segunda-feira, 29 de junho de 2009

Farense - Cronologia das últimas semanas e caminhos para o futuro

O Sporting Clube Farense vai a votos, depois do processo de venda do Estádio de São Luís se ter revelado um insucesso e o Procedimento Extra-judicial de Conciliação (PEC) que o clube ia utilizar para regularizar as dívidas fora do tribunal ter caído por terra.


As eleições são no dia 8 de Julho, podendo as listas ser apresentadas até dia 6 de Julho.

Há duas semanas, a direcção do Farense convocou uma assembleia-geral extraordinária de sócios para explicar o que foi feito para vender o São Luís e debater o futuro da instituição. Foi aqui que Gomes Ferreira pediu formalmente à Mesa da Assembleia que marcasse uma data para eleições para a direcção do clube «o mais rapidamente possível». No caso do estádio, depois de ter apresentado o relatório de como decorreu todo o processo, a comissão encarregue da sua venda, liderada por Aníbal Guerreiro, apresentou a sua demissão.

A crise económica foi a justificação encontrada por Aníbal Guerreiro para o insucesso de um processo que, garantiu, se tivesse sido encetado há mais tempo, não teria tido o mesmo desfecho. «Em 2004, apresentei a proposta [da solução da venda do Estádio para sanear as contas do clube] ao presidente da Câmara, de quem não vou dizer o nome. Não fui ouvido», queixou-se. Foi só depois da entrada de José Apolinário para o cargo de presidente da autarquia farense é que a ideia avançou. Mas, justificou o membro da comissão, «a oportunidade de vender o estádio esfumou-se com a crise económica».

A situação actual, como se esperava, foi mal aceite pelos sócios presentes. As opiniões dividiam-se, mas a indignação foi transversal. Com a queda do PEC e o pouco provável sucesso na venda do São Luís por um preço que permita pagar as elevadas dívidas que o clube tem, pelo menos para já, o futuro do Farense está mais ameaçado que nunca.

A ideia transmitida pelos ainda membros da direcção é que há solução possível e que o estádio é um produto que se pode vender por um preço que compense o clube, a médio/longo prazo. Assim, há que tentar aguentar o barco, até que o clima económico fique mais favorável. Para Gomes Ferreira, «a nova direcção deve, o mais rapidamente possível, pedir um novo PEC ao Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas», para impedir, por um lado, uma eventual acumulação de juros, mas também «para proteger judicialmente todos os dirigentes que passaram pelo clube».

Um dos sócios que tem sido mais crítico da actual direcção, o ex-presidente da associação South Side Rui Roque, pegou nesta deixa de Gomes Ferreira e acusou a actual direcção de se ter preocupado mais em proteger interesses pessoais do que em resolver a situação económica do Farense.

Ao que o «barlavento» apurou, a associação criada pela claque do Farense vai mesmo apresentar uma lista à direcção do clube. Há três anos, os South Side chegaram a apresentar um projecto para o clube, que passava por uma fusão com o clube Algarve United, cuja equipa sénior iria representar as cores do Farense.

Quem não será candidato com toda a certeza é Gomes Ferreira e a sua equipa. O actual presidente afirmou taxativamente que não tem qualquer interesse em voltar a ocupar o cargo, já que só serviu para o fazer «perder prestígio profissional». Os restantes membros da sua equipa seguem o seu exemplo e não participarão em qualquer lista.

3 comentários:

Anónimo disse...

Se aparecer alguma lista de certo que não tem nada com a claque. são apenas terá uma ou outra pessoa que fazem parte da claque como fazem parte do clube.

NÃO É LISTA DE CLAQUE NENHUMA.

Pedro Carrega

SamM disse...

Carrega,

Agradeço a correcção. Contudo trata-se da citação dum artigo do diário online "Barlavento"

Obrigado.

Anónimo disse...

lololo eu sei.

Pedro carrega