domingo, 8 de fevereiro de 2009

Ter o pássaro na mão e deixá-lo fugir...

Luta pela posse da bola entre Hernâni, Barão e um jogador louletano nas alturasO Louletano usou e abusou do jogo pelo ar para empatar a partida e seria dessa forma que chegaria ao golo final, já em período de descontos

O Farense alcançou na tarde de hoje um resultado positivo no terreno do líder da prova, empatando a duas bolas, mas na verdade foi com amargo de boca que os adeptos da capital algarvia saíram do Municipal de Loulé, pois o Louletano, equipa melhor apetrechada a todos os níveis, nunca foi superior ao Farense, que se bateu duma forma digna e empenhada na luta pelos três pontos.

Num relvado algo pesado e deteriorado face aos dias chuvosos que se têm feito sentir na região, acabou por ser o Farense a entrar melhor na partida, apostando num bom preenchimento a meio campo, que rapidamente colocava a bola nas alas para poder surpreender o adversário. O Louletano reagiu mas foi sempre uma equipa lenta nas transições Pintassilgo converteu exemplarmente a grande penalidadee pouco agressiva na luta pela posse de bola, socorrendo-se da capacidade de choque dos seus jogadores, bastante dotados fisicamente e que assim iam criando perigo através essencialmente de cruzamentos para a área ou na busca dos seus avançados através dum futebol muito directo. Jogando desta forma, o Louletano foi causando calafrios a Gonçalo, que se exibiu a um nível muito alto, livrando nesta primeira parte o Farense em duas ou três ocasiões flagrantes. Assistimos a períodos de equilíbrio entre as equipas, ambas adoptando filosofias distintas, sem que emergisse uma equipa mais forte em campo e onde o Farense também ia ameaçando a baliza contrária, com uma nota para um remate perigoso de Zé Nascimento, após um atabalhoamento de Bruno Lúcio aos 31 minutos. Quando o jogo já caminhava para o fim da primeira parte, aconteceria um dos momentos chave do jogo... Dante, até aí o único jogador amarelado, cometeria uma falta sobre Pintassilgo na área, o que acabaria por o levar à exclusão da partida por acumulação de amarelos ainda na primeira parte, deixando assim o Farense com o caminho aberto para sair a ganhar para os balneários.

Conseguida a vantagem e a jogar com mais um elemento, cabia a Manuel Balela mexer na sua equipa por forma a equilibra-la e assumir o domínio de jogo em sua casa. Com uma postura mais decidida na partida, os louletanos tentavam o empate, mas António Barão também não dormia no banco e astuto colocava DavidA festa nas bancadas e também de Pintassilgo no lado direito da foto Justo, jogador que nos têm habituado aos seus rápidos ráides, em campo, por troca com Zé Nascimento. A defesa do louletano estava mais diminuída face ao caudal ofensivo da equipa e jogava um pouco adiantada, com jogadores lentos, pelo que a aposta só podia surtir efeito. Passados dois minutos, David Justo construía o golo do 0-2, o que deixava os adeptos farenses com água na boca... Contudo a vantagem de dois golos foi sol de pouca dura e com o resultado mais equilibrado, intensificou-se ainda mais a pressão do Louletano, com Manuel Balela a por a carne toda no assador, perante uma defesa do Farense já amputada duma unidade sólida e forte fisicamente, Rui Graça, que havia saído por lesão, deixando os seus colegas de sector cada vez mais incomodados pelos gigantes louletanos. Justo, que havia estado no melhor, acabaria também por ser expulso infantilmente e para juntar a isso Norberto falharia um golo incrível de baliza escancarada, que faria o 1-3. Por tudo isto, embora o Farense estivesse a jogar bem, seria com alguma felicidade que o Louletano empataria a partida já no seu termo, para delírio dos adeptos e jogadores locais que o comemoram como que de uma final se tratasse. Nota para Rodrigo, jogador formado nas escolas do Farense, que comemorou o golo sozinho, junto dos adeptos farenses, duma forma muito vistosa e mesmo provocatória, situação que nada o dignifica. Arbitragem mediana.


Camp. Nac. 3ª Divisão, Série F, 20ª Jornada
Estádio Municipal de Loulé (Loulé)

Assistência: 700 espectadores
15 horas, 08/02/2009
Árbitro: Eugénio Arez (Algarve)
LOULETANO 2-2 FARENSE


(45 mn, por Pintassilgo, na marcação duma grande penalidade para a esquerda de Bruno Lúcio, castigando uma falta de Dante sobre si, quando se preparava para caminhar isolado e rematar)
(60 mn, por Bruno, após uma boa jogada de Justo pela esquerda, que cruzou milimetricamente para Bruno no segundo poste, concluindo com o pé direito a jogada para o fundo da baliza louletana)
(65 mn, por Anselmo, numa jogada de contra ataque louletano de dois para um, Anselmo conduz a bola e acaba mesmo por reduzir a vantagem com um forte remate, indefensável para Gonçalo)
(90+4 mn, por Rafael, na sequência de um canto, a bola acaba por ser desviada e Rafael aparece mais lesto ao segundo poste e marca de cabeça)

Farense: Gonçalo; Cannigia, Rui Graça (Hernâni 50 mn), Carlos Neves, Wilson; Luís Afonso (Arlindo, 63mn), Zé Nascimento (Justo, 57mn) Barão, Norberto, Bruno, Pintassilgo. Treinador: António Barão

1 comentário:

Anónimo disse...

O Louletano não joga nada.
Ainda estão para saber como saíram da Cova da Piedade com a vitória. Podiam ter sido goleados por 4 ou 5golos.