terça-feira, 5 de maio de 2009

Farense: e depois da venda do Estádio?

Venda do Estádio de S. Luís é "passo incontornável", mas há quem pense que o futuro tem de ser acautelado.

A abertura de propostas para a compra do estádio está marcada para esta tarde, sendo que o provável destino daqueles terrenos passa pela construção de uma zona habitacional e comercial.
Em Olhão, a construção de um centro comercial - inaugurado no final de Abril -, no recinto do antigo Estádio Padinha, permitirá ao Olhanense obter uma receita fixa mensal de cerca de 40 mil euros.
Com um passivo superior a 10 milhões de euros, o Farense poderá lucrar com a instalação de uma zona comercial e parque de estacionamento na zona do estádio, obtendo parte das receitas geradas.

"Os novos estádios construídos agora são todos aproveitados pelos clubes, que têm receitas todos os meses e aqui no Estádio de S. Luís podia fazer-se o mesmo", disse à Lusa o ex-jogador do clube Hassan Nader. Actualmente com 44 anos, o marroquino, que também passou pelo Benfica, jogou no Farense nos tempos áureos do clube, actualmente na III Divisão, mas que durante quase uma década militou na I Liga.
No espaço de dez anos, o clube viajou da glória - a presença na Taça UEFA (1995/96), onde foi eliminado pelo Lyon (França) - à decadência, com a descida aos distritais (2005/06), por decisão dos responsáveis.
"O mais importante agora é pôr as dívidas a 'zero' e ainda sobrar algum para tentar pôr o Farense na I Liga outra vez", observa Hassan, que apesar de triste com a venda do estádio, encara o negócio como a única solução.

Perspectiva idêntica tem João Galrito, líder dos "South Side Boys", claque do Farense, que comemorou recentemente quinze anos e tem acompanhado o clube mesmo nos momentos mais difíceis.
"É um mal necessário [a venda do estádio] e a única solução possível", diz, acrescentando que apesar do seu desejo ser a manutenção do estádio, o mais provável é que o recinto dê lugar a "mais um pedaço de cimento" na cidade.
Apesar da eventual demolição do estádio, ficarão de pé o pavilhão desportivo do Farense e o edifício sede, o que, de acordo com João Galrito, é importante para ajudar a manter a presença do clube dentro da cidade. Com a passagem dos jogos para o Estádio Algarve, um estádio "sem alma", o líder dos "South Side" acha difícil recriar o "inferno" de São Luís, como era conhecido, contudo, acredita que os adeptos acabarão por se habituar.

A abertura de propostas para a compra do recinto do Estádio de São Luís está marcada para hoje à tarde, depois do primeiro concurso ter falhado e a área comercial prevista inicialmente no projecto ter quadruplicado. In Observatório do Algarve
Tal como o Hassan e o João Galrito, defendo as ideias aqui expostas. Contudo, se aparecer uma proposta com altas contra partidas para o Clube, mas que inclua a demolição do Ginásio-Sede, e sabendo que as condições do concurso a rejeitam logo à partida, será o mais sensato recusá-la liminarmente, sem analisar prós e contras?

Sem comentários: