sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

A Frente Ribeirinha de Faro...

Gostava muito de estar mais informado sobre o que se passa nos corredores do poder da politica local, não para que me pusesse em bicos de pés para tirar proveitos próprios, mas sim para perceber com maior exactidão e de que forma os nossos políticos procuram defender o melhor possível os interesses da nossa Cidade e Concelho e a partir daí projectar novos horizontes para a cidade de Santa Maria.

Como curioso, e admitindo desde já que não sou um expert na matéria, vou apanhando conversa dum lado e doutro e como não podia deixar de ser, leio alguns dos blogues mais populares da nossa Cidade, que, com posturas diferentes perantes os factos e notícias que vão surgindo, procuram informar o que os outros meios não são capazes transmitir aos leitores, permitindo a partir daí, acesas trocas de ideias entre a vasta comunidade farense(e não farense) participante. Ao ser verdade, o que o Blog Tem Avonde adianta, o que se passou no passado dia 3 de Fevereiro na CMF, foi de facto a prova oral duma lição que não foi bem estudada e por isso muitas das questões que foram colocadas com o desenrolar da apresentação do projecto, não tiveram o esperada explicação. No meio destas declarações de intenções da Parque Expo, e até porque José Apolinário referiu a necessidade da participação da sociedade civil na formalização deste projecto, há um facto que ainda não foi explicado aos farenses com toda a clareza e que me parece ser a "chave" para o sucesso do projecto, quer a nível financeiro, quer no resultado que se pretende para o mesmo. Trata-se do caminho de ferro que delimita a cidade junto à ria, sendo assim o principal entrave à aproximação das pessoas ao mar. Porque, as pessoas, os munícipes e visitantes do Concelho são o alvo desta requalificação (tardia) da baixa da cidade, pergunto como pode ser possível fazer este "facelift", se mantivermos o caminho de ferro. Pelo que se se sabe há a intenção de se fazer três passagens inferiores nos cerca de 5 kilómetros que compõem a faixa citadina que beneficiará das obras. É suficiente? Evidentemente que não... E as passagens pedonais serão feitas de que forma? Não me parece que hajam formas milagrosas para contornar este problema e por tudo isto vou esperar para ver, embora não esteja optimista perante o problema que se apresenta.

Quando muitos dizem que este projecto têm duas décadas de atraso, pergunto se a questão do caminho de ferro, não foi também questionada ao longo deste tempo, quando outros Executivos estudaram a questão do famoso passeio ribeirinho. Por isso se pergunta quanto mais tempo a cidade de Faro vai esperar para se ver livre deste laço que a vai asfixiando e travando a sua evolução, situação que deveria ser já resolvida simultaneamente com a execução deste projecto, reduzindo assim os custos e o impacto negativo duma nova intervenção para a transferir a linha de sítio, pondo também em causa algumas das obras da requalificação agora apresentadas. Creio ser da maior importância reflectir sobre esta questão, aprofundando ainda mais o tema, para que depois não se chore sobre leite derramado.

Quanto ao resto, esperemos para ver, pois admitindo que os projectos apresentados serão traves mestras para o retorno do estatuto da capitalidade perdida nos últimos anos, parece que tudo ainda está muito vago e por isso não me alongarei em apreciações, sem ter um maior conhecimento.

Viva Faro!

Sem comentários: