quinta-feira, 10 de abril de 2008

Lagos “perde” centro de estágio Eriksson

O anunciado centro de estágio internacional que deveria começar a nascer, este ano, no concelho de Lagos, para terminar em 2010, ficou pelo caminho. O projecto foi arquivado pela Comissão de Avaliação e Acompanhamento, sendo-lhe retirada a designação de Potencial de Interesse Nacional (PIN). Não vai haver obra – que estava estimada em 50 milhões de euros.
O grupo promotor do projecto tinha como “cara” o sueco Sven-Göran Eriksson, antigo treinador do Benfica e um dos principais accionistas do mesmo.A respectiva declaração de Utilidade Pública do empreendimento tinha sido aprovada pela autarquia lacobrigense e ratificada pela Assembleia Municipal de Lagos. E tudo estava pronto para avançar.Tratava-se de um investimento privado estrangeiro, a construir na Herdade da Corte do Bispo, em Bensafrim. Mas os promotores não deram continuidade ao projecto – que envolvia três hotéis, um mini-estádio de futebol (8 mil lugares), seis campos de apoio, um Spa, campos de golfe, zona residencial, centros de ténis e hípico. Tudo, num espaço com a superfície de 610 hectares.Júlio Barroso, presidente da CM Lagos, deu a (má) notícia, alegando que aquilo que lhe foi comunicado “teria a ver com a falta de cumprimento de obrigações do contrato-promessa de compra e venda dos terrenos”. E a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal retirou o projecto do PIN.À partida, esperava-se que o centro de estágio fosse “uma referência na Península Ibérica e um marco no mundo inteiro”. O autarca chegou a dizer que o complexo seria “uma mais valia, não só para o concelho mas também para toda a região algarvia”.
Marcelino Viegas, In AlgarvePress
Mais um investimento importante na nossa Região, que vai, por "água abaixo", deixando a região de Lagos e as Entidades Locais, totalmente defraudadas, dada a vontade em concretizar o projecto. Resta saber se foi mesmo a falta de capital que abortou o negócio, tendo em conta que o investimento global de 50 milhões de euros, ainda assim não nos parece que fosse um encargo tão pesado, perante outros investimentos que têm sido efectuados pelo Algarve...

Sem comentários: