domingo, 31 de maio de 2009

Vitória sobre o campeão deixa farenses no 3.º lugar

O golo de Della Pasqua frente à sua ex- equipa, decidiu a partida


Jogou-se na tarde de hoje a penúltima jornada da Terceira Divisão, e desta forma o Farense se despediu dos seus apaniguados, defrontado no Estádio Algarve o Louletano, à partida já promovido à Segunda B, e que apesar de ter saído derrotado do encontro, comemorou efusivamente o título de campeão, em virtude da copiosa derrota obtida pelo Atlético de Reguengos em Évora por 4-0.

Com o tempo a convidar para uma verdadeira tarde de praia, não foram muitos os adeptos que se deslocaram ao anfiteatro do Parque das Cidades, assistindo os presentes a uma partida algo morna, situação natural após uma época tão desgastante e longa. Foi sob essa toada que se iniciou a partida, com algumas paragens e embora o Farense demonstrasse desde logo a iniciativa de jogo, foi o Louletano a abrir o marcador, aproveitando um lance de bola parada, concluído oportunamente por Idalécio, o capitão da turma de Loulé. Apesar deste começo positivo dos louletanos, minutos antes tinha sido de Wilson o primeiro lance de frisson, quando este efectuou um cruzamento-remate, apenas sustido pelo poste direito da baliza sul. Com o passar do tempo o jogo foi decaindo de qualidade, notando-se cada vez a mais a postura do Louletano neste jogo, que optou por jogar sempre em contra-ataque, apsotando em homens como Pintinho e Devigor para incomodar as redes de Costa, embora com pouca frequência. Contudo, o Farense não fazia muito melhor, e embora tentasse assumir as rédeas de jogo, as suas iniciativas eram anuladas com relativa facilidade pelo adversário, jogando de forma previsível, quase sempre pela direita, denotando dificuldades na finalização e criação de jogo para Della Pasqua que teve uma primeira parte muito discreta, entre os dois gigantes da defesa louletana. Aos 35 minutos António Barão mexeria pela primeira vez na equipa, abdicando do 4x1x4x1 inicial, para incluir na partida Bruno, por forma a dar maior poder de fogo ao ataque do Farense. Terminaria então a primeira parte com um resultado tangencial para os forasteiros, castigando de certa forma o Farense pela qualidade do seu jogo e premiando o Louletano pela eficácia, embora sem demonstrar no relvado a superioridade no marcador.

Na segunda parte, o cariz de jogo não mudou muito, mas a verdade é que o Farense foi gradualmente melhorando a sua intensidade e qualidade de jogo, sendo para isso determinantes as entradas de Dinis e Ró-Ró, que mexeram com a equipa e ajudaram-a no assalto final. Logo aos 49 mn seria David Justo a falhar um golo incrível na cara do guardião louletano, rematando de primeira, por cima do travessão, após bela assistência de cabeça de Della Pasqua. Aos 55 mn seria a vez de Barão, servido por Justo na direita, rematar na área para defesa do guarda redes, ressaltando a bola para a trave, o que ainda originou algumas dúvidas sobre se tinha mesmo passado a linha de baliza. Apesar destas duas ocasiões o futebol estava a ser muito mastigado e foi à passagem da hora de jogo que António Barão introduziu então no campo os dois jogadores anteriormente citados, alargando a frente de ataque e dando maior força ao meio campo. Ró-Ró podia mesmo ter empatado a partida minutos mais tarde após ter entrado, com um remate de muito longe que ainda bateu na trave após toque do guardião, tendo Barão desperdiçado outra ocasião de golo, aos 76mn, quando na pequena área, com pouco ângulo, rematado colocado mas proporcionando uma bela defesa ao guarda redes, que expeliu a bola para fora. Assistia-se nesta altura a um jogo um pouco mais mexido e aberto, com a equipa louletana apenas a tentar controlar, mas sem nunca incomodar Costa, que foi na segunda parte uma autêntico espectador. Com a partida a caminhar para o fim, já muitos não esperariam uma reviravolta no marcador, mas contrariando as expectativas, em dois minutos o Farense inverteu o resultado, decerto com alguma felicidade no primeiro lance, mas acabando por justificar a vantagem pela maior atitude na partida, face a um adversário com credenciais mas aquém do que é exigido para uma equipa profissional e campeã. Arbitragem aceitável.

Com este resultado o Farense, aproveitou para subir um degrau na tabela, após o empate 1-1 do Cova da Piedade, fixando-se no terceiro lugar, quando falta uma jornada para o termo da prova. Num altura em que a indefinição reina para os lado do S. Luís, muito por culpa do negócio do estádio, que já se arrasta à vários meses, foi perguntado a António Barão, pela rádio, se iria continuar ao comando da equipa da capital algarvia na próxima época, mas este relegou novidades para outra altura, após uma conversa a ter em breve com Aníbal Guerreiro, e que decerto ajudará a definir o futuro do futebol sénior do Farense.

Camp. Nac. 3ª Divisão, Série F, 9ª Jornada Fase Subida
Estádio Algarve (Parque das Cidades)
Assistência: 550 espectadores

17 horas, 30/05/2009
Árbitro: Edgar Gaspar (Beja)
FARENSE 2-1 LOULETANO


(8 mn, por Idalécio, na sequência canto marcado na esquerda do ataque louletano, surge o gigante Idalécio, mais alto que os adversários a desferir um cabeceamento de cima para baixo que se anichou junto ao poste esquerdo da baliza de Costa )
(86m, por Nuno Abreu (a.g.), que fruto de alguma infelicidade foi traído por um centro tenso de Justo na direita do ataque farense)
(88m, por Della Pasqua, marcando de cabeça na sequência dum canto apontada da esquerda do ataque farense)

Farense: Costa; Cannigia, Rui Graça, Carlos Neves, Wilson (Dinis, 59mn); Arlindo (Ró Ró, 62mn), Zé Nascimento (Bruno, 39mn), Barão, Norberto, Justo, Della Pasqua. Treinador: António Barão

Sem comentários: