sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Jornada 20 Antevisão >> Farense - Padernense

Mais uma jornada do Distritalão, têm lugar amanhã sábado, fixando a luta pela liderança por Faro e arredores, em virtude do Farense receber o Padernense no Estádio Algarve e o Salgados receber no sintético da Penha, a equipa do Lusitano. Enquanto isso, na Ria de Alvor, a equipa da casa recebe o Castromarinense, equipa que aproveitou a recente quebra de forma de Farense e Lusitano e diminuiu para 5 pontos a desvantagem para o líder. O Farense têm como adversário, uma das equipas que na época passada acompanhou a equipa de Faro à promoção ao Distritalão, e que este ano têm sentido muitas difilcudades em se impor, pois ocupa o último lugar da tabela com apenas sete pontos, resultado de 14 derrotas em 19 jogos, obtendo apenas uma vitória e 3 empates. Muito curioso, que dos 7 pontos averbados, 6 foram obtidos fora de casa, o que mostra que a equipa do Padernense, apesar de muito frágil, parece talhada para jogar no contra ataque, optando por uma postura mais defensiva e compacta, oferecendo o meio campo ao adversário e explorando investidas rápidas. Contudo a sua tarefa no Estádio Algarve não se afigura fácil, pois é um campo totalmente diferente dos do Distritalão, de vastas dimensões, ao qual grande parte das equipas não está identificada e naturalmente cede defensivamente, quando o Farense jogando o que sabe, impõe uma toada ofensiva, agressiva e rápida à partida. Acreditamos que com maior ou menor dificuldade o Farense sairá vencedor, e viajará para Vila Real mais seguro das suas capacidades, acreditamos muitas delas ainda estão por se afirmar neste último terço do campeonato.

Farense - Padernense
Estádio Algarve (Parque das Cidades)
(01.03.2008 15h00)
Árbitro: Silvia Domingos

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Com esta é que ninguém esperava...

É esta a manchete do semanário regional "Jornal do Algarve" desta semana, onde nos deparamos com a entrevista a um taxista que alegadamente transportou Maddie McCann no dia em que seus pais viram pela última vez a criança britânica.

Memórias dum passado cheio de êxitos....


Apresentamos um recorte da Revista "O Jogo", relativa ao balanço da época 1993/1994, onde podemos observar a equipa do SC Farense, que sob o comando do catalão mais algarvio do planeta obtinha o honroso 8º lugar empatado pontualmente com o sexto classificado. Caras bem conhecidas dos adeptos farenses que nesta imagem mostram uma agradável juventude como é o caso de Jorge Soares, actual adjunto de Jorge Portela.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Invasão a Vila Real de Santo António está em andamento

"Deslocação a Vila Real – Proposta

Sei que ainda faltam 2 semanas para a deslocação a Vila Real mas gostaria de vir aqui propor algo que julgo seria bastante interessante, e para tal deveria de ser preparado com tempo, mas para melhor se entender o espírito da coisa gostaria de recuar um pouco no tempo.

Lembro-me que o meu avô (também ele um grande adepto do Farense) contava-me que quando o Farense andou pelos patamares mais baixos, os adeptos juntavam-se e percorriam o Algarve e o Alentejo em excursão apoiando o clube, apesar de haver muitas dificuldades naquela altura, o meu avô dizia que havia um grande espírito de entreajuda, quem tinha transporte levava os outros que não tinham e as estradas iam cheias com centenas de adeptos, juntavam-se todos junto à sede do clube e retornavam juntos.

É um pouco isso que eu gostaria de propor, mostrar que apoiamos sempre o nosso clube e que estamos unidos, por isso mesmo solicito o vosso apoio pois como claque organizada terão mais possibilidades de promover a iniciativa (se concordarem claro), os pontos seriam estes:

1 – Anunciar no próximo jogo em casa local e hora da concentração, podia-se mesmo anunciar no sistema de som do estádio
2 – Promover na cidade durante estas 2 semanas o apoio dos cidadãos para participarem na excursão
3 – Sugerir que todos viessem com uma blusa preta ou branca
4 – Que tal fazer-se uma T-shirt a dizer EU VOU APOIAR O FARENSE e vender na altura da concentração, eu comprava de certeza, e creio que outros também o fariam
5 – Partirmos todos ao mesmo tempo em caravana em excursão por metade do Algarve e voltarmos todos juntos
6 – No jogo participarmos todos como uma enorme claque a uma só voz Bem deixo aqui o que creio seria algo que não nos esqueceríamos tão cedo e deixo ao vosso critério a realização ou não da mesma. Obrigado"
In http://www.southsideboys.net/ (Fórum) por Repulse
Agora só depende de nós tornar esta ideia em realidade, mostrando mais uma vez ao Algarve que somos a maior força desportiva da Região. Assim todos colaborem e participem activamente na divulgação da mesma.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Luis Mota venceu no temporal

Foi no passado fim-de-semana que se iniciou a época de Rallys aqui no Algarve, com a disputa da primeira prova do Campeonato Regional Rallys Sul, desta feita na zona de Martinlongo. Estavam inscritas 26 equipas, saindo para a estrada 22 carros apenas, o que é um decréscimo relativo a outros anos e notando-se claramente a ausência dos dois rostos que na passada época disputaram o título, Pedro Duarte e José Merceano. Rui Coimbra que era apontado como um dos favoritos à partida, não partiu devido a problemas de arranque no seu WV Golf GTI. Esperava muito do piloto da Teodósio Competições, José Neves, que na estreia do seu Mitsubishy Lancer EVO IV, foi obrigado a desistir na sequencia dum capotamento. O rally disputou-se sob condições atmosféricas adversas e que dificultaram muito a prova dos pilotos de tracção a duas rodas em virtude do piso estar muito empapado. Numa prova em que os mais regulares acabaram por sair beneficiados, Luís Mota acabou por vencer ao volante do seu Mitsubishi Lancer Evo IV, enquanto o dinâmico Gil Antunes, num Opel Astra GSI terminou na segunda posição a 46,8 segundos. António Lampreia, que fez uma prova muito "certinha" no seu Ford Escort Cosworth, fechou o pódio a 1min35,9 segundos do vencedor.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

O Fim de Semana Desportivo em Análise

Podemos dizer que este foi um fim-de-semana aziago para as cores do Farense, em virtude dos maus resultados obtidos pelas suas equipas de futebol. Assim, nas Escolinhas o Farense foi derrotado pelo Olhanense por 2-0 enquanto nos Infantis o Checul de Quarteira bateu o Farense por 3-1 deixando a equipa de Faro mais longe do primeiro lugar. A equipa de Iniciados conseguiu um empate diante da outra equipa da capital algarvia, o S. Luís, a uma bola, resultado que a mantém a oito pontos do líder S. Luís e que hipoteca cada vez mais as aspirações de subida aos Nacionais. A já despromovida equipa de Juvenis não foi além dum nulo caseiro diante do Lusitano de Vila Real de Santo António. Quantos aos Juniores, no último jogo da fase regular deslocaram-se a Setúbal e foram derrotados por 3-0, resultado sem influência na excelente classificação obtida. Quanto aos Seniores, do mal o menos, pois o empate alcançado em S. Brás mantém a equipa no topo da classificação pois o Lusitano de Vila Real de Santo António empatou a uma bola frente ao Armacenences. E se por um lado se assiste ao mau momento dos pombalinos, em vésperas da visita à cidade do Guadiana, o vizinho Castromarinense parece ter encontrado o bom caminho nas últimas jornadas e reassumiu a luta pela subida a 5 pontos do Farense e 3 do seu vizinho Lusitano. Uma luta a três nesta fase do campeonato, que promete durar pelo menos mais umas jornadas, até que as equipas terminem os jogos entre si.

Na Terceira Divisão Nacional, jornada de glória para o Beira Mar de Montegordo, que finalmente ascendeu à primeira posição da tabela, após uma excelente série de resultados que o coloca como o mais sério candidato à promoção. Nesta jornada o magro triunfo por 1-0 diante do Lusitano de Évora foi suficiente para deixar para trás o anterior líder Aljustrelense, que perdeu por 2-0 no Lavradio. Destaque também para o Almancilense, que quebrou a malapata das últimas jornadas e venceu em Montemor por 0-1, resultado que lhe deixa margem de manobra para a recta final desta 1.ª Fase. Nota positiva também para o Quarteirense que subiu à zona de tranquilidade após bater em sua casa o fragilizado Imortal de Albufeira por 2-0. Destaque negativo para o Ferreiras, que cortou a série de bons resultados e caiu da zona de tranquilidade ao ser surpreendido em casa pelo Amora por 0-1.
Por fim realce para o derbi Silves-Campinense, donde saiu vencedora a equipa de Silves. Por certo os homens do Silves gostariam que o campeonato se alongassem mais um pouco, pois a recuperação que encetaram poderia dar outros frutos se tivesse começado mais cedo.

Na Segunda Divisão B, destaque merecidíssimo para o Lagoa que foi a Pinhal Novo bater a equipa de Paco Fortes por 0-4. O Lagoa, que vinha atravessando um mau momento, recuperou nas ultimas jornadas e neste momento está no sexto posto da tabela, lugar muito ansiado pelas hostes louletanas, mas que nesta jornada viram goradas as suas aspirações ao sair derrotado por 0-1 frente ao vice líder Operário no Estádio Algarve. No outro jogo o Messinense empatou em Mafra a uma bola, resultado positivo para os comandados de José Veríssimo.

Por fim, na Liga Vitalis, jornada negativa para os dois representantes algarvios, que perderam excelente oportunidade de consolidar os seus objectivos. O Olhanense reencontrou Paulo Sérgio e este levou a melhor sobre a sua anterior equipa ao vencer por 2-0 em Aveiro. Parece-nos que a equipa de Olhão, tendo um bom conjunto e dispondo de condições para subir de divisão, têm falhado em jogos decisivos que a podiam impulsionar para candidato assumido. Quanto ao Portimonense, apesar de ter subido um lugar da tabela, ao ultrapassar o Desportivo das Aves, perdeu uma boa hipótese de se distanciar ainda mais dos seus opositores ao empatar 1-1 frente ao Santa Clara na cidade de Portimão, elevando mesmo assim a sua série para cinco consecutivos jogos sem perder.

O homem têm a cabeça a prémio...

Isto realmente é mesmo para rir (ou talvez não)... Com opiniões tão acertadas como descabidas, o mediatismo do "nosso amigo" têm os seus handicaps....

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Ana Dias vence na Maratona de Sevilha

Mais um motivo de orgulho para todos os farenses pois a nossa atleta Ana Dias venceu categoricamente a importante Maratona de Sevilha, prestigiando o nome da capital algarvia além fronteiras. À Ana Dias os meus parabéns e obrigado por tão digna prestação.

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Farense treme mas mantêm liderança

Nem uma tarde chuvosa e algo ventosa afastou os amantes do futebol de mais uma jornada do Distritalão, pois mesmo de pé em condições pouco agradáveis deslocaram-se em bom número ao Campo Sousa Uva na vila de S. Brás de Alportel. Frente a frente estavam duas equipas com ambições distintas na tabela, mas mais que nunca ambas precisavam de demonstrar a si mesmas o crescendo de forma desejável, tendo em conta a trajectória das mesmas. E se o Farense visitava S. Brás como líder, isso não era de todo sinal de qualquer garantia pois sob o comando de Jorge Portela, nos dois últimos jogos as exibições não haviam sido convincentes, e aguardava um embate difícil perante uma moralizada equipa do Sambrazense, agora treinada por Vitinha, e que têm vindo a recuperar posições após a saída de Miguel Fernandes. O jogo iniciava-se então no Sousa Uva, campo algo curto, mas num relvado natural em razoáveis condições, com o Farense a entrar bastante bem e logo a desperdiçar uma bela hipótese por Edinho, que logo na jogada imediata haveria de marcar na sequencia do canto. Augurava-se um jogo tranquilo para o Farense, tal foi a facilidade com que se impôs no meio campo nesses primeiros dez minutos, asfixiando as acções do Sambrazense, que tenuemente ia atacando mas sem incomodar Costa. Contudo a reacção dos homens de S. Brás aconteceu ao desenlear-se do meio campo do Farense, e começou a criar perigo em jogadas rápidas e onde não hesitava em rematar de longe, criando dificuldades inesperadas ao Farense, que não esperaria reacção tão pronta naquele momento. Foi com alguma justiça que Garrana, empatou a partida num grande golo em qualquer estádio do mundo, golo que não seria comemorado pelo ex-jogador do Farense, em claro sinal de respeito pelos Leões de Faro. E foi de repente que o Sambrazense se adiantou no marcador, aproveitando alguma desorientação da equipa de Faro, pois em quinze minutos sofreria três golos, um por Igor e outro num penalty algo escusado ao qual Marcelo converteu. Para muitos dos que observavam a partida, era com espanto que viam o líder cair ao tapete duma maneira tão fácil, resultado dum futebol pouco articulado, algo confuso, onde só as desmarcações de Edinho ou Bruno e algumas bolas jogadas pelo ar, criavam perigo. A partida ganhava então um interesse ainda maior, pois todos procuravam saber como reagiria o Farense à primeira vez esta época que se apanhava a perder por duas bolas. A garra da equipa de Faro, aliada à ansiedade bem patente nos seus jogadores não era sinónimo de bom futebol, mas foi num livre que Edinho reduziria a diferença ainda antes do intervalo, reavivando a chama do Farense para o segundo tempo.
Na segunda parte o Farense entraria determinado mas enfrentaria uma equipa do Sambrazense muito organizada e bem fisicamente que dificultou imenso a tarefa dos Leões de Faro. Destaque para uma perdida incrível de Edinho que completamente isolado e à sua mercê, falhou um golo que parecia certo e deixaria o Farense com mais de meia hora para dar a cambalhota no marcador. Jogando um futebol ofensivo, em que até os laterais Amílcar o Caras já se entregavam ao ataque procurando empurrar ainda mais o Sambrazense para a sua área, o Farense foi incapaz de jogar um futebol bonito, usando e abusando dos lançamentos longos de Túlio Benje mas ainda assim teve ocasiões para marcar, e pode-se também queixar de dois lances muito duvidosos dentro da área do Sambrazense que passaram em claro na arbitragem de José Lamy, que esteve também mal no capitulo disciplinar. Num dos lances parece-nos que Edinho é tocado na área, enquanto noutro é evidente o empurrão a Brasa. Com o aproximar do final da partida, alguma descrença ia-se apoderando dos adeptos farenses, que viram uma oferta de Rony ao jogar a bola com a mão na sua área, dar de bandeja a hipótese de Edinho empatar a partida, situação que este não desperdiçou. Alcançado o empate a cerca de 8/9 minutos do fim mais descontos, esperava-se que o Farense aproveita-se esta boa onda e chegasse mesmo à vitória, mas seria o Sambrazense a puxar novamente do galões e a assumir o jogo criando ainda uma ou outra situação de algum embaraço. Para um simples farense como eu, vêm-me logo à lembrança as palavras de António Barão, que explicou a saída de Carlos Costa, com a incapacidade de reagir em momentos chave do jogo. Ora se Carlos Costa, que só saiu vitorioso em Alvor, Lagos ou mesmo Salir ou Horta da Areia (Faro), então como explicar a incapacidade do Farense assumir a parte final dum jogo, em que estaria melhor psicologicamente que o adversário nessa fase de jogo, actual décimo classificado da tabela, num razoável relvado e com o apoio incondicional da sua massa associativa, submetendo-se a sair derrotado depois duma boa recuperação??

Ficha de Jogo: Campo Sousa Uva (S. Brás de Alportel),
15 horas, 23/02/2008
Assistência: 450 espectadores
Sambrazense 3-3 Farense

(4mn, por Edinho na sequencia duma bola jogada por Bruno que remata para perto da linha de golo e Edinho confirma o tento)

(17mn, por Garrana Livre descaído para a direita junto ao limite da área do Farense, com a bola a contornar a barreira e a alojar-se dentro das redes de Faro num belo golo do jovem ex. Farense )
(21mn, por Igor num remate frontal na cabeça da área com a bola a entrar junto ao poste)
(32mn, por Marcelo na conversão duma grande penalidade)
(37mn, por Edinho, na sequencia de um livre para a área, a aparecer Edinho de cabeça e marcar o golo da esperança )
(82mn, por Edinho, falta de Rony que jogou infantilmente a bola com a mão na sua grande área e na marcação Edinho, desfere um violento pontapé ao centro da baliza, enquanto Jorge Abreu se havia jogado para a sua direita)

Farense: Costa; Amilcar, Né, Wilson (Calquinhas 77mn), Caras; Barão, Ricardo (Arlindo 45mn), Túlio, Roque (Brasa 29mn); Edinho, Bruno. Treinador: Jorge Portela

Faro com outra cara em 2012

"Frente ribeirinha requalificada

No âmbito do programa POLIS para Ria Formosa a autarquia de Faro pretende investir mais de oito milhões de euros na requalificação de toda a frente ribeirinha. O projecto objectiva virar a cidade para ria. E se não sofrer contrariedades estará concluído em 2012. Requalificar a Doca existente, construir uma nova exterior bem como um novo Cais das Portas do Mar, uma Marina “de nível internacional”, criar zonas de lazer, habitação e turismo, ciclovias, e implantar o Parque Ambiental do Pontal são algumas das obras previstas. Apresentado esta quinta-feira na câmara municipal, o projecto abrange três tipos de intervenções, uma na cidade no valor de 3,5 milhões euros, outra na praia (3,4 milhões), e outra no Ludo - o referido parque ambiental - com um investimento de 1,5 milhões. Não está contemplada a desactivação da linha ferroviária mas o edil local, José Apolinário, salientou no que o município “não pode baixar os braços” e que “serão encontradas soluções de arquitectura para vencer a barreira da linha”. Os projectos são parte do Plano Estratégico de Requalificação e Valorização da Ria Formosa, que vai ser muito mais abrangente, incluindo os concelhos de Tavira, Olhão e Loulé, num investimento global de 80 milhões de euros, mas que será mais tarde apresentado pelo próprio Governo, e poderá ter outros investimentos previstos para Faro. Os quatro municípios e o Estado vão fundar uma sociedade de capitais públicos, a Sociedade de Requalificação e Valorização da Ria Formosa SA, e candidatar os projectos ao Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) no âmbito dos Fundos de Coesão e do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. O executivo da autarquia de Faro já aprovou a entrada na sociedade mas a ideia terá de ser ratificada em Assembleia Municipal Extraordinária marcada para 5 de Março próximo. Na sociedade Faro terá a maior participação dos quatro municípios em termos de capital social com 14%. Olhão terá 11%, Tavira 7% e Loulé 3%. O restante capital social será pertença do Estado. Um estudo prévio para a estratégia de requalificação já foi adjudicado à empresa ParqueExpo 98, que tem a responsabilidade de enquadrar as obras com os vários planos de ordenamento como o PROTAL, sendo que todos os projectos carecem também de parecer favorável do Parque Natural da Ria Formosa. O estudo deverá estar pronto no final de 2008. Novos acessos à praia de Faro bem como um estacionamento automóvel à entrada são outras ideias projectadas. Destaque ainda para a desactivação do bairro da Horta da Areia para onde está pensada a criação de zonas de lazer, habitação e turismo, e a Marina de nível internacional. Os moradores da Horta da Areia deverão ser realojados na Urbanização dos Braciais durante o ano de 2009. " por João Vargues

In http://www.regiao-sul.pt/

Depois de tantas vezes noticiado e apresentado, só acredito que tudo isto se concretize quando vir as obras em marcha... Mas enfim já é um avanço a situação estar desbloqueada no IPTM e integrada no Programa Polis para a Ria Formosa. O problema é que tudo demora tanto tempo e uma das chaves da candidatura de José Apolinário em 2005 só agora é que parece finalmente alinhavado.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Jornada 19 Antevisão >> Sambrazense - Farense

Após assumir o comando do campeonato no fim-de-semana passado, o Farense enfrenta nesta jornada uma importante deslocação rumo ao título e a duas semanas da deslocação a Vila Real de Santo António. A vila de S. Brás de Alportel recebe assim o jogo grande da jornada, no velhinho Campo Sousa Uva, agora com um relvado em boas condições. Nesta deslocação de 17 km até ao barrocal algarvio o Farense defronta um adversário recheado de jovens valores, alguns deles bem conhecidos dos adeptos farenses, como é o caso de Garrana, Igor, Athos ou Grosso, mas também um consagrado jogador que agora dá os últimos pontapés na "rapaqueca" em S. Brás de Alportel, neste caso Hugo. Lembramos ainda que no banco da equipa de S. Brás está Vitor Felício, pai de Fábio Felício, categorizado jogador formado nas escolas do farense, agora no Marítimo. Como se pode ver, é um jogo recheado de interesses acrescidos a juntar como é evidente à curiosidade de saber como o Farense se portará no primeiro jogo fora de Jorge Portela. Nos dois últimos jogos, e frente a adversários da parte inferior da tabela, o Farense encontrou dificuldades inesperadas e não realizou boas exibições, salvando-se as vitórias e a ascensão ao primeiro lugar da tabela. Na primeira volta, o Farense não foi além dum nulo, condicionado também por ter jogado em inferioridade numérica mais de uma hora, resultado positivo para a equipa de S. Brás mas que daí para cá não tem vindo a realizar uma boa campanha estando actualmente na décima posição com 18 pontos, ou seja a 25 do líder Farense. Nota final para a esperada boa afluência de público ao recinto, não obstante as condições climatéricas instáveis, mas que ainda assim não devem ser impedimento para o apoio incondicional e numeroso das adeptos de Faro.


Sambrazense - Farense
Campo Sousa Uva (S. Brás de Alportel)
(23.02.2008 15h00)
Árbitro: José Lamy

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Rally de Martinlongo abre época no Regional Rallys Sul

É já neste sábado com as verificações técnicas e reconhecimentos dos troços, e claro no domingo com a prova em estrada que se inicia mais uma época de Rallys pelo nosso Algarve. O Rally de Martinlongo abre assim a época, estreando um novo conceito que o Clube Automóvel do Algarve espera que seja um autêntico sucesso e revolucione as provas. O Ralimix, como assim é designado promete então animar três das provas do Regional Rallys Sul, trazendo à competição Motas, Quad’s, Jipes ou mesmo Camiões, bem ao estilo do Dakar.

Contudo tal ambição parece ainda não cativar parte dos possíveis pilotos pois Martinlongo só receberá Motos e Quad’s num total de 17 participantes, aos quais se somam as 26 equipas participantes no Regional, notando-se para já uma ausência de peso, ou seja do actual campeão em título, Pedro Duarte. Ainda assim promete ser um Regional animado pois mantêm-se na corrida grande parte das grandes figuras do ano passado e há sempre a expectativa que um outro piloto possa vir a confirmar o potencial noutras épocas revelado como são os casos de Rui Coimbra, desta feita navegado pelo categorizado Paulo Primaz, ou mesmo José Neves, que estreia um Mitsubishi Lancer EVO IV.

Sem dúvida a não perder este fim-de-semana na região do Nordeste Algarvia, esta prova que promete deliciar todos os amantes da modalidade.

Pelo concelho de Faro...

Saliento o bom trabalho que o actual executivo tem estado a efectuar a pouco e pouco, visando o melhoramento das estradas na zona da Galvana, Torre Natal e Conceição de Faro, verificada nos últimos meses. Contudo há situações que não lembram a ninguém e fazem-nos pensar se algumas das obras que são executadas são pensadas duma forma correcta. Senão vejamos: Nas ultimas semanas a CMF efectuou obras de beneficiação e pavimentou a estrada que liga a Conceição de Faro ao Poço da Galvana, estrada que se encontrava num estado lastimoso à alguns anos. Tal estado deve-se em muito, à facilidade com que fica alagada e com correntes de água quando chove consideravelmente durante um dia, porque a estrada na sua extensão é quase sempre ladeada por muros que impedem o escoamento da mesma, criando um efeito "tanque". Pois bem o piso foi recolocado, deixando uma autêntica "pista" para os utilizadores habituais da mesma, mas em vez de se precaver a situação das cheias, ignorou-se essa vertente e nem umas valetas ou bermas para escoamento das águas foram criadas, por forma a que este novo piso se degrade mais dificilmente. Depois quando há cheias na nossa cidade ou mesmo nas zonas limítrofes das mesma todos de lamentam e fazem visitas carregadas de simbolismo e sentimento de consternação, mas com estas situações de pouco ou nada se aprende e se acautela o futuro, pois continua-se a cair no mesmo erro, sinal dum claro desleixo pelas populações e falta de capacidade para prevenir os problemas.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Jorge Portela cauteloso para o futuro

Jorge Portela leva dois jogos à frente do Farense e o pecúlio não poderia ser melhor. Duas vitórias da sua equipa a coincidir com duas derrotas do Lusitano, conjugação de factores que levaram a equipa de Faro a regressar ao primeiro lugar da 1ª Divisão Distrital. “Vamos pensar jogo a jogo e o próximo é em S. Brás de Alportel”.
Ultrapassado o Serrano, Portela já prepara o próximo encontro que se perspectiva complicado, como explicou. “O Sambrazense tem no seu plantel jogadores que já representaram o Farense e vão querer mostrar que têm qualidades para regressar ao clube, e a nós, que representamos este clube, cabe-nos a responsabilidade fazê-lo com toda a dignidade. Por outro lado, as características do campo também aumentam as nossas dificuldades. Temos que estar preparados para contrariar essas mesmas dificuldades”. Estar na frente dá outra tranquilidade, sobretudo para quem aspira ao título e consequente ascensão. “Ainda há muitos jogos pela frente e nada está ganho. Faltam ainda muitas jornadas e não nos podemos esquecer que cada jogo, daqui para a frente será como uma final, até porque os nossos adversários sentem um estímulo muito grande quando defrontam o Farense”. O discurso de Jorge Portela, que já representou o Farense como jogador, dirigente e treinador, é de um forte sentimento de respeito pessoal que pretende passar para os seus atletas. “Cada jogo com esta camisola é de responsabilidade máxima. No Algarve o nome Farense continua a ser grande e só com muita dignidade se poderá exibir este emblema”.

Fonte: www.algarvedesporto.pt

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Um Scolari jugoslavo???

Atentem bem para a mão direita de Jokanovic... Há quem não saiba perder.... Outros não sabem ganhar...

O Fim de Semana Desportivo em Análise

Jornada com diferentes sabores para as hostes Farenses. Se por um lado a equipa Sénior subiu ao primeiro lugar do Distritalão, a equipa de Juvenis, única representante nesta época de uma equipa de Futebol na Primeira Divisão Nacional da sua categoria, viu confirmar-se o pior cenário e desceu matematicamente de divisão, para os regionais. Na verdade não foi a derrota por 3-1 diante do Barreirense, que colocou em causa a manutenção da equipa neste escalão, mas sim um acumular de maus resultados em casa diante de adversários ao seu alcance, o que originou este triste desfecho. Noutro âmbito a equipa de Juniores quebrou a malapata dos últimos jogos e bateu no velhinho e degradado S. Luís os Pescadores da Costa da Caparica por 3-2 apurando-se automaticamente e a uma jornada do termo do campeonato, para a fase de subida à Primeira Divisão Nacional de Juniores. Nos outros escalões destaque para a equipa de Iniciados que praticamente deitou por terra todas as aspirações de regresso ao Nacional após a derrota por 1-0 em Lagoa, actual líder da tabela, quedando-se agora pelo quarto lugar do campeonato a 9 pontos do comandante. Quanto aos outros escalões de formação, Infantis e Escolas, averbaram resultados positivos ao vencerem todos os seus encontros.

Na Terceira Divisão Nacional destaque para as equipas do Ferreiras e Silves que obtiveram dois resultados muito moralizadores fora de casa ao baterem respectivamente Almancilense por 1-2 e Amora por 0-1. Se ao Silves o resultado apenas permitiu fugir ao ultimo lugar da tabela quando faltam cinco jornadas para o termo da primeira fase, ao Ferreiras permitiu ascender aos seis primeiros lugares, resultado duma série de bons resultados dos comandados de João Clara. No derby concelhio de Loulé, o Quarteirense foi vencer ao Municipal de Loulé, o Campinense por 0-1, deixando os “homens do mar” a um ponto da zona de tranquilidade e ultrapassando o Campinense que está numa queda vertiginosa sem fim à vista. No encontro entre os dois primeiros da tabela, jogo entre Aljustrelense e Beira Mar, a equipa de Monte Gordo trouxe um precioso ponto do Alentejo, sinal de consistência e prova do bom trabalho que Luís Carlos está a realizar para as bandas do Guadiana. Por fim o Imortal, muito debilitado, conseguiu mesmo assim chegar à igualdade a duas bolas diante do Fabril do Barreiro, resultado que o afunda na tabela, mas que nada envergonha os jovens de Albufeira, que com mais um ou outro jogador experiente ao lado tem dignificado a camisola do Imortal.

Na Segunda Divisão B, jornada muito positiva para os três representantes algarvios, que embora com jogos difíceis obtiveram duas vitórias e um empate. O destaque vai mais uma vez para o Louletano, que nos os últimos jogos e felizmente contrariando as minhas preocupações, têm feito uma recuperação significativa estando a apenas um ponto dos seis primeiros. Neste Domingo a equipa Loulé foi à capital portuguesa bater o histórico Atlético por 0-1, graças a um golo de Devigor. Noutro âmbito, o Lagoa, que nos últimos jogos têm recuperado também, venceu o Real de Massamá no Josino da Costa por 1-0, estando com os mesmos 31 pontos do Louletano, enquanto o Messinense empatou em casa com o Madalena a zero bolas.

Por fim na Liga Vitalis, novo fim-de-semana de glória para as duas equipas algarvias. O Olhanense bateu no Sábado o Santa Clara nos Açores por 3-2, com o golo da vitória a cair já nos descontos pelo paraguaio Javier Cohene, permitindo à equipa de Olhão garantir a manutenção e começar agora sim a pensar seriamente noutros voos. A equipa de Portimão cumpriu a sua obrigação ao bater o Gondomar por 1-0 e na sequencia dos ultimas três vitórias consecutivas, algo que à muito não se via para os lados dos Barlaventinos, abandonou finalmente a zona de despromoção deixando para trás o Fátima e colando-se a Desp. Aves com dezanove pontos.

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Assalto consumado ao som do Rock(e) - Farense 3-0 Serrano

Após quinze jornadas de ansiedade para as hostes farenses, os Leões de Faro regressaram finalmente à liderança do campeonato beneficiando da derrota do até agora líder, Lusitano de VRSA na Restinga diante do Alvorense por 1-0. Na tarde deste sábado, esta foi de facto a situação mais positiva que os adeptos farenses saborearam, pois a vitória por 3-0 obtida diante do Serrano, embora justa não espelha a exibição oferecida pelo conjunto de Jorge Portela a todos os que se deslocaram ao Estádio Algarve. O jogo iniciou-se estranhamente com maior ascendente da equipa da serra algarvia, que apareceu desinibida no Estádio Algarve, embora sem criar situações de perigo eminente para a baliza de Costa. Seria só a partir dos dez minutos de jogo que o Farense assumiria o comando da partida, mas denotando mais uma vez dificuldades na circulação de bola, aparecendo com pouca dinâmica ofensiva nas transições. Prova disso o primeiro remate digno desse nome só acontece por Edinho aos vinte e três minutos, quando apareceu descaído pela esquerda atirando de pé esquerdo ao lado do poste da baliza do Serrano. Aos poucos o Farense ia encostando cada vez mais a equipa do Serrano no seu meio campo, beneficiando também de alguma intranquilidade do guarda redes do Serrano que várias vezes saiu mal da baliza, situação que podia ter sido aproveitada por Bruno, quando aos trinta minutos viu um defesa do Serrano tirar a bola junto à linha de golo.
Na segunda parte esperava-se muito mais do Farense e na verdade, sem realizar uma exibição agradável dispôs de muitas situações de golo que poderiam ter avolumado o marcador ainda mais. Mas o Farense viria a não entrar a todo gás e Jorge Portela, após perceber que não podia esperar mais tempo colocou em campo duas unidades frescas para espevitar o meio campo, dando mais dinamismo a um sector do terreno que pouca vezes até essa hora tinha proporcionado boas jogadas para os finalizadores da equipa de Faro, Bruno e Edinho. Ao trocar Rui Loja por Roque, o Farense só teve a ganhar pois o jogador das chuteiras laranja, trouxe mais alegria ao jogo da equipa de Faro. Também Calquinhas entrou bem na partida e logo após a sua inclusão o Farense inauguraria o marcador por Bruno. A partir desse momento tudo se tornou mais fácil para o Farense, que continuou a assumir o comando da partida, perante um Serrano sem gás, talvez pouco habituado a um terreno de tão vastas dimensões. Aliás a equipa de São Marcos da Serra só por uma ou duas vezes chegou à área de Costa na segunda parte, destacando uma bela defesa do guardião farense num remate de longe, o qual num belo golpe de rins socou por cima da trave da baliza. O Farense melhorando a sua exibição nesta recta final da partida dispôs de uma mão cheia de hipóteses para golear a equipa do Serrano, mas a imperícia e também algum mérito dos defensores do Serrano evitaram tal resultado. Boa arbitragem.

Ficha de Jogo: Estádio Algarve (Parque das Cidades),
15 horas, 16/02/2008
Assistência: 650 espectadores
Farense 3-0 Serrano

(61mn, por Bruno, jogada conduzida na esquerda por Caras, que tira um bom cruzamento para Edinho; Este remata ao travessão e na recarga junto à linha de golo Bruno confere o primeiro)
(85mn, por Roque, na cobrança de um livre junto ao canto direito da grande área do Serrano)
(90mn, por Calquinhas, na sequencia de um canto marcado na esquerda, aparece Calquinhas e fuzilar o guarda redes contrário)

Farense: Costa; Amilcar, Né, Wilson, Caras; Barão, Ricardo (Calquinhas 59mn), Túlio, Rui Loja (Roque 55mn); Edinho, Bruno (Márcio 80mn). Treinador: Jorge Portela

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

É gratificante ler estas coisas...

Para ser sincero, e talvez por ser muito novo na altura, não me recordo de Santamaria com a camisola do nosso Farense vestida, mas o excelente trabalho do nosso consócio Bada Bing obriga-nos a divulgar este artigo...

Jornada 18 Antevisão >> Farense - Serrano

Joga-se amanhã a décima oitava jornada da Primeira Divisão Distrital, jornada que promete muitas emoções e pode marcar importantes alterações no topo da tabela. Isto porque o Farense ao recuperar a desvantagem pontual que tinha à entrada para a jornada anterior volta nesta jornada a jogar em casa, enquanto o seu rival de Vila Real de Santo António defronta a difícil equipa do Alvorense no relvado da Restinga. Ao Farense cabe defrontar na tarde deste sábado a equipa do Serrano, que já esta época visitou o Estádio Algarve para a Taça do Algarve tendo sido derrotada por 3-0 bem como foi derrotada na primeira volta em São Marcos da Serra por 0-1 com um golo de Roque. A equipa do Serrano têm como objectivo na presente época a fuga aos últimos lugares da tabela e vêm de cinco jogos seguidos sem conhecer o sabor da derrota, o que permite à equipa da serra algarvia corrigir um pouco o péssimo inicio de campeonato e estar agora na décima terceira posição da tabela. Ao Farense, que se apresenta como natural favorito à vitória, cabe ultrapassar este adversário, e deverá ter que encontrar um substituto para Brasa, que em principio não estará nas devidas condições para jogar, perfilando-se como hipóteses para o seu lugar Rui Loja, Roque ou Calquinhas.

Farense - Serrano
Estádio Algarve (Parque das Cidades)
(16.02.2008 15h00)
Árbitro: Gilberto Carvalho

Tempo Extra para rir à gargalhada....

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Desaparecidos: o modelo de sucesso do Farense dos distritais

Depois de um ano sem futebol sénior, o Farense retomou na última época a actividade, apoiado num projecto autónomo, liderado por António Barão. Um plano que visa recolocar o clube o mais rápido possível nos campeonatos nacionais.
«Como todos sabem, o Farense estava parado. Pediram-me no ano passado para agarrar no projecto e pôr o clube a funcionar, de maneira a que não houvesse qualquer despesa. Isso foi conseguido, com a subida de divisão. Esta época foi necessário fazer mais investimentos para voltarmos a subir. Falámos com os patrocinadores, que corresponderam, a exemplo do que aconteceu com a autarquia. Vamos até onde nos deixarem, mas o objectivo é levar o mais rápido possível o Farense aos nacionais», conta o director-desportivo.
Barão explica como conseguiu resolver para já a crise: «A direcção está por cima de tudo, mas o futebol sénior funciona de modo autónomo, não tendo o Farense qualquer investimento na equipa. Esta também funciona de modo independente dos escalões de formação.» Não vale a pena chorar sobre o leite derramado. Para o responsável, o clube está onde está por erros cometidos no passado. Lamenta-os, mas não aponta um rosto culpado pela situação. «Todos vivem o Farense com grande mágoa e é pena o clube estar nesta divisão. Toda a gente foi culpada e ninguém foi culpada, como se costuma dizer. Não há rostos que se possam apontar. O Farense estava entregue a alguém, e esse alguém, que coordenava e manobrava o barco, é que sabe quem tem a culpa. Mas de certeza absoluta que as gentes de Faro não são culpadas, porque, como se sabe, o Farense não esteve só entregue aos farenses, que só ultimamente se empenharam em lutar pela grande história do clube».

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Vamos a contas...

Durante praticamente um mês levámos a cabo um inquérito sobre o jogador em maior evidência na primeira volta pelo Farense, no Campeonato Distrital da Primeira Divisão. Estavam nomeados Costa, Amílcar, Né, Ricardo, Brasa e Bruno. Levámos em conta na altura da nomeação, os minutos jogados, pois só estes jogadores tinham passado a barreira dos 900 minutos jogados nesta época. Na verdade poderá haver alguma injustiça para um ou outro jogador como Caras, Arlindo, Roque ou Túlio que também tiveram participações regulares, mas dada a impossibilidade de os nomear todos estabelecemos o critério já citado, tendo logo na ideia que os três jogadores em maior evidência estariam neste lote de seis mais utilizados por Carlos Costa. Assim, e perante os resultados inequívocos, Brasa foi eleito pelos participantes deste inquérito como o jogador que mais se destacou com a camisola dos Leões de Faro, com 50% dos votos. Em segundo lugar ficou o defesa central Né, com 19% dos votos enquanto Costa, o guarda-redes da equipa de Faro, quedou-se pela terceira posição com 11% dos votos.
A todos quantos participaram neste inquérito, o meu agradecimento e desde já lanço uma nova questão para vossa reflexão e resposta.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

AFA em eleições

E depois de ter assumido a candidatura da alternativa, Carlos Pereira cede agora o lugar a João Gomes, talvez prevendo a derrota mais que provável nas urnas...

O exemplo...

Jovem,
Queres curtir um cabriolet?
Queres andar a muito mais do que 120Km p/hora?
Queres pisar traços contínuos sem ser incomodado e muito menos multado?
Queres andar de carro sem cinto de segurança?
Vem realizar o teu sonho!
Junta-te a nós!


Alista-te!

Desaparecidos: Carlos Costa ficou no Farense para renascer nos distritais

Quando chegou ao Farense, em 1995, proveniente do Beira Mar, Carlos Costa estava longe de imaginar que ia nascer então uma forte ligação afectiva ao clube algarvio. Terminou a carreira de jogador com o fim do futebol sénior e iniciou-se como treinador com o seu «renascimento». Acabou por sair a semana passada, 13 anos depois de chegar.
O antigo médio, melhor do que ninguém, tira a radiografia à actual situação do clube, depositando esperanças no projecto imobiliário que está em vias de conclusão, como remédio para «estancar» a crise. «Para todos os efeitos, ainda continuamos em crise. Não há que esconder a realidade, porque, e apesar de quem está por dentro saber que o processo está em vias de ser resolvido, para todos os efeitos não o está ainda», acautela-se, apesar de o futuro ser visto com outros olhos: «A grande diferença do que se passava há poucos anos, é que o clube está com boas perspectivas de resolver os problemas financeiros, de limpar a cara perante todos, instituições públicas, ex-atletas, ex-funcionários, e conseguir dar uma nova imagem com condições para que num futuro a médio ou longo prazo volte a ser um clube respeitado no futebol português. E que participe nos campeonatos nacionais, nomeadamente na Liga.»
Instado a recordar os sentimentos vividos nos momentos mais delicados da vida do clube, Carlos Costa denuncia a impotência vivida dentro de campo para remar contra a maré. «São sentimentos complicados de descrever. Ouve-se muita gente falar, comentar, gente que admiro e que reconheço que têm amor pelo clube. Mas essas pessoas são muito diferentes de mim e de muitos colegas de equipa, da direcção e de funcionários que por cá passaram e de outros que ainda por cá continuam. É que nós vivemos e assistimos a muitos momentos muito bons do clube e depois participámos na derrocada. São sentimentos de grande frustração, por sabermos que, por muito que nos esforçássemos, seria impossível manter o clube como todos desejariam. Eram situações que não dependiam de nós. No entanto, também tenho a consciência de que dentro do campo sempre dignificámos a camisola. As coisas aconteceram como aconteceram, felizmente o clube está a tentar recuperar», concluiu.

In www.maisfutebol.iol.pt

(Continua..)

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Não me importava nada...

O Fim de Semana Desportivo em Análise

Em mais um fim-de-semana desportivo, na qual os escalões profissionais jogaram para a Taça de Portugal já sem representantes algarvios, a nota positiva vai para a Segunda Divisão Nacional onde todas as equipas do Algarve pontuaram, e duas delas venceram mesmo os seus jogos. O Louletano a jogar em casa no Estádio Algarve, venceu o Juventude de Évora por 2-0 e chegou-se ao grupo dos seis primeiros, estando neste momento a apenas três pontos do 6.º classificado Pinhalnovense, liderado pelo nosso Paco Fortes. O Messinense foi aos Açores bater o Lusitânia por 0-1 aproximou-se mais dos lugares do meio da tabela, enquanto o Lagoa de Joaquim Mendes, empatou a zero bolas na Madalena, resultado positivo e que mantêm os homens de Lagoa ainda na luta pelo 6.º lugar.
Quanto à Terceira Divisão Nacional, jornada negativa para o contingente algarvio, onde apenas o Beira Mar venceu e logo frente ao Imortal por 4-1 deixando a equipa de Albufeira em muito maus lençóis quando se fala à ”boca pequena” que o Imortal não irá participar na próxima época na Terceira Divisão, nem na Primeira Divisão Distrital, dado que a sua SAD está a atravessar uma fase muito delicada e a opção será inscrever a equipa do Imortal “Clube” na Segunda Divisão Distrital. Noutro jogo entre algarvios, o Almancilense foi a Silves empatar a duas bolas, num resultado que acaba por não satisfazer as duas equipas pois nesta fase do campeonato e tendo em conta os objectivos que se apresentam, enfraquece um pouco a tendência de recuperação pontual nas duas equipas. Embora o caso do Almancilense não seja preocupante, a equipa de Almancil já não vence à quatro jogos e permitiu nestas ultimas jornadas a aproximação de outras equipas que ameaçam agora a posição tranquila do Almancilense. Nos outros jogos destaque para o empate a zero entre Quarteirense e Amora, bem como o empate entre Ferreiras e Cova da Piedade a uma bola, quebrando a série vitoriosa que a equipa de Albufeira trazia dos últimos jogos. Ainda na Terceira Divisão, o Campinense não evitou a derrota no Lavradio, sendo batido por 1-0 pelo Fabril.
Quanto ao Farense, jornada agridoce para os Leões de Faro, pois os Juvenis deram um passo atrás na luta pela permanência na Primeira Divisão Nacional ao empatar a uma bola na Penha com o ultimo classificado Despertar de Beja, e estão agora obrigados a vencer os dois jogos que faltam, esperando que o Portimonense não vença nenhuma das partidas que lhes restam. Quanto aos Juniores, na deslocação a Sesimbra foram derrotados por 1-0, não comprometendo de momento o 3.º lugar, mas dando um sinal de alerta para os próximos jogos pois já estão em dois resultados negativos seguidos. Quanto aos outros escalões destaque para as Escolas do Farense que bateram nos encontros do fim-de-semana, respectivamente E.F. Faro por 6-5 e 9-0 na equipa B, o mso adversário enquanto que os Infantis saíram derrotados em ambos os encontros por 4-0 com a Soc. Recreativa 1.º de Janeiro e Odeáxere por 5-4.
Nos Seniores jornada muito positiva, pois ao baterem o Salgados por 2-1, recuperaram os pontos perdidos na jornada passada e animicamente deram um salto enorme em contraponto com a equipa do Lusitano, que ao ser surpreendentemente batida em casa pelo Guia com um golo de Van Damme, e tendo em conta o calendário que se segue com deslocações a Alvor e Faro para defrontar o Salgados, intercalado da recepção ao sempre difícil Armacenenses, antes da visita do Farense a terras Raianas, acreditamos nós irá abanar um pouco pois são jogos bem difíceis e animicamente este jogo poderá ter consequências. Quanto ao Farense, só há um caminho e esse continua a ser o das vitórias. Agora com Jorge Portela no banco, espera-se que continue o trabalho deixado pelo seu antecessor e que consiga por um cunho pessoal à equipa melhorando nalguns aspectos como a qualidade de posse de bola e na correcção de alguns erros defensivos, especialmente nas transições rápidas dos adversários, situação patente no ultimo encontro.

domingo, 10 de fevereiro de 2008

Desaparecidos: Farense, mais espectadores que muitos jogos da Liga

Para muitos clubes das aldeias e lugares do Algarve, há meia dúzia de anos nem por sonhos imaginariam defrontar o Farense, sobretudo no Estádio Algarve. Por isso, sempre que o Farense joga como visitante, os campos enchem-se de espectadores e alegria, com muitos adeptos locais divididos no apoio. A história do clube da capital algarvia ainda tem um grande peso, argumenta Carlos Costa.
«É um prazer enorme visitar essas terras e receber esses clubes no Estádio do Algarve. Por outro lado há o óbice da motivação que essas equipas ganham por jogarem connosco. Tentamos não entrar com sobranceria, porque sabemos que já estivemos muito alto e que agora estamos ao mesmo nível. É assim que falo aos meus jogadores. Temos de nos lembrar disso. Sabemos o que queremos, para onde ir porque já lá estivemos e porque sabemos o que custou de lá sair. Reconhecemos que não vai ser fácil, mas contamos com o apoio de todos», apela o treinador do Farense.
O peso do nome é enorme. O Farense tem a capacidade de dividir os apoiantes das equipas rivais. Por culpa de um passado rico e por ter sido, a certa altura, a bandeira de uma região: «Nesses jogos encontramos situações engraçadas, com os adeptos dos nossos adversários. Eles querem que a equipa deles ganhe, mas no fundo também sentimos que muitos deles noutras alturas já foram do Farense e que até acabam por nos dar os parabéns quando ganhamos. Sabem que a nossa realidade e objectivos são um pouco diferentes dos deles, e que talvez também beneficiassem com o Farense na Liga.»
O facto de ter descido aos distritais não provocou um êxodo assinalável no apoio à equipa. Apesar de estar nas profundezas do futebol português, o clube da capital do Algarve continua a mover multidões. «Onde jogue o Farense, é sinónimo de campo cheio. E com assistências que fazem corar de inveja alguns clubes da Liga. Falou-se muito do jogo com a Safol [cerca de dois mil espectadores], mas a questão é que quem tem acompanhado o Farense tem constatado que em todos os jogos temos mais espectadores que em muitos jogos da Liga. Faro sempre foi uma cidade que gosta de futebol, e com os nossos resultados e exibições, contribuímos para que venha mais gente, dando alegrias aos adeptos, que têm sido incansáveis», reconhece.

In www.maisfutebol.iol.pt

Continua...

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Da possível goleada a um final frenético e emotivo >>> Farense 2-1 Salgados

Tarde em grande para os Leões de Faro, que ao baterem hoje os Salgados no Estádio Algarve por 2-1, recuperaram a desvantagem pontual perdida na semana passada para o líder Lusitano, que foi surpreendentemente derrotado em casa pelo aflito Guia por 0-1. Por incrível que pareça foi preciso Carlos Costa abandonar o comando do Farense para o Lusitano perder uma partida, algo que não inédito na presente temporada, mas que à muito era ansiado pelas hostes farenses na perseguição que durava à semanas.
Na re-estreia de Jorge Portela no leme da nau Farense o jogo iniciou-se sob um clima pouco agradável para a prática do futebol, devido ao vento moderado que se sentia no Estádio Algarve. A bola era invariavelmente jogada pelo ar, e aos repelões, num futebol esteticamente feio. Embora o Farense tivesse o domínio da posse de bola e também do território ocupado, poucas eram as jogadas com princípio, meio e fim criadas pelos Leões de Faro. Na verdade, a equipa pareceu-nos nesta primeira parte, pouco ligada entre os seus sectores e apenas a garra e qualidade de Brasa, disfarçava a pouca clarividência do jogo Farense. Seria contudo o Farense a chegar ao golo logo ao quarto de hora, por Edinho, que viria a repetir a proeza vinte minutos mais tarde. Nessa altura já o Salgados haviam substituído dois dos seus jogadores, por inferioridade física, condicionando as suas opções para o resto da partida. O Salgados embora tenha aguentado razoavelmente bem fisicamente toda a partida, pouco assumiu o jogo mesmo quando já perdia por 2-0. Na segunda parte o Farense entraria um pouco melhor no jogo e sob olhar atento de Carlos Costa, que na bancada, observava o encontro, teria algumas ocasiões para decidir a partida, inclusivamente com uma bola na trave à passagem da hora de jogo, mas viria a “sofrer” para obter a vitória pois os Salgados, num contra ataque rápido deixariam a incerteza no marcador até final da partida, ao apontar um golo pelo ex-Farense Adelmiro. A partir desse momento o jogo ganharia finalmente uma outra vivacidade e assistimos a um festival de perdidas incríveis e excelentes defesas dos guardiões alimentando a ilusão do empate para os Salgados até final da partida. Embora com um maior numero de perdidas pelo Farense, nomeadamente Rui Loja por 3 vezes, e de Bruno e Edinho, o Salgados teve duas ou três jogadas de golo iminente em que Costa, acabaria por salvar a equipa de Faro e permitir que a mesma se junte ao Lusitano no cimo da tabela, num resultado que é tão justo como lisonjeiro para a equipa dos Salgados, pois podiam ter saído goleados do Estádio Algarve.
Nota final para a tarja exibida durante toda a partida pelos South Side Boys, numa homenagem mais que merecida a Carlos Costa, dizendo “Carlos Costa, Camisa 20 será Eterna Paixão”
Arbitragem com pouca personalidade mas sem interferência no resultado.

Ficha de Jogo: Estádio Algarve (Parque das Cidades)
15 horas, 09/02/2008
Assistência: 1100 espectadores
Farense 2-1 Salgados

(15mn, por Edinho, de cabeça na sequência de um cabeceamento da direita junto à linha de fundo)
(36mn, por Edinho, na sequencia de um cruzamento de Bruno para a área onde Edinho marca facilmente no coração da mesma)
(73mn, por Adelmiro, na sequência de um contra ataque onde aparecem três homens do Salgados para um defesa Farense, Adelmira isolado, perante Costa, conclui facilmente)

Farense: Costa; Amilcar, Né, Wilson(Arlindo 78mn), Caras; Barão, Ricardo, Túlio(Rui Loja 69mn), Brasa (Roque 90mn); Edinho, Bruno. Treinador: Jorge Portela

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Jornada 17 Antevisão >> Farense - Salgados

Três semanas depois, o Farense regressa a sua casa, para defrontar uma das outras equipas do concelho de Faro, o Salgados. O Estádio Algarve recebe assim o primeiro derby concelhio do ano, num jogo marcado pela estreia no banco dos Leões de Faro de Jorge Portela, coadjuvado por Jorge Soares, outra ex-glória Farense. Ao Farense trata-se dum jogo essencial para reavivar a chama da subida, pois a derrota na semana passada em Armação de Pêra afastou a equipa do Farense do líder Lusitano e um novo desaire pode comprometer as aspirações à ansiada promoção. Para tal o Farense, têm que ultrapassar a equipa dos Salgados, que após um início de campeonato negativo, vêm de um ciclo de seis jogos sem perder no campeonato e está neste momento no 10.º lugar. A equipa da periferia de Faro já este ano defrontou o Farense, na sua casa, sendo derrotada por 0-3. Após isso já se reforçou com alguns elementos, entre eles Adelmiro, ex-Farense, conferindo maior estabilidade ao plantel às ordens de André Silva.
Nesta jornada destaque ainda para Lusitano de Vila Real de Santo António, que recebe o Guia no seu campo.

Farense - Salgados
Estádio Algarve (Parque das Cidades)
(09.02.2008 15h00)
Árbitro: Pedro Sancho

Ronda pela imprensa...

Na edição de hoje, o jornal "A Bola", volta a falar da actualidade do Farense, na sequencia da admissão para o cargo de treinador principal de Jorge Portela. Noutro âmbito a edição On-line do Mais Futebol têm um artigo sobre as dívidas que vários clubes têm para com o Estado Português, onde o nosso Farense aparece num arrepiante 3.º lugar do ranking de Clubes nacionais, logo atrás de Boavista e Salgueiros. A nossa dívida está compreendida entre o milhão e cinco milhões de euros.

Farense, bolsos virados e papo-secos à entrada

(Cont.)

"Muitas estórias acompanharam o declínio do Farense, algumas protagonizadas pelos próprios jogadores, outras por adeptos de clubes vizinhos e rivais. Ficou célebre um treino no final dos anos noventa, em que os jogadores se apresentaram com os bolsos dos fatos de treinos de fora, em sinal de falta de dinheiro, devido aos ordenados em atraso.
Em 1997/98, Zezinho, algarvio de Vila Real de Santo António e primo de Paixão, lateral esquerdo do clube, reclamou numa entrevista a um jornal que mais valia trabalhar nas obras do que jogar no Farense, pois na construção civil recebia sempre.
A rivalidade entre Farense e Olhanense sempre existiu, inevitável entre os dois clubes mais representativos de duas cidades separadas por escassos oito quilómetros. A crise dos leões de Faro foi extremada pelos adeptos olhanenses, em 2003/04, em jogo da II divisão B. «Quando entraram em campo, atirámos papo-secos (carcaças) para eles comerem, mas não se devem ter safado porque eram duros», conta Carlos Freitas, membro da claque olhanense, que relembrou outro episódio desse jogo: «Dizia-se antes do jogo que o dinheiro da receita seria para eles pagarem o subsídio de Natal aos jogadores. Não acreditei, mas depois li declarações de dirigentes a dizer isso, o que me deixou satisfeito.»
O jogo do Farense, na temporada passada, frente à Safol Olhanense, popular clube de um bairro da cidade da restauração, gerou uma onda de entusiasmo que cativou cerca de duas mil pessoas na assistência. «Já posso morrer descansado, pois já vi o Farense jogar com a Safol e não ganhou», gracejava no final um conhecido adepto do Olhanense, satisfeito com o 2-2. "

Fonte: www.maisfutebol.iol.pt

Continua...

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Loulé aposta forte no Futuro

"Loulé: autarquia anuncia investimento de quase 14 milhões de euros em três grandes obras
Estrada de ligação a Faro; implantação de um parque de lazer; e renovação do cine-teatro.

A autarquia de Loulé vai investir 13 milhões e 845 mil euros em três grandes obras, duas com prazo de execução previsto ainda durante o actual mandato e outra para 2010, que é a nova estrada de ligação a Faro. Os projectos, que contemplam ainda a requalificação do cine-teatro e a implantação de um grande parque de lazer a norte da cidade foram hoje apresentados no âmbito das comemorações dos 20 anos de elevação de Loulé a cidade. A ligação a Faro será uma obra em duas fases, a primeira de arranjo urbano da actual ligação (pronta em 2009), e a segunda fase a implantação de quatro faixas até ao Parque das Cidades. Ao todo terá cinco rotundas. O investimento total é de 7,5 milhões de euros. “Esperamos que esteja concluída em 2010. Mas depende de vários processos burocráticos, inclusive estudos de impacte ambiental. Contudo, o que queremos é que esteja concluída antes da inauguração do Hospital Central do Algarve”, declarou o vice-presidente da edilidade, José Graça. O novo parque de lazer será uma ampliação do parque hoje existente junto ao monumento Duarte Pacheco. Terá mais cinco hectares. O espaço será todo ajardinado, contempla campo de mini golfe com 18 buracos, skate parque com três plataformas diferentes, parque infantil, bar explanada e estacionamento, entre outras valências. O edil local, Seruca Emídio, avançou que obra deverá arrancar em Novembro deste ano, prevendo-se esteja concluída ainda durante o actual mandato. O investimento previsto é de três milhões de euros. A requalificação do cine-teatro será uma obra quase total. Ou seja, exceptuando a fachada e a cobertura, tudo o resto é novo. O interior será totalmente renovado, sendo que os técnicos responsáveis pelo projecto consideram que Loulé vai ficar com “uma das melhores salas de espectáculos do país, qualitativamente”. A nova sala do cine-teatro vai ficar capacitada para receber todo o tipo de espectáculos, mas como referiu o presidente da autarquia, “apesar da polivalência, ficará mais vocacionada para espectáculos ao vivo do que para cinema”, porque a experiência tem demonstrado que os louletanos são mais amantes dos espectáculos ao vivo do que do cinema. A obra será iniciada em Março, tendo um prazo de execução de 540 dias. O investimento é de três milhões e 345 mil euros. A apresentação dos projectos decorreu esta tarde nas instalações do cine-teatro louletano, na presença de todo o executivo camarário, convidados e população local, já depois de outras iniciativas inseridas nas comemorações, como a inauguração do gabinete da DECO no Mercado Municipal, na parte da manhã. "

Loulé nos últimos tempos, renovou, reestruturou e aumentou as suas redes viárias principalmente na ligação de Quarteira e Loulé à A22, acabando com o estrangulamento de trânsito naquela zona, projectando agora outra obra de monta ao apostar na remodelação da actual estrada até à zona do Parque das Cidades. Para além disso apresenta novos projectos interessantes para os seus munícipes. Em Faro, passados já mais de dois anos de mandato, o actual executivo, que me lembre ainda não assumiu projectos em definitivo relativamente ao futuro, e tudo o que se tem concluído são obras que já vêem dos anteriores executivos, enquanto que as promessas eleitorais continuam no papel... Bem sabemos que nem tudo depende do executivo de José Apolinário, mas meus amigos dois anos é muito tempo já passado e a Cidade e o Concelho não podem parar, sob pena de cada vez mais nos afastarmos do conceito de capitalidade que Faro deve ter, sendo ultrapassado por outras cidades que no Algarve, à 20 anos estavam muito abaixo do desenvolvimento da nossa cidade.

Desaparecidos: Farense, de novo à porta dos Nacionais depois do abismo

O jornal desportivo on-line Mais Futebol, publicou no dia de ontem um excelente trabalho sobre o nosso Clube, no ambito dum estudo de fundo feito por aquele meio de comunicação social sobre os clubes de impacto nacional que desapareceram dos "Nacionais" nos ultimos anos. Ao contrário de outros emblemas, o Farense vive neste momento uma fase de ressurgimento e a situação é vincada ao longo dos artigos que colocaremos neste espaço.

"Têm anos e anos de história, chegaram ao topo, arrastaram muitos adeptos, alguns andaram pela Europa. Todos desapareceram nos últimos anos. Uns acabaram em definitivo, outros tiveram de começar tudo de novo. Farense, Felgueiras, Campomaiorense, Marco, Salgueiros, Ac. Viseu, Ovarense, Alverca. Lembra-se? O Maisfutebol publica a partir de hoje uma série de reportagens sobre esses clubes que ficaram para trás. Aqui, a história e as estórias do declínio do Farense.

A história do futebol algarvio dos últimos vinte anos está ligada ao Farense, tanto pelas melhores como pelas piores razões.
Tudo começou na época de 1989/90, quando a equipa treinada por Paco Fortes venceu o campeonato da segunda divisão e foi finalista da Taça de Portugal, perdendo-a para o Estrela da Amadora. Nessa época o Portimonense, que desde 1979/80 havia sido a bandeira da região na então I divisão, desceu e perdeu o estatuto para os homens de Faro durante doze épocas consecutivas.
Os primeiros anos foram de glória para o clube da capital algarvia, com o apogeu na época de 1994/95. O quinto lugar deu acesso à Taça UEFA, porque o Sporting venceu a Taça de Portugal e qualificou-se para a Taça das Taças, abrindo uma vaga nas competições europeias. Paço Fortes continuava como denominador comum aos bons resultados.
Em 1995/96, o baptismo nas competições europeias aconteceu com o Lyon (esse mesmo, o actual hexacampeão francês), com duas derrotas por 1-0 a ditar a eliminação na primeira ronda. Começou nessa época uma lenta descida até à queda na Liga de Honra, em 2001/02. Paradoxalmente, o clube gaulês começou a afirmar-se frente aos algarvios quer no seu país, quer nas competições continentais.
Juniores para combater a crise
Caído na realidade da segunda competição nacional, agudizaram-se os problemas financeiros, que levaram a que o clube na época seguinte, a de 2003/04, abdicasse de disputar a Honra. O Farense inscreveu-se na II divisão B e começou a época com os juniores, porque o clube estava impedido de inscrever novos jogadores, cenário que se repetiria na época seguinte, depois de mais uma queda, até à III divisão.
O que os sócios e simpatizantes do Farense temiam aconteceu. Logo na época seguinte (2005/06), anunciava-se a suspensão da actividade do futebol sénior, que durou apenas um ano, sendo retomada na passada temporada com a inscrição na II divisão distrital da Associação de Futebol do Algarve. Um projecto (quase) autónomo liderado por António Barão, director desportivo, e que teve como treinador Carlos Costa. Ligado ao Farense desde 1995/96, o técnico acabou de deixar o clube esta semana.
A subida à I distrital aconteceu com relativa facilidade, estando o clube neste momento em acesa luta com o Lusitano de Vila Real de Santo António (outro histórico algarvio) para tentar a subida à III divisão nacional.
Os objectivos são claros como água. «Queremos ir até onde nos deixarem, até aos nacionais», garante António Barão. "

Cortesia: www.MaisFutebol.iol.pt

Continua...

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Mais uma bronca abafada no reino do Dragão


Ecos da mudança técnica chegam ao resto do País

Mais uma vez o jornal "A Bola", actual líder absoluto de audiências no segmento desportivo notícia sobre o Farense, algo pouco comum para um Clube que dispute um campeonato regional. Desta feita o motivo não é positivo, por todas as situações que originaram a saída do Grande Capitão, cujos contornos tem sido amplamente discutidos no seio da Família Farense.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Chicotada psicológica no Farense

Jorge Portela substitui Carlos Costa - 04.02.08
A derrota do Farense em Armação de Pera (1-0), no campeonato da I Divisão Distrital do Algarve, precipitou o que há tempo se falava para os lados do Estádio de S. Luís. O "capitão" Carlos Costa foi hoje "chicoteado" e deixou o cargo de técnico principal dos "leões" de Faro, substituído por Jorge Portela, ex-técnico do Louletano.O director desportivo do emblema algarvio, António Barão, confirmou a escolha ao AlgarvePress, sendo certo que na origem da saída do carismático "capitão" do Farense, desde a I Liga aos distritais, está a decisão dos dirigentes do clube da capital algarvia em "não desistir da luta pela subida de divisão", apesar da diferença pontual de quatro pontos para o principal rival, outro histórico do futebol algarvio e nacional, Lusitano de Vila Real de Stº. António.Recorde-se que Portela já treinou o Farense, embora só por dois jogos, então na I Divisão, na época de 98/99, substituindo Paco Fortes, antes da chegada de João Alves (o "luvas pretas") à então Farense Futebol SAD (agora praticamente extinta). Nas duas últimas épocas (até metade da presente) Jorge Portela treinou o Louletano com bons resultados, especialmente na primeira época, sendo depois substituído por Bruno Cardoso.Actualmente, Portela e o antigo central do Farense (entre outros clubes como Benfica), Jorge Soares, dirigiam uma escola de jogadores, com base nos campos de jogos do Liceu de Faro.

Cortesia: http://www.algarvepress.net/

Golos para acalmar a crise >> Odeceixence 0-4 Farense

Numa longínqua deslocação ao Noroeste do Algarve, à aldeia de Odeceixe, o Farense brindou os seus fiéis adeptos com 4 golos, num jogo em que o mais importante acaba mesmo por não ser o resultado, mas sim a resposta dada pela equipa num momento tão delicado. Isto porque Carlos Costa, ainda que sem uma explicação oficial do motivo em causa(até ao momento), abandonou o comando técnico da Equipa, sendo a tarefa assumida (interinamente) por Pedro Benje, outro histórico do Clube de Faro.
A Equipa, pelo que vimos hoje, apesar de defrontar um adversário do escalão inferior, entrou em campo algo nervosa, certamente devido aos acontecimentos das últimas horas, mas aos poucos foi assumindo o jogo num pelado em boas condições para a prática do futebol. Apesar do Farense conquistar muitos cantos e livres junto à área contrária, pouco perigo ia criando, prova disso o primeiro remate de real perigo acontece à passagem da meia hora de jogo numa cabeçada de Edinho, que saiu a rasar a trave. Mais tarde o Farense acabaria por criar outra situação flagrante de golo, num cabeceamento muito perigoso na sequência dum canto, jogada que antecederia o golo inaugural da partida por Edinho no termo da primeira parte.
Na segunda parte o Farense foi dono e senhor do jogo, até porque a equipa do Odeceixense caiu muito fisicamente, e os espaços para jogar apareceram com muita frequência no seu meio campo defensivo, proporcionando aos Leões de Faro mais tempo e espaço para desenhar boas jogadas atacantes. Tranquilamente o Farense marcaria mais três golos, deixando mais três ou quatro por marcar, resultado de ocasiões flagrantes de golo desperdiçadas por Bruno e Edinho. Uma nota para a equipa de Odeceixe que reduzida a 9 elementos a partir de metade da segunda parte, estando já debilitada fisicamente, nunca virou a cara à luta, merecendo porventura um golo de honra. Arbitragem mediana.

Ficha de Jogo: Campo António Nobre (Odeceixe)
15 horas, 05/02/2008

Assistência: 250 espectadores
Odeceixense 0-4 Farense

(44mn, por Edinho, numa boa triangulação na direita, com Barão a fugir para a linha de fundo, a centrar, e Edinho a aparecer ao segundo poste e conferir o primeiro para o Farense )
(62mn, por Roque, livre na esquerda de Rui Loja, a bola a ser rechaçada pela defesa contrária e Roque a uns bons 20 metros da baliza a disferir um violenta bomba que só parou no fundo das malhas)
(70m, por Bruno, após jogada rápida na direita, Túlio cruza para a área onde há um ressalto e Bruno encosta para dentro de cabeça)
(90+3mn, por Edinho dentro da área)


Farense: Costa; Guiné (Bruno 55mn), Sousa, Wilson, Caras; Barão (Márcio, 74mn), Arlindo ,Calquinhas (Túlio 55mn); Roque Edinho, Rui Loja. Treinador: Pedro Benje

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Taça do Algarve, 3.ª Elimin. - Antevisão Odeceixense - Farense

Joga-se na tarde de amanhã, terça-feira de Carnaval, a 3.ª Eliminatória da Taça do Algarve, cabendo ao Farense como adversário, a equipa do Odeceixense, actualmente a militar na Segunda Divisão Distrital. O Farense enfrenta então uma longa deslocação de 120 km, até à Costa Vicentina, mesmo no limite com o Alentejo para defrontar o actual 9.º classificado do seu campeonato, com 13 pontos, equipa que está moralizada pois foi neste sábado vencer por 1-2 ao sempre difícil Santaluziense. No historial recente entre as duas equipas, destacamos os dois jogos realizados na passada época onde o Farense saiu vencedor em ambos os encontros por 1-4 em Odeceixe e 3-0 no Estádio Algarve. Carlos Costa decerto aproveitará o encontro para dar ritmo competitivo à alguns dos jogadores menos utilizados, fazendo descansar algumas das unidades mais desgastadas no plantel, de forma a guardá-los para as decisivas batalhas que se avizinham no Distritalão.


Odeceixense - Farense
Campo António Nobre (Odeceixe)
(05.02.2008 15h00)
Arbitro: Mário Fernandes

domingo, 3 de fevereiro de 2008

O Fim de Semana Desportivo em Análise

Mais um fim-de-semana passado e desta feita, algo negativo para os Leões de Faro, pois nos seus dois escalões de futebol mais competitivos obteve dois resultados negativos. Se por um lado a equipa de Juniores, cedeu um empate 2-2 com o vizinho Quarteirense, adversário teoricamente ao seu alcance, e agravado do jogo ter sido realizado no S. Luís, mas não comprometendo a sua posição na tabela classificativa pois mantêm a terceira posição, a equipa Sénior teve um derrota penalizadora nas suas aspirações à subida, perdendo a invencibilidade fora de casa, diante dum adversário tão guerreiro quanto matreiro na abordagem ao jogo. Neste momento o Farense, quer queiramos quer não, tem que jogar na casa dos seus dois maiores rivais, Lusitano de Vila Real de Santo António e Castromarinense (outro pelado muito difícil), e não depende exclusivamente de si para subir de divisão. Não serve este aviso para desmoralizar as hostes farenses, mas sim para mentalizar cada vez mais que todos, mas todos somos poucos, e há que ter a maior concentração, determinação e entrega durante os jogos por forma a que ultrapassemos todos os obstáculos que aí vêem. A recuperação de alguns lesionados de média/longa duração no plantel de Carlos Costa deverá ser aproveitada da melhor forma promovendo uma maior competitividade interna e dando mais soluções ao treinador durante o decorrer dos jogos. Falamos é claro de Galinha, Hernâni e Andrezinho, jogadores muito importantes na passada época e que decerto ajudarão o Farense a perseguir o seu objectivo primordial.

Na Terceira Divisão Nacional, jornada negativa para o contingente algarvio, pois apenas duas equipas venceram e logo uma delas num derby regional. A nota positiva da jornada vai para o Ferreiras, vencedor em Montemor por 0-2, e para o Campinense que após uma longa série de maus resultados venceu o segundo classificado, Beira Mar por 1-0, desanuviando as nuvens negras que pairavam sobre Loulé e incutindo uma injecção de moral para o resto de campeonato. Em Almancil houve derby, mas derby mesmo, tal é a intensidade com que este jogo costuma ser vivido pelas duas freguesias de Loulé, e a equipa de Quarteira foi a Almancil levar um precioso ponto para a cidade piscatória. O Quarteirense tem vindo a fazer um campeonato regular e apesar de proveniente do Distritalão, tem neste momento a terceira melhor defesa da Terceira Divisão Série F, o que é de realçar. Nos outros jogos da jornada, destaque pela negativa para Silves e Imortal que se vão afundando cada vez mais na tabela, derrotados respectivamente na Cova da Piedade por 3-0 e em Albufeira diante do Lusitano de Évora por 0-4.

Na Segunda Divisão B, jogou-se a Jornada 20, e as duas equipas do Barlavento regressaram à vitórias, neste caso caseiras e solidificaram um pouco as suas posições, embora longe dos seis primeiros lugares. O Lagoa bateu em casa o lanterna vermelha Lusitânia por 2-0, ultrapassando o Louletano na tabela, enquanto o Messinense somou 3 importantes pontos ao bater o Carregado por 2-1. O Louletano empatou a zero campo do líder Olivais e Moscavide, o que nada deslustra a equipa de Loulé, mas neste momento as contas complicam-se para os homens da cidade da Mãe Soberana, pois só faltam 6 jogos para o termo desta fase e o Louletano encontra-se a 6 pontos do 6.º lugar, último que dá acesso à fase de subida.

Por fim na Liga Vitalis, os dois representantes do Algarve, obtiveram uma jornada muito positiva, averbando duas vitórias muito saborosas. Os homens de Portimão obtiveram a sua primeira vitória forasteira em Santa Maria da Feira, logo por 0-2, com o reforço Vouho a mostrar serviço e a fazer um dos golos. Sem dúvida um resultado muito importante, até porque o Penafiel foi derrotado em Olhão e agora o Portimonense ultrapassando a equipa duriense está já a apenas um ponto da linha de água. Por seu turno no "Zé Arcanjo", a "Vitamina Diamantino" voltou a fazer efeito, permitindo ao Olhanense subir de rajada na tarde de hoje, cinco lugares na tabela, o que o deixa a apenas 3 pontos da zona de promoção. A vítima neste domingo foi o já citado Penafiel, que embora necessitado de pontos saiu derrotado por 3-1 num resultado merecido pela equipa algarvia.

Dois candidatos à Associação do Algarve

"ALVES CAETANO E CARLOS PEREIRA DISPUTAM ELEIÇÕES

Os advogados Alves Caetano e Carlos Pereira são candidatos à presidência da Associação de Futebol do Algarve nas eleições marcadas para 25 de Fevereiro.Alves Caetano lidera o Conselho de Disciplina e integra na sua lista boa parte dos elementos dos actuais corpos sociais, incluindo o presidente Viegas Ramos, dentro de uma linha de continuidade, enquanto Carlos Pereira desempenha o cargo de vice-presidente e aposta num projecto novo."
In Record, 02/02/2007

Esperemos que estes dois candidatos continuem o bom trabalho iniciado por Viegas Ramos, que numa visão abrangente arrumou a casa da AFA. Contudo há sempre factores que devem ser melhorados, nomeadamente o sector da arbitragem, pois escasseiam os arbitros em qualidade e quantidade. É sempre complicado chamar alguem para a arbitragem, só mesmo os mais decididos tomam a decisão de enveredar por esse "mundo" sem segundos interesses, e cabe à AFA e à entidade que dirije à arbitragem a nivel regional criar as melhores condições possiveis para o aparecimentos de candidatos, incentivando seriamente os jovens e tendo acções nas escolas. Actualmente o que vemos no panorama desportivo nacional, é uma moda cada vez mais em voga, das escolas de futebol. São inumeras as escolas espalhadas por o País e o Algarve não foge a essa realidade, mas escolas de arbitragem, essas nem ve-las... E sem arbitros qualificados, a verdade desportiva não existe e isso tende afastar o público dos jogos, criando uma crise em espiral sem fim à vista, se não forem tomadas medidas de fundo para inverter a situação.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

Derrotados pela areia e pela garra dos homens do mar... >> Armacenenses 1-0 Farense

O Farense averbou na tarde deste sábado, a primeira derrota forasteira da época, num jogo que já antevíamos muito difícil para equipa da capital algarvia, e que a afasta agora do líder Lusitano de Vila Real de Santo António, vitorioso em Salir por 1-4. Armação de Pêra recebeu porventura o mais mediático jogo de sempre da sua história, num pelado em muito más condições, com imensas covas, prejudicando a qualidade de jogo das duas equipas, mas em especial do Farense, que dispondo de unidades mais dotadas tecnicamente viu essa vertente não ser aproveitada correctamente, nunca se adaptando ao terreno. Consequentemente os mecanismos de jogo do Farense nunca foram postos em prática e poucas foram as jogadas em bola corrida que criaram perigo à baliza de Palminha. Por seu turno o Armacenenses, muito mais tarimbado, nestas andanças, pois faz deste degradado campo a sua casa durante a época, soube da melhor forma adaptar-se ao mesmo e contrariar o Farense nas suas investidas, procurando em lances rápidos criar perigo, mas sempre jogando na expectativa.

Podemos dizer que na primeira parte muito poucas foram as jogadas perigosas com destaque para um remate cruzado de Brasa aos 7 minutos, não traduzindo o domínio territorial que o Farense teve, embora com uma fraca qualidade de jogo.
Perante um campo em condições tão degradadas, o Farense não teve outra hipótese senão de jogar num futebol directo, com a bola a ser jogada muitas vezes pelo ar, futebol nada agradável à vista, confuso e rápido, provocando maior desgaste físico aos jogadores.
Na segunda parte o Farense voltou com uma disposição mais atacante e logo aos 55 minutos, Brasa numa das raras vezes que algum jogador apareceu solto na área perdeu um pouco de tempo no domínio da bola, e viu essa excelente hipótese ser evitada por um adversário. O Farense criava essencialmente perigo em lances de bola parada, exemplo disso um cabeceamento perigoso de Bruno, aos 59 minutos, à figura do guarda-redes Palminha. Ainda aos 64 minutos outro lance perigosíssimo com um defesa de Armação de Pêra a tirar a bola na linha de golo. Parecia que o golo do Farense estava iminente, pois apesar de o futebol não ser bonito, o Armacenenses esporadicamente se assomava ao meio campo adversário, mas o futebol é cruel e o minuto 73 haveria de ser fatal para as aspirações do Farense na partida. Carlos Costa optaria por tirar Brasa, aquele que por muitos é considerado o melhor jogador do Farense, colocando Rui Loja na esquerda com o intuito de intensificar os cruzamentos para a área. Só que seria nesse preciso minuto, precisamente após a substituição, que o Armaceneses chegaria ao golo num livre em que Costa nos parece mal batido. Se a tarefa já estava difícil, mais difícil se tornou após o golo azul, pois a equipa do Barlavento fechou com sete chaves os caminhos da sua baliza, mostrando uma grande coordenação defensiva e cortando muitas vezes o ritmo de jogo com paragens desnecessárias muito por culpa do guarda redes Palminha. O Farense não tinha mesmo nada a perder e continuou a carregar, nem sempre da melhor maneira, dispondo de mais três ou quatro jogadas perigosas com destaque para um cabeçada de Né com a bola a embater no travessão, já muito perto do termo da partida. O jogo terminaria logo a seguir para festa dos locais que aproveitaram a oportunidade para reinvindincar justamente um novo parque desportivo, conforme tarja mostrada junto aos bancos.
O resultado acaba por premiar a equipa de Armação de Pêra que fez o seu jogo e marcou um golo, defendendo o resultado até á exaustão, contracenando com um Farense inadaptado ao terreno e que nunca conseguiu concretizar as várias ocasiões desperdiçadas, não dando sequência ao domínio territorial durante o jogo. Arbitragem de medíocre qualidade.

Ficha de Jogo: Campo das Gaivotas (Armação de Pêra),
15 horas, 02/02/2008
Assistência: 650 espectadores
Armacenenses 1-0 Farense

(73mn, Livre descaído para a esquerda junto ao limite da área do Farense, com Santiago a rematar rasteiro e a fazer o único golo da partida)
Farense: Costa; Amilcar, Né, Wilson, Caras; Barão (Calquinhas, 81mn), Ricardo (Arlindo 45mn), Túlio, Brasa (Rui Loja 73mn); Edinho, Bruno. Treinador: Carlos Costa

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Jornada 16 Antevisão >> Armacenenses - Farense

Joga-se já amanha a primeira jornada da segunda volta da primeira Divisão Distrital, jornada que promete mais uma vez fazer vibrar as gentes que semana após semana se deslocam aos sábados à tarde aos diversos campos espalhados pelo Algarve. O Farense faz nesta jornada uma deslocação de cerca de 52 kilometros até Armação de Pêra para para defrontrar a equipa local ,actual 6.º classificado com 24 pontos a treze do seu opositor da capita algarvia. O Armacenenses trata-se de uma equipa muito forte no seu terreno, um pelado constituido por um piso onde se aglomera muita areia, o que pode dificultar muito os jogadores mais dotados tecnicamente nas suas acções de desiquilibrio. O Armacenenses mantém à 15.º Jornada a invencinlidade em casa, com quatro vitórias e três empates, tendo a melhor defesa do campeonato em casa com 4 golos apenas. A acrescer a isto já defrontou no seu campo o Lusitano VRSA e o Castro Marim, que não conseguiram evitar derrotas, respectivamente por 3-0 e 4-0. De realçar que os empates foram obtidos com equipas teoricamente mais fracas, o que nos faz pensar que o Armacenenses tem mais facilidade em defrontar equipas que assumem mais o jogo, jogando de igual para igual com o seu oponente. Sem dúvida que o jogo será muito dificil para o Farense, mas o objectivo será como é evidente, vencer pois só assim pode almejar o seu objectivo máximo, o primeiro lugar. E se por um lado o Armacenenses está imbátivel em casa, o Farense como se sabe, está invicto fora de casa com 8 vitórias em 8 jogos, num goal average de 22-4...
Nota ainda para o jogo da primeira volta no Estádio Algarve, onde o Farense bateu a equipa do Barlavento por um 1-0, com um golo de Brasa aos 75mn, não obstante uma expulsão de Caras no quatro de hora inicial da partida, que colocou o Farense em inferioridade numérica até final do encontro, num jogo de nervos que se decidiu na segunda parte após as entradas de Brasa e Adelmiro.
Nesta jornada o líder Lusitano, defronta o Salir, na serra algarvia, num jogo que pode causar dificuldades à equipa terinada por Herculano Fernandes.
Joga-se também amanha pelas 15 horas, mais uma jornada da 2.º Divisão Nacional de Juniores, onde no S.Luis o Farense recebe o vizinho Quarteirense, num jogo muito importante para o objectivo dos Leões de Faro, ou seja o apuramento para a poule de subida à Primeira Divisão Nacional de Juniores.


Armacenenses - Farense
Campo das Gaivotas (Armação de Pêra)
(02.02.2008 15h00)
Arbitro: Sérgio Piscarreta