segunda-feira, 26 de maio de 2008

O início da ressurreição ou o prolongamento da crise de um histórico

26.05.2008, Bruno Nunes e Pedro F. Guerreiro

Lembram-se do Farense? O último emblema algarvio a ter jogado na principal Liga de futebol parece renascer no plano desportivo, mas continua mergulhado numa grave crise financeira
Depois de 17 épocas consecutivas na Liga, a descida ao segundo escalão na época de 2001/02 marcou o princípio do (quase) fim do Farense.

Para o clube que foi um dia o emblema de toda uma região, o início do século XXI teve contornos dramáticos, com a crise financeira e a rocambolesca queda até aos confins do futebol nacional (depois da desistência da participação na Liga de Honra em 2003/04 e a extinção do futebol sénior em 2005/06), uma situação "visível e desgraçada" que António Boronha (ex-presidente do clube e ex-vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol) considera ter ficado a dever-se à tentativa do clube em "ser transparente", contrariando uma tendência que vigorava no futebol português. Com a Farense Futebol SAD a enfrentar um processo de insolvência, há duas temporadas (2006/07) a direcção do clube decidiu inscrever uma equipa na segunda divisão distrital, como forma de não deixar morrer o futebol sénior. E começou aí a recuperação desportiva do Farense: conseguiram uma vitória no mais baixo escalão do futebol algarvio e a subsequente promoção para a primeira divisão distrital.

Esta época, os "Leões de Faro" conseguiram novamente a subida de escalão ao vencerem incontestavelmente a competição em disputa, feito que marca o regresso do emblema às competições nacionais, mais concretamente à terceira divisão. O futuro, no entanto, continua incerto. Se é verdade que os "sucessos desportivos" parecem aludir aos melhores dias, certo é que a situação financeira não deixa esquecer que o maior obstáculo ao futuro do Farense é o passado.
As dívidas e o passivo ascendem a cerca de cinco milhões de euros, valor que só pode ser saldado através da venda do Estádio de São Luís, que, no entanto, ainda não pertence ao clube mas sim à autarquia, segundo explicou o presidente do Farense, Gomes Ferreira, ao PÚBLICO: "O estádio vai ser cedido ao clube para pagar o passivo, se os credores da Farense Futebol SAD acertarem a redução do crédito. O futuro do clube está dependente da venda do estádio." A solução é consensual: a venda do estádio é a única saída para uma situação que se arrasta há vários anos. "Saí do Farense em 1998 e já antes de sair defendi muito a venda do São Luís, obsoleto e sem condições de segurança, numa altura em que já estava certo o Estádio Algarve", disse Boronha ao PÚBLICO.

O imbróglio financeiro que tem assolado o clube na última década não tira a fé aos adeptos farenses, que continuam a afluir em grande número aos estádios por onde o clube joga, apesar de desabituados das lides dos distritais. Contam-se na casa dos milhares e fazem inveja a muitas assistências da Liga. António Boronha recordou que a massa adepta dos "leões do Algarve" sempre foi conhecida pelo grande fervor clubístico: "Os dirigentes dos "grandes" sabiam o terror que era jogar no São Luís."Para o director-desportivo António Barão, as elevadas assistências num escalão inferior justificam-se com uma evidência: "O futebol é paixão, é por isso que as gentes de Faro vão atrás do clube. [No jogo] em Vila Real de Santo António, estiveram cinco mil pessoas. No Algarve, o Farense é o clube que tem mais condições para chegar à Liga." Condições de que, para já, António Boronha duvida: "Nos dois últimos anos houve um percurso interessante, mas o clube caiu tão baixo que o percurso até aqui foi relativamente fácil. A dificuldade começa agora. Eu acredito em tudo o que o clube pode voltar a ser, desde que resolvam os constrangimentos de ordem económica."Gomes Ferreira pensa que a resolução poderá estar para breve: "Acredito que [a situação da venda do estádio e liquidação do passivo] possa estar resolvida ainda este ano. Objectivo? Fazer uma subida sustentada até aos lugares onde o Farense já esteve no passado..."
In Publico

Dizer-se na reportagem que estiveram 5 mil pessoas em VRSA parece-me exagerado... Temos que ser sérios, sob pena de perdermos credibilidade...

2 comentários:

Pedro F. Guerreiro disse...

Caro SamM:
Penso que a credibilidade nos assiste no texto que é uma notícia e não uma reportagem, que é um tipo de artigo diferente.
A frase que invoca como descredibilizadora não é nossa, tal como parece querer dar a entender. Nós asseguramos: não estivemos em Vila Real de Santo António. A causa do descrédito é uma citação do director-desportivo António, e essa, parece-nos, não nos poderá ser imputada.

Cumprimentos.

SamM disse...

Caro Pedro,

Verificando o artigo, admito que me tenha equivocado, pois trata-se efectivamente de uma notícia e não duma reportagem como o adjectivei. Não foi minha intenção imputar a V. Exa. a afirmação das "referidas 5 mil pessoas em Vila Real de Santo António". Qualquer leitor percebe que a mesma não é da Sua autoria mas sim dum entrevistado, neste caso o Sr. António Barão. Conforme se pode verificar no Blog "Leões de Faro" bem como neste espaço a assistência rondou os 2000/2500 espectadores, constituindo aí a maior assistência da época no Campeonato Distrital da Primeira Divisão deste ano.
Contudo, verifico que menciona na parte final da notícia, que as assistências "Contam-se na casa dos milhares e fazem inveja a muitas assistências da Liga", o que na verdade e para desgosto meu não se traduz na realidade, pois a média de assistências dos jogos do Farense deste ano, embora muito superior ao dos demais concorrentes, não é de "milhares" pois traduz uma média de pelo menos de 2 milhares de espectadores. Se verificar o Blog "Leões de Faro", rapidamente chegará à conclusão que a média de assistência não chegará ao milhar. Como farense gostaria imenso que as assistências médias rondassem os v/ números apresentados, não tendo dúvidas que o ressurgimento sustentado do Clube permitirá atingir essa fasquia, só que actualmente esses números não passam duma ilusão, que a acontecer, foi apenas nesse jogo em Vila Real.

Cordiamelmente,

SamM