segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Critério ou falta dele...


Foi noticia e mais notícia será no próximo dia 12, quando o protocolo for formalizado entre a Entidade Regional de Turismo (ex. Região Turismo do Algarve) e o Sporting Clube Olhanense, que contempla o patrocínio oficial a porventura avultado financeiramente, em contrapartida da visibilidade e retorno directo e indirecto nas unidades hoteleiras algarvias e espaços de restauração, devido à presença duma equipa algarvia na Liga Sagres.

Nada tenho contra este apoio ao clube de Olhão, pois não desejo aos outros, o que não quero para mim e para os meus, apenas me espanta o critério que é tido nesta situação, quando se sabe que nem o Farense (pelo menos nos últimos anos de Liga Sagres) teve tal benesse, que por certo o ajudaria a não mergulhar duma forma profunda na crise que se conhece, quando se sabia que as contrapartidas para a região algarvia seriam sempre similares às do presente. Mas mais, com o projecto do Estádio Algarve em marcha, desde meados de 1998, não seria lógico que a partir dessa hora se olhasse para o negócio Turismo vs Futebol de outra perspectiva na região, apoiando fortemente o clube anfitrião do recinto, neste caso o Farense, que militava na 1ª Divisão, por forma que esta infra-extrutura pudesse ser palco de grandes eventos desportivos, reafirmando de vez a dimensão regional do Farense e projectando o nome "Algarve" além fronteiras?

É deste critério que me interrogo, como também me interrogo do porquê do total desprezo desta entidade para com o Centro de Ciclismo de Tavira, clube que conseguiu a maior conquista desportiva da região nos últimos anos, a vitória na Volta a Portugal em Bicicleta, e que por estes dias, têm uma mediatização brutal entre nós. Como se sabe, o "naming" das equipas de ciclismo é um veículo muito forte de marketing, divulgado na estrada, mas essencialmente nos media, situação que por exemplo, no nosso país vizinho é algo absolutamente normal, com o patrocínio forte da região da Andaluzia e da Galiza às suas equipas...

Mas aqui tudo é diferente, resta saber o porquê deste critério... Eu até imagino mas não me atrevo a escrever...

4 comentários:

Zé de Fare disse...

Nem campo tem para jogar. As obras no Zé Arcanjo só acabam em Outubro.

Ferreira disse...

Relamente cada cabeça sua sentença.
Quando estavam os antigos presidentes da RTA o futebol não era prioritário, mesmo quando o Farense foi à Europa, e diziam que para patrocionar um teriam de patrocionar os outros.....
agora parece que já não é bem assim.....e arranjar-se-ão argumentos fáceis que até poderemos compreender dado o SCO ser agora o clube que representa região ao mais alto nivel.
Embora em visibilidade e estatuto não chegue aos calcanhares do SCF.
Nem nisso tivemos sorte, e quando poderiamos tirar partido da noss projecção intermna e externa não haviam pessoas de Faro nem que gostassem de futebol na RTA, desviando avultadas verbas para outros eventos.

Agora é à fartazana, e ainda bem, digo eu.

Anónimo disse...

O Farense teve bastantes benefícios com o concerto do Pavarotti...e aí entrou a RTA...agora o que no SCF fizeram ao dinheiro, já é outra conversa.

Anónimo disse...

E em vez de andarem a pensar nos outro, deveriam é pedir contas a quem lá esteve no passado e deixou o clube de rastos...andam por aí na maior das impunidades o Sr. Coelho e Sr. Santos, além de outros...a eles ninguém vai chagar!!!