quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Terceira Divisão Nacional pode acabar daqui a dois anos

Foi notícia do Jornal A Bola no passado sábado, a questão duma nova reformulação nos quadros competitivos do futebol sénior em Portugal, que visa essencialmente a redução do numero de equipas a disputar os Nacionais. Segundo se leu, Gilberto Madail escolheu um grupo de trabalho para estudar a questão e estes seis dirigentes (4 associativos e 2 dos quadros de FPF) colocaram na mesa duas propostas para futura apreciação e votação numa assembleia geral que poderá ocorrer ainda este mês. A ideia é que a Terceira Divisão Nacional seja minimizada a um torneio de dois meses, a ocorrer no final da época entre os campeões distritais (e porventura alguns repescados das associações mais fortes), sendo depois apurados os melhores dessa fase final para ascender directamente à Segunda Divisão B. Com o objectivo de reduzir custos, a FPF, na minha opinião irá dar uma machadada na estrutura do futebol português, deixando mais jogadores no desemprego e também resumindo o país a apenas três divisões nacionais, o que na minha óptica é pouco, para um país que cada vez mais se quer assumir como uma potência no futebol mundial, limitando cada vez mais a competitividade e o desenvolvimento da modalidade.

No caso do SC Farense, e olhando para os dois quadros que anexamos, parece-nos que no caso do futuro dos Leões de Faro ser desembaraçado, o caminho para a Liga Sagres parece mais desbravado pois se o Farense conseguir a promoção à Segunda B até 2010, poderia ser incorporado numa campeonato que já contemplaria nessa altura a subida directa à Liga Vitalis, do campeão da série, situação que não acontece neste momento, onde num universo de 48 equipas em 4 séries, apenas sobem duas. No lado negativo, caso o Farense não consiga terminar o campeonato de 2009/2010 em posições cimeiras, poderia correr o risco de voltar ao Distrital, que desta feita estará mais competitivo que nunca, com a inclusão de muitas equipas algarvias com "tarimba" de Nacionais, o que obrigaria a uma equipa muito competitiva para as ultrapassar, mas também para disputar a "tal" fase final Nacional, com vista à promoção à Segunda B. Uma situação para acompanhar com muita atenção nos próximos tempos...

4 comentários:

G. Viana disse...

uma palhaçada essa proposta.. quer dizer que na próxima época que não subir para 2ª desce aos distritais??

então as equipas dos distritais passam a participar na taça de Portugal??

mais uma de Madail e os seus cães..

Anónimo disse...

Não concordo consigo....

O que deixa de existir é a 3ª divisão,o que só por si é uma vantagem para os clubes, pois existem imensos gastos!!

Qual será a desvantagem de estar no distrital??
Se a distância para o topo do futebol português se mantêm....

Pedro Roque

SamM disse...

Eu acho que esta reformulação é má para o futebol português em si... Qualuqer dia temos jogadores internacionais de sub 20 a jogar em equipas do distrital o que nada beneficia o seu crescimento desportivo. Depois irá haver muito mais jogadores no desemprego... Muitos deles portugueses e promissores que são ultrapassados por estrangeiros que entram até para divisões inferiores sem haver grancde controlo nesta matéria... Quanto ao próprio Farense penso que não prejudicará o "suposto" renascimento do nosso Clube rumo à primeira liga.

Frutuoso São Marcos disse...

O que eu acho que se deveria fazer era tipo: 16 equipas na 1ª divisão; 16 na 2ª divisão (ex-liga de honra); 16 na 3ª divisão (ex-IIB); 48 equipas na 4ª divisão, divididas por 3 séries de 16 equipas cada (ex III); 144 equipas na 5ª divisão, divididas por 9 séries de 16 equipas cada (a criar); e depois as distritais onde haveria um playoff para ver quem subiria.