na génese, este segundo concurso foi feito nos mesmo moldes, ainda que oferecendo mais vantagens ao comprador, deixo à v/ análise a interpretação da parte final do mesmo... Veja aqui

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Inquérito: Quem foi o melhor jogador do SC Farense na época 2008/2009?

Depois de finalizada uma época algo turbulenta nas hostes farenses, mas que apesar de todas as peripécias redundou num digno terceiro lugar à geral, lançamos agora o repto do leitor poder nomear o jogador mais produtivo do futebol sénior Farense ao longo das 36 jornadas do Campeonato Nacional da Terceira Divisão. Socorrendo-nos do site Futebol do Algarve, estabelecemos como critério para nomeação dos candidatos, o facto de terem jogado mais de metade dos minutos absolutos de todo o campeonato, ou seja, 18 jogos completos, o que perfaz 1620 minutos em campo. Neste contexto, estão nomeados para a eleição os jogadores: Bruno, Barão, Caniggia, Rui Graça, Norberto, Carlos Neves, Zé Nascimento, Hernâni, Della Pasqua, Luís Afonso e Wilson.

Poderão alguns leitores se queixar da ausência de nomes como os de Pintassilgo, Justo ou Gonçalo mas, com muita pena nossa, é este o critério definido e não abriremos excepção, procurando desta forma valorizar aqueles que mais presenças tiveram, unidos em torno do mesmo objectivo. Dignificar a camisola do SC Farense.

Farense suspendeu processo de venda do São Luís

O Sporting Clube Farense já suspendeu o processo de venda do Estádio de São Luís, depois de não ter recebido nenhuma proposta que atingisse o valor mínimo pedido no processo de leilão dos terrenos que o estádio ocupa e os direitos de construção a ele associados, disse ao barlavento.online o presidente do clube Gomes Ferreira.

Ainda «este mês», vai decorrer uma Assembleia-geral extraordinária de sócios, onde será «explicado tudo o que foi feito» na tentativa de vender o imóvel, pela comissão encarregue de o fazer, e debatida uma solução alternativa para a difícil situação financeira do Farense. Apesar deste revés, Gomes Ferreira garante que isto não significa que o Farense vai acabar. «Isto não significa o fim do clube. Há é que arranjar outra solução», disse. Ainda assim avisou que o Farense vai precisar de ajuda. «As forças vivas de Faro têm de se envolver na solução», apelou.

O insucesso da tentativa de vender o estádio acaba por deixar o Farense numa situação complicada, já que se esperava que este negócio permitisse um encaixe financeiro que iria viabilizar o pagamento de todas as dívidas do clube, que são superiores a 10 milhões de euros, bem como ficar com algum fundo de maneio para o futuro. «A situação podia ter ficado já resolvida. Desta forma, o clube continua numa situação periclitante», referiu Gomes Ferreira. Sem a venda do São Luís, não será possível ao clube assinar já a acta final do Processo Extra-judicial de Conciliação, que lhe ia permitir pagar as dívidas aos principais credores fora dos tribunais.

Para o fazer, o Farense terá de encontrar uma forma de pagar as dívidas, que são na sua larga maioria ao Fisco e à Segurança Social, para evitar processos judiciais. Esta questão também será debatida na assembleia, cuja data será anunciada esta segunda-feira.

A suspensão do processo acontece menos de um mês depois de a Câmara de Faro ter anunciado o licenciamento de uma nova grande superfície no Vale da Amoreira. Gomes Ferreira não quis comentar o assunto nem relacioná-lo com o insucesso da venda do estádio do Farense. Na primeira vez que tentou vender o Estádio de São Luís, no ano passado, o Farense recebeu apenas uma proposta válida que atingia o valor pretendido pelo clube, que, na altura, era de 14 milhões de euros. Mas o negócio caiu por terra depois da empresa que fez a proposta não ter conseguido apresentar as garantias bancárias exigidas em tempo útil.

Recentemente, a Câmara de Faro decidiu alterar a distribuição dos cerca de 35 mil metros quadrados de área urbanizável no terreno que o São Luís ocupa. A área comercial passou de três para 20 mil metros quadrados, enquanto a componente dedicada a habitação baixou dos 28 para cerca de 24 mil metros quadrados.

No final do período de licitação foram entregues duas propostas, qualquer uma delas «longe do valor pretendido pelo clube». Apesar de terem vindo a públicos valores das ofertas, a rondar os cinco milhões, Gomes Ferreira considerou esse assunto morto, já que o processo foi suspenso e «não vale a pena» falar sobre as propostas inviáveis.
In Barlavento Online por Hugo Rodrigues

sábado, 6 de junho de 2009

Farense termina época goleado e rodeado de indefinições

O Farense sofreu uma pesada derrota esta tarde em Reguengos de Monsaraz frente ao Atlético local por 4 bolas a 1, num jogo em que a desmotivação resultante da falha dos objectivos propostos veio claramente ao de cima. Apesar disso o Farense conseguiu um honroso 3º lugar numa temporada em que os problemas financeiros a partir de certa altura, influíram directa ou indirectamente, nos resultados desportivos.

A primeira parte foi um pesadelo para a equipa de Faro, 3 golos sofridos, 2 "frangos" de Costa, uma grande penalidade desperdiçada por Della Pasqua, e a substituição de Costa após os golos sofridos entrando para o seu lugar o júnior Gomes. Eis o resumo da atípica primeira parte do encontro.

Na segunda parte o Farense entrou melhor em busca do golo que pudesse atenuar a diferença, no entanto foi o Atlético que chegou ao quarto golo da autoria de Ben pouco depois de ter entrado. O Farense apesar de tudo nunca desistiu e conseguiu por Della Pasqua fazer o tento de honra fazendo um chapéu a Rui Panaça. Com o aproximar do final do jogo e do campeonato o Atlético dilatou ainda o marcador nos 5 minutos finais por intermédio de Ben dando ao marcador um resultado ainda mais pesado para a equipa de Faro.

Término de campeonato, hora de refletir não para rever o que correu mal, porque o óbvio aconteceu, subindo as melhores equipas, um ínicio de época desastroso com 3 treinadores comprometeu desde logo grande parte das aspirações que o clube pudesse ter. Após uma recuperação brilhante sob o comando de António Barão, o Farense falhou na hora H. Mas houve muito que fez com que na hora da decisão o Farense falhasse, e grande parte por factores extra-desportivos. Instabilidade técnica e financeira, um futuro incerto para o clube, mais uma tentativa falhada de negociação do São Luís, estes foram os factores que acredito que tenham sido cruciais nos resultados desportivos. Resta dar os parabéns aos promovidos, e pensar em qual será o futuro do farense, futuro que não se augura nada auspicioso.

Camp. Nac. 3ª Divisão, Série F, 10ª Jornada Fase Subida
Estádio Virgilio Durão (Reguengos de Monsaraz)
Assistência:
16 horas, 06/06/2009
Árbitro: David Tomé (Beja)
ATLÉTICO REGUENGOS 6-1 FARENSE

(Golo do Farense por Della Pasqua)

Farense: Costa (Gomes, 35mn); Cannigia, Rui Graça, Carlos Neves, Wilson; Arlindo, Barão, Norberto (Álvaro, 51mn), Justo, Della Pasqua e Bruno. Treinador: António Barão. -> Entrou ainda Ró Ró

Crónica In Blog Leões de Faro por JoãoC

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Macário promete ajudar o Farense (mas pode ser tarde)

In Jornal do Algarve, 04/06/2009, Entrevista a Macário Correia, candidato PSD à CM Faro

Paes do Amaral dava 5 milhões pelo S. Luís

O antigo dono da TVI, Miguel Paes do Amaral, ofereceu 5,5 milhões de euros pelo Estádio de São Luís. Comissão de Venda disse não.

Poderia parecer uma brincadeira, uma vez que o valor estipulado no segundo concurso para os terrenos onde se encontra o Estádio de São Luís era de 15 milhões de euros, mas Paes do Amaral é conhecido por não brincar em serviço, e daí a oferta de perto de um terço do valor pedido em concurso para a venda do Estádio.

Apesar de oficialmente até aqui se ter mantido o silêncio no Sporting Clube Farense, quer sobre o valor das propostas, quer o nome dos investidores, a primeira pista de que Paes do Amaral estava envolvido surgiu logo a 5 de Maio, no dia da abertura das propostas do segundo concurso.


Quebrando inadvertidamente o bloqueio, um administrativo do clube revelou a vários jornalistas presentes que a empresa que apresentara uma proposta era a The Edge Group. O grupo tem por missão “conceber, promover, gerir e comercializar projectos e activos imobiliários, tendo por objectivo a criação de valor e a satisfação do cliente”, refere a empresa no seu site.

A empresa é liderada por Luís Pinto Basto, mas detida em 50 por cento por Miguel Paes do Amaral, através da sua holding Quifel SGPS.

Fonte ligada às negociações confirmou ao Observatório do Algarve que o valor oferecido pela empresa Edge Group para a aquisição do Estádio era de 5,5 milhões de euros, muito abaixo dos 15 milhões de euros pedidos pela Comissão de Venda.

Confrontado com a situação, Aníbal Guerreiro, presidente da Comissão de Venda, garantiu não ter nenhuma proposta formal em nome do grupo Edge Group, mas sim de uma outra empresa denominada "Ixilu, compra e venda de imóveis, Lda", com sede em Lisboa. “Só que o valor era tão baixo que nem dava como ponto de partida para negociarmos”, refere Aníbal Guerreiro.
O presidente da Comissão de Venda reconheceu aliás ao OdA no final da semana passada que o processo tinha voltado à ‘estaca zero’ após a desistência do segundo potencial negociador, que acabou por recuar (ver aqui).

Por outro lado, o presidente do Clube e membro da Comissão de Venda do Estádio, Gomes Ferreira, afirmou no mesmo dia, também em declarações ao OdA, existir uma terceira empresa interessada, fora do âmbito do concurso.
"Já não há concurso. Esta semana fomos contactados por uma outra empresa e estamos em conversações", sublinhava, adiantando que, como não estão mandatados para negociar sem concurso, "a proposta que for apresentada por esta terceira empresa será discutida em Assembleia Geral".

Contactado posteriomente, Aníbal Guerreiro disse desconhecer a existência de quaisquer outras propostas: “Se o Dr Gomes Ferreira diz que há uma terceira empresa, ele que diga qual é. Por mim está fechado, não há interessados. Não quer dizer que de hoje para amanhã não surjam novas propostas”, diz.

No caso do segundo ‘pseudo-concorrente’ (uma vez que não foi formalizada uma proposta) o problema seria não tanto o dinheiro, mas mais os lotes em causa. É que a empresa queria ficar com a posse dos terrenos junto ao Fórum Algarve, que o Farense já alienou à Galp, para plantar uma bomba de gasolina (processo que aliás corre no Supremo Tribunal de Justiça, dado que o posto é contestado pelos moradores da zona).
De recordar que este foi já o segundo concurso para a venda do Estádio de São Luís a ficar vazio. No primeiro concurso, em Setembro, foram afastadas duas propostas por não cumprirem os requisitos da comissão.
In Observatório do Algarve por Mário Lino

Afinal os boatos eram verdade...

quarta-feira, 3 de junho de 2009

‘Noites Árabes’ invadem Jardim Manuel Bívar

Se Afonso III soubesse desta festa...Faro: Quatro noites com música, dança, artesanato e gastronomia


Os árabes ‘regressam’ ao Algarve e vão invadir o Jardim Manuel Bívar, em Faro. A ‘invasão’, no entanto, é pacífica e em festa. E até incluem um casamento com duas caras conhecidas.As ‘Noites Árabes’ decorrem entre 10 e 13 de Junho. No jardim serão colocadas diversas tendas com bijutarias, jóias, danças, véus, música, gastronomia e artesanato arábico.

Está também prevista música, dança, a presença de encantadores de serpentes, tatuadores (de henna) e ainda especialistas em caligrafia árabe.

Logo na primeira noite, a 10, Mónica e Rubim renovam, publicamente, os votos de casamento, numa cerimónia de acordo com os rituais da tradição árabe, que se inicia às 23h00. O casal trocará duas jóias, criadas por Gil de Sousa.

A música está a cargo do grupo Arabesk Troupe e, no final, Rubim oferece a Mónica uma canção de amor, interpretada pelo ex-D’ZRT Edmundo.

Nos dias que se seguem continuará a animação sempre dedicada à cultura árabe, num cenário típico das 1001 noites. A organização, no entanto, que está a cargo da Maya Eventos (numa equipa constituída por Maya, Bárbara Taborda e Duarte Siopa) ainda não divulgou os grupos que vão participar na iniciativa.

O que prometem é um cenário das 1001 noites que vai trazer a Faro um ‘cheirinho’ da cultura arábica.
In Correio da Manhã por João Mira Godinho


Esta notícia já foi alvo de dezenas de comentários no blog A Defesa de Faro, e apesar de considerar esta matéria uma situação pouco relevante do ponto de vista informativo, fiz uma análise mais profunda que me levou a escrever esta dissertação...

Na minha opinião, apesar de discordar da forma como este evento é organizado, felicito a CMF pela iniciativa, pois ao menos coloque Faro no mapa dos eventos de projecção mediática a nível nacional, numa época em que muitos se dirigirão ao Algarve para umas merecidas mini-férias.

Contudo, isso não me faz esquecer que o sentido crítico e tecer algumas considerações sobre a forma como tudo é organizado na nossa cidade. Reconheço que têm havido um esforço da CMF nos últimos 2/3 anos em projectar alguns eventos na capital algarvia, sempre limitados por algumas contingências de ordem financeira, mas a verdade é que a sensação que vai ficando no ar é que tudo organizado ao sabor do vento e neste caso concreto, anunciado com poucos dias de antecedência.

Dúvido que este evento, da forma que foi organizado origine significativas mais valias, pois se o objectivo é encher literalmente a baixa farense, a mesma será ocupada por locais e pessoas das zonas limítrofes, não conseguindo captar turistas numa fase, em que tudo foi despoletado tão perto da data do evento. Devia ter havido o cuidado de tudo se ter programado com antecedência e com muito impacto por forma a "obrigar" o público a reconhecer a importância desta iniciativa para a economia local.
E porque é de economia local que falamos, curioso será saber quais os estabelecimentos da baixa farense que estarão abertos nessas quatro noites, à imagem do que acontece em Loulé nas famosas Noites Brancas, onde o comércio local se associa duma forma massiva durante essas noites de festa.

Não vou discutir a qualidade do evento nem a competência da taróloga Maya nessa matéria, nem sequer as personalidades convidadas para o evento, até porque neste pobre país, muito funciona à base dos nomes envolvidos e não da qualidade que se reconhece nas organizações, apenas crítico a forma avulsa como as coisas são organizadas em Faro. Tirando o FolkFaro e Festa da Ria Formosa, que até poderiam ter uma maior projecção, a CMF ainda não conseguiu criar um evento de massas virado para a vertente turística que seja conotado imediatamente com a cidade de Faro, à semelhança do que acontece por exemplo com o Festival MED ou as Noites Brancas em Loulé, no qual, a título de exemplo, meses antes em conversas de café, já as pessoas falam com nostalgia e ansiedade por novas edições, fomentando o culto da imagem da cidade, que poderia ser assim criada se houvesse uma linha orientadora para esta matéria, independentente das figuras que estivessem no poder da autarquia farense.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Figo... O melhor do mundo

Porque o fiz com João V. Pinto, não podia também ignorar o adeus ao futebol de mais alto nível, de Luís Figo, na minha opinião o melhor jogador português pós-Eusébio... Por muito que me tentem mudar opinião, considero Luís Figo um grande exemplo do que um jogador de futebol têm que ser em campo, mistificando o autêntico líder e exemplo de maturidade no balneário, claro sem esquecer os atributos técnicos, físicos e psicológicos que o tornaram no melhor jogador do mundo pela FIFA em 2001... Os fãs de Cristiano Ronaldo que me desculpem, mas nesses campos o menino prodígio do Man. U terá ainda muito que aprender e quaisquer comparações que queiram fazer são desnecessárias e fora de tempo. Nunca me esquecerei duma quarta feira do mês de Junho em que o golo de Luís Figo, frente à Inglaterra no Euro'2000, foi a alavanca para uma vitória histórica por 3-2 depois dum score inicial de 0-2. São esses momentos mágicos que ficam perdurarão nas nossas mentes até à morte e Figo coleccionou muitos ao longo da sua recheada carreira. Obrigado Figo!

P.S. - Nesta montagem, até o Estádio São Luís não foi esquecido! Vejam com atenção!

Está tudo louco?

Ao ler esta notícia fico com a nítida sensação que cada vez percebo menos de futebol... Guardiola lá terá as suas razões, mas dispensar um activo como Samuel Eto'o, mesmo que na próxima época se arrisque a ser suplente de Zlatan Ibrahimovic, parece-me a todos os títulos questionável, para não dizer um erro... Além do mais, foi ele que abriu o caminho da última vitória europeia do Barça... Não que só isso lhe garanta o lugar, mas porque foi só uma das pontas do triângulo mais goleador do campeonato espanhol de todos os tempo, juntamente com Lionel Messi e Thiery Henry.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Europe» confirmados na Concentração Motard de Faro

A banda «Europe» é o nome mais sonante do cartaz da 28ª edição da Concentração Internacional de Motos do Motoclube de Faro, que irá decorrer entre os dias 16 e 19 de Julho, no Vale das Almas, no Pontal.

A concentração motard é a maior em Portugal e a maior da Europa que não está associada a um evento desportivo e espera-se que junte cerca de 25 mil motos na capital algarvia.Este é, pelo menos, o desejo do presidente do Motoclube de Faro José Amaro. «Esperamos ter pelo menos tantas pessoas como no ano passado. O número de motas inscritas, em 2008, andou perto das 25 mil», revelou ao «barlavento». Na prática, o número de pessoas presentes é bem superior, mas uma vez que a concentração é de motos, é o número de máquinas inscritas que conta.

No fim-de-semana mais animado do ano, na capital algarvia, os visitantes e os locais contam com muitos concertos e actividades, para ajudar a fazer a festa. Este ano, o cartaz está bastante equilibrado no que diz respeito a bandas portuguesas e estrangeiras.Quanto a bandas lusas, destaque para David Fonseca e Tara Perdida, que actuarão na sexta e no sábado. Os grupos San Dominic e Goodspell são as outras formações portuguesas que marcarão presença.

Para os grupos vindos de fora, destaque para os Europe, banda que esteve no topo no final dos anos 80, início dos anos 90, conhecidos pelo sucesso «The Final Countdown», entre outros. Os músicos suecos protagonizam o concerto principal de sábado. Também marcarão presença os italianos Children Dammed, uma banda de tributo aos Iron Maiden, que serão o cabeça-de-cartaz na quinta-feira. Os espanhóis Hora Zulu e Loquillo, estes últimos cabeça-de-cartaz na sexta-feira, bem como os suecos Fatal Smile são as outras bandas estrangeiras que marcarão presença.

Além dos concertos, haverá muitos eventos paralelos, que permitirão aos visitantes passar o tempo, dentro do recinto e fora dele. Uma das iniciativas que mais tem crescido, ao longo de mais de um quarto de século de história da concentração, é o Bike Show, que no ano passado até contou para uma competição internacional de construtores de motos.

Apesar de a filosofia se manter fiel ao que sempre foi, há uma mudança garantida na Concentração de 2009. O Motoclube de Faro deixou de poder contar com um dos terrenos que antes utilizava para realizar a concentração, o que obrigará a algumas adaptações.«Perdemos um dos terrenos, aquele que fica do lado direito [de quem vem do Aeroporto em direcção às Gambelas]. Mas abrimos uma área nova por detrás do palco», revelou. Assim, o acolhimento aos visitantes passa a ser feito nesse outro terreno, para onde passa igualmente toda a parte logística.O espaço em causa pertencia à Diocese do Algarve, que o vendeu a um particular no ano passado. Este era o terreno que há mais tempo era utilizado pelo Motoclube para realizar a concentração e servia mesmo para guardar algum material de um ano para o outro.

Apesar de ter perdido este terreno para a realização da concentração e para facilitar a logística de organizar um evento desta dimensão, o Motoclube de Faro está bem perto de ganhar uma nova sede. O processo já está em curso e José Amaro espera que «no inicio do ano que vem», o edifício, que está a ser construído junto ao posto de combustível existente na Avenida Cidade de Hayward, na saída de Faro para Olhão, esteja concluído.«Tudo depende de como correr a concentração este ano. Caso corra bem, poderá ajudar a que seja mais rápido. Mas vai-se construindo, até que esteja pronta», revelou José Amaro, tranquilo.
In Barlavento Online por Hugo Rodrigues

Já só falta mês e meio para o maior evento que ocorre no Al(l)garve ter efeito... Quer queiram, quer não, e apesar de muitos não desejarem a continuação deste evento nos moldes em que conhecemos, mais um ano se passa e José Amaro e seus pares, estão com a máquina toda oleada para erguer mais uma grande concentração internacional motard em Faro. Assim continuem!

Licenciamento em marcha

A Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aprovou, sábado, na generalidade o Manual de Licenciamento de Clubes, um regulamento que se pretende que entre em vigor na II Divisão Nacional na época 2010/2011.

A proposta apresentada pela Direcção da FPF, aprovada com a unanimidade dos sócios ordinários do organismo depois de uma reunião de pouco mais de hora e meia de duração, vai agora ser discutida na especialidade.

"Os clubes têm que respeitar o regulamento e de saber como se rege em termos de infra-estruturas, em termos de condições logísticas e financeiras para poderem participar em competições, mesmo nas competições não profissionais. Por isso, fiquei satisfeito por esta aprovação na generalidade", afirmou o Presidente da FPF, Gilberto Madaíl.

Quando entrar em vigor, o Manual de Licenciamento preconiza que apenas possam competir nos campeonatos da II e III divisões os clubes que provem a inexistência de dívidas a jogadores e técnicos e as decorrentes das transferências de futebolistas.

O regulamento define critérios imperativos, em que a licença para participar na competição em que se inscrevam não será atribuída aos clubes em incumprimento, obrigados a apresentarem um programa de desenvolvimento de futebol jovem aprovado e um terreno de jogo relvado ou dotado de um relvado sintético certificado com as normas da FIFA (100/64 mt.).

Estabelece também critérios obrigatórios, podendo os clubes ser sancionados sem serem excluídos, e ainda regras aconselháveis, para as quais não existe obrigatoriedade de cumprimento.