terça-feira, 22 de dezembro de 2009

As Notas do Beira Mar 2-1 Farense

A união dos jogadores do Farense evocada antes do ínicio da partida, sucumbiu perante uma maior entreajuda dos jogadores do Beira mar, mesmo que reduzidos a nove jogadores no final do encontro e com apenas um suplente.


Devido a problemas técnicos no meu computador pessoal, lanço a tarde e más horas uma breve crónica acerca do jogo que assisti no passado domingo entre o Beira Mar de Montegordo e o Farense, jogo que desencadeou a saída de Edinho do comando técnico. Como habitualmente, e não fujindo ao esquema "Notas" de outros jogos observados, tentarei descrever os 3 pontos mais positivos e negativos da partida que assisti.

Notas Positivas:

  • È difícil encontrar pontos positivos numa derrota como esta, mas saliento doutra forma, a aplicação, entrega e organização do Beira Mar, que primeiro reduzida a dez unidades logo aos 35 minutos e jogando os últimos 25 minutos conseguiu rentabilizar da melhor forma o seu esquema de jogo, marcando os golos da vitória nesse período de inferioridade.

  • A boa exibição de pelo menos três dos jogadores que num passado recente envergaram com as cores do Farense ao peito, Amílcar, Barão e principalmente Della Pasqua que inaugurou o marcador, mostrando credenciais já mostradas na época transacta mas pouco aproveitadas devido às sucessivas lesões.

  • A exibição de Gonçalo, por parte do Farense que evitou que o Beira Mar inaugurasse e avolumasse o marcador, demonstrando mais uma vez o bom momento de forma.

Notas Negativas:

  • A permissividade, passividade e descontracção dos jogadores do Farense no encontro de domingo foi na minha opinião o principal facto que originou esta derrota. Desta forma o Farense sofreu dois golos, o primeiro deixando Della Pasqua com todo o espaço e tempo para rodopiar e rematar colocado à entrada da área, repetindo-se a passividade no lance do segundo golo. Também os jogadores da frente evidenciaram pouco sangue frio ao falharem golos escandalosos que permitiriam uma vitória em Montegordo.
  • A arbitragem de José Albino muito fraca, pecando no aspecto disciplinar e técnico. Primeiro usou e abusou dos cartões, deixando o Beira Mar a jogar com nove jogadores, depois errou ao não assinalar uma clara grande penalidade a favor do Farense, quando o resultado estava em 2-0, e por fim participando no anti jogo do Beira Mar, antes de depois dos 90 minutos regulamentares, com o cúmulo de terminar a partida imediatamente a seguir aos 6 minutos de prorrogamento anunciados, mesmo que nesse tempo se tivessem jogado apenas 2 de jogo corrido.
  • A passividade de Edinho no banco, só arriscando quando sofreu o 2-0, numa altura em que já jogava em superioridade numérica à vinte minutos...

Sem comentários: