quarta-feira, 17 de junho de 2009

Rock One Portimão confirma a presença de James Morrison, Mia Rose e James

James Morrison, Bloc Party, Mia Rose, James, The Offspring, Fonzie, Ana Free, Pontos Negros, Tara Perdida e Da Weasel são alguns dos grupos que vão marcar presença na primeira edição do Rock One Portimão 09, o novo festival de Verão, que procura introduzir um conceito diferente e único, ao juntar a música ao desporto automóvel.

Durante quatro dias, entre 5 e 8 de Agosto, o paddock do Autódromo Internacional do Algarve, onde são disponibilizados cerca de 80 mil metros quadrados de espaço, transforma-se numa zona de diversão entre o fim da tarde e o nascer do dia. Para além do palco principal, estarão disponíveis inúmeros espaços de animação, uma tenda electrónica com Djs nacionais e internacionais, com música pela noite dentro, uma Zona Fun in the Box, composta por 32 boxes de 160 metros quadrados cada, onde irão funcionar discotecas e bares de todo o país, uma Zona Playstation, que acolherá o Playstation Challenge 09, com prémios diários e um grande prémio final, informou Carlos Machado, da organização do Rock One, na conferência de imprensa de apresentação do certame. Outro espaço que se poderá encontrar no Festival será a Blue Planet Inn, uma área de exposição temática dedicada à escassez de água.

No recinto, haverá ainda actividades ligadas ao desporto automóvel, que vão desde os tradicionais test drives ao táxi drive, ou seja, a possibilidade de o público percorrer voltas ao circuito do autódromo num carro conduzido por um piloto profissional de competição.

A organização vai escolher 10 pessoas, com idades entre os 16 e 36 anos, para terem «O Verdadeiro Melhor Emprego do Mundo», ao serem relações públicas do evento a troco de uma choruda remuneração, hotel de cinco estrelas e carro topo de gama à disposição, devendo os candidatos ao lugar inscrever-se no site oficial do Rock One. No recinto haverá, também, uma área de mil metros quadrados destinada às crianças, podendo uma família deixar os seus filhos naquele local e divertir-se no Festival.

«Este Festival só se podia realizar em Portimão, a cidade que mais tem investido em promoção para atrair turistas e eventos», afirmou Manuel da Luz na apresentação do Rock One, na segunda-feira. O presidente da Câmara realçou a internacionalização que pretende para Portimão, que passa também pela realização deste tipo de eventos, considerando que «não nos interessa a efemeridade dos eventos, queremos que eles perdurem no tempo, para que as pessoas voltem sempre».

Durante a apresentação do evento à comunicação social do Algarve, num restaurante da cidade de Portimão, Carlos Machado aproveitou para anunciar que a organização tinha estabelecido um protocolo com o Portimonense, que prevê a entrega ao clube de um euro por cada bilhete vendido. Outro dado adiantado pela organização diz respeito ao material utilizado na área reservada às crianças que, no final do evento, será doado a instituições do concelho.

Os bilhetes para o Rock One Portimão 09 custam entre 50 euros, para uma pessoa e um só dia, ou 80 euros para os quatro dias, havendo outros preços para zonas especificas do recinto, tais como a Rock One Vip Tower, para duas pessoas, com inúmeras mordomias. A organização anunciou que espera ter diariamente no recinto a visita de 50 mil pessoas.
In Barlavento Online por Hélder Nunes


A falta de humildade que ultimamente têm caracterizado a postura de Manuel da Luz, presidente da CM Portimão, vêm mais uma vez à tona com afirmação que registamos a negrito, de que, só Portimão poderia ser palco dum evento desta natureza na região algarvia... A verdade, é que este festival têm grandes probabilidades de ser um fiasco, dada a sobreposição total de datas com o Sudoeste TMN, festival que se realiza a pouco menos de 80 kms de distância com um cartaz muito mais diversificado e rico, com um traçado cravado à largos anos e perfeitamente implantado numa herdade alentejana perto do mar e das praias.

Também a questão monetária parece pender a favor do festival alentejano, parecendo a esta distância e com o actual cartaz confirmado para o Rock One, anedótica a previsão de 50 mil pessoas diárias no recinto do Autódromo do Algarve, quando nem o Sudoeste TMN, Optimus Alive ou Super Bock Super Rock atingem essa fasquia diária, mesmo que nos dois últimos casos estejam inseridos em regiões com uma densidade populacional muito maior. Dos nomes para já confirmados para o Rock One, apenas os Bloc Party nos parecem um nome fortíssimo, bem como James Morrison, mas noutra vertente, contrastando com os decadentes Offspring ou James, e com os repetitivos DaWeasel, Tara Perdida ou Fonzie, tantas vezes vistos pelo Algarve nas semanas académicas da nossa vida... Apenas poderá jogar a favor a questão da componente da animação no recinto, aproveitando as potencialidades da pista do autódromo bem como do torneio Play Station.

Notas finais para a excelente iniciativa, em conjunto com o clube maior do concelho portimonense, ajudando assim o emblema local a enfrentar doutra forma a crise e planear duma forma mais segura a sua época na Liga Vitalis. E se o Moto Clube de Faro fizesse o mesmo na Concentração Motard, revertendo um mísero Euro de cada inscrição a favor do SCFarense?

Por outro, nota para a ideia de Manuel da Luz, em taxar as visitas de turistas ao seu Concelho... Será que põe em prática já neste festival???

8 comentários:

Anónimo disse...

Meu caro SamM

Vai desculpar-me mas se o homem de Portimão tem falta de humildade ou se aquele evento vai ser um fiasco, para mim não me interessa, simplesmente vejo uma cidade a crescer de dia para dia, "puxando" eventos e mais eventos para lá e nós,nesta terriola, não passamos da cepa torta, só conseguimos ombrear com portimão no próximo evento que se avizinha que é a concentração de motos...

FILHE DE FARE

Anónimo disse...

Não sei se o Moto Clube de Faro já alguma vez apoiou monetariamente o Farense, embora o tenha feito noutras ocasiões no aspecto desportivo (estou-me a lembrar da final da taça e acompanhamento noutros jogos).
De qualquer modo, 1 ou 2 euros por cabeça presente na concentração, sempre seria um bom apoio de algumas dezenas de milhares de euros, que eu sugeria que fossem aplicados para pagamento de ordenados aos dedicados funcionários do clube, que têm a haver vários vencimentos.
O Farense é uma Instituição de Utilidade Pública e o Moto Clube, também vai sê-lo em breve.
Solidariedade entre instituições é um gesto digno.
Amigo SamM, confesso que também já tinha pensado neste assunto, pelo que fico grato que tenha tido o mesmo pensamento e o tenha exposto em primeira mão.
Fica a sugestão para que possa ser levada à prática, tanto mais que eu sei que os motards são solidários.

F. Neves

SamM disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SamM disse...

Caros amigos,

Não quero com este "bitaite" por foice em seara alheia no que toca ao Moto Clube Faro. Eles mandam (e bem) na casa deles, e quem sou eu para lhes impor esta ideia, mas um "negócio" deste género penso que seria fácil de se implementar, até porque nestes grandes eventos o espírito dos participantes está mais aberto para o consumo.
Bastava fazer por exemplo um grande concurso de rifas para oferta duma mota e assim nem se prejudicaria o MCF, que também deve ter o seu orçamento muito limitado, em virtude da construção da sua nova sede social. Cabe à direcção do Farense se envolver nestes projectos e assim arranjar soluções para os problemas imediatos do Clube.

Quanto à questão de Portimão, concordo com o "Filhe de Fare" na sua globalidade, pois a nossa querida cidade têm que inverter urgentemente o seu rumo, fomentando o investimento privado de forma harmoniosa, negociando positivamente contrapartidas e procurando criar uma imagem positiva da cidade, do ponto de vista turistico, investindo numa estratégia sustentada e sistemática da de promoção da cidade com eventos que acrescentem verdadeiramente mais valias económicas ao Concelho. Dúvido que, apesar de todo o conjunto de eventos por lá organizados, tudo seja feito da forma acima enumerada e sinal disso é a vida a meio gás da cidade portimonense nos meses de Outono Inverno e parte da Primavera, sinal de que muitas das obras e investimentos que tornam maior a cidade, não são sinal dum desenvolvimento sustentado.

Quanto às ilacções sobre o evento Rock One, é apenas a minha leitura do que me é apresentado e em Agosto faremos as contas sobre isso...

Fernando disse...

SamM: Decadentes? Os James? Nem os Offspring o serão, quanto mais os James que no ano passado levaram 25.000 pessoas ao fim do Mundo. Duas vezes: Crato e Águeda - não são o fim do Mundo, é claro, mas quando uma banda dá concertos em sítios onde não é costume haver espectáculos de grandes nomes internacionais, e ainda assim sobrelota o recinto, é porque não está propriamente decadente, acho. Ou então as 50.000 pessoas que assistiram aos 2 espectáculos são também decadentes.
Ou isso, ou o caro SamM devia ser um pouco mais isento nestas reportagens. Digo eu, não sei...

SamM disse...

Fernando, assumo as palavras que escrevi... Reconheço qualidade naqueles dois grupos, e mesmo que me peça isenção relativamente às citações, no caso dos Offspring sou insuspeito para falar... Desde o começo que acompanho a carreira deles, mas concordará comigo que nenhum dos dois está nos topos de air play das rádios nem nos tops de vendas, nos tempos que correm... Se isto não é sinal de decadência, então o que será?

Anónimo disse...

la porque nao estao nos tops da mtv nao significa que sejam decadentes, muito pelo contrario os melhores albuns deles sao os antigos, quando eles nao criam saber de publicidade pra nada

SamM disse...

Quem falou nos tops da MTV foi o amigo... Eu falei em tops de vendas e de air play na rádio... Não misture as coisas e volte a dar...