sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Patrick, o "azarado"...

In A Bola, 27/02/2009

Tive oportunidade de falar uma ou duas vezes com o Patrick da Silva, por via dum amigo comum. Entrou para o Farense no ano de Manuel Balela na Primeira Liga, mostrando potencial nos jogos que pude assistir... Sem conhecer devidamente as razões que levaram as estas 12 operações, estamos perante um dos jogadores mais azarados que passaram pelo futebol português na última década. Espero que agora estejas recuperado de vez. Força Patrick!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Autárquicas2009: Vitorino ao ataque

Custos controlados continuam a causar polémica em Faro

Casas a custos controlados, na Avenida Calouste Gulbenkian, em Faro
O vereador na oposição na Câmara de Faro José Vitorino acusa o executivo camarário de «propaganda, manipulação e batota» política no processo da atribuição de 144 fogos a custos controlados, na Avenida Calouste Gulbenkian, num comunicado enviado às redacções. Ameaça denunciar o caso à justiça.

Para o vereador, a atribuição de chaves a seis proprietários, feita durante uma cerimónia realizada há cerca de um mês, foi «um acto fraudulento», já que só no final de Janeiro é que foi assinada a primeira escritura e ainda hoje não foi possível a nenhum dos moradores mudar-se para a sua casa. Em causa está o facto de não haver «elevadores a funcionar nem aquecimento solar, o que impede que quem fez a escritura se instale».«Tudo isto é muito grave mas, além da desonestidade política, o pior é o que pode ter provocado tudo isto e os custos acrescidos para as famílias por razões que até agora estão obscuras», disse. Segundo José Vitorino, o executivo de José Apolinário (PS), quando confrontado por diversos munícipes que queriam esclarecimentos sobre matérias relacionadas com este processo, revelou não estar em condições de responder.

Tendo isto em conta, o vereador anunciou que iria entregar hoje um requerimento na Câmara. «Caso não obtenha resposta no prazo de oito dias a que a lei obriga, ou se a Câmara não garantir que o processo é transparente e as famílias não ficam prejudicadas, o processo seguirá para as entidades de fiscalização e investigação judicial», avisou José Vitorino.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Leão afastado da Taça do Algarve por pescadores com a rede cheia...

O Farense deslocou-se hoje à casa "emprestada" do Clube de FuteA festa dos South Side Boys no ínicio da partidabol "Os Armacenenses", o Municipal de Albufeira, do qual saiu com um enorme amargo de boca em virtude da derrota obtida na noite de hoje. Numa fase já adiantada da competição organizada pela Associação de Futebol do Algarve, o Farense perde assim a oportunidade soberana de ser a única equipa da Terceira Divisão em prova, em virtude dos resultados desta noite, que ditaram a passagem às meias finais, de equipas oriundas do Distritalão e mesmo da Segunda Divisão Distrital, em detrimento de equipas com outro endurance, como o Farense ou Campinense.

Disputada num estádio funcional, com agradáveis condições e num relvado em bom estado, a primeira parte acabou por ser algo enfadonha, jogada a ritmo lento, no qual o Farense procurou ter a iniciativa de jogo, enfrentando um adversário na expectativa, e que fazia dos contra ataques a sua arma, dispondo para isso de alguns jogadores rápidos na frente, que criavam embaraços aos defesas da capital algarvia. Num onze de António Barão com muitas mas naturais alterações, destaque para estreia de Pina, defesa esquerdo campeão pelo Sporting nos escalões jovens, e da inclusão de Klébson, André Calado e Rodolfo Miranda na equipa, fazendo descansar alguns dos jogadores mais utilizados, o que acabou por dificultar o entrosamento da equipa. Foram pouquissimas as ocasiões deJogada à entrada do meio campo do Armacenenses, onde a equipa de Faro, tenta construir uma jogada de perigo golo neste período, e seria com alguma surpresa que o marcador seria inaugurado, fruto dum lapso de Costa, que daria a vantagem a um dos dianteiros armacenenses, graças ao seu sentido de oportunidade e perseverança nesse lance. António Barão não se fez rogado, e passados poucos minutos reagiria de pronto, trocando o apagado Klébson por Dinis, no sentido de dar maior vigor à equipa, que parecia adormecida em campo. Realce apenas para um chapéu de bem longe, protagonizado por André Calado, que proporcionaria ao atento Palminha uma defesa apertada, constituindo esse o lance de maior perigo farense na primeira parte.

A segunda parte foi diferente, e com ela vimos um Farense mais pujante, atrevido e com vontade de ganhar, mas esta não seria uma noite feliz para os Leões de Faro. Logo contagiados por Della Pasqua, que havia entrado ao intervalo e também por Bruno, adicionado na equipa em detrimento dum defesa, os farenses encostaram o adversário às cordas, dando lhes poucas hipóteses de respiração, que eram aproveitadas para mais alguns contra ataques venenosos. Percebia-se que o golo do Farense seria uma questão de tempo, face às várias oportunidades desperdiçadas, com Caras a rematar por cima da baliza isolado ou com Carlos Neves a rematar à trave, isto para não falar dos muitos cantos e cruzamentos para a área. O golo da igualdade surgiria pouco depois da hora de jogo, tendo após isso o Farense acalmado um pouco os ímpetuos, pois o adversário também havia conseguido subirUma das muitas jogadas confusas junto à área, nos quais se adivinhou o golo da igualdade do Farense um pouco as suas linhas. Contudo o Farense mantinha uma linha de 3 defesas, o que o colocava algo vulnerável aos ataques rápidos do adversário e seria dessa forma que, contra a corrente de jogo, o Armacenences restabeleceria a vantagem. Ressentidos pelo golo, os comandados de António Barão, demoraram alguns minutos a acertar o passo, mas desperdiçariam mais algumas oportunidades de empatar a partida, com destaque para mais uma bola no poste e para um cabeceamento de grande nivel de Barão que proporcionaria a Palminha a defesa da noite... Mais algumas chances pudemos testemunhar mas na verdade parecia destinado que o Farense hoje não venceria, o que castiga de forma cruel a postura na segunda parte, onde ainda por cima se viram privados de Justo já no ultimo quarto de hora da partida, após sair lesionado. Arbitragem mediana.

Taça do Algarve, Quartos de Final
Estádio Municipal de Albufeira (Albufeira)
Assistência: 200 espectadores
20 horas, 25/02/2009
Árbitro: Nuno Filipe
ARMACENENSES 2-1 FARENSE

(29 mn, por Ricas, que aproveita um lance infeliz de Costa, que havia agarrado e soltado uma bola morta na área, tendo a bola sobrado para o dianteiro armacenense concluir facilmente)
(61 mn, por Caras, na sequência dum boa jogada do Farense, onde Justo trabalhou bem na direita, centrando para a cabeça de Caras que na área enviou a bola para junto do poste direito de Palminha)
(71 mn, por Ricas, numa jogada concluída facilmente de cabeça na área, aproveitando a falha de marcação após um centro da esquerda do seu ataque)

Farense: Costa; André Calado, Arlindo, Carlos Neves, Pina (Bruno, 55mn); Zé Nascimento, Barão, Klébson (Dinis, 35mn), Caras, Justo; Rodolfo Miranda (Della Pasqua, 46 mn). Treinador: António Barão

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Uns com tanto, outros com tão pouco...

Ora aqui está um exemplo em que os políticos locais têm um poder exagerado sobre as intuições desportivas locais... A SAD do Clube Sport Marítimo, como se lê no texto, têm 40% das suas acções na posse do Governo Regional da Madeira, o qual financia de forma desmesurada o futebol profissional e o próprio clube madeirense, cobrindo grande parte dos sete milhões de euros do seu orçamento para o futebol com os impostos cobrados aos contribuintes do Continente. Para além disso, ninguém me tira da cabeça que o despedimento de Lori Sandri, não foi precipitado com o "dedo" de Alberto João Jardim... Por sinal, cá em Faro o cenário é oposto do que vos descrevi... Vá se lá entender porquê...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

O Fim de Semana Desportivo em Análise - Época 2008/2009

Fim de semana de Carnaval marcado mais uma vez pelo calendário futebolístico no Algarve e será disso que nos vamos ocupar nos próximos minutos. Nota como habitualmente para as equipas do Farense que neste fim de semana estiveram em acção. Os Seniores conseguiram neste domingo mais uma importante vitória 0-2 em Quarteira para alegria dos fiéis adeptos farenses presentes. O Farense têm neste momento uma série de quatro jogos sem perder, onde conseguiu três vitórias apenas interrompidas por um empate na casa do Louletano, o que deixa os Leões a três pontos do quarto lugar e com sete de vantagem sobre o sétimo classificado realçando o facto de que marcou sempre golos nas ultimas dez partidas seguidas... Parece finalmente que o Farense encarreirou, e embora nos pareça tarde, no futebol tudo é possível... Acompanhemos com confiança as próximas jornadas, em especial já no próximo domingo no qual o líder Cova da Piedade visitará o Estádio Algarve, isto sem esquecer o jogo da Taça do Algarve já esta quarta-feira.
Se os Seniores estão no bom caminho, já os Juniores averbaram nesta jornada a segunda derrota seguida, desta feita com um rival directo no S. Luís, por 0-3 com a União de Leiria. O Farense acabou por pagar neste jogo a factura de alguns erros defensivos e do muito desperdício dos seus jogadores, e assim mantêm-se com alguma felicidade com quatro pontos de vantagem sobre a linha de água, o que não é tranquilizador e que têm que ser guardado com muita garra nos próximos jogos.
A equipa Juvenil apenas esteve em acção com o seu plantel B e estes não fizeram por menos, esmagando o Castromarinense por 7-0, estando agora no 5º lugar da tabela a apenas seis pontos da liderança. Os Iniciados também não jogaram e por isso deixamos as habituais notas finais para Infantis e Escolas, onde a equipa Infantil A teve curiosamente um duplo confronto com o Quarteirense, tendo obtido uma derrota 2-1 com a equipa A e uma vitória 4-5 com os B's. Das Escolas não dispomos à data os resultados das duas equipas em competição.

Na Terceira Divisão Nacional, o cenário está cada vez mais negro para as equipas algarvias, excepção feita a Farense e Louletano, ambos vencedores nesta jornada, com nota para o Louletano que bateu dificilmente em casa o Castrense por 1-0. As restantes quatro equipas algarvias ficaram afastadas nesta jornada de ainda poder garantir já a manutenção nesta fase, pois o Campinense, apesar do empate 1-1 na Caparica já não chegará ao 6º posto, neste momento ocupado pelo Farense, o mesmo acontecendo ao Quarteirense, bem como com o Messinense que parece também destinado para descer pelo segundo ano seguido, após o penalizador desaire caseiro 1-3 com o Reguengos. Por fim, nota para o Silves, que apesar de muito frágil e praticamente condenado conseguiu um ponto diante do Fabril no Lavradio empatando 1-1 na estreia de Calú no leme na nau silvense.

Na Segunda Divisão B terminou a 1.ª fase e com ela dois destinos se efectivaram para as duas equipas algarvias. Apesar de tudo ambas, terminaram sem brilho esta fase, com destaque para o Beira Mar de Monte Gordo que não vencia à sete jogos e nesta jornada perdeu por 1-0 no Carregado, equipa que ultrapassou o Lagoa na liderança, após nova derrota dos lagoenses, desta feita por 2-1 no Oriental que é treinado pelo conhecido Carlos Manuel, ou melhor “Carlão”... Agora o Lagoa lutará pelo play-off de promoção pela Liga de Honra num campeonato entre os seis primeiros, enquanto o Beira Mar lutará pela permanência com os outros cinco clubes, descendo à Terceira Divisão os três ultimos. Nota para os pontos amealhados na 1.º fase, que agora serão divididos ao meio, por forma a nivelar a prova nesta fase decisiva.

Por fim, na Liga Vitalis parece que a tempestade das jornadas passadas, foi definitivamente acalmada e tanto Olhanense como Portimonense estão mais confiantes em tornos dos seus objectivos, após os resultados obtidos neste fim de semana. Mais o Olhanense, que sacudiu um pouco a pressão dos últimos resultados negativos com a vitória 1-o diante do Varzim, pois já não vencia desde 11 de Janeiro e assim segurou a segunda posição, ainda que perseguido de perto pelo Feirense, com menos um ponto, mas ganhando dois ao Santa Clara que empatou em Portimão 1-1, com Lito Vidigal a sair-se para já muito bem desta sua nova etapa na carreira de treinador.

Autárquicas/Faro: Macário promete apoios a tempo e horas

A cerca de sete meses das eleições autárquicas a pré campanha eleitoral já iniciou. O candidato PSD a Faro, Macário Correia, começa pelas colectividades do concelho. Diz que os apoios serão pagos a tempo e horas.

Em comunicado de campanha, o candidato diz que “o que acontece actualmente em Faro constitui uma vergonha para a Administração Pública”, com a Autarquia a pagar às colectividades com um atraso de “dois anos”, e que isso provoca “situações dramáticas e injustas”.

Para o ainda presidente da Câmara de Tavira, os clubes desportivos e as associações culturais “desempenham relevantes funções de interesse público”, pelo que os municípios “devem ter reconhecimento e respeito pela acção dessas colectividades”.

“Temos uma proposta diferente”, diz, e tudo passa por “aperfeiçoar dois regulamentos”, um ligado ao desporto e outro à cultura, com “critérios rigorosos, nomeadamente, número de praticantes, escalões, recursos próprios, associados, níveis de formação etc”.

“Com base nestes parâmetros devem-se atribuir os subsídios anuais até final do 1.º trimestre de cada ano, sendo depois pago em quatro prestações trimestrais ao longo do ano, sempre na mesma altura e sem atrasos”, defende Macário Correia.

O candidato sublinha que assim se pratica noutros municípios e que “também se deve fazer o mesmo em Faro”..
Remata: “Assim será no próximo ano!”.
Na globalidade concordo com o que anuncia o gabinete de imprensa da candidatura de Macário Correia à Câmara de Faro, mas para uma melhor avaliação teria que conhecer os critérios, o que à data não está especificado... É natural que assim seja pois ainda estamos numa fase muito embrionária do projecto de Macário e para além do mais, nem ele próprio sabe o verdadeiro estado da finanças da autarquia farense... Por isso, acredito que tudo não passam de boas intenções que serão ignoradas no futuro. Além do mais como pode Macário prometer isto se o Estado muitas vezes é o próprio a se atrasar com os pagamentos às entidades? Por fim, e é disto que todos ansiamos resposta, nada é explícito quanto às intenções de Macário Correia em relação ao futuro so SC Farense, indiscutivelmente a maior colectividade desportiva do Concelho. Será que o que afirmou à uns anos, aquando do aparecimento do Algarve United, ainda se mantêm de pé? Espero bem que não...

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Em domingo de Carnaval, o Leão não foi em brincadeiras...

Os cruzamentos em lances de bola parada foram uma constante em toda a partida

O Farense garantiu na tarde de hoje uma importante vitória, num reduto tradicionalmente difícil, mas no qual o Farense, sem ser brilhante conseguiu puxar dos galões e garantir os três pontos graças a uma aceitável segunda parte. A vitória deste domingo por 0-2 em Quarteira, deixa os homens da capital algarvia mais descansados (agora com sete pontos à maior sobre o sétimo posto) na tabela e também mais próximos do quarto lugar. Só não foi mais positiva a jornada porque o duo da frente também venceu os seus jogos e assim a desvantagem para estes mantêm-se inalterável.

Numa primeira parte jogada a um ritmo lento e com muitas paragens à mistura, nenhuma das equipas conseguia ter uma clarividência mais vincada na partida. Embora o Quarteirense explorasse mais os lLance dividido entre Norberto e um defesa contrárioances de contra ataque, onde homens como Marquito ou Carlos Mota eram das peças mais acutilantes no onze de Luís Resende, o Farense ia respondendo com dificuldade, tentando organizar mais o seu jogo, mas enfrentava uma equipa quarteirense muito aguerrida e que limitava o jogo do Farense com muitas faltas que ia proporcionando algumas jogadas de bola parada aos leões de Faro. Num período pobre em ocasiões de golo, nota para duas jogadas, uma por Pintassilgo aos 14 minutos, que falharia o desvio para golo na pequena área, na sequência dum canto e depois para um livre do Quarteirense que rechaçaria na barreira, que poderia eventualmente trair Gonçalo, mas este esteve muito bem e inverteu o seu voo para suster o remate traiçoeiro, aos 27 minutos. Terminava então a primeira parte com um nulo, que se ajustava ao que víamos, castigando a pálida prestação das duas equipas no medíocre relvado do Municipal de Quarteira.

A segunda foi jogada a um ritmo mais vivo e no seu inicio, ainda com apenas sete minutos volvidos do reatamento já o Farense se adiantava no marcador gBruno comemora o seu golo com Pintassilgo junto aos muitos adeptos farenses presentesraças a um golo oportuno de Bruno. Dois minutos passados e se o Quarteirense estava já em dificuldade, com maiores problemas ficaria após a saída do defesa Vila por acumulação de "amarelos", o que deixava o Farense em boa posição para defender esta vantagem forasteira. Os locais tremeram com este rombo e o Farense perderia duas soberanas ocasiões para "matar" o encontro, primeiro por Norberto que, isolado na cara de Miguel, remataria à figura e depois por Justo que remataria cruzado ao lado, num contra ataque rápido imediatamente após ter entrado. Contudo os homens do mar reorganizaram-se e partiram para o quarto final da partida com outro ânimo e vigor. Reduzidos a dez homens, pressionaram o Farense e podiam mesmo ter empatado, mas o Farense foi se defendendo e também "queimando" algum tempo para ira dos adeptos locais, que viam assim a sua equipa perder ritmo de jogo numa fase da partida em que procuravam a igualdade na partida. Já no período de descontos, o Quarteirense teria novo revés após a expulsão dum seu jogador, tendo essa jogada originado o 0-2, na cobrança do respectivo livre. Cannigia, o marcador, comemoraria de forma efusiva e desta forma veria a segunda cartolina amarela, sendo expulso e assim ficando automaticamente de fora da próxima partida, em casa com o líder Cova da Piedade... O jogo terminaria logo de seguida, com muitos protestos por parte das gentes de Quarteira, situação que retardou a entrada da equipa do Farense e do trio de arbitragem nos balneários. Arbitragem sem influência em lances capitais da partida mas muito desiquilibrada a nível disciplinar.

Camp. Nac. 3ª Divisão, Série F, 22ª Jornada
Estádio Municipal de Quarteira (Quarteira)
Assistência: 400 espectadores
15 horas, 22/02/2009
Árbitro: Avelino Nascimento (Lisboa)
QUARTEIRENSE 0-2 FARENSE

(52 mn, por Bruno, na sequência dum cruzamento milimétrico de Zé Nascimento na direita, Bruno eleva-se na pequena área, antecipando-se a Miguel e inaugurando o marcador de cabeça)
(90+4 mn, por Cannigia, na cobrança dum livre directo, marcado de forma exemplar a castigar uma falta sobre Klébson)

Farense: Gonçalo; Cannigia, Hernâni, Carlos Neves, Wilson; Luís Afonso, Zé Nascimento (Justo, 63mn), Barão, Norberto (Caras, 80mn), Bruno, Pintassilgo (Klebson, 73mn). Treinador: António Barão

Eu tratava melhor de ti, Rihanna...

O "antes" e o "depois" da relação amorosa da menina Rihanna, com o cantor Chris Brown...

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Faro.. Uma cidade a perder referências...

Esta semana a cidade de Faro perdeu (quiçá, temporariamente) três das suas maiores referências na área da restauração, o já sabido Café Aliança, encerrado na sequência duma decisão do Tribunal e ontem o Café do Coreto (ex. Café das Pirâmides) e o Versalhes através da intervenção da ASAE... Não estamos aqui para discutir a legitimidade dessas decisões, nem sequer para questioná-las, mas, como farense são situações que me entristecem... Pior que isto, e face à actualidade da Cidade, só a situação do SC Farense, que depende da venda do Estádio S. Luís para sobreviver... Em tempos de crise, os prazos "auto-estabelecidos" vão sendo queimados, e assim os farenses vão desesperando pelo futuro da maior referência desportiva de Faro e do Algarve...
*actualizado, 22/02/2009, 21.55: Ao que parece o Café do Coreto não foi encerrado pela ASAE mas sim por vontade do proprietário por forma a fazer algumas obras no estabelecimento.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Rali de Salir - A primeira prova do Mix Cup 2009 disputou-se no passado domingo...


Disputou-se na manhã do passado domingo, na zona de Salir, interior da serra algarvia, a primeira prova do denominado Mix Cup 2009, que agora substitui as organizações do CRRS pelo Clube Automóvel do Algarve. Com o intuito de chamar mais concorrentes à estrada e de se abrir também outras portas para outro tipo de veículos, o CAA mudou a sua estratégia no que concerne ao modelo do rally, que assim agrupa numa mesma prova desde os tradicionais automóveis, passando pelas pick-ups mas também pelas motas, moto quatro e quads...

Relativamente à prova que assistimos, muito sinceramente esperávamos mais deste modelo pois apesar do rigor e profissionalismo das organizações do CAA, os participantes não abundaram em qualidade nem quantidade, o que redundou num espectáculo morno... Vários factores poderão ter estado no facto da fraca participação, primeiro porque esta prova não está incluida no CRRS, que agora será tri-organizado por três clubes, depois porque neste ano abundarão provas deste género na Região e só pilotos com uma grande maquia financeira poderão estar presentes em grande parte delas e depois porque associado a isso a crise não é alheia e os pilotos neste inicio de época ainda não estarão com as suas máquinas todas preparadas para a competição. Se no bolo, o numero de participantes ultrapassou o de uma prova do CRRS, já os participantes em automóveis não foram mais que 14, número fraco... A vitória do Troféu Selénia (autos e gipes) foi para o alentejano António Lampreia num Ford Escorth Cosworth, secundado por Pedro lança num Citroen Saxo Cup a 23 segundos e Paulo Romão numa Nissan Navara a cerca de 1.30 min. do vencedor. Na categoria destinada a motas, quads e moto4, a vitória coube a João Simões numa moto quatro Yamaha, seguido de Pedro Gonçalves numa Suzuky moto quatro e de Eduardo Vieira num mota KTM EXC. Próxima paragem: Tavira, a 14 e 15 de Março...

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Quem é ela?

Já são tantas letras no blog, que uma vez por outra me pedem para desanuviar o ambiente... Relativamente a esta menina, só vos digo que depois desta foto enriqueceu muito e agora, passados largos anos é uma das mais influentes e importantes artistas musicais do nosso planeta...

Contagem decrescente já começou

Estrutura semelhante com novidades no percurso

Dois anos depois de ter regressado ao calendário do World Rally Champioship (WRC), em 2007, ausente em 2008 pelo sistema de rotatividade imposto pela FIA, o Vodafone Rally de Portugal está de volta ao convívio das mais importantes competições mundiais, entre 2 e 5 de Abril, levando às estradas do Algarve e do Baixo Alentejo os maiores nomes dos rallyes internacionais.

De facto, trata-se de um regresso em grande, tendo em conta que a edição 2009 do Vodafone Rally de Portugal será pontuável para nada menos do que três campeonatos: WRC - Absoluto, WRC - Júnior e WRC - Produção, para além do Ford Fiesta Sporting International Trophy e do Campeonato de Portugal de Rallyes, o que desde logo deixa antever uma lista de inscritos bastante recheada.

Com organização a cargo do Automóvel Club de Portugal, o Vodafone Rally de Portugal tem o patrocínio da Vodafone Portugal, BP Ultimate, Hertz, Essilor, o apoio do Turismo de Portugal e das Câmaras Municipais de Almodôvar, Faro, Loulé, Ourique, S. Brás de Alportel e Silves. A prova portuguesa conta com três etapas e um percurso total de aproximadamente 1.165 km, integrando 18 Provas Especiais de Classificação (Troços) que perfazem 361 quilómetros ao cronómetro, o que representa 31% do itinerário total do rally. Graças à disponibilidade manifestada, desde a primeira hora, pela administração do Parque das Cidades relativamente à utilização dos excelentes recursos do Estádio Algarve, esta infra-estrutura desportiva voltará a ser o centro nevrálgico da prova. É de salientar que, em 2009, a Super Especial do Estádio do Algarve estará de volta, sendo disputada por duas vezes, uma logo a abrir a parte competitiva da prova, na quinta-feira, dia 2 de Abril, e a segunda a encerrar esse mesmo quadro, no domingo, dia 5 de Abril, antecedendo a cerimónia de consagração dos vencedores.

Com efeito, o Vodafone Rally de Portugal manterá uma estrutura global semelhante à da edição de 2007, embora apresente muitas novidades em termos de traçado. A primeira etapa vai para a estrada na sexta-feira, dia 3 de Abril, com uma dupla passagem por tês classificativas: Ourique, numa nova versão, com cerca de 23,5 kms, Silves, um troço totalmente novo com 21,5 kms, Malhão, numa nova versão de uma classificativa utilizada em 2007, agora com uma extensão de 22 kms. Da segunda etapa, a disputar no sábado, dia 4 de Abril, constam mais três classificativas a percorrer por duas vezes: Santa Clara, numa nova versão de cerca de 22,5 kms, Almodôvar, também uma nova versão com um pouco mais de 27 kms, Vascão, introduzido na edição de 2008, mantém-se inalterado com quase 23 kms. A derradeira e decisiva etapa, que terá lugar no domingo de manhã, dia 5 de Abril, inclui uma dupla passagem por duas classificativas já tradicionais no Vodafone Rally de Portugal, para além da já referida Super Especial no Estádio Algarve: Loulé, surge este ano numa nova versão, com cerca de 22,5 kms e S. Brás de Alportel, com 16 kms.

A cerca de mês e meio da realização da prova, a organização do Vodafone Rally de Portugal continua a trabalhar de forma afincada para que a competição possa revestir os mais elevados padrões de qualidade e segurança, de forma a garantir a sua presença no WRC para os próximos anos.
In Região-Sul por Paulo Moreno

Como não poderá deixar de ser, acompanharemos de perto e na íntegra a prova portuguesa do WRC... Fica já prometido, mas enquanto não acontece já amanhã esperamos ter disponíveis algumas fotos do Rali de Salir disputado no domingo passado. Semelhanças com o WRC só nos troços, porque no resto, as máquinas equipas, público e pilotos serão outros...

Sebastien Loeb em 2007 nas estradas algarvias

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

A partir de amanhã: 35ª Volta ao Algarve traz o melhor ciclista do mundo à Região...

Uma equipa de 60 pessoas vai trabalhar entre quarta-feira e domingo na organização da 35ª edição da Volta ao Algarve, que acolhe alguns nomes sonantes do ciclismo mundial entre as 22 equipas de 12 países, seis portuguesas.

À partida para a primeira das cinco etapas da prova vai estar um pelotão composto por 176 ciclistas, acompanhados por 160 pessoas que compõem os "staffs" das equipas a preparar tudo para que possam dar o seu melhor nas cerca de quatro horas que dura cada tirada e serão seguidos por um conjunto de 88 veículos.

O espanhol Alberto Contador (Astana), vencedor das três grandes voltas (França, Espanha e Itália) e provavelmente o melhor corredor da actualidade, será um dos ilustres do pelotão, a par do italiano Damiano Cunego (Lampre), o alemão Andreas Kloeden (Astana) ou o asutraliano Robbie McEwen (Katusha). Nas chegadas, a organização montará 500 baias de segurança, para evitar que o público entre nas estradas e atrapalhe os ciclistas, e 1.250 metros de placards publicitários, que permitirão uma maior visibilidade aos patrocinadores da corrida.

Um total de 1.710 dormidas, 4.240 refeições, 8.900 litros de gasolina são alguns dos números que reflectem o impacto económico da prova e, segundo a organização, juntam-se à promoção que o nome Algarve terá interna e externamente durante os cinco dias da corrida, graças à cobertura de 18 jornalistas estrangeiros e 40 portugueses que pediram acreditação."A organização disponibiliza resumos de três minutos por dia para as principais cadeias de televisão em toda a Europa e disponibiliza igualmente um resumo diário de 15 minutos com os melhores momentos da etapa", explicou uma fonte das empresas co-organizadoras da Volta ao Algarve.

Nas partidas, vão ser instaladas "uma área técnica, uma área de saída de prova, um pódio de saída, uma 'sponsors village', uma área de lazer com insufláveis, um balão de ar quente e passatempos", precisou. As mesmas infra-estruturas, mas para chegadas, serão montadas junto às metas (onde haverá também música ao vivo) e reflectem uma das novidades que a organização quis introduzir nesta 35ª edição: "uma aposta mais forte na componente do entretenimento dos espectadores".

"As coisas este ano tornaram-se mais fáceis porque as empresas associadas a esta edição da Volta fizeram os contactos com patrocinadores e as diversas entidades e aliviaram um pouco o trabalho da Associação de Ciclismo do Algarve", explicou Rogério Teixeira, presidente da entidade organizadora.


Lembro-me da Volta ao Algarve, à uns 10/12 atrás ser uma prova limitada a equipas portuguesas... O tempo passou e com ele esta prova tornou-se na mais valiosa prova portuguesa por etapas, no que ao ciclismo diz respeito. Haverá maior meio de publicitação da Região lá fora, do que este, com transmissões directas dos finais de etapa numa Eurosport? Sabemos que isso esteve muito próximo de acontecer este ano mas mais uma vez não foi possível... Uma pena, sem dúvida, até porque seria mais uma chapada sem mão à ERTA que pelas queixas dos responsáveis da ACA não apoio como o desejado este fantástico evento desportivo do Algarve.

Memórias da telefonia...

Final da Taça

Há coisas que não teem valor...Certo dia chega-me o caro amigo e ultra "F", com uma preciosidade capaz de colocar qualquer Farense digno de seu nome em lágrimas. Carrego no Play, a voz do José Mealha, tão caracteristica dos ouvidos de todos os Farenses, nos relatos das tardes de Domingo sempre que o clube de todos nós jogava fora e oiço nomes que me fazem entrar na nostalgia, Pereirinha, Fernando Cruz...e GOLLOOOO! Exactamente, falo da Taça de Portugal, um dos momentos mais marcantes da História do nosso grande Farense e da vida de qualquer Farense que tenha estado presente. Tinha 12 anos por esta altura, mas as memórias estão bem vivas, como se de hoje se tratasse. Estava eu atrás da baliza no topo Sul, já de saida do estádio frustado de tamanho resultado " nesse ano sentiamo-nos invénciveis",depois de tão emocionante dia, agarrado a mão do meu pai para não ser arrastado pela confusão...quando de repente quando já nada fazia prever...GGOOOOLLLLOOOOOO!!!!! Deixo que as palavras e emoções de José Mealha, transmitam aquilo para o qual não encontro palavras.



Ao contrário de muitos que já comentaram este momento no Blog Leões de Faro, eu não posso testemunhar este acontecimento histórico do nosso Clube... Já tinha alguns "anitos" mas a minha família nunca ligou muito ao futebol em geral, e ao Farense em particular, pelo que não fui um dos vinte mil algarvios, qual memórias vivas desse acontecimento histórico para a Cidade e para a Região... Só mais tarde, por volta de 94 é que comecei a "apaixonar-me" pelo emblema da nossa cidade de Faro, e guardo muitas recordações, umas melhores que outras, mas sempre duma forma nostálgica, que se confundem com os tempos da minha juventude, como que associando datas a alguns acontecimentos do Clube... Há jogos que me marcam e que nunca esquecerei... Infelizmente, e aparte da época da UEFA, acompanhei já a fase descendente do Farense, o que não significa que isso fosse sinónimo duma paixão decadente... Queria convosco, e apenas recorrendo à minha memória (que não é infalível....) recordar um jogo em que infelizmente não estive presente mas que não foi por isso menos vivido por não estar presente no Estádio S. Luís... Jogava-se a permanência na Superliga, onde o Farense era obrigado a ganhar para se manter, isto no época 1999/2000, na altura sob o comando de Ismael Diaz... O adversário era o Belenenses que visitava o Algarve tranquilo na tabela, perante um Leão sedento da vitória... Tratava-se do jogo duma época, onde o futuro do Emblema estaria à prova, situação que se veio a verificar anos mais tarde... Com o S. Luís cheio, seria o Belenenses a iniciar a festa azul com um golo, que naquela altura ditava a descida à Segunda Liga... Acreditem que, em casa, junto ao rádio tive suores frios... Era o Farense que estava em risco... Minutos mais tarde o Farense daria a volta ao marcador para gáudeo e alivio duma multidão sedenta por essa alegria de ter uma equipa algarvia entre as maiores do nosso futebol... Ainda hoje, como recordação guardo uma cassete de áudio que regista excertos desse jogo...

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Deixem pescar estes homens...

Depois do slogan "Deixem jogar o Mantorras", há agora um slogan bem algarvio lá para os lados de Sagres... Cuidado é com os erros ortográficos, porque a malta da comunicação social não costuma facilitar nesta matéria...

O Fim de Semana Desportivo em Análise - Época 2008/2009

Fim de semana globalmente positivo para as cores alvinegras do SC Farense. Comecemos pela equipa sénior e pelo bom resultado e exibição alcançados ontem diante do terceiro classificado, Pescadores da Costa da Caparica. A já dissecada vitória permitiu ao Farense aproximar-se mais da frente, mais concretamente do Juventude de Évora e do Pescadores, aumentando ainda a margem para quatro pontos sobre o sétimo classificado, isto a cinco jornadas do termo da primeira fase. Os Juniores descansaram nesta jornada, e passando directamente para os Juvenis, destacamos o regresso às vitórias da equipa A, que bateu copiosamente o Gin. Tavira por 5-0 na Penha, e ascendendo assim ao segundo lugar, estando a um ponto do líder Internacional de Almancil. Também a equipa B esteve bem e cumpriu a sua missão tendo goleado o Monchiquense na serra por 1-4. Nos Iniciados o Farense mantêm a sua irregular campanha e acumula 18 pontos em 14 jogos, tendo nesta jornada sido derrotado por 4-1 em Vila Real de Santo António. Notas finais para os Infantis A e B, que, respectivamente bateram o Internacional de Almancil por 4-2 e 10-2, enquanto as Escolas A saíram derrotadas do jogo com o Louletano por 5-4.

Voltemos à Terceira Divisão e ao derby louletano disputado ontem, entre Campinense e Louletano, terminando com a vitória dos comandados de Manuel Balela por 0-1, o que os vai afastando cada vez mais da concorrência ainda que estejam no segundo lugar da tabela. Por seu turno o Campinense de Ivo Soares, apesar dalgumas melhorias continua no fundo da tabela e ainda não conseguiu dar salto que lhe permita respirar melhor... Numa jornada francamente negativa para os outro conjuntos algarvios, destaque para o debilitado Silves de Tedu que roubou dois pontos ao Barreirense na sequência do nulo em Silves. Este resultado que pouco ajuda os homens do Barlavento, foi positivo para o Farense que assim viu o perseguidor perder terreno. No Messinense a chicotada psicológica também não surtiu efeito com a derrota no campo do rival directo Castrense por 2-0 a deixar os algarvios cada vez mais desesperados no fundo da classificação. A verdade é que os últimos quatro lugares são ocupados por equipas algarvias, sendo do Quarteirense a situação menos complicada mas ainda assim grave. Este fim de semana, os pupilos de Luís Resende foram goleados em Évora por 4-1 pelo Lusitano e preparam-se agora receber o Farense, num jogo que promete ser emocionante e renhido.

Na Segunda B tivemos uma jornada negativa para os algarvios. Pior está o Beira Mar, que nesta sua época de estreia, começou bem mas está agora em queda livre, não vencendo à sete jogos e ocupando agora o ultimo lugar com 21 pontos já a 4 pontos das equipas mais próximas. A uma jornada do fim da primeira fase, o Beira Mar é agora o principal candidato a regressar à terceira divisão após a derrota caseira 1-2 com o Real de Massamá. Enquanto isso, o Lagoa não fez jus ao lugar que ocupava no cimo da tabela, mas beneficiou dos desaires dos perseguidores Carregado e Pinhalnovense para se manter na liderança não obstante a derrota caseira por 1-2 diante do Olivais e Moscavide.

Finalmente na Liga Vitalis, regressaram os sorrisos às hostes algarvias... Depois de algumas jornadas de desespero de tristeza, tanto Portimonense como Olhanense trouxeram resultados positivos, ainda por cima em jogos fora de portas, lá no norte do país. Destaque para o Portimonense que foi ao Bessa ganhar 0-1 na estreia de Lito Vidigal e assim cavou um fosso de sete pontos para a linha de água, ainda que permaneça na mesma posição. Já o Olhanense trouxe um ponto da deslocação a Vizela, o que não sendo um excelente resultado, acaba por ser positivo pois manteve o Olhanense no segundo posto, face aos deslizes alheios e quebrou assim a série de derrotas, tendo agora no próximo jogo em casa uma oportunidade de ouro para se reconciliar com os seus adeptos.

Macário assume publicamente candidatura a Faro

O social-democrata Macário Correia diz que vai concorrer à Câmara de Faro porque o Algarve necessita de uma «capital forte» e «liderante».
Macário – que falava esta manhã, numa conferência de imprensa, em Tavira, onde anunciou publicamente e pela primeira vez a não recandidatura à autarquia local – entende que «o Algarve não pode ser um conjunto de dezasseis concelhos, como carruagens desconexas, sem uma capital liderante e que lhe sirva de locomotiva». De acordo com o político, a região «precisa de uma capital de nível europeu, viva e pujante», considerando que a própria cidade de Tavira «terá muito a ganhar com isso».«As capitais regionais têm esse papel, quando bem exercido. Isso será bom para todos os algarvios», frisou. Em jeito de explicação ao município de Tavira, onde pretende «exercer o actual mandato até ao fim», Macário Correia apelou, contudo, «à compreensão» e disse estar confiante nas qualidades do candidato Rui Amaro, que será o líder das listas social-democratas para as autárquicas de 2009. «Acompanharei sempre de perto a minha equipa, os nossos projectos e os meus colaboradores da Câmara Municipal estão dispostos a continuar com a mesma dinâmica e com o mesmo projecto», revelou.

Campanha já mexe em Faro
Sobre o projecto político farense, que será apresentado esta tarde, Macário Correia disse ter intenção de fazer uma campanha «simpática» e sem «ataques pessoais».«Não será uma campanha difícil. Vai aliás ser simpática, muito bem disposta e já começou», disse Macário. «Ontem à tarde estive na Culatra e no dia anterior estive no Montenegro. As pessoas estão ansiosas e eu estou a tentar manter a calma», revelou. Sobre o timing da sua apresentação, o candidato diz que o faz com «sete meses de antecedência» para que «os rumores, boatos e dúvidas fiquem esclarecidos de viva voz».
Será ele o "Obama" algarvio???

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Leão forte afoga Pescadores


O Farense ofereceu na tarde de hoje aos seus adeptos, sócios e simpatizantes uma das mais sólidas exibições da época, quebrando até o enguiço de não vencer a um dos seus cinco perseguidos, o que acontece numa fase decisiva da época e face ao que se viu pode ser um indicador positivo no que concerne à fase final que se aproxima. A verdade é que os Leões de Faro primaram a sua exibição por uma solidez defensiva assinalável, capacidade física, organização e capacidade de gestão de jogo ainda não vistas desta forma na presente época. Talvez falte ainda alguma criatividade no ataque mas estamos em crer que com a equipa estabilizada, esta situação terá as devidas correcções de modo a encarar a fase final com outra convicção.

Numa primeira parte jogada sob um vento um pouco moderado, cedo o Farense tomou as rédeas de jogo e aos oito minutos dispunharia da primeira grande ocasião, desta feita de Hernâni, proporcionando uma grande defesa ao guardião contrário. Aos dezesseis minutos nova ocasião de golo, por Pintassilgo, que beneficiou duma triangulação entre Barão e Luis Afonso, e tinha a oportunidade para desferir um remate em jeito, que daria uma espectacular defesa ao guarda redes do Pescadores. O Farense jogava nesses primeiros minutos sobre o meio campo adversário, procurando sair com a bola dominada e depois jogando com velocidade nos flancos, onde os laterais subiam com alguma frequência, apoiados sempre por dois ou três homens que assim davam maior consitência às jogadas de ataque dos algarvios. Passados os primeiros vinte minutos o Pescadores equilibraria a partida e espretaria o ataque, ainda que de forma pouco regular, à base de jogadas rápidas, mas tais ímpetuos foram-se esbatendo no meio campo farense. Era contudo a pior fase desta parte, pois as equipas haviam encaixado, e os lances de perigo eram practicamente nulos, jogando-se a meio campo, até que Bruno, já perto do final concluiria de cabeça uma jogada de Pintassilgo na direita, deixando os farenses com uma vantagem de um golo ao intervalo.

Na segunda parte, era com expectativa que se aguardava a postura do Pescadores, que vinha ao Estádio Algarve, na qualidade de terceiro classificado, com mais oito pontos que o Farense à entrada para esta jornada. A verdade é que os comandados de Pedro Sampaio, nunca conseguiram ser os “donos da bola”, muito por culpa do Farense, que soube anular da melhor maneira as unidades mais importantes do conjunto da margem sul, controlando o jogo duma forma quase total, perante um adversário em que nem mesmo as susbtituições surtiram o desejado efeito. A entrada de Caras, após a saída do lesionado Luis Afonso deu a António Barão a possibilidade de refrescar a esquerda do ataque, dando assim maior garra e força à equipa. Seria do Farense nova grande oportunidade de golo, quando Pintassilgo aos sessenta e oito minutos remataria no coração da área após um execelente trabalho individual, isto numa fase de jogo em que o Farense mantinha a organização e ganhava a maior parte dos lances divididos, perante um adversário que neste aspecto tinha jogadores mais fracos fisicamente. Com o jogo caminhar para o fim, assistimos então a alguns equívocos do árbitro, senhor Hugo Cardoso, que nos últimos minutos foi marcando muitos livres contra os Leões de Faro, alguns duvidosos e tomando decisões algo esquistas como num lance entre Bruno e um defesa contrário, em que estando a olhar para o lado oposto, não teve dúvida em admoestar um jogador da margem sul com o cartão amarelo, isto sem conferenciar com nenhum dos assistentes... O Costa da Caparica só no período de descontos se assomou duma forma visível da baliza de Gonçalo mas seria já no termo da partida que o Farense selaria a vitória por Caras, num lance que originaria uma situação pouco digna no banco dos Pescadores, numa clara imagem de falta de fair play do treinador e seu adjunto, no momento em que a derrota estava já consumada.


Camp. Nac. 3ª Divisão, Série F, 21ª Jornada
Estádio Algarve (Parque das Cidades)
Assistência: 500 espectadores
15 horas, 15/02/2009
Árbitro: Hugo Cardoso (Évora)
FARENSE 2-0 PESC. COSTA CAPARICA

(41 mn, por Bruno, na sequência dum cruzamento de Pintassilgo na direita, à qual o "gigante" farense respondeu com uma cabeçada que ainda parece tocar num defesa contrário, entrando junto ao poste esquerdo da baliza sul)
(95 mn, por Caras, que aproveita o desiquilibrio defensivo do Pescadores, que tinha toda a "gente" nas imediações da área farense, para iniciar um contra ataque, correndo todo o meio campo com a bola dominada e encostando para o fundo das malhas no interior da grande área)

Farense: Gonçalo; Cannigia, Hernâni, Carlos Neves, Wilson; Luís Afonso (Caras, 65mn), Zé Nascimento, Barão, Norberto (Arlindo, 93mn), Bruno, Pintassilgo (Dinis, 88mn). Treinador: António Barão

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Foi divulgado neste espaço que o jogo Farense-União de Leiria, a contar para o Nacional de Juniores da Primeira Divisão se disputaria hoje, pelas 15 horas, no Estádio S. Luís. Na verdade fomos iludidos por uma das fontes que utilizamos e por esse facto, involuntariamente, errámos na informação que foi aqui colocada. Por isso, apresentamos desde já as nossas desculpas.

Final da Taça da Liga de novo no Estádio Algarve

A final da segunda edição Carlsberg Cup/Taça da Liga em futebol, entre os rivais lisboetas Sporting e Benfica, vai mesmo decidir-se no Estádio Algarve, no dia 21 de Março. A possibilidade chegou a ser descartada mas, na realidade, como revelou há uma semana o Região Sul, tudo estava em aberto e foi a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) a confirmar a notícia esta sexta-feira, no seu sítio.

O jogo decisivo da prova volta a ter o Sporting como um dos intervenientes, depois de os «leões» terem sido derrotados pelo Vit. Setúbal, na marcação de grandes penalidades, na final da primeira edição, também no recinto algarvio. Esta decisão vai obrigar, assim, a que a remoção do relvado e construção da pista para a realização da superespecial do Rally de Portugal – cujo «quartel-general» estará instalado no Parque das Cidades – sejam feitas com maior celeridade.
In Região-Sul

Felizmente, os meus vaticínios sobre este assunto saíram furados, o que constituirá para já o quarto evento de grande dimensão desportiva que se realizará no anfiteatro algarvio. A final da Taça da Liga junta-se assim à final da Supertaça Cândido de Oliveira, ao particular da Selecção Nacional e também WRC Vodafone Rally de Portugal 2009... Diria mesmo que só faltaria um festival de Verão para ser a cereja no topo do bolo no que concerne a eventos de massas realizados no recinto. Se a isto somarmos as dezenas de jogos de futebol internacionais que ocorrem durante a ápoca e os jogos semanais de Farense e Louletano, penso que não restarão dúvidas que este é de facto o estádio do Euro2004 com maior utilização. Não é verdade?

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Farense reencontra Armacenences para a Taça do Algarve

O sorteio realizado hoje na sede da Associação de Futbeol do Algarve ditou uma deslocação dos Leões de Faro ao barlavento para defrontar o Armaceneces, equipa que neste momento ocupa a 6ª posição do distrital da Primeira Divisão. Os jogos dos quartos de final da Taça do Algarve estão aprazados para o próximo dia 25, pelas 20h00 e no caso do Farense ditará um reencontro com o Armacenenses, que, na época passada "roubou" três pontos aos homens da capital algarvia, sendo derrotado 1-o no Estádio Algarve, vencendo depois na segunda volta por 1-0 no Campo das Gaivotas, num jogo que ditaria a saída de Carlos Costa do cargo de treinador do Farense.

Outros jogos:
GDC SALGADOS / CF ESPERANÇA LAGOS
LUSITANO FC / QUARTEIRA SC
JS CAMPINENSE / IMORTAL DC

Está bem... façamos de conta

"Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?). Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo.

Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês. Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível. Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro e façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das "melhores posições no Mundo" para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu. Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dos média.

Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva". Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda).

Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.

Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso.

Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos."
Artigo Mário Crespo JN 9/Fev/09

E agora? Será que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira vai chamar "mentiroso" ao jornalista Mário Crespo? Quanto ao resto, absolutamente genial!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Portugal 1-0 Finlândia em imagens...

A apresentação das equipas à tribuna e Ronaldo no palamque para receber a homenagem alusiva ao prémio Melhor Jogador FIFA 2008
Um singelo efeito limunoso dedicado a Cristiano Ronaldo, instantes antes do apito inicial Camisola gigante da Selecção, desembrulhada no topo sul do estádio
Pontapé de canto cobrado na direita do ataque português por Deco
Lance de ataque conduzido por Nani
Imagem da Ola Mexicana, celebrada no topo norte do Estádio Algarve
O golo de Cristiano Ronaldo marcado na conversão duma grande penalidade aos 77 minutos que daria a vitória à selecção portuguesaA frase ecoada nas bancadas do Estádio Algarve instantes antes de Ronaldo converter o penalty... "Na televisão já deu o golo!"

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Portugal - Finlândia no Estádio Algarve! Proíbido faltar!

Faro pode vir a ter um Projecto de Interesse Nacional (PIN) no Pontal

Um grupo de investidores russos já apresentou junto do Governo o pedido para que o empreendimento que querem promover nesta zona verde do concelho de Faro, pertencente à Mata do Ludo, tenha prioridade na aprovação e facilidades na implantação.

A informação foi avançada em primeira-mão ao «barlavento» pelo presidente da Câmara de Faro José Apolinário, que aguarda agora os desenvolvimentos deste processo. O autarca revelou ainda que os investidores russos eram um dos três grupos que queriam garantir as 1030 camas que a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDRA) destinou a Faro, na distribuição regional de camas de alojamento turístico fora dos centros urbanos.

A Câmara de Faro já anunciou, entretanto, que irá lançar o concurso para um Núcleo de Desenvolvimento Turístico com as referidas 1030 camas, no primeiro semestre de 2009. Mas o lançamento desta iniciativa ainda depende «do acertar de posições com a CCDRA».Caso o projecto dos investidores russos seja considerado PIN, avançará por uma via alternativa e não entrará na contagem de camas fora da malha urbana. Esta é uma boa notícia para Faro, que tem mais intenções de investimento do que as camas que pode atribuir. Segundo já havia revelado José Apolinário ao nosso jornal, há interessados em investir em empreendimentos turísticos em Santa Bárbara de Nexe e em Estoi, fora do perímetro urbano dessas sedes de freguesia farenses. Na altura, o presidente da Câmara de Faro também anunciou que iria fazer depender a aprovação de qualquer projecto ou projectos a instalar no Núcleo de Desenvolvimento Turístico a criar, da construção de «um campo de golfe de 18 buracos».

A Câmara de Faro foi uma das que se mostrou descontente com a distribuição que foi feita pela CCDRA das 24 mil camas turísticas fora do perímetro urbano previstas no Plano Regional de Desenvolvimento do Território do Algarve (Protal). Mas, poucos dias depois de a tabela de distribuição ter sido anunciada, José Apolinário revelou a sua convicção de que «a questão das camas terá de ser revista em 2010», pois não haverá investidores suficientes para as autorizadas no interior.

Admito que será um impulso no Concelho de Faro em termos económicos mas meus amigos, um investidor que compra os terrenos inseridos no pré Parque Natural da Ria Formosa e mesmo no próprio Parque por 50 milhões de euros, num total de investimento a rondar os 460 milhões, adquiriu por certo uma grande faixa da mata, senão mesmo a totalidade, ou seja o pulmão do concelho farense para construção de moradias de luxo e campos de golfe... Acho curioso, os senhores Políticos estarem tão preocupados com as moradias nas ilhas barreiras, onde moram uns pobres coitados (sem ofensa aos mesmos), querendo tirar-los de lá para fora, e agora como que às escondidas estarem ao lado dum projecto devastador a nível do ecossistema natural, afim de se ganhar umas coroas... Ainda para mais sabe-se lá de onde aparecem estes investidores russos e de que sítios esse dinheiro é proveniente...

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

O Fim de Semana Desportivo em Análise - Época 2008/2009

Num fim de semana que se adivinhava difícil para as hostes dos Leões de Faro, futebolisticamente falando, tais receios vieram a confirmar-se. Apesar de tudo, acabaram por ser os Seniores que jogavam na casa do líder e rival Louletano a minimizar as perdas, tendo empatado a duas bolasem Loulé, num resultado que soube a pouco, face ao que vimos e já pudemos escrever neste espaço. Aliás, o Farense conseguiu mesmo manter distância para o sétimo posto, agora ocupado pelo Barreirense, que persegue agora os Leões de Faro com três pontos de atraso. Os Juniores tinham uma dificílima deslocação à Academia de Alcochete e de lá saíram vergados a uma derrota por 3-0, que não envergonha os rapazes de Faro, além de que a vantagem leonina só seria consolidada nos últimos minutos da partida. Ainda assim, o Farense mantém a oitava posição, agora igualado pelo União de Leiria, recebendo no próximo sábado esta mesma equipa no S.Luís, num jogo que promete faísca. Já os Juvenis borraram a pintura neste fim de semana, numa altura em que haviam reconquistado a liderança, tendo sido derrotados em casa por 0-3 pelo Portimonense, caindo assim para o terceiro posto. Nos Iniciados tivemos finalmente uma vitória do Farense, pela margem mínima, batendo o Quarteirense por 1-0 e assim fugindo um pouco da zona perigosa da tabela. Notas finais, como habitualmente para os Infantis e Escolas... Nos Infantis o Farense somou uma dupla derrota em Portimão por 5-1 e 5-2 enquanto as Escolas bateram respectivamente Quarteirense e S.Luís por 6-0 e 6-1.

Voltemos à Terceira Divisão Nacional e o destaque desta jornada foi para o Campinense de Ivo Soares, que na visita a Messines bateu os locais por 0-2, redimindo-se da derrota da jornada passada e mostrando que está vivo na luta pela permanência. O Quarteirense voltou a não vencer em casa, e desta feita perante um adversário do seu campeonato, o Fabril, perdendo uma oportunidade de subir na tabela e de igualar o seu opositores. Nota final para o Silves que tinha uma complicada deslocação à Cova da Piedade, e com a vitória por 1-0 se isolou na frente da prova deixando o Silves cada vez mais desamparado na cauda da tabela.

Na Segunda Divisão B, as duas equipas algarvias, que tinham iniciado muito bem este campeonato, estão agora em lugares diametralmente opostos. É a diferença entre um projecto sólido (o do Lagoa) e o do Beira Mar, onde a turbulência interna é constante e assim vai prejudicando a campanha da equipa de futebol que agora se vai quedando pelo ultimo lugar com 21 pontos após uma derrota em Marvila diante do Oriental. Por sua vez, o Lagoa jogava com o Pinhalnovense a liderança da prova, numa partida carregada de muito interesse no Josino da Costa, pois Joaquim Mendes regressava pela porta grande a uma casa onde fez um belo trabalho. O 3-0 final para os lagoenses premeia o excelente desempenho de Luís Coelho e deixou os barlaventinos sozinhos na liderança do campeonato, facto invejável e absolutamente extraordinário nesta fase da época.

Por fim, falemos da Liga Vitalis, onde as duas equipas algarvias vão de mal a pior nas suas ultimas prestações, com destaque para o Olhanense que averbou a sua quinta derrota seguida, a terceira para o campeonato... Alegando terem sido prejudicados pelas arbitragens, o Olhanense parece evidenciar algumas fraquezas e nesta jornada teve a felicidade de manter a sua posição, beneficiando de derrotas alheias, não obstante a sua derrota caseira por 1-2 diante do Sporting da Covilhã. O Portimonense também não fez melhor, ontem sob o comando interino de Amílcar Delgado que hoje cedeu o lugar a Lito Vidigal sendo derrotado por 0-1 em casa diante do União de Leiria estando agora na antepenúltima posição.

Scolari despedido para regozijo de muitos...

Scolari não foi feliz na sua curta experiência em Inglaterra... Na minha opinião, a ambição subiu-lhe à cabeça e a forma pouco convincente como tratou da sua saída da Selecção, para entrar no Chelsea foi a prova disso mesmo. Deveria saber Scolari que treinar em Inglaterra não é fácil, que os seus métodos algo provincianos de gestão humana não se coadunariam com uma sociedade fechada, fria, fleumática... Além do mais a sua aventura ocorre num dos clubes mais perigosos da Premier League para qualquer treinador (que o diga Mourinho ou Avram Grant), e ele seria mais um com cabeça a prémio, após uma possível série negra de resultados... Contudo, acredito na capacidade de Scolari e a prova disso é que agora já estamos de calculadora na mão, sendo ultrapassados por equipas de terceira linha na fase de apuramento... Por isso não percebo como tanta gente cospe no parto onde comeu... Será que não se arriscam agora a passar fome?

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Ter o pássaro na mão e deixá-lo fugir...

Luta pela posse da bola entre Hernâni, Barão e um jogador louletano nas alturasO Louletano usou e abusou do jogo pelo ar para empatar a partida e seria dessa forma que chegaria ao golo final, já em período de descontos

O Farense alcançou na tarde de hoje um resultado positivo no terreno do líder da prova, empatando a duas bolas, mas na verdade foi com amargo de boca que os adeptos da capital algarvia saíram do Municipal de Loulé, pois o Louletano, equipa melhor apetrechada a todos os níveis, nunca foi superior ao Farense, que se bateu duma forma digna e empenhada na luta pelos três pontos.

Num relvado algo pesado e deteriorado face aos dias chuvosos que se têm feito sentir na região, acabou por ser o Farense a entrar melhor na partida, apostando num bom preenchimento a meio campo, que rapidamente colocava a bola nas alas para poder surpreender o adversário. O Louletano reagiu mas foi sempre uma equipa lenta nas transições Pintassilgo converteu exemplarmente a grande penalidadee pouco agressiva na luta pela posse de bola, socorrendo-se da capacidade de choque dos seus jogadores, bastante dotados fisicamente e que assim iam criando perigo através essencialmente de cruzamentos para a área ou na busca dos seus avançados através dum futebol muito directo. Jogando desta forma, o Louletano foi causando calafrios a Gonçalo, que se exibiu a um nível muito alto, livrando nesta primeira parte o Farense em duas ou três ocasiões flagrantes. Assistimos a períodos de equilíbrio entre as equipas, ambas adoptando filosofias distintas, sem que emergisse uma equipa mais forte em campo e onde o Farense também ia ameaçando a baliza contrária, com uma nota para um remate perigoso de Zé Nascimento, após um atabalhoamento de Bruno Lúcio aos 31 minutos. Quando o jogo já caminhava para o fim da primeira parte, aconteceria um dos momentos chave do jogo... Dante, até aí o único jogador amarelado, cometeria uma falta sobre Pintassilgo na área, o que acabaria por o levar à exclusão da partida por acumulação de amarelos ainda na primeira parte, deixando assim o Farense com o caminho aberto para sair a ganhar para os balneários.

Conseguida a vantagem e a jogar com mais um elemento, cabia a Manuel Balela mexer na sua equipa por forma a equilibra-la e assumir o domínio de jogo em sua casa. Com uma postura mais decidida na partida, os louletanos tentavam o empate, mas António Barão também não dormia no banco e astuto colocava DavidA festa nas bancadas e também de Pintassilgo no lado direito da foto Justo, jogador que nos têm habituado aos seus rápidos ráides, em campo, por troca com Zé Nascimento. A defesa do louletano estava mais diminuída face ao caudal ofensivo da equipa e jogava um pouco adiantada, com jogadores lentos, pelo que a aposta só podia surtir efeito. Passados dois minutos, David Justo construía o golo do 0-2, o que deixava os adeptos farenses com água na boca... Contudo a vantagem de dois golos foi sol de pouca dura e com o resultado mais equilibrado, intensificou-se ainda mais a pressão do Louletano, com Manuel Balela a por a carne toda no assador, perante uma defesa do Farense já amputada duma unidade sólida e forte fisicamente, Rui Graça, que havia saído por lesão, deixando os seus colegas de sector cada vez mais incomodados pelos gigantes louletanos. Justo, que havia estado no melhor, acabaria também por ser expulso infantilmente e para juntar a isso Norberto falharia um golo incrível de baliza escancarada, que faria o 1-3. Por tudo isto, embora o Farense estivesse a jogar bem, seria com alguma felicidade que o Louletano empataria a partida já no seu termo, para delírio dos adeptos e jogadores locais que o comemoram como que de uma final se tratasse. Nota para Rodrigo, jogador formado nas escolas do Farense, que comemorou o golo sozinho, junto dos adeptos farenses, duma forma muito vistosa e mesmo provocatória, situação que nada o dignifica. Arbitragem mediana.


Camp. Nac. 3ª Divisão, Série F, 20ª Jornada
Estádio Municipal de Loulé (Loulé)

Assistência: 700 espectadores
15 horas, 08/02/2009
Árbitro: Eugénio Arez (Algarve)
LOULETANO 2-2 FARENSE


(45 mn, por Pintassilgo, na marcação duma grande penalidade para a esquerda de Bruno Lúcio, castigando uma falta de Dante sobre si, quando se preparava para caminhar isolado e rematar)
(60 mn, por Bruno, após uma boa jogada de Justo pela esquerda, que cruzou milimetricamente para Bruno no segundo poste, concluindo com o pé direito a jogada para o fundo da baliza louletana)
(65 mn, por Anselmo, numa jogada de contra ataque louletano de dois para um, Anselmo conduz a bola e acaba mesmo por reduzir a vantagem com um forte remate, indefensável para Gonçalo)
(90+4 mn, por Rafael, na sequência de um canto, a bola acaba por ser desviada e Rafael aparece mais lesto ao segundo poste e marca de cabeça)

Farense: Gonçalo; Cannigia, Rui Graça (Hernâni 50 mn), Carlos Neves, Wilson; Luís Afonso (Arlindo, 63mn), Zé Nascimento (Justo, 57mn) Barão, Norberto, Bruno, Pintassilgo. Treinador: António Barão

sábado, 7 de fevereiro de 2009

DOMINGO DIA 8, 15HORAS, TODOS AO MUNICIPAL DE LOULÉ!!
O LOULETANO RECEBE O FARENSE, NUM DERBY QUE PROMETE SER INTENSO NA LUTA PELOS LUGARES DE SUBIDA!!
SÓ A VITÓRIA INTERESSA!!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

A Frente Ribeirinha de Faro...

Gostava muito de estar mais informado sobre o que se passa nos corredores do poder da politica local, não para que me pusesse em bicos de pés para tirar proveitos próprios, mas sim para perceber com maior exactidão e de que forma os nossos políticos procuram defender o melhor possível os interesses da nossa Cidade e Concelho e a partir daí projectar novos horizontes para a cidade de Santa Maria.

Como curioso, e admitindo desde já que não sou um expert na matéria, vou apanhando conversa dum lado e doutro e como não podia deixar de ser, leio alguns dos blogues mais populares da nossa Cidade, que, com posturas diferentes perantes os factos e notícias que vão surgindo, procuram informar o que os outros meios não são capazes transmitir aos leitores, permitindo a partir daí, acesas trocas de ideias entre a vasta comunidade farense(e não farense) participante. Ao ser verdade, o que o Blog Tem Avonde adianta, o que se passou no passado dia 3 de Fevereiro na CMF, foi de facto a prova oral duma lição que não foi bem estudada e por isso muitas das questões que foram colocadas com o desenrolar da apresentação do projecto, não tiveram o esperada explicação. No meio destas declarações de intenções da Parque Expo, e até porque José Apolinário referiu a necessidade da participação da sociedade civil na formalização deste projecto, há um facto que ainda não foi explicado aos farenses com toda a clareza e que me parece ser a "chave" para o sucesso do projecto, quer a nível financeiro, quer no resultado que se pretende para o mesmo. Trata-se do caminho de ferro que delimita a cidade junto à ria, sendo assim o principal entrave à aproximação das pessoas ao mar. Porque, as pessoas, os munícipes e visitantes do Concelho são o alvo desta requalificação (tardia) da baixa da cidade, pergunto como pode ser possível fazer este "facelift", se mantivermos o caminho de ferro. Pelo que se se sabe há a intenção de se fazer três passagens inferiores nos cerca de 5 kilómetros que compõem a faixa citadina que beneficiará das obras. É suficiente? Evidentemente que não... E as passagens pedonais serão feitas de que forma? Não me parece que hajam formas milagrosas para contornar este problema e por tudo isto vou esperar para ver, embora não esteja optimista perante o problema que se apresenta.

Quando muitos dizem que este projecto têm duas décadas de atraso, pergunto se a questão do caminho de ferro, não foi também questionada ao longo deste tempo, quando outros Executivos estudaram a questão do famoso passeio ribeirinho. Por isso se pergunta quanto mais tempo a cidade de Faro vai esperar para se ver livre deste laço que a vai asfixiando e travando a sua evolução, situação que deveria ser já resolvida simultaneamente com a execução deste projecto, reduzindo assim os custos e o impacto negativo duma nova intervenção para a transferir a linha de sítio, pondo também em causa algumas das obras da requalificação agora apresentadas. Creio ser da maior importância reflectir sobre esta questão, aprofundando ainda mais o tema, para que depois não se chore sobre leite derramado.

Quanto ao resto, esperemos para ver, pois admitindo que os projectos apresentados serão traves mestras para o retorno do estatuto da capitalidade perdida nos últimos anos, parece que tudo ainda está muito vago e por isso não me alongarei em apreciações, sem ter um maior conhecimento.

Viva Faro!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Queirozadas Vs Scolarizadelas

Quando Scolari escolheu Bruno Vale para terceiro guarda redes da Selecção Nacional, jogador que era suplente de Vítor Baía no FC Porto, todos lhe caíram em cima... Mas agora, esses mesmo que tanto criticaram, talvez raivosos pela forma como o brasileiro afastou Baía, e fez frente a vários lobbies instalados no seio da Selecção, aceitam e aplaudem esta escolha de Orlando Sá para a equipa A de Portugal. Orlando Sá têm neste momento 33 minutos jogados na Liga Sagres em 1440 possíveis, e pese embora admitir que possa ser um jogador com potencialidades, a única coisa relevante que fez do conhecimento geral foi marcar três golos à Espanha num particular... Se formos rigorosos no critério, Bruno Vale tinha na altura mais historial que Orlando Sá... Aguardarei agora com curiosidade, esses mesmo críticos, sabendo dantemão que ao contrário de Scolari, Queirós e o grupo que lidera estão com a corda na garganta, relativamente ao apuramento. Por isso, esperava que este jogo, diante dum adversário muito parecido à Suécia com o qual jogaremos já em Março, servisse para uma preparação mais objectiva e prática, num grupo que precisa urgentemente de encontrar uma identidade que lhe permita vencer e ultrapassar a concorrência, e não para testes deste género... Depois não digam que não avisei...

Sporting-Benfica no Estádio Algarve ainda está “em aberto”

A hipótese de a final da Taça da Liga, opondo Sporting e Benfica, se realizar no Estádio Algarve, hoje descartada pela imprensa desportiva, ainda está “em aberto”, de acordo com o presidente do conselho de administração do Parque das Cidades, Seruca Emídio.

O autarca louletano revelou ao Região Sul que a dúvida prende-se com a conciliação entre a data do jogo entre os rivais lisboetas (22 de Março) e o arranque da construção da pista para a superespecial do Rally de Portugal, aprazado para 2 a 5 de Abril.

Se existir vontade de todas as partes – e nós estamos interessados –, continua a ser uma possibilidade em aberto”, acrescentou o presidente da câmara de Loulé, município que partilha com Faro a gestão do complexo do Parque das Cidades (PC).

Seruca Emídio confessa que apesar do interesse manifestado no ano passado pelo presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Hermínio Loureiro, “nunca ficou totalmente garantido que o jogo fosse no Algarve”.

Esse cenário, sustentou o autarca, levou a administração do PC a confirmar o complexo como «quartel-general» do rali, incluindo a colocação de uma pista no lugar do relvado, para a realização da superespecial – à semelhança do que aconteceu em 2007.

Segundo declarou o responsável ao Região Sul, a construção da pista pode demorar “entre oito a dez dias”. “A manter estas condições, será difícil. Mas se apertarmos os prazos…

Seruca Emídio confirmou que vai contactar as partes envolvidas – Liga de Clubes, organização do rali e empreiteiro – e espera resolver a situação, para que os rivais lisboetas possam decidir no Algarve a vitória na Taça da Liga.
In Região-Sul
Acho muita "fruta" o Estádio Algarve receber estes dois eventos num espaço de 15 dias, o que a acontecer, seria mais uma vez um novo fôlego na projecção de Faro a nível nacional... E digo que acho muita fruta porque, ao contrário do que alega Seruca Emídio, no Parque das Cidades não será só o relvado do Estádio Algarve que estará em causa, mas sim a zona envolvente que servirá de quartel general a todas as equipas participantes da prova. Quem esteve presente nas últimas edições do Rally de Portugal, sabe que os camiões com toda a logística começam a chegar ao local com uma semana(ou mais) de antecência, tendo já nessa altura que estarem feitas algumas obras no local para receber a caravana. Por isso, e com muita pena minha, não creio, mas vou torcer para que tudo se resolva pelo melhor...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Parque Expo quer criar novas centralidades em Faro

Criar novas centralidades em Faro e devolver a Ria à cidade são os pontos-chave da estratégia para a zona ribeirinha da capital algarvia, apresentada esta terça-feira pela empresa Parque Expo, nos Paços do Concelho de Faro. Cais Neves Pires, na zona ribeirinha de Faro


Esta foi a sessão pública que serviu para divulgar o 1º relatório do Estudo Estratégico para a Frente Ribeirinha de Faro, divulgado em primeira-mão pelo semanário «barlavento», há duas semanas. Numa sala repleta de gente, Ana Lopes, técnica da Parque Expo e coordenadora deste estudo, apresentou a primeira versão do plano que esta empresa tem para a zona ribeirinha de Faro, que incide sobre o território que vai desde o Hotel Íbis, a Poente, até ao Bom João, a Nascente.

Ao nível de infra-estruturas, os destaques vão para a Marina a nascer no Bom João, junto ao actual Porto Comercial e em complemento a este, e a requalificação da zona do Cais Neves Pires, com a construção de um Centro Ambiental «ou um museu», com uma área verde associada, como o «barlavento» já havia anunciado.Também outros projectos que já estão a decorrer, noutros âmbitos, fazem parte deste estudo.

O Parque Ribeirinho de Faro, a ser concluído no âmbito do Polis da Ria Formosa, e a construção de uma doca exterior à que já existe junto ao Jardim Manuel Bívar, na Baixa de Faro, resultante de um protocolo entre a Câmara de Faro e o Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos, são exemplos. Segundo Ana Lopes, a estratégia elaborada pela Parque Expo assenta na criação de dois novos pólos de centralidade, a partir dos quais se desenvolve e interliga uma nova filosofia para a zona ribeirinha de Faro.Um pólo nascerá na zona Poente, junto da actual Estação de Caminho-de-Ferro de Faro, enquanto a segunda surgirá na zona industrial do Bom João, a partir do momento em que aqui for construída a Marina e promovidas acções de urbanização e valorização económica.

Neste segundo caso, a ideia da Câmara é há muito conhecida e passa por criar uma espécie de Parque das Nações, através de uma profunda regeneração urbana. Já junto à estação, a Parque Expo defende a criação «de um interface intermodal», que permita fazer uma articulação entre diversos meios de transporte, nomeadamente «comboios, autocarros e barcos».Ao mesmo tempo, o estudo prevê o aproveitamento «de muitos dos armazéns que ali se encontram devolutos», de modo a que sejam «devolvidos à cidade», através de usos alternativos. Já houve um projecto para trazer para esta zona a noite farense, possibilidade que ainda poderá estar em cima da mesa.

Estes dois pólos juntar-se-ão aos que a empresa identificou junto à doca de Faro, na Cidade Velha e na zona do Teatro Municipal e do Fórum Algarve, fechando a malha de centros de influência junto à Ria Formosa. E como nem só da água e sapais deste sistema lagunar podem os farenses viver, também é idealizada a construção de espaços verdes e a arborização da cidade. Os pontos assinalados no estudo são o Parque Ribeirinho, a zona do Cais Neves Pires e o Parque Urbano a nascer na zona do Vale da Amoreira.

Outro ponto descrito como fulcral pela Parque Expo foi a reestruturação da rede viária e pedonal, de modo a permitir furar a barreira que a linha de caminho-de-ferro actualmente representa entre a cidade e a Ria Formosa. Neste campo, a empresa defende a criação de passagens inferiores «junto ao Teatro das Figuras, na zona do IPJ e junto do apeadeiro do Bom João».Ao mesmo tempo, serão feitas diversas zonas para a travessia de peões, para lhes permitir o acesso ao passeio pedonal que será criado do lado de lá da linha, junto à Ria, em toda a frente ribeirinha da cidade.
Foto e Crónica In Barlavento Online