sexta-feira, 23 de abril de 2010

Autódromo do Algarve afasta cenário de dificuldades

Prova de GP2 realizada no Autodromo Internacional do Algarve em 2009
O director do Autódromo do Algarve garante que a empresa "não está em incumprimento" com qualquer instituição financeira. Nas escutas da "Face Oculta", Armando Vara terá dito que projecto era um "sorvedouro de dinheiro".



Paulo Pinheiro reagiu desta forma a uma alegada conversa telefónica, divulgada hoje pelo semanário Sol, entre o ex-administrador do BCP Armando Vara e o secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias, em que o agora arguido no processo "Face Oculta" terá tentado convencer o governante a pressionar a Caixa Geral de Depósitos a investir na empresa e o Estado a equacionar a sua nacionalização.

Na conversa - segundo o jornal gravada a 14 de julho de 2009 no âmbito da investigação que desencadeou a Operação Face Oculta - Armando Vara terá classificado o projeto de desportos motorizados em Portimão de "irracional do ponto de vista económico" e um "sorvedouro de dinheiro".

Paulo Pinheiro confirma que o BCP é o principal credor da Parkalgar, mas descarta a existência de dificuldades financeiras.

"Só temos um contrato de financiamento, que é com o BCP, e não estamos em incumprimento, estamos aliás a cumprir as nossas obrigações", disse.

Afastando o cenário de nacionalização para salvar a empresa, o mentor do projeto refere ainda que "o funcionamento do circuito é um sucesso aqui e além fronteiras, quer em termos de utilização da pista, quer no que se refere a corridas".

O administrador da Parkalgar não comenta, de resto, a alegada conversa entre Armando Vara e Laurentino Dias, argumentando que só fala do que sabe.

"Somos considerados um dos melhores circuitos do mundo e é nisso que estamos concentrados", disse.

O Autódromo Internacional do Algarve foi inaugurado em outubro de 2008, após um rápido processo de construção que durou apenas um ano.

Deverá representar um investimento de 130 milhões de euros, quando concluídos todos os equipamentos. Além do autódromo, inclui um kartódromo - que entra em funcionamento a 1 de maio - uma pista de todo-o-terreno, um hotel e 160 apartamentos turísticos, um complexo desportivo e um parque tecnológico.

Este mês, foi escolhido para albergar uma fábrica da italiana N.Technology, que vai produzir a versão de competição do Porsche Panamera S, a partir do parque tecnológico do autódromo algarvio.


In Observatório do Algarve

Ao ter conhecimento deste artigo de hoje no Semanário SOL, pude constactar, para infelicidade geral da nossa Região, mas porventura prognosticado por alguns, que o investimento no Autódromo Internacional do Algarve, será provavelmente um fiasco a médio/longo prazo, hipotecando muito investimento municipal nele depositado, e que assim é mais uma machadada nas depauperadas finanças da Câmara de Portimão, segundo se diz endividada em 400 milhões de euros...


Quando em 2008 ainda dei o benefício da dúvida em termos económicos em relação a este empreendimento, nunca pensei que tão cedo se chegasse à conclusão que este seria mais um elefante branco, como se pode constatar perfeitamente este ano, em que ao contrário de 2009 não recebeu qualquer sessão de testes de nenhuma equipa F1, limitando se receber umas poucas provas automobilísticas que na média nem encherão 1/4 do recinto (mesmo com bilhetes oferecidos nalguns casos).


Por tudo isto, está visto que este projecto caminha para o abismo e muitos vão ficar a "arder" com o dinheiro investido, quiçá pensando ainda na salvação do Estado... Porque fazer figura de rico e não pensar no futuro têm destas coisas, não é Sr. Manuel da Luz?

3 comentários:

Plain Speaking disse...

O Autódromo Internacional do Algarve foi sempre apresentado como um projecto “amigo do ambiente”. Isso mesmo podemos concluir ao ler o projecto de pormenor que deu origem à actual infraestrutura que diz a certa altura : “… houve preocupações ambientais como: (…) a contenção da propagação do ruído …”. E continua dizendo: “Para minimizar a propagação do ruído produzido em dias de utilização, para além da criação de uma barreira arborea devidamente pormenorizada no relatório da especialidade, e alguns muros acústicos de alturas que variam entre os 7 e os 10 metros, criteriosamente localizados, a pista do autódromo foi pensada para ficar, na sua grande parte, a uma cota inferior à dos seus limites (zona de bancadas e peões), seguindo o conceito de “arena” “.

Perante estes objectivos ninguém poderia supôr que este equipamento, em utilização há cerca de um ano, não cumpre nenhum deles. Não cumpre a lei do ruido, não cumpre o plano de pormenor e não cumpre o estudo de impacto ambiental que foi condição essencial para seu funcionamento. Tudo isto ocorre com a conivência da Câmara Municipal de Portimão que tem permitido que o Autódromo funcione com base em licenças provisórias.

A.ALVES disse...

meste isso no saco e conhece uma verdadeira GLORIA DO FARENSE-
http://algarvalentejo.blogspot.com/2010/04/granadeiro.html

Anónimo disse...

Este ano foi um ano mau para o automobilismo,temos que ter isso em conta.Bilhetes oferecidos?Nunca me ofereceram nenhum,e, tambem não tenho verba para gastar 10 euros de combustivel ate ao autodromo,mais 10 euros de almoço,20 euros de bilhete,10 euros para comer qualquer coisa no meio..
Aumentem os ordendos que eu vou.