segunda-feira, 20 de julho de 2009

Cidade parou para desfile de motards

Apesar do calor que se fez sentir na capital algarvia no dia de ontem, a cidade congelou para assistir ao desfile dos motociclistas. Na despedida da 28ª Concentração Internacional de Motos do Algarve, a população encheu as ruas para aplaudir os milhares de motociclistas que exibiram as suas máquinas uma última vez no evento.

"Só quem cá esteve sabe o que foi o desfile. A população aderiu em massa e foi algo de extraordinário", contou José Amaro, presidente do Moto Clube de Faro.

Carregando as mais variadas bandeiras, os motards encantaram a assistência pela originalidade e pelo orgulho nas motos.
Carlos Martins, Ana Maria e ‘Licas’, um galo-motard, juntaram-se à parada vindos da Fuseta, Olhão. Na sua mota, uma Florette antiga, ‘Licas’ guia o caminho cheio de estilo. Água, milho, ventoinha e música são algumas das regalias na mota adaptada . "Até tem capacete e colete", diz o dono.

Tatuados, enfeitados, vestidos a rigor ou despidos, vários foram os motociclistas que fizeram directa na noite de sábado, à espera do momento.
"O desfile é a comunhão entre os motociclistas e a cidade de Faro, foi lindo", explicou o espanhol Joaquim, que se junta à Concentração pela 25ª vez.
Dizem os motards que o barulho dos motores lhes alimenta a alma e que para o ano cá estarão de novo.

"É a maior e mais bonita concentração a que já fui, o ambiente é fantástico e estamos todos unidos pela paixão às motos", disse Kike, vindo de Valência, Espanha.
ara grande parte das pessoas que se juntaram no Vale das Almas, a última noite não teve travões. St. Dominics Gospel Choir, Europe e David Fonseca animaram a plateia na área musical e as strippers de serviço voltaram a derreter os motociclistas nos intervalos.

A Concentração Internacional de Motos contou com 24 mil inscrições. Segundo a organização, durante os quatro dias de festa passaram cerca de 35 mil pessoas pelo recinto. Para José Amaro, a chave do sucesso é uma: "Não interessa quem são ou de onde vêm, todos chegam a Faro e se respeitam."

VETERANO DO EVENTO TEM 82 ANOS
No final do desfile foram galardoados alguns moto clubes e motociclistas. Armando Dias, da Guarda, tem 82 anos e subiu ao palco para receber a maior ovação da tarde, por ser o motociclista mais velho do evento.
Há cinco anos que se junta à Concentração de Faro e diz que todos o conhecem pois foi sempre o motociclista com mais idade. "Já ando de moto desde os 26 anos, mas como se vê ainda tenho força", conta.
Recebido o prémio, o veterano do motociclismo não saiu do palco sem beijar todas as meninas que entregavam as lembranças.

GNR APROVEITA PARA FISCALIZAR MATRÍCULAS
O Comando Territorial de Faro envolveu 900 homens, cerca de metade do seu efectivo, na operação de segurança em torno da concentração. A GNR levantou 310 autos de contra-ordenação por infracções rodoviárias a motociclistas, a maioria por irregularidades em matrículas e luzes. Foram levantados 4 autos por posse de haxixe e detidos 24 motards por conduzirem com excesso de álcool, por falta de carta e desobediência.
Um tentou atropelar um GNR, para fugir. Durante os quatro dias foram registados 7 acidentes com motos, dos quais resultaram seis feridos.A morte de um motard a caminho da concentração, no Alentejo, não permite atingir da meta zero mortes. Inscreveram-se 24 mil motos de vários países. Sergey, da Bielorússia, foi o visitante mais distante. "Fiz 7 mil km até aqui e volto completamente fascinado."

EROTISMO NO VALE DAS ALMAS
Num varão ou numa cadeira, as meninas do striptease voltaram a levar os milhares de motards, e não só, à loucura total.
O grupo Verónica Show entrou em palco com várias coreografias arrojadas e guardou para a última noite um espectáculo mais ao estilo motard. O cabedal fundiu-se com a sensualidade e os ânimos ferveram no Vale das Almas.
"Tentámos criar um espectáculo que não fosse ordinário e juntámos bailarinos profissionais para fazer histórias em todas as exibições", explicou a coordenadora do grupo de strippers.
Ainda assim, os dotes técnicos das artistas pareceram ficar para segundo plano junto do mar de gente que assistia. Agarrados às grades do palco, vários foram os homens que pediram mais velocidade no retirar da roupa.
"Temos de seduzir o público, os nossos movimentos têm de os prender até ao fim, tirar a roupa é o que os homens querem ver, mas é o menos importante para mim", explicou a stripper.

É nestas coisas que podemos dizer que Faro é Faro... Apesar da crise generalizada e crescente, o número de inscrições até foi ligeiramente superior ao ano transacto, o que valoriza ainda mais o evento e todos os seus organizadores. A cidade de Faro agradece este serviço à cidade... Vamos ver é por quanto tempo este evento se realizará no local, dentro destes moldes, pois o prometido parque ambiental, uma das muitas promessas de José Apolinário, continua no papel... E neste aspecto, desde à largos anos até hoje, Faro também é Faro...

Sem comentários: