quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Comissão de utentes da Via Infante apela a buzinão na EN-125



A comissão de utentes da Via Infante apelou aos algarvios para que se desloquem à Estrada Nacional 125 (EN-125) entre as 17h00 e as 19h30 do próximo dia 08 e acionem um buzinão de protesto contra as portagens.


O Governo aprovou recentemente uma resolução que fixa a cobrança de portagens nas autoestradas sem custos para o utilizador (SCUT) no Interior Norte, na Beira Interior, Litoral e Alta e no Algarve, conhecida como a Via do Infante, até 15 de abril de 2011.

Em conferência de imprensa, o grupo de cidadãos algarvios anunciou que vai aderir ao protesto de luta nacional para tentar travar as portagens nas SCUT e que a forma de luta delineada passa pelo apelo aos automobilistas para convergirem para a EN-125 com um buzinão no dia 08.

"Vamos participar no protesto nacional e o que propomos às pessoas é que confluam para a EN-125 com um grande buzinão" ou que "façam o buzinão nos acessos às cidades", declarou João Vasconcelos, elemento da comissão de utentes da Via Infante (A22), adiantando que o ponto de circulação do protesto vai ser entre Boliqueime e Alcantarilha.

Segundo as contas da comissão de utentes da Via Infante (A22), uma viagem entre Faro e Portimão vai custar cerca de 10 euros. "Por semana, o utente vai gastar 50 euros e, ao final do mês, são 200 euros", argumentou João Vasconcelos, acrescentando que a Via do Infante nem sequer reúne as características para ser uma autoestrada e ser portajada.

A comissão de utentes da Via Infante acredita que as medidas de austeridade anunciadas na quarta feira pelo Governo, nomeadamente a subida do IVA e cortes nos salários dos funcionários públicos, vai ainda dar mais força à luta contra as portagens.

A comissão de utentes da Via Infante foi criada este mês no Algarve e pretende ser heterogénea e o mais alargada possível a toda a sociedade, desde que o "objetivo seja lutar contra as portagens no Algarve, porque é uma decisão injusta", explicou João Vasconcelos.

As comissões de utentes das SCUT estão a preparar uma manifestação de protesto a nível nacional para a primeira semana de outubro, mês em que uma resolução do Governo impõe o início do pagamento de portagens nas SCUT do Norte.


In Observatório do Algarve

Diz que é uma montagem... Mas e se fosse verdade?


quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Futebol: Algarve recebe fase de apuramento para o Europeu de sub-19


Os estádios algarvios vão receber, entre 11 e 16 de Outubro, um dos grupos da primeira fase de apuramento para o Europeu de sub-19 de 2011, que se realizará na Roménia, com Portugal e mais três nações europeias.

A «equipa das quinas» estreia-se a 11 de outubro, frente ao Azerbaijão, no Estádio Municipal da Bela Vista, no Parchal, jogando dois dias depois com a Geórgia, no Estádio da Nora, em Ferreiras.

O Estádio Algarve será o palco do último encontro de Portugal nesta fase, frente à Grécia, no dia 16 de outubro.

Os 18 jogadores convocados pelo técnico Hélio Sousa concentram-se na sexta feira numa unidade hoteleira em Queijas, treinando até 7 de outubro no Estádio Nacional, antes de viajarem para o Algarve.

O Sporting é a equipa mais representada na convocatória do seleccionador, com seis jogadores, destacando-se a presença do algarvio Fábio Nunes, actualmente no FC Porto.

Lista de 18 convocados: guarda-redes – Tiago Maia (FC Porto) e Luís Ribeiro (Sporting); defesas: Ricardo Ferreira (FC Porto), David Bruno (FC Porto), Luís Martins (Benfica), Ricardo Esgaio (Sporting), Josué (Vitória Guimarães), Paulo Oliveira (Vitória Guimarães) e João Amorim (Vitória Guimarães); médios: Rúben Pinto (Benfica), Luís Gustavo (FC Barcelona/Esp), Agostinho Cá (Sporting), William Carvalho (Sporting) e Tiago Rodrigues (Vitória Guimarães); avançados: Filipe Barros (FC Porto), Fábio Nunes (FC Porto), Betinho (Sporting) e Bruma (Sporting).

In Região-Sul

Via do Infante: Comissão de utentes adere a protesto nacional


A Comissão de utentes da Via Infante (A22) vai aderir ao protesto de luta nacional para tentar travar as portagens nas autoestradas Sem Custos para o Utilizador (SCUT).

As comissões de utentes das SCUT estão a preparar uma manifestação de protesto a nível nacional para a primeira semana de outubro, mês em que uma resolução do Governo impõe o início do pagamento de portagens nas SCUT do Norte.

A Comissão de utentes da Via Infante (A22), criada este mês no Algarve, decidiu juntar-se às restantes comissões para participar também numa jornada de luta contra o pagamento de portagens e uma das formas de luta pode passar "buzinão", disse à Lusa João Vasconcelos, um dos mentores do grupo e coordenador do Bloco de Esquerda no Algarve.

"Cada comissão tem liberdade para decidir as formas de luta e o calendário e aqui no Algarve pode passar pelo buzinão a uma determinada hora ou por uma marcha lenta na Estrada Nacional 125", adiantou.

A Comissão de utentes da Via Infante vai realizar uma conferência de imprensa quinta-feira em Faro, às 18:00, para anunciar as formas de luta que vão ser postas em prática no dia da manifestação nacional.

Mais de 12 mil pessoas registaram-se, nos últimos dias, na rede social Facebook, num grupo denominado "Não queremos portagens na A22 Via do Infante".

O grupo "Não queremos portagens na A22 Via do Infante" tinha hoje 12 232 membros inscritos, nomeadamente o presidente da Câmara de Tavira, Jorge Botelho (PS), presidente da Associação Académica da Universidade do Algarve, Guilherme Portada, o vice-presidente da Câmara de Portimão Luís Carito (PS), a Juventude Socialista de Portimão, o Clube Desportivo Os Olhanenses, entre outros.

In Observatório do Algarve


Por muita razão que os algarvios tenham, a situação está posta de uma maneira que muito dificilmente estes protestos, aos quais me associo, terão efeitos na suspensão da medida... Contudo, somos livres de protestar e demonstrar o descontemanto natural duma Região que se sente injustiçado pela tomada de posição governamental, sem haver uma única via alternativa, naquela que é a mais nobre região turística da Nação Lusitana.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

E o Povo, pá?



Porque a "Cantiga" é uma arma e a crise parece que mais uma vez vai ter que ser resolvida pelos que têm menos recursos... Deixem-nos rir, enquanto podemos...

Governo prepara subida do IVA para 23%


Das soluções avançadas ontem pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), duas estão já adquiridas para o Orçamento do Estado de 2011, a divulgar em meados de Outubro: o governo prepara-se para aumentar o IVA para 23% e fazer uma reforma no IMI - Imposto Municipal sobre Imóveis - de maneira a aumentar as receitas fiscais. A hipótese de congelamento de salários da função pública, também defendida pela OCDE, estará em cima da mesa. João Proença, o secretário-geral da UGT, admite que para 2011 "a negociação salarial na função pública será extremamente difícil", mas alerta que "em relação aos salários baixos deve haver uma especial atenção". Em 2003, Manuela Ferreira Leite congelou os salários a partir dos 1000 euros.

O secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, fez a sua visita habitual a Lisboa para apresentar o Economic Survey sobre a economia nacional, onde se encontrou com o ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos. O encontro serviu para elogiar muitas medidas que o governo já pôs no terreno e para apoiar muitas que estarão prestes a ver a luz do dia: é o caso da nova subida do IVA, do agravamento do Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI) e, muito provavelmente, o congelamento nominal dos salários dos funcionários públicos para assim deter o crescimento da despesa e obrigar os ordenados em vigor no privado a caírem. Para além destas, a OCDE avança com outras recomendações para disciplinar as contas públicas e supostamente pôr a economia a crescer de forma sustentada. Criticou o actual regime do subsídio de desemprego por ser demasiado generoso com os desempregados mais velhos e apoiar pouco os mais jovens; e pediu ao governo que avance com as grandes obras públicas - especialmente o novo aeroporto - "logo que as condições financeiras o permitam".

Mas, diz a OCDE, apostar só na via dos gastos não chega (ver página 20). "Uma consolidação baseada na despesa é geralmente vista como preferível face à baseada na receita", diz a organização. "Em todo o caso, como a magnitude do ajustamento orçamental necessário é considerável, o governo deve estar preparado para subir mais os impostos". Relativamente ao travão nos salários, a OCDE pede "um congelamento" nominal dos salários públicos até 2013 e "a retenção dos prémios de desempenho" nesse mesmo período. Na opinião da organização, isso é importante pois a quebra no poder de compra dos trabalhadores públicos forçará uma desvalorização dos ordenados do privado, que depois permitirá aumentar a produtividade do país, os lucros das empresas e, espera-se, criar mais emprego, embora mais mal pagos do que os actuais. A OCDE chama a esta política "um caminho de crescimento sustentável e credível".

Teixeira dos Santos, que é ministro de Estado e fala em nome do governo, mostrou-se bastante receptivo às recomendações. Admitiu que o estudo é "um contributo importante para a estratégia de crescimento e desenvolvimento do país, que envolve o esforço da equipa da OCDE e conta também com a colaboração e interacção estreita das equipas técnicas do governo". Economistas e ex-ministros das Finanças ouvidos vão mais longe. José da Silva Lopes refere que o relatório "foi negociado com o Governo, não pode ser muito pessimista". António Bagão Félix diz que "foi feito à medida para o governo, isso vê-se na proposta de cortes nos benefícios e deduções fiscais".

Tirar aos consumidores para dar às empresas O estudo propõe um corte substancial nas contribuições para a Segurança Social pagas pelos empregadores. Este "pode suavizar o ajustamento, pois reduz os custos das empresas, pelo menos no curto prazo". A OCDE vai mais longe e diz que o governo devia dar reduções maiores à contratação de pessoas com ordenados baixos. É uma forma de criar mais postos de trabalho, mas também de incentivar a redução dos níveis salariais médios dos empregados.

Em compensação, "o IVA e os impostos sobre imóveis [IMI] devem aumentar o suficiente para, pelo menos, financiar esse corte" nos descontos pagos pelas empresas. A organização considera mesmo que "Portugal precisa de ajustar o modelo de financiamento da Segurança Social, tornando-o menos dependente das contribuições e mais dependente das receitas gerais". Na prática, a organização dos países ricos diz que Portugal tem margem de manobra para aumentar o IVA. Como? Agravar mais o IVA nos sectores da restauração e da hotelaria. A base de incidência do IVA deve ser maior pois o número de produtos com esta taxa reduzida é "elevado", argumenta a instituição.

Para além disso, sustenta que o governo (central) deve chamar a si parte da receita que está nas mãos das câmaras municipais: deve, por exemplo, transformar o IMT (o imposto sobre as vendas de imóveis que, alega, distorce o mercado) em IVA.

Menos habitual que a visita de Gurría foi o peso dado pelo executivo e pela comunidade empresarial a esta visita do representante máximo da OCDE. No salão nobre das Finanças, onde decorreu a reunião, estavam presentes a ministra da Educação, Isabel Alçada, o ministro das Obras Públicas, António Mendonça, a ministra do Trabalho, Helena André, e vários secretários de Estado. O presidente da CGD, Faria de Oliveira, e Fernando Ulrich, do BPI, também estavam na audiência. Com Nuno Aguiar

In I Online
O Estado viveu durante anos de governação, à grande e à portuguesa, esbanjando milhões entre os boys e distribuindo outros brindes entre classes mais baixas mas sem vontade de trabalhar, para além da amnésia circunstancial dos encargos assumidos, e que mais cedo ou mais tarde teriam que ser pagos... Agora que tudo parece comprometido, será mais uma vez o Zé Povinho a arcar com a grande parte das medidas extremas, mas além disso com conclusões surreias que deixam o comum trabalhador à beira de um ataque de nervos... "desvalorização dos ordenados do privado, que depois permitirá aumentar a produtividade do país, os lucros das empresas"...

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Sorteio para Terceira Eliminatoria da Taça destina viagem de 610 km até Merelim


O sorteio realizado hoje no Auditório Manuel Quaresma, na sede da FPF, ditou ao Farense uma longa deslocação ao extremo norte de Portugal para defrontar o Merelinense, uma equipa do concelho de Braga, e que dista de Faro, em percurso pela auto estrada, cerca de 610 kilómetros.



Depois de ultrapassar o Santana (3-0) e o União da Serra (1-1, (4-5 g.p)), o Farense debate-se agora com outra deslocação, para defrontar uma equipa que milita na Segunda Divisão Zona Norte, e que tal como o Farense têm apenas um ponto no campeonato, fruto de um empate forasteiro como Caniçal (1-1) e uma derrota no dia de ontem em casa, frente ao Vizela (0-1). Na Taça disputou dois jogos em casa e bateu o Rebordosa por 4-2, enquanto na ultima eliminatória ganhou 3-1 ao Monsanto, demonstrando pelos resultados que é uma equipa que gosta de jogar sem complexos na Taça de Portugal...



A terceira eliminatória da Taça de Portugal disputa-se nos dias 16 e 17 de Outubro, já com a particpação das equipas das Liga Zon Sagres.

Dois "picos de obra" tramam Farense...


Para quem não teve a possibilidade de acompanhar a deslocação do Farense à ilha do Pico, nos Açores, para defrontar o Madalena, aqui fica o LINK para visualização (a partir do minuto 15 do stream) do resumo do jogo e comentários à partida, que terminou com um resultado de 2-0. Resumidamente, o Farense esteve mal na primeira parte e saiu para o intervalo a perder pela margem mínima. Quando procurava incessantemente o empate, acabou por sofrer o 2-0, terminando a partida algo atordoado, num jogo exemplar a nível disciplinar.

Associação Académica quer residências na zona velha de Faro


A criação de residências universitárias na zona velha de Faro e a promoção de ações conjuntas de limpeza urbana são actividades que a Associação Académica da Universidade do Algarve quer concretizar para aproximar a comunidade estudantil da cidade.


As propostas, que visam criar uma maior sinergia entre a cidade e os 10 mil alunos da universidade, vão hoje ser debatidas em Assembleia Magna, poucos dias depois de a academia ter cancelado o luto académico convocado na passada semana.

Em causa estava a redução do horário da festa de receção ao caloiro imposta pela Câmara de Faro e contestada pelos estudantes, que ameaçaram realizar a festa da Alcoolização dos Perus fora do concelho.

A autarquia acabou depois por autorizar a realização da tradicional festa de encerramento da receção ao caloiro até às 05h00, que se realiza na sexta feira no Largo de São Francisco, onde durante nove noites decorre o evento.

A criação de uma residência universitária na cidade velha e a organização de ações conjuntas de limpeza - em terra e na ria - são iniciativas que a associação quer concretizar para unir os estudantes a Faro.

A ação de limpeza na malha urbana e outra subaquática na doca de recreio de Faro são actividades que a academia quer realizar já nos primeiros dias de outubro, assim que terminarem os festejos de receção aos novos alunos.

"Queremos que a cidade de Faro goste da universidade e que nós possamos dar também o nosso contributo para o seu desenvolvimento", resumiu o presidente da Associação Académica da Universidade do Algarve (AAUAlg), Guilherme Portada.

Segundo o dirigente académico, existem edifícios abandonados no coração da cidade que podiam ser recuperados e dar lugar a novas residências universitárias, proposta que parece ser do agrado dos serviços sociais da universidade, diz.

A maioria das residências em Faro estão localizadas junto aos polos de Gambelas, fora da cidade, e Penha, na periferia.


In Observatório do Algarve


Parece que há males que vêm por bem, tendo em conta as sinergias que se preparam para aproximar a cidade dos Estudantes... Mas se se pensa que com estas ideias o "problema" se resolve, me parece que o descontentamente dos residentes farenses vai aparecer de novo...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

"Escolas Monumento" de Faro serão requalificadas...

In Postal do Algarve, Edição Impressa de 23/09/2010

Faro: Escola assaltada com violência, está encerrada para aulas



A Escola Emiliano da Costa em Estói, Faro, foi hoje assaltada de forma violenta deixando cerca de 400 alunos sem aulas, uma vez que a estrutura ficou sem as mínimas condições, disse o presidente da Câmara de Faro.

Em declarações à Lusa, Macário Correia explicou que o assalto à Escola EB 2,3 Escola Emiliano da Costa terá ocorrido cerca da 01:00, altura em que os assaltantes rebentaram com os quadros elétricos e os relógios pararam.

Segundo o presidente da Câmara de Faro, os ladrões levaram “todo o dinheiro que havia no cofre”, danificando com recurso a um objeto de metal, provavelmente a uma picareta ou marrão, a parede onde estava instalado.

O sistema elétrico e telefónico daquela escola foi todo destruído e há portas e fechaduras arrombadas, acrescentou o autarca, referindo que hoje a escola não vai ter aulas para se proceder às obras de recuperação.

“Neste momento todo o pessoal da Câmara está a fazer reparações de eletricidade, telefone e carpintaria e a escola hoje não tem aulas, porque não havia condições”.

A Escola Poeta Emiliano da Costa, do Agrupamento Vertical de Escolas de Estói, tem cerca 400 alunos com idades entre os 10 e os 15 anos.

Fonte da GNR confirmou o assalto, mas não prestou mais declarações até ao momento.

In Região-Sul


Uma semana em que a CMF têm tido problemas com a educação...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Ricardo Teodósio vence Rally Cidade de Serpa



Triunfando em todas as especiais de classificação, excepto na última, Ricardo Teodósio, navegado por João Luz aos comandos do seu Mitsubishi Lancer EVO IV, venceu o Rally Flor do Alentejo / Cidade de Serpa, segunda prova do Campeonato Regional de Rallyes do Sul VSH (CRRS), que se realizou ontem e hoje em Serpa organizado pela Secção de Motorismo do Aero Clube de Beja.

Começando por vencer a Super Especial (2,2 km), disputada na noite de sábado, 18 de Setembro, Ricardo Teodósio continuou no dia de hoje a ditar a lei do mais rápido triunfando nas duas passagens pela especial Flor do Alentejo (13 km) e na primeira passagem por Serpa (7 km), já que na derradeira passagem por este troço coube à dupla Carlos Martins / Aníbal Martins (Ford Escort Cosworth), triunfar com uma vantagem de 3,9s sobre Teodósio, dupla que andou sempre na 2ª posição e concluiu a prova com mais 30,7 segundos que Teodósio e Luz.

Mais uma vitória para Ricardo Teodósio que o coloca em posição muito confortável na liderança do CRRS após ter vencido na primeira prova em Lagos.

No degrau mais baixo do pódio, a 1m1,4s dos vencedores, ficou a dupla da Roady Competition – Bruno Andrade / Ricardo Barreto em Mitsubishi Lancer EVO VI – que tentou chegar-se mais à frente mas a concorrência revelou-se mais forte, porém, acaba por ser um bom resultado, bem ao jeito da regularidade a que esta dupla nos habituou.

No 4º posto, a apenas 15,5s do 3º lugar, classificou-se a dupla do Loulé Concelho, João Correia / Nelson Ramos em Mitsubishi Carisma, relegando para o fecho do top-five, a dupla Carlos Valentim / David Crispim (Ford Escort Cosworth) que se impôs pela pequena diferença de 6 décimas de segundo à equipa José Carlos Paté / José Gago (BMW 325 IX), tendo esta que se contentar com o 6º posto final.

Nas posições seguintes, separadas entre si por apenas 9 décimas de segundo, ficaram as equipas alentejano/algarvias António Lampreia / António Morais (Ford Escort Cosworth) e Pedro Charneca / Luís Assunção (Ford Sierra Cosworth).

No 9º lugar final posicionou-se a dupla Luís Nunes / Rui Serra (Mitsubishi Lancer EVO VI) que relegou para o fecho do top-ten a dupla da Roady Competition – Márcio Marreiros / Paulo Costa (Mitsubishi Lancer EVO VI).

Tendo como objectivo triunfar nas duas rodas motrizes e obter o melhor lugar possível na geral, a dupla da Roady Competition – Augusto Páscoa / Leonel Fernandes (Renault 11 Williams) - consolidou com êxito o primeiro objectivo e concluiu a prova no 11º posto. No 2º lugar das duas rodas motrizes, não muito longe da dupla vencedora desta categoria, classificou-se a equipa Jorge Baptista / Edgar Gonçalves (Volkswagen Golf GTi), ficando no 13º lugar da classificação geral.

Refira-se que, candidata a vencer nas 2 rodas motrizes, a dupla Rui Coimbra / José Martins não chegou a aquecer pelo facto da distribuição do Volkswagen Golf GTi não querer colaborar ainda antes da entrada na Super Especial. É de salientar por último que, Rui Coimbra sagrou-se recentemente Campeão Europeu de Futebol de Praia ao serviço da Selecção Nacional da modalidade, juntando mais um título ao seu palmarés.

A próxima prova do CRRS é o Rally Casino de Vilamoura, organizado pelo Clube Automóvel do Algarve, que pontua para o Campeonato Open de Rallyes e se realiza dias 2 e 3 de Outubro.

Por Paulo Moreno In Região-Sul
Mais Fotos AQUI

Novo Blogue em Faro: A Ruina de Faro




A Ruína de Faro é uma iniciativa na qual são inventariadas as casas e edifícios devolutos ou degradados da cidade de Faro. Casas e edifícios que merecem ser recuperados e ou ter novos usos! Casas e edifícios que devem ser demolidos para dar lugar a novas casas, a jardins ou outros usos. Este Blog apela a participação de todas e todos as cidadãs e cidadãos de Faro, pois só a contribuição de todas e todos poderemos recuperar as ruínas da nossa cidade.

A Ruína de Faro foi lançado por um grupo de cidadãs e cidadãos preocupados não só com estado de degradação de muitos dos imóveis da cidade de Faro, mas também com o modelo de desenvolvimento urbano desta cidade que privilegia a expansão da cidade em altura e em terrenos com alto valor agrícola e essenciais à conservação
sustentável do território.

Ao mesmo tempo crescem as ruínas no centro da nossa cidade, edificações com valor patrimonial elevado são deixadas ao abandono!

Muitas casas que poderiam ser colocadas no mercado de arrendamento estão degradadas e abandonadas. Devolver estas casas ao uso é essencial para fixar a população no centro da cidade, tornando Faro uma cidade viva.

Apelamos ainda à participação de todos os cidadãos e cidadãs enviando-nos fotos ou vídeos de casas ou edifícios devolutos ou degradados para aruinadefaro@gmail.com.

O email deve conter uma foto georreferenciada, ou a localização do imóvel, bem como uma breve descrição do mesmo.

Elementos sobre a história do imóvel, assim como ideias sobre o seu destino seja ele a demolição, reconstrução e novos usos permanentes e temporários são bem vindos.

Ao blog A Defesa de Faro agradecemos a inspiração para a escolha da nossa designação.

Contactos:
aruinadefaro@gmail.com


Artigo recebido por email

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Câmara de Faro mantém decisão de reduzir horário da Receção ao Caloiro





O presidente da Câmara de Faro Macário Correia recusou esta quarta-feira voltar atrás com a decisão de reduzir o horário da festa de Receção ao Caloiro, a decorrer naquela cidade.

Um anúncio feito pelo autarca após ter sido confrontado pelos estudantes da Universidade do Algarve numa reunião de Câmara, alegando que recebeu queixas de barulho excessivo de «partidos políticos, cidadãos e entidades».

Esta justificação foi dada a uma delegação de alunos da Universidade do Algarve, liderada pelo presidente da Associação Académica da instituição (AAUAlg) Guilherme Portada, que este na reunião do executivo, aberta ao público, para exigir que a autarquia reconsiderasse a decisão de diminuir o horário de funcionamento do recinto.

No exterior dos Paços do Concelho, onde a reunião decorreu, concentraram-se centenas de universitários, que gritaram palavras de ordem contra a medida e chegaram mesmo a obrigar a uma interrupção na Reunião de Câmara.

Aos estudantes que estavam no Salão Nobre, Macário Correia frisou nada ter contra as suas atividades académicas, mas que tinha de atender «aos legítimos pedidos» da população, que se queixou de ruído excessivo «até altas horas da madrugada».

Sendo um evento que dura dez noites, o autarca disse não poder subscrever uma autorização que coloca em causa o descanso dos moradores das ruas adjacentes à festa, já que «as pessoas acordam cedo para trabalhar e as aulas já começaram».

Quanto a emissão de duas licenças, a segunda das quais bastante restritiva, na opinião dos estudantes, Macário Correia justificou que a primeira tinha sido emitida sem seu conhecimento e «sem ter em conta um parecer do departamento responsável».

«Ainda permiti que esta licença vigorasse uma noite, mas quando no dia seguinte, pela sete horas da manhã, passei no local, deparei-me com garrafas de vidro e copos de plástico na zona fora do recinto e na faixa de rodagem», revelou.

Aliado às queixas de ruído que foi recebendo ao longo de terça-feira, «que não foram uma nem duas», o presidente da Câmara de Faro decidiu emitir uma nova licença, onde o horário de fecho era estipulado para as 2 horas para todos os dias do evento menos a próxima sexta-feira, em que poderá funcionar até às 3 horas.

Uma situação que está longe de agradar os estudantes, nomeadamente a AAUAlg que organiza o evento, já que «foram assumidos compromissos» que não poderão ser cumpridos.

No sábado, por exemplo, é noite de «Alcoolização dos Perús», uma iniciativa emblemática da Receção ao Caloiro e para a qual já está contratado um DJ de renome.

Esta festa, disse Guilherme Portada já depois de abandonar o Salão Nobre, «não vai decorrer em Faro», mas ainda não foi decidido onde se realizará. No passado, a escolha recaiu durante muitos anos na discoteca Kadoc.

A decisão de trazer para Faro a «Alcoolização dos Perus» esteve ligada a questões de segurança, nomeadamente rodoviária. «Se houver algum acidente grave, a responsabilidade será do engenheiro Macário», disse o presidente da AAUAlg.


In Barlavento Online



A decisão da Câmara Municipal de Faro, personificada na figura do seu líder máximo, Macário Correia é no meu entender justificada.


O presidente da Câmara Municipal de Faro, é o presidente de todos os farenses, e desta forma não pode nem deve prejudicar largos milhares de residentes durante vários dias seguidos, em beneficio da diversão (e por vezes mais que isso...) de pouco mais de mil estudantes que ocupam por estes dias o parque de estacionamento livre situado no centro da cidade. Quando Faro, capital de distrito do Algarve, em pleno século XXI ainda não dispõe de um espaço vocacionado para este tipo de eventos, sendo ocupado um espaço nobre da cidade, há que avaliar primeiramente a dimensão e projecção do evento, para se decidir se os farenses tem que fazer sacrifícios... Ora, neste caso concreto, a Recepção ao Caloiro, no meu entender não tem uma abrangência transversal na sociedade farense, pelo que, às excepção dos participantes no evento, creio que serão poucos os farenses que não concordarão com a medida de Macário Correia.


Aliás, esta situação não se tratará mais do que uma arma de arremesso político por parte do dirigente da JS Faro, e também da Associação Académica da Universidade do Algarve, Guilherme Portada, curiosamente o filho do grande amigo de Macário Correia, o Sr. José Apolinário... Por isso se torna caricata toda esta manifestação, tendo em conta os motivos em causa, para além de se lamentarem afirmações demagogas como "Se houver algum acidente grave, a responsabilidade será do engenheiro Macário", interrogando-nos se nos outros anos, e tendo em conta que a alcoolização dos perus era na Kadoc, se algum dirigente da AAUALG foi parar à cadeia por homicídio por negligência...


Com tudo isto, creio que num evento como a Semana Académica, o regime de excepção com horários alargados para o funcionamento dos recintos é justificado tendo em conta a importância do evento, mas deverá haver bom senso das partes envolvidas, pois a imagem acaba por não ser dignificante, primeiro devido à emissão de dois pareceres diferentes e depois pela discussão do tema central...

O "Fábio Coentrão" do Farense...

In Edição Impressa de Jornal A Bola, 2010/09/22

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Vestida de Bifes...






"Cantora de "Poker Face" ganhou oito prémios nos VMA, este domingo, e envergou vestido feito com pedaços de carne de vaca. Saiba mais sobre a polémica vestimenta e veja as fotos.
O vestido que Lady Gaga usou na cerimónia dos prémios da MTV, este domingo, tem dado que falar desde então.

Criticada pela associação de defesa dos animais, PETA, a fatiota do estilista Franc Fernandez foi feita com pedaços de carne crua, tal como os seus acessórios: botas, uma malinha e um chapéu. Na feitura deste vestido, Franc Fernandez usou vários quilos de bifes de vaca, confirmou o próprio designer à MTV. " In Blitz.pt




Suponho que uma mulher que se veste de bifes, tem que ter mesmo uma tara por carnes (bovinas)... Mais uma razão para ser apelidada de vitela... ou não será assim?

Portimão, a cidade do turismo de pé descalço...


Preços dos hotéis descem em Portimão e Quarteira, mas sobem em Vilamoura, Carvoeiro, Tavira e Faro

A cidade mais barata para alojamento hoteleiro em Portugal durante 2010 foi Portimão, com uma média de 50 euros por quarto por noite, e apresentando uma queda de 11% relativamente ao mesmo período do ano anterior.

Foi seguida de perto por Quarteira (51 euros) e Vila Nova de Gaia (55 euros).

Os preços médios por quarto de hotel pagos pelos viajantes nas cidades portuguesas recuperaram em 2010, quando comparados com o período homólogo do ano anterior, de acordo com o Hotel Price Index Hotéis.com.

Assim, assistiu-se a uma recuperação ou estabilização dos preços na maior parte das cidades, sinais de recuperação por parte da indústria hoteleira.

Cascais foi a cidade mais cara para alojamento em hotéis, com uma média de 164 euros por quarto por noite, apresentando um aumento de 28% relativamente aos 128 euros do mesmo período de 2009.

Seguiu-se Vilamoura, com 113 euros de média por quarto por noite, e uma subida de 8% em comparação com 2009.

No que respeita às maiores subidas de preços, Cascais lidera a tabela, com um aumento de 28% nos preços médios, e todas as restantes localizações do Top 5 nacional são no Algarve: Carvoeiro (22 euros), Tavira (18 euros), Vilamoura (8 euros) e Faro (6 euros).

Relativamente a quedas de preços, Portimão registou uma descida surpreendente do preço médio, na ordem dos 11%, e igualmente surpreendente foi a do Estoril (-10%), para 77 euros de média por quarto por noite, dado que os hotéis de topo ofereceram algumas promoções excelentes.

Lisboa e o Funchal mantiveram-se estáveis e não registaram qualquer alteração no preço médio por quarto de hotel, mantendo-se nos 85 euros e 90 euros respetivamente.

Na cidade do Porto, os preços subiram ligeiramente (3%) para uma média de 71 euros por quarto por noite.

Portugal, no global, manteve uma média de 84 euros, registando uma subida de 1% comparativamente com 2009.

Nuno Sales Ponte, Manager Hotéis.com, comenta: “começa a verificar-se uma maior confiança por parte dos gestores hoteleiros para manterem ou subirem os preços. No entanto, os preços apresentados neste último HPI ainda se encontram em níveis muito baixos, sendo fácil encontrar excelentes relações qualidade-preço.”

Com enfoque nas variações de preços, o HPI® Hotéis.com, baseado numa rede de aproximadamente 91.500 propriedades, situadas em mais de 15.750 locais, em todo o mundo, desenvolve uma análise exaustiva dos preços hoteleiros reais pagos pelos consumidores (contrariamente aos anunciados).

In Barlavento Online


A juntar ao facto de ter um passivo estimado na casa dos 400 milhões de euros, fruto duma política autárquica, recheada de gastos e negócios megalómanos, pagos mais cedo ou mais tarde por todos os contribuintes, verifica-se agora a confirmação do que já se sabia... A grande concentração de hotéis na zona, obriga a que se pratiquem preços low-cost, pis se não for assim, os turistas cabam por escolher outros poisos mais sossegados e desta forma evitam os prejuízos desses monstros de betão na marginal da Praia da Rocha... E assim, se vai estragando o produto do "Turismo no Algarve", criando vícios comerciais, que se alastrarão como consequência, aos outros polos hoteleiros espalhados na Região, com as perdas de lucros que se sabem...

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

À procura de receitas


A Associação de Municípios de Loulé e Faro pretende instalar um parque de autocaravanismo na área verde equipada do Parque das Cidades. O projecto visa a obtenção de receitas para minorar os actuais problemas financeiros resultantes dos pesados encargos com o Estádio Algarve.

Há que arranjar alternativas para tentar resolver a actual situação, que é insustentável", refere o presidente da Câmara de Loulé, Seruca Emídio, de quem partiu a ideia de criar este parque. O equipamento terá ao dispor um posto de combustível e de estruturas de apoio.

O autarca salienta que existe muito autocaravanismo selvagem e que quem o pratica se justifica sempre com a falta de parques, pelo que entende que o projecto tem viabilidade do ponto de vista económico, até porque a localização "é óptima". "Não seremos nós a gerir o parque; será feito um concurso público", adianta Seruca Emídio.

Está também em análise a hipótese de construção de um parque de diversão que poderá ser integrado no concurso para a gestão por privados do estádio.

O Estádio Algarve, construído para o Euro’2004, representa um encargo financeiro de três milhões de euros por ano. Seruca Emídio diz que o estádio tem uma componente regional e nacional, mas faltam as contrapartidas. Além disso, têm sido disponibilizados gratuitamente terrenos do Parque das Cidades para equipamentos públicos.



Aplaudo as ideias dos autarcas de Faro e Loulé por forma a dinamizar o espaço. Sem que à vista esteja em marcha efectiva qualquer um dos projectos prometidos pelo Governo, terão que ser as autarquias a puxar dos galões e a procurar criar em torno deste espaço, sítios-âncora por forma a criar um pólo de diversão, restauração e neste caso, caravanismo, dinamizando o espaço e multiplicando receitas para abater na folha de custos anual do Parque das Cidades. Nada que já não tenhamos falado neste espaço à muitos meses atrás...

Estudo de valorização da Ria Formosa pronto no fim do ano




Um estudo de Valorização Hidrodinâmica da Ria Formosa deverá estar concluído no final deste ano. Ao projecto global, que inclui a avaliação das cotas nos canais, nas barras e nas ilhas barreira, segue-se um plano de intervenções para assegurar equilíbrio do ecossistema.


O estudo está a ser elaborado pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e segundo afirmou Valentina Calixto, presidente da Sociedade Polis Litoral da Ria Formosa, ao Observatório do Algarve, o projecto termina no fim do ano seguindo-se uma fase de intervenções, por parte da Sociedade Polis, para equilíbrio do sistema.

Posteriormente, vai haver um programa de monitorização e vai haver uma intervenção periódica em função das necessidades dos anos seguintes, tendo como base este estudo que o LNEC está a fazer”, explica a responsável.

O Observatório do Algarve apurou que os estudos do LNEC, no âmbito da valorização hidrodinâmica da Ria Formosa, remontam ao ano 2000, com o trabalho “Valorização e Protecção da Zona Costeira Portuguesa - Componente 2: Modelação Regional e Local da Hidrodinâmica Costeira (2000-2002)” (ver aqui), em que um dos tópicos era o “desenvolvimento de um modelo hidrodinâmico preliminar para a Ria Formosa”.

No que respeita ao estudo a decorrer até ao final do ano, foi contratado por ajuste directo e ajustado a 9 de Junho de 2009, com um prazo de execução de 180 dias (ver aqui os ajustes ajustados da Sociedade Polis).

Valentina Calixto sublinha que a Ria Formosa é um sistema com um dinamismo próprio e que o estudo global de todo o ecossistema irá permitir avaliar, “face àquilo que temos e face aquilo que pretendemos vir a ter” as condições ideais para garantir a segurança nas ilhas barreira, o reforço do cordão dunar e a manutenção das actividades económicas que existem no espaço lagunar.

“Nós vamos avaliar do ponto de vista de canais e do sistema das barras, quais são as cotas que devem existir para que o escoamento e a renovação de águas se faça garantindo uma boa qualidade da água”, acrescenta e explica que com o trabalho de monitorização previsto vai ser possível intervir com dragagens periódicas, assegurando essa mesma renovação de água no sistema lagunar.

O que estamos a querer fazer é proporcionar em segurança o exercício das actividades que existem e garantir que não estamos a destruir os valores naturais e o próprio dinamismo que o ecossistema tem por si”, conclui.

In Observatório do Algarve


Cada vez mais me convenço que todo este processos e estudos, são para muita gente, e tendo em conta o arrastar no tempo que se sabe, situações que acabam por interessar a muita gente, pois desta forma se vão aumentando os orçamentos dos respectivos estudos, em virtude das pseudo-necessidades que são alegadas. Não ponho em causa a necessidade de se estudar e organizar os problemas dos ecossistemas, neste caso concreto a Ria Formosa, mas o adiar de prazos para concretização de projectos, acaba por no meu entender deixar no ar, e logo de antemão a ideia de que tudo demorará muito mais do que o previsto... Porque será?

sábado, 18 de setembro de 2010

Portagens na A22 - O que precisa de saber e o que os algarvios vão fazer para contestar a medida!


As perguntas e dúvidas que se colocam neste momento acerca da cobrança de portagens:

Quanto vai custar?

Os valores previsíveis apontam para que sejam cobrados cerca de 00,7 cêntimos/quilómetro.
Com base neste valor, a travessia completa da Via do infante, entre Lagos e Castro Marim (129 quilómetros) poderá custar nove euros.
Uma viagem de ida e volta, entre Faro e Portimão, deve ascender aos oito euros.

Como posso beneficiar de isenções?

Os utentes das autoestradas ex-SCUT, como a Via do Infante, terão que comprar o DEM – Dispositivo Eletrónico de Matrícula (chip) se quiserem beneficiar dos descontos e isenções aprovados pelo Governo.
Custará 27 euros.

O chip é obrigatório?

O chip não é obrigatório, podendo os automobilistas recorrer a quatro instrumentos de pagamento da SCUT: utilização do DEM (chip), dispositivo Via Verde, utilização de dispositivo temporário e o pós-pagamento nos CTT ou na rede Payshop.
Mas quem quiser isenções terá que instalar o chip.


Oposição promete manifestações e abaixo-assinados contra as portagens na Via do Infante

O presidente do PSD/Algarve Mendes Bota apelou aos militantes e simpatizantes para aderirem às «manifestações de revolta» que as «forças vivas da sociedade algarvia não deixarão de convocar» e diz que «não irá alterar uma vírgula» às posições já manifestadas acerca da introdução de portagens na Via do Infante.

Para Bota, «o Governo socialista concretizou mais uma ignomínia contra o Algarve, contrariando todos os compromissos anteriores de governantes e dirigentes partidários». «Requalificada ou não, a EN 125 nunca será alternativa», reiterou.

O apelo de revolta chega igualmente do lado dos comunistas, que prometem pôr a circular um abaixo-assinado com o lema «Não às Portagens, Sim ao Desenvolvimento Regional».

Para a DORAL do PCP, as «pseudo discriminações positivas» e isenções visam «criar uma cortina de fumo, tendo presente o descontentamento regional».

In Barlavento Online

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Uma aventura que não se repetirá...



Apesar de tudo, é com saudosismo estes tempos... Parabéns aos SS Boys por estes momentos!

Homens mais preocupados que as mulheres nas poupanças


Análise Cetelem avalia intenções de consumo e poupança dos portugueses para os próximos meses de 2010

O Observador Cetelem analisou no final de 2009 o comportamento dos consumidores europeus estabelecendo um paralelismo entre um antes e um pós crise. Já em 2010, coloca-se a questão de como estão a reagir os portugueses. Ó Observador procura agora responder à mesma através da análise do comportamento financeiro dos Portugueses para os próximos meses.
Se já em 2009 os portugueses revelavam que as intenções de poupança eram superiores às intenções de consumo, agora mais certezas existem sobre a necessidade de melhor gerir o orçamento pessoal.

O sentimento de incerteza em relação ao futuro apoderou-se dos portugueses que continuam a revelar uma maior tendência para a contenção de custos, ainda que seja mais visível a vontade de diminuir as despesas (-21 p.p.) do que a de aumentar as poupanças (+2 p.p.). Na realidade os portugueses retraem-se na hora de consumir ainda que com reduzidas perspectivas de poupança em relação ao ano anterior.
Homens e mulheres possuem formas distintas de gerir o orçamento. Ainda que ambos revelem a intenção de manter o nível de despesas (20%), são os homens que mais se preocupam em aumentar as poupanças.

Quando analisada a classe etária dos consumidores é visível a diferença geracional no que toca à relação despesa versus poupança. É nas classes etárias a partir dos 35 anos que a tendência para a poupança é mais acentuada. Os jovens, ainda que demonstrem intenção de poupar, continuam a revelar maior vontade de consumir.
Em termos geográficos não há dúvida de que é no Norte que a relação despesa/poupança é mais acentuada, situando-se nos 8%. Já no Centro e no Sul as intenções de consumo situam-se nos 29% e 28%, respectivamente. No que toca à intenção de aumentar as poupanças é no Norte que esta tendência é mais acentuada (58%), seguindo-se o Sul (42%) e o Centro (42%).

Em relação à classe social todas elas são unânimes no que se refere às poupanças. Poder-se-á dizer que o poder de compra não é factor preponderante para que surjam diferentes perspectivas no que se refere à intenção de aumentar as poupanças. No entanto são as classes mais desfavorecidas que menos perspectivas possuem de aumentar as despesas.

In AlgarvePress


Como se fosse preciso um estudo, para comprovar uma coisa tão óbvia...

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Algarve: PSP e GNR com 10 carros que podem "ler" matrículas automaticamente




No ano de 2009 foram detetadas em Portugal cerca de 4600 viaturas furtadas ou destinadas a apreensão ao abrigo do sistema de leitura de matrículas "Polícia Automático", disse hoje em Faro o ministro da Administração Interna (MAI).



O sistema, que funciona há um ano, é uma das componentes do projeto "Algarve Seguro", que inclui uma plataforma de georreferenciação de meios operacionais e a ligação das centrais de alarmes das empresas de segurança às das forças policiais.

Segundo Rui Pereira, o "Polícia Automático" permitiu em 2009 a leitura de 700 mil matrículas, o que conduziu à deteção de cerca de 20 mil ilícitos e à identificação de 4600 viaturas furtadas, envolvidas em ocorrências ou em infração automóvel.

O ministro da Administração Interna falava aos jornalistas à margem da cerimónia que assinalou a entrada em funcionamento do "Algarve Seguro", que visa dotar as forças de segurança de tecnologia de suporte à sua actividade operacional.

Segundo Rui Pereira, o Algarve foi a região escolhida para o lançamento do projeto por ser uma região turística e também devido à grande dispersão das habitações pelo território, mas no futuro deverá estender-se a outras regiões do País.


Algarve: GNR com 10 carros com leitura automática de matriculas

Ao abrigo desta iniciativa passaram hoje de dois para dez o número de carros da PSP e GNR dotados com a leitura automática de matrículas feita através de uma câmara que "lê" as chapas de matrícula, informação que é depois cruzada com as seguradoras.

Durante a visita que hoje cumpriu em Faro, Rui Pereira acompanhou o percurso pela cidade de uma das cinco viaturas da PSP dotadas com o sistema, tendo o equipamento sido instalado também em cinco viaturas da GNR.

O projeto "Algarve Seguro" implicou a implementação de uma plataforma de georreferenciação de meios que consistiu na distribuição de 225 Assistentes Digitais Pessoais (PDA) pelas forças de segurança.

Esta componente do programa permite que através de um Sistema de Posicionamento Global (GPS) os ocupantes das viaturas policiais ou que estejam em patrulhas apeadas "naveguem" até às ocorrências.

Já a ligação das centrais de alarmes de várias empresas de segurança às forças policiais vai possibilitar o cruzamento da informação sobre as ocorrências com os meios operacionais, permitindo maior rapidez na alocação de meios.

Por sua vez, a Governadora Civil de Faro, Isilda Gomes, realçou que este projecto surge na sequência de propostas concretas apresentadas ao Ministério da Administração Interna (MAI) no âmbito do Gabinete Coordenador de Segurança Distrital (GCSD), “no sentido de melhorar a prevenção criminal e elevar o sentimento de segurança dos cidadãos”.

“Numa região competitiva como o Algarve a segurança é uma condição fundamental, pelo que esta área constitui uma preocupação permanente”, frisou Isilda Gomes, salientando que a resposta do MAI às necessidades do Algarve tem sido efectuada de acordo com as prioridades definidas pelas Forças e Serviços de Segurança que integram o GCSD.


In Observatório do Algarve


Aperta o cerco para os incumpridores, criminosos e também para os ... distraídos. Este reforço de sistema é uma forma de intensificar o que de facto acontece pois actualmente as forças de segurança sabem num instante tudo sobre uma viatura, desde a inspecção até ao seguro, sem esquecer a liquidação do IUC (mesmo que sem habilitações para emitir um auto de noticia nesta situação)...

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Clube de Ciclismo de Tavira procura novo patrocinador




O Clube de Ciclismo de Tavira (CCT) está à procura de um patrocinador principal para a próxima temporada velocipédica, depois de o Palmeiras Resort ter decidido deixar de investir na equipa profissional e passar a apoiar apenas os escalões de formação.

«Ao longo destes três anos de patrocínio, a marca atingiu o target [público-alvo] que procurava e a estratégia foi alcançada. Depois, é inegável que vivemos um período complicado no mercado imobiliário, onde as empresas procuram reduzir custos», disse ao «barlavento» o presidente do CCT Jorge Corvo.

Por esta razão, o emblema tavirense tem estado a sondar o mercado, admitindo que gostaria de ver o capítulo dos patrocínios encerrado até ao final de Setembro.

Sem revelar muitos pormenores, Corvo vai dizendo que, depois da saída de David Blanco para a nova equipa da Geox, pretende iniciar «um novo ciclo de três anos», embora o projeto dependa da estratégia do futuro patrocinador e do calendário de provas nacional.

«Neste primeiro ano, creio que estaremos mais vocacionados para o mercado nacional, ao passo que os dois seguintes já poderiam ser pensados a uma escala internacional», considerou.

Apesar de, no ano passado, o pelotão nacional ter atingido mínimos históricos (por falta de patrocínios), Jorge Corvo acredita que 2011 poderá ser o ano da recuperação, embora admita que isso depende do cenário económico mundial.

Por esta razão, o responsável do Tavira continua a defender que «a região algarvia deveria unir-se na formação de uma equipa», tal como acontece na vizinha Espanha, onde regiões como a Galiza e a Extremadura ou a Comunidad Valenciana se promovem dando nomes a equipas de ciclismo.

«Além da promoção da marca Algarve, seria uma oportunidade para colocarmos uma equipa portuguesa no ProTour», continuou o também antigo corredor.

Quanto à equipa para a próxima temporada, Corvo diz já ter iniciado conversações com os atletas da casa: «estamos juntos há muito tempo e eles conhecem as nossas ideias».

Apesar de ter sido ventilada a transferência de Cândido Barbosa para acompanhar o regresso à estrada da equipa da Liberty Seguros, o presidente do CCT diz que nada está decidido.

A continuação do foguete da Rebordosa no plantel ou na estrutura técnica do Tavira são hipóteses que se começam a colocar depois da saída de Blanco.

In Barlavento Online



Escrevi no passado sobre este problema que mais cedo ou mais tarde viria bater à porta da equipa desportiva profissional de maior sucesso no Algarve dos últimos anos... Agora que o sponsor principal abandonou a aposta na modalidade, num cenário de crise económica global, vejo com pessimismo a manutenção do projecto tavirense, nos moldes em que o conhecemos nos próximos anos... Inevitável era a saída de David Blanco, mas ao menos, o que se espera é que o Centro de Ciclismo de Tavira preserve no seu meio os outros atletas que tantas alegrias tem dado aos algarvios amantes da modalidade.


A ideia da criação de uma equipa com o alto patrocínio do Turismo do Algarve não é uma ideia nova, mas devo confessar que isso só teria pernas para andar, com a fusão da equipa louletano e tavirense, diminuindo ainda mais o pelotão nacional e desta forma constítuindo uma "machadada" na competitividade da modalidade em Portugal, não obstante o alvo da equipa ser a aparição em provas internacionais do PRO TOUR por forma a promover a marca "Algarve" lá fora...

Recepção ao Caloiro 2010



Associação Académica da Universidade do Algarve apresentou o cartaz para a Recepção ao Caloiro 2010.

O evento irá contar com as actividades “da praxe” como não poderia deixar de ser, desde a sapatada à garraiada, da missa do caloiro à procissão das velas, e como já têm vindo a ser hábito o desfile do caloiro acompanhado pelo Trio Eléctrico, prometendo encher as ruas de alegria e folia durante o seu habitual percurso pela cidade de Faro.

Este ano nomes como Rute Marlene, Emanuel, Homens da Luta marcam algumas das noites, anunciando mais uma grande Recepção ao Caloiro. DJ Diego Miranda foi o escolhido para a noite da Alcolização do Perú.

O evento encerra com a habitual Serenata, que irá decorrer no dia 1 de Outubro, no Largo da Sé,às 22h.




E para desgosto de muitos o Largo de S. Francisco ficará ocupado durante mais 3 semanas...

Farense joga este domingo em Santa Catarina da Serra


segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Faro: Rosa Mota é madrinha da 1ª "Maratona do Algarve"






A primeira maratona, famosa corrida de resistência de 42,195 quilómetros, do Algarve realiza-se a 10 de outubro, em Faro, e a organização estima receber no "ano zero" 350 inscrições. Rosa Mota é madrinha da prova.


Faro quer entrar para o roteiro das "grandes maratonas nacionais e internacionais" e desenvolver um turismo desportivo que, no futuro, transforme a prova de atletismo num evento à escala da concentração de motos de Faro, que reúne todos os anos na capital algarvia milhares de turistas, declarou hoje António Campos, da organização.

António Campos, diretor geral da Xistarca, a empresa que está a organizar a "Maratona do Algarve", declarou na conferência de imprensa dada hoje na Câmara Municipal de Faro que a "Maratona de Faro" tem até ao momento "300 inscrições", onde 50 desses concorrentes são estrangeiros vindos de Espanha, França, Suécia, EUA e África do Sul.

A organização estima, contudo, que dia 10 de outubro o número de participantes atinja os 350, um valor idêntico aos participantes da primeira "Maratona Carlos Lopes".

Nas grandes capitais e principais centros turísticos, as maratonas movimentam mais de quatro milhões de praticantes em todo o mundo.

A campeã olímpica Rosa Mota vai ser a madrinha da "Maratona do Algarve", prova com preocupações ecológicas e, por isso, batizada de "Eco Maratona", porque vai utilizar carros elétricos e copos de cartão em vez de garrafas de plástico, uma forma do evento ser amigo do Ambiente e celebrar o Ano Internacional da Biodiversidade.

O orçamento para a prova ronda os 50 mil euros, mas ainda não há patrocinadores oficiais, apenas apoio logístico da Câmara de Faro.

"Mesmo sem patrocinadores no ano zero da Maratona do Algarve, a prova vai realizar-se", garante a organização que acredita que o evento desportivo tem "pernas, pés e cabeça para andar", como referiu o presidente da Associação de Atletismo do Algarve, Lara Ramos, também presente na conferência de imprensa.

A Maratona do Algarve tem partida às 09h00 na pista de Atletismo da Câmara de Faro e desenrola-se em duas voltas a um circuito que percorre as principais artérias da cidade e que depois se alarga ao parque das Cidades e à parte rural do concelho, nomeadamente Mar e Guerra, Patacão, Bela Salema e Conceição.

No dia da Maratona do Algarve, 10 de outubro, Faro também vai receber uma "Meia Maratona" (21 quilómetros) com partida às 10h20, uma "Marcha Corrida" (10 quilómetros) e uma "Corrida de Família" (seis quilómetros).

Todos os eventos são abertos à população em geral, mediante inscrição prévia aqui.

A "Maratona do Algarve" nasce precisamente no ano em se comemoram os 2.500 anos da histórica Batalha de Maratona (490 A.C), onde se inspirou a epopeica corrida de resistência.


Faro sempre foi uma cidade virada para o Atletismo, com tradições nesta modalidade tão abrangente e que ano após ano conquista mais adeptos. Lembro o Grande Prémio do Reis, que leva à baixa farense todos os anos milhares de pessoas nas primeiras tardes de sábado de Janeiro, tal como me recordo de outros eventos que se realizavam na nossa cidade, caso de um circuito na Penha, que entretanto foi descontinuado...


Agora, só se pode aplaudir esta visão mais ambiciosa, e que com a participação de todos pode marcar no futuro, a nossa cidade como referência neste tipo de eventos desportivos, sempre de uma forma responsável, mas dinamizando uma cidade que ao longo dos últimos anos tem sido esquecida pelos grandes promotores, em detrimento de outras cidades algarvias... O voto é que este seja o ponto de partida para a criação de outros eventos de qualidade e dimensão na nossa cidade, que não sejam organizados de forma desgarrada, mas com uma sequência que perdure no tempo, promovendo Faro com o prestigio que merece.

Irmandade algarvia acertou no zero


Cedo se começou a definir que o futebol directo seria o ideal a adoptar devido ao péssimo estado do relvado no Estádio de São Luís, que impossibilitava passes curtos e o período de adaptação levou a que se multiplicassem os episódios trapalhões durante o jogo. No primeiro tempo, o Louletano conseguiu criar perigo apenas nos remates fora da área (Fausto, aos 12', Eugénio, aos 39', e Leo, aos 42'), ao passo que o Farense teve em Zambujo e Adérito duas excelentes oportunidades de inaugurar o marcador que Bruno Lúcio anulou.

As oportunidades desperdiçadas agitaram os ânimos e no tempo complementar a emoção aumentou mas nem o golo de Adérito (84') - alcançado com a mão -, e bem anulado pelo árbitro setubalense, salvou este encontro de irmãos algarvios por forma a merecer nota positiva.


Farense 0 Louletano 0
Estádio São Luís, em Faro
Árbitro Nuno Almeida [AF do Algarve]


Farense
Treinador Joaquim Mendes

Serrão; Cannigia, Mamadou, Tiago Sousa e Joshua; Bilro e Varão; Davide Justo [Bruno Carvalho 55'], Luís Zambujo [Luís Afonso 68'] e Adérito; Keu


Louletano
Treinador Paulo Renato

Bruno Lúcio; Eugénio, Fausto Lúcio, Cordeiro e Dante; Fábio Teixeira, Leo e Alberto; Bruninho [João Reis 75'], Ben Traoré [Gary 68'] e Fábio [Nicola 89']


Cartões Amarelos 27' Luís Zambujo, 34'Bilro, 51' Tiago Sousa, 66' Fábio Teixeira, 72' Bruno Carvalho, 81' Eugénio, 84' Adérito


Por Tiago Griff In Jornal O Jogo
Foto de José Luis Silva In Blog Leões de Faro

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Caso Queiróz e a sucessão


Pouco tenho escrito sobre a problemática em torno da liderança da Nossa Selecção, porque nas ultimas semanas temos sido bombardeados por inúmeras noticias, opiniões e relatos que se vão contradizendo constantemente. Consubstanciando a minha opinião apenas em factores desportivos e nalguns que são do domínio publico, e de constatação geral, creio que a saída de Carlos Queiróz do comando técnico da Selecção Nacional era um dado mais que previsível e que se justifica em face de da forma como geriu a equipa nacional, muitas vezes conseguindo os objectivos, mas à custa de formas, metódos e maneiras de agir que entristecem, e que de uma maneira geral não podem ser admissiveis numa pessoa com as responsabilidades de Carlos Queiróz.



Carlos Queiróz havia sido contratado após o Euro 2008, para substituir Scolari, em fuga para Londres, e desta forma orientar, preparar e levar Portugal a uma prestação digna no Mundial 2010, ao mesmo tempo que lhe era oferecido um contrato de quatro anos, obedecendo a uma politica de aposta na Formação, esquecida pela FPF... Passados mais de dois anos, e olhando para resultados nos A's admito que terminar o Mundial entre as 16 melhores selecções, sendo eliminado pela equipa campeã, não será um resultado mau. Mas ao contrário de muitos que ainda defendem Queiróz, não nos podemos esquecer da forma como nos apurámos e de como se destruiu a todos os níveis o espírito de união no balneário e também no coração dos portugueses.

De um apuramento num grupo sem nenhum dos grandes papões do futebol europeu, conseguimos in-extremis o apuramento com um registo de 5V-4E-1D, tendo a felicidade de jogar no play off contra uma das equipas mais fáceis. Mas pior que os resultados foram as exibições descoloridas e o sub rendimento de algumas unidades chave, como Cristiano Ronaldo ou Deco... Curiosamente, essa falta de liderança e de argúcia para motivar e saber tirar o melhor destes jogadores teria o seu clímax em pleno Mundial com os contornos que se conhecem. Pelo meio não me esqueço dos atropelos e indefinições na política de recrutamento de jogadores excluindo da mesma jogadores como João Moutinho ou Carlos Martins e outros com marca "Scolari", apostando em jogadores sem provas dadas ou habilitando Liedson, em clara posição à politica de formação que era defendida. Desacatos com a comunicação social existiram, o caso ADOP também o desgastou, mas no meu entender foi mesmo a incapacidade de liderança e a inabilidade técnica para treinar uma selecção que ditaram o fim de ciclo, numa equipa que chega a esta fase sem qualquer sistema de jogo assimilado, dada postura contra natura imposta por Carlos Queiróz à equipa...

Das equipas jovens, pouco ou nada viu evoluir e desta forma, Queiróz acaba por sair da Federação sem o sentido de dever cumprido, não pondo em causa as suas capacidades como formador, mas por certo traído pelo cargo que lhe ofereceram e que mais uma vez demonstrou não ter capacidade, à semelhança de outras experiências no passado.

Agora que o lugar está vazio, creio que a solução deveria passar por uma liderança técnica bi-partida nos quadros de futebol da FPF, entregando o cargo de Director Técnico a uma pessoa com capacidades de treinador e formador, encaixando que nesse lugar uma pessoa como Paulo Bento, que organizaria todas as selecções jovens até aos sub-21, acautelando com tempo, e desta forma as necessidades da Selecção A. Quanto ao Seleccionador A, acima de tudo, terá que ser um motivador nato, líder e conhecedor do nosso futebol no terreno e a todos os níveis por forma a não ser traído como outros foram no passado. Nomes há muitos, mas poucos com essas características...

Mas isto se enquadraria se a FPF levasse a cabo uma revolução nos escalões de formação e na admissão de estrangeiros no nosso futebol. O modelo Inglês, em que o "estrangeiro" só é admitido após uma licença de trabalho atestando o seu valor, devia ser implementado em Portugal e desta forma promoveria uma maior aposta dos nossos jovens nos escalões profissionais em detrimento de estrangeiros de qualidade duvidosa. Ao contrário do que a FPF defendia, os quadros competitivos em Portugal não podem ser reduzidos sob pena de termos os nossos potenciais jovens internacionais sub-19 ou 20, acabados de sair dos juniores a jogar em distritais. Ao invés a aposta em equipas B ou noutro formato que dê ritmo a estes jovens deviam ser implementado, limitando também o acesso de estrangeiros nos escalões de juniores e juvenis, como se verificam nas equipas da Madeira e nos grandes do nosso futebol.

Farense defronta União da Serra na Segunda Eliminatória da Taça de Portugal

Coube em sorte ao SC Farense deslocar-se a Santa Catarina da Serra, no distrito de Leiria para a segunda eliminatória da Taça de Portugal 2010/2011. O jogo será disputado no dia 19 de Setembro.


Depois de ter vencido no fim de semana passado o Santana (3. Div) por 3-0 no São Luís, o Farense é obrigado agora a uma deslocação de cerca de 370 kms, sendo contudo positivo o facto de ter evitado uma deslocação ao Norte, a uma equipa de Segunda Liga ou mesmo em último caso, às ilhas. O Farense parte para esta eliminatória com a obrigação de dignificar ao máximo a camisola do histórico clube algarvio, o último finalista algarvio numa Taça de Portugal. Defrontará uma equipa que está à 3 épocas na Segunda Divisão e que na época transacta se classificou em sétimo lugar, com 41 pontos, a 16 pontos do Arouca, que viria a ascender à Liga Orangina. Dos 15 jogos disputados no seu reduto (com capacidade para 2500 pessoas), conquistou 30 dos 45 pontos em disputa o que atesta bem da capacidade desta equipa intra-muros. Já neste ano passou a primeira eliminatória dat Taça ao bater o Juventude Gaula, da Terceira Divisão por 3 a 0.

Adivinha-se um jogo muito interessante, pois o ligeiro favoritismo dos locais esbarrará na habitual garra dos farenses, que este ano aparecem em competição com uma equipa homogénea, apesar de limitada em unidades.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Câmara de Faro acaba com o «caótico» mercado de S. Luís e transfere vendedores


A Câmara de Faro anunciou hoje, em comunicado, ter removido e relocalizado a área de venda que funcionava no Largo de S. Luís, na capital algarvia.

Segundo a autarquia, esta zona era constituída «por um aglomerado desordenado e caótico de tendas, que não cumpriam requisitos mínimos de apresentação, higiene e salubridade para estarem patentes ao público. Era uma péssima imagem para a cidade».

A Câmara acrescenta ainda que «está em causa a boa imagem da cidade, em particular de zonas densamente povoadas que carecem de um tratamento criterioso no ordenamento do espaço público, de molde a reassumirem a sua arrumação como artérias urbanas cuidadas, limpas e bem organizadas».

Ora isso, com o antigo mercado do Largo de S. Luís, «não se verificava».

Tendo sido «removidas as tendas» e «eliminados os despojos», a Câmara relocalizou os comerciantes nas imediações do Mercado Municipal.

A autarquia esclarece-se que optou «por sediar os comerciantes com título para o efeito nas laterais da praça frontal ao Mercado, em espaços delimitados, bancas padronizadas, condições dignas e confortáveis tanto para vendedores como para consumidores e sem prejudicar o ordenamento do Largo Francisco Sá Carneiro».

«É a melhor solução», garante a autarquia.

Esta operação permite, sublinha o município, «resolver um problema que se arrastava há décadas, zelando pelo espaço público e provendo a uma melhor organização da cidade».


In Barlavento Online


Após ler este artigo, ocorreu mais uma vez que o projecto urbanistico proposto pelo Farense à Câmara Municipal de Faro, continua, pelo menos para os sócios do Farense e farenses em geral, ainda em apreciação. Desde meados de Março que a situação se mantém, mas quero acreditar que embora o assunto da noticia não esteja directamente ligado, poderá ser uma pequeno sinal de que a CMF está atenta ao que se quer no local. O facto é que aquela zona está num estado de degradação evidente, a começar pelo próprio Estádio S. Luís, quer pelas zonas limítrofes, necessitando a cidade de uma nova imagem naquela zona, melhorando a qualidade de vida aos farenses e desta forma resolvendo o problema que continua a inquinar o futuro do maior emblema desportivo do Algarve.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Mamonas Assassinas. Do céu à terra em sete meses - 15 anos depois a história...


Poucas horas antes de embarcar num voo para Brasília, Júlio Rasec entrou no seu cabeleireiro de sempre, em Guarulhos, São Paulo, e deixou no ar uma frase enigmática. O teclista descrevia ao amigo de infância um sonho sobre um acidente de avião, que dias depois havia de alimentar toda a espécie de teorias da conspiração e premonição, num país que chorava ainda a morte de outro ídolo: Ayrton Senna. Os Mamonas Assassinas desapareciam assim, de forma tão meteórica como tinham surgido, sete meses antes, num irónico e trágico desastre aéreo. Mas esse tempo foi quanto bastou à banda para vender quase dois milhões de discos e se tornar o maior fenómeno instantâneo da música brasileira. O álbum, homónimo, foi editado há 15 anos.

"Era um caos. Os Mamonas viveram o sonho do rock star de uma maneira simples e muito ligada aos fãs. Algo que hoje vemos de forma comum, com as bandas a comunicarem através da internet. Eles atendiam toda a gente na rua", recorda ao i o produtor do disco. A fórmula do sucesso poucos poderão assegurá-la com certeza, mas Rick Bonadio avança "a forma simples como os Mamonas conseguiam, através da música, contar piadas e brincadeiras ao povo". A isto, acrescente-se talvez o facto de estarmos a falar de um grupo que representava o povo brasileiro em toda a sua diversidade: eram japoneses, caipiras, e paulistas da periferia.

Antes de se chamar Mamonas Assassinas, a banda, então apenas com três elementos, actuava com o nome de Utopia, tocando versões dos brasileiros Legião Urbana e Titãs, e alguns êxitos americanos. Num dos muitos concertos em pequenos bares da periferia paulista, o público quis ouvir uma música de Guns N'' Roses. Sem a letra, o baixista Samuel Reoli pediu ajuda de alguém do público. Alexsander Alves, então com 17 anos, saltou para o palco e improvisou. Estava encontrado o vocalista, que pouco depois traria consigo o teclista e amigo, Júlio Rasec.

Apesar de discretos, os Utopia chegaram a gravar um disco - também produzido por Bonadio - mas as vendas não chegaram sequer às 100 unidades. "Sempre disse que aquele não era o caminho. Um dia, só de brincadeira, o Dinho gravou duas músicas para um churrasco, chamadas ''Pelados em Santos'' e ''Robocop Gay. Era uma coisa bem brega e tradicional, e eu sugeri que misturassem ali um pouco de rock''", conta o produtor. Duas destas faixas acabaram por chegar às mãos de três editoras. Pouco depois, banda assinava um contrato com a EMI.

O fenómeno foi instantâneo e transversal. Durante sete meses, os Mamonas Assassinas deram uma média de oito concertos por semana, percorrendo o Brasil de um ponta à outra, e tocando praticamente em todos os estados brasileiros - muitas vezes com dois espectáculos por dia. A isto, juntaram ainda um sucesso comercial raro, com o álbum de estreia a atingir rapidamente o disco de diamante - correspondente a um milhão de cópias vendidas - e a banda a cobrar um dos cachets mais elevados de todo o Brasil.

Apesar disto, os elementos dos Mamonas mantiveram-se fiéis às suas origens humildes, fazendo questão de o dizer publicamente, como testemunham muitos dos vídeos feitos em concerto. "Somos os mais caros, os que vendem mais, mas continuamos de Guarulhos", gritava Dinho num espectáculo. "Eles estavam apenas a divertir-se, mas sabiam ao mesmo tempo o papel profissional de cada um", acredita Rick Bonadio.

O primeiro espectáculo fora do Brasil estava previsto para os primeiros dias de Março de 1996. "Fiquei encarregado de comprar máscaras de hospital, iguais à que o Michael Jackson usava, lembra? O Dinho queria descer do avião, em Lisboa, com uma. Foi essa a nossa última conversa." Na véspera da partida para Portugal, no dia 2 de Março de 1996, após um concerto em Brasília, o avião que transportava a banda despenhou-se nas imediações do aeroporto de Guarulhos. Ironicamente, à porta de casa.

In I Online



Sem dúvida, umas das perdas do mundo da música que mais me marcaram, a par de Kurt Kobain e à pouco tempo Michael Jackson...

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Precisamos de (C)ajuda...

Cortesia Bola na Rede

Teatro das Figuras: Nova temporada de propostas imperdíveis

Pre-nomeados para integrar o TOP 5 nacional do MTV National Act, os farenses NOME actuam em Novembro no Teatro Lethes
A nova temporada do Teatro das Figuras inicia-se no próximo Sábado, dia 11 de Setembro, às 21h30, com um concerto de Rodrigo Leão & Cinema Ensemble. Este concerto, dedicado ao mais recente trabalho de Rodrigo Leão, “A Mãe”, será apresentado em parceria com o programa Allgarve.

A Música, nas suas várias expressões, marca a nota dominante para a programação dos meses de Setembro a Dezembro de 2010. Já no próximo dia 24, o concerto de Carminho abre o ciclo “Tudo Isto é Fado”, que trará, em Outubro, ao Teatro das Figuras, Ana Sofia Varela com os seus “Fados de Amor e Pecado”. No dia 1 de Outubro, Dia Mundial da Música, numa co-produção da TMF, E.M. e da Associação Música XXI, com o apoio do Município de Faro, terá lugar um recital exclusivo de Sequeira Costa, um dos mais internacionais pianistas portugueses, que interpretará obras de Chopin.

Três bandas da região terão também oportunidade de dar a conhecer o seu trabalho, no âmbito do ciclo “Bandas de Cá”, que apresentará no Teatro Lethes em Setembro “Mad Cats”, em Outubro “Godai” e em Novembro um concerto acústico dos “Nome”, de apresentação do seu disco “Código Pele”, editado no final de 2009.

Na área do Cinema, destaque para o ciclo de documentários “De Olhos Postos em Nós”, que apresenta o olhar de seis realizadores sobre o nosso país, reflectindo sobre o seu passado, tradições e realidade(s) . Este ciclo é uma iniciativa do Cineclube de Faro em parceria com a TMF, E.M. e apoio do Município de Faro, que decorrerá de 15 a 18 de Setembro, no Teatro de Lethes.

A área da Dança marca de forma indelével a programação para o mês de Novembro. No dia 6, o Teatro das Figuras apresenta “O Aqui”, um espectáculo da companhia CIM – Companhia Integrada Multidisciplinar, que integra intérpretes da APCL – Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa e do CRPCCG – Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral Calouste Gulbenkian, com direcção artística e coreografia de Ana Rita Barata, fundadora da Associação Vo’Arte. “O Aqui” é um espectáculo de dança que ultrapassa as barreiras da limitação e exclusão físico-social e que desafia o espectador enquanto ser humano.

Também em Novembro e no âmbito da actividade do Serviço Educativo, apresentamos “A Casa”, um projecto de dança concebido, dirigido e coreografado por Aldara Bizarro, do qual o Teatro das Figuras é um dos co-produtores. “A Casa” gira em torno da casa ideal de cada um e está alicerçada num conjunto de entrevistas recolhidas e filmadas em vídeo, entre 2009 e 2010, nos vários locais onde será apresentado, tendo Faro feito parte desse roteiro.

Toda a programação para os meses de Setembro a Dezembro, bem como informação relativa a preços, reservas e vendas on-line, está disponível no sítio de Internet http://www.teatrodasfiguras.pt/.


segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Feiras e exposições de Faro vão para o Vale da Amoreira



O Plano de Urbanização do Vale da Amoreira, em Faro, foi revisto pelo atual executivo e a novidade é a inclusão de um espaço para um Parque de Feiras e Exposições. Consulta pública já começou.

A Câmara de Faro já reservou um espaço para o futuro Parque de Feiras e Exposições na zona do Vale da Amoreira.

Esta é a principal novidade que saiu da revisão do Plano de Urbanização (PU) desta área do concelho, situada no limite Norte da cidade, entre a Penha e o Chelote.

A zona verde que já estava prevista mantém-se, mas a construção de um centro comercial Dolce Vita não vai avançar, segundo apurou o «barlavento».

As alterações a este plano, cujo primeiro esboço foi criado pelo anterior executivo camarário liderado pelo socialista José Apolinário, foram votadas na reunião da Câmara de Faro da passada semana.

O atual presidente da Câmara de Faro Macário Correia adiantou, entretanto, ao «barlavento», que embora tenha havido alterações, a filosofia inicial não mudou substancialmente.

«Fizemos algumas alterações, mas a área verde prevista é para manter», revelou. «A principal alteração prende-se com a inclusão de um espaço para um Parque de Feiras e Exposições, que é uma necessidade há muito identificada e que a Câmara considerou que deveria ser construído naquele local», adiantou.

Poucos meses antes das últimas autárquicas, onde foi derrotado por Macário Correia, José Apolinário apresentou este plano, dando especial enfoque ao Parque Urbano de 10 hectares nele previsto.

Este projeto tinha a assinatura do conhecido e por vezes polémico arquiteto paisagista Sidónio Pardal.

O parque iria ser o elemento central de uma nova zona urbana, para onde também estava prevista a construção de um centro comercial que seria dinamizado pelo grupo Sonae. Macário Correia reiterou ao nosso jornal que a construção desta unidade comercial, que teria a marca Dolce Vita, não vai avançar.

«Não havia qualquer compromisso da parte da autarquia, nem nenhum documento oficial nesse sentido», esclareceu o autarca.

O novo Plano de Urbanização do Vale da Amoreira vai estar em discussão pública a partir «desta semana» e depois ainda terá de ser aprovado em Assembleia Municipal.

Por Hugo Rodrigues In Barlavento Online

Agosto algarvio teve casa quase, quase cheia, com taxa de ocupação hoteleira de 92,5%


A taxa de ocupação hoteleira no Algarve atingiu 92,5% no passado mês de Agosto, um valor mais alto que o verificado no mesmo período do ano passado, anunciou hoje a Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

Como já vem sendo hábito, a zona do Algarve em que a ocupação foi mais alta foi a de Monte Gordo/Vila Real de Santo António (97,1%), enquanto Faro/Olhão registaram a mais baixa, com 77%.

Por zonas geográficas, e ainda segundo os dados hoje revelados pela AHETA, verificaram-se descidas nas zonas de Tavira ( 3,2%) e de Portimão/Praia da Rocha (-1%).

As principais subidas ocorreram em Carvoeiro/Armação de Pêra (+4,3%), e Vilamoura/Quarteira /Quinta do Lago (+3,5%) e Albufeira (+2,9%).

Por categorias, as principais subidas registaram-se nos aldeamentos e apartamentos turísticos de 5 e 4* (+12,5%) e nos hotéis e aparthotéis de 3* (+2,8%).

A única descida a assinalar foi a verificada nos aldeamentos e apartamentos turísticos de 3 e 2* (-2,3%).

Em relação às dormidas dos principais mercados, o nacional apresentou uma subida homóloga de 2,1%, o espanhol de 28,3% e o holandês de 7,6%.

O mercado o britânico desceu 2,7% e o irlandês 33,4%.


In Barlavento Online
Tudo isto seria bonito se não fosse verdade que os hotéis, de um modo geral, praticaram este ano preços muito mais baixos em época alta, por forma a poder tornar mais apelativo o produto "Allgarve"... Isto para não falar nos "preços de amigo" no Golfe, onde se criaram pacotes por forma a estimular o consumo, mas desta maneira estragando o produto "golfe" que assim nunca mais terá margem para poder ser vendido aos preços de antigamente...