quinta-feira, 4 de junho de 2009

Paes do Amaral dava 5 milhões pelo S. Luís

O antigo dono da TVI, Miguel Paes do Amaral, ofereceu 5,5 milhões de euros pelo Estádio de São Luís. Comissão de Venda disse não.

Poderia parecer uma brincadeira, uma vez que o valor estipulado no segundo concurso para os terrenos onde se encontra o Estádio de São Luís era de 15 milhões de euros, mas Paes do Amaral é conhecido por não brincar em serviço, e daí a oferta de perto de um terço do valor pedido em concurso para a venda do Estádio.

Apesar de oficialmente até aqui se ter mantido o silêncio no Sporting Clube Farense, quer sobre o valor das propostas, quer o nome dos investidores, a primeira pista de que Paes do Amaral estava envolvido surgiu logo a 5 de Maio, no dia da abertura das propostas do segundo concurso.


Quebrando inadvertidamente o bloqueio, um administrativo do clube revelou a vários jornalistas presentes que a empresa que apresentara uma proposta era a The Edge Group. O grupo tem por missão “conceber, promover, gerir e comercializar projectos e activos imobiliários, tendo por objectivo a criação de valor e a satisfação do cliente”, refere a empresa no seu site.

A empresa é liderada por Luís Pinto Basto, mas detida em 50 por cento por Miguel Paes do Amaral, através da sua holding Quifel SGPS.

Fonte ligada às negociações confirmou ao Observatório do Algarve que o valor oferecido pela empresa Edge Group para a aquisição do Estádio era de 5,5 milhões de euros, muito abaixo dos 15 milhões de euros pedidos pela Comissão de Venda.

Confrontado com a situação, Aníbal Guerreiro, presidente da Comissão de Venda, garantiu não ter nenhuma proposta formal em nome do grupo Edge Group, mas sim de uma outra empresa denominada "Ixilu, compra e venda de imóveis, Lda", com sede em Lisboa. “Só que o valor era tão baixo que nem dava como ponto de partida para negociarmos”, refere Aníbal Guerreiro.
O presidente da Comissão de Venda reconheceu aliás ao OdA no final da semana passada que o processo tinha voltado à ‘estaca zero’ após a desistência do segundo potencial negociador, que acabou por recuar (ver aqui).

Por outro lado, o presidente do Clube e membro da Comissão de Venda do Estádio, Gomes Ferreira, afirmou no mesmo dia, também em declarações ao OdA, existir uma terceira empresa interessada, fora do âmbito do concurso.
"Já não há concurso. Esta semana fomos contactados por uma outra empresa e estamos em conversações", sublinhava, adiantando que, como não estão mandatados para negociar sem concurso, "a proposta que for apresentada por esta terceira empresa será discutida em Assembleia Geral".

Contactado posteriomente, Aníbal Guerreiro disse desconhecer a existência de quaisquer outras propostas: “Se o Dr Gomes Ferreira diz que há uma terceira empresa, ele que diga qual é. Por mim está fechado, não há interessados. Não quer dizer que de hoje para amanhã não surjam novas propostas”, diz.

No caso do segundo ‘pseudo-concorrente’ (uma vez que não foi formalizada uma proposta) o problema seria não tanto o dinheiro, mas mais os lotes em causa. É que a empresa queria ficar com a posse dos terrenos junto ao Fórum Algarve, que o Farense já alienou à Galp, para plantar uma bomba de gasolina (processo que aliás corre no Supremo Tribunal de Justiça, dado que o posto é contestado pelos moradores da zona).
De recordar que este foi já o segundo concurso para a venda do Estádio de São Luís a ficar vazio. No primeiro concurso, em Setembro, foram afastadas duas propostas por não cumprirem os requisitos da comissão.
In Observatório do Algarve por Mário Lino

Afinal os boatos eram verdade...

Sem comentários: