segunda-feira, 13 de julho de 2009

Estes estudos...

Dizer palavrões diminui a dor

Dizer palavrões pode ajudar a diminuir a sensação de dor física, segundo um estudo da Escola de Psicologia da Universidade de Keele, em Inglaterra.
No estudo, liderado pelo psicólogo Richard Stephens, 64 voluntários colocaram as mãos em baldes de água cheios de gelo, enquanto diziam um palavrão escolhido por eles, conta a BBC.Seguidamente, os mesmos voluntários deveriam repetir a experiência, mas em vez de dizer palavrões, deveriam escolher uma palavra normalmente usada para descrever uma mesa.Enquanto falavam palavrões, os voluntários suportaram a dor por 40 segundos a mais, em média. O seu relato também demonstrou que eles sentiram menos dor enquanto falavam palavrões.

O batimento cardíaco dos voluntários foi, igualmente, medido durante a experiência e mostrou-se mais acelerado quando falavam palavrões.Os cientistas acreditam que o aumento do ritmo de batimentos cardíacos pode indicar um aumento da agressividade, que, por sua vez, diminuiria a sensação de dor.Para os investigadores, no passado esta situação teria sido útil para que os nossos ancestrais, em situação de risco, suportassem mais a dor para fugir ou lutar contra um possível agressor.

O que está claro é que falar palavrões provoca não apenas uma resposta emocional, mas também uma resposta física, o que pode explicar por que motivo a prática de falar palavrões existe há séculos e persiste até hoje, afirma o estudo."(A prática de) Falar palavrões existe há séculos e é quase um fenómeno linguístico humano universal", diz Stephens."Esta relacionada com o centro emocional do cérebro e parece envolver o lado direito do cérebro, enquanto a maior parte da produção linguística ocorre no lado esquerdo. A nossa pesquisa mostra uma razão potencial para o surgimento dos palavrões e porque eles persistem até hoje.

É por estes estudos que eu percebo que cada vez mais cedo as crianças de tenra idade utilizam palavrões no seu vocabulário... Pudera... Quando se portam mal e a roupa chega ao pêlo, é a melhor forma de se enganar a dor...

Sem comentários: