sábado, 3 de maio de 2008

Quase, Quase, Quase Campeões... Machados 0-1 Farense

Tarde de glória para a turma da capital algarvia, na sequência da conjugação de 4 resultados em que o Farense directa ou indirectamente participava ou tinha interesse. A nota de maior surpresa da tarde veio mesmo do mítico S. Luís, onde a equipa Júnior, garantiu a subida à Primeira Divisão Nacional, após 3 anos de ausência nesse escalão, na sequência da vitória 1-0 diante do líder da poule Torrense, e beneficiando da derrota do Pescadores da Costa da Caparica nos Açores diante do Barreiro por 3-1, concluindo esta fase com 7 pontos, fruto de uma vitória, uma derrota e quatro empates, o suficiente para ultrapassar o Pescadores que terminou a poule com 6 pontos. Recorde-se que o Farense havia terminado a fase regular com 5 pontos de atraso para o Pescadores, na 3.ª posição dessa fase, o que torna ainda mais saboroso este apuramento dos jovens farenses.

Mas se no S. Luís foi tarde de glória, no Campo António Coelho, a equipa Sénior garantiu praticamente o título, beneficiando do empate a zero do perseguidor Lusitano VRSA em Faro, diante do Faro e Benfica.
Tal como havíamos previsto, o Farense só se pode orgulhar do resultado obtido, traduzindo as dificuldades colocadas pela equipa adversaria e pelo próprio terreno de jogo, porque este resultado embora escasso, ajustou-se ao que se passou nas quatro linhas, mas mesmo um empate não escandalizaria totalmente os espectadores no recinto, pois o Machados bateu-se muito bem.

Iniciava-se então a partida no bem tratado pelado dos Machados, perante uma boa moldura humana, ansiosa por ver um bom espectáculo e na expectativa de celebrar mais um título para as hostes farenses. O jogo pautou-se por um período de equilíbrio inicial, realçando que nenhuma das equipas se “escondia” do jogo, mas procurava colocar unidades na frente por forma a comandar o marcador e depois controlar a partida à sua maneira. Aos 19 minutos registamos um lance duvidoso junto à área farense após uma falha de Né, que deixava Aurélio (n.º 33) isolado e que à saída de Costa, nos pareceu impedindo de jogar a bola, se bem que o lance ocorreu fora da área. Na jogada imediata o Farense chegaria também com muito perigo à área contrária após um excelente trabalho de Bruno em plena área, que assistia Edinho, desviando este a bola junto ao poste esquerdo da baliza adversária. Esta jogada seria o mote para uns 10 minutos frenéticos dos Leões de Faro, que tiveram nesse período 4 lances de golo iminente, culminados com o golo de Bruno à passagem da meia hora, colocando aí a justiça no marcador. Após sofrer o golo, o Machados reagiu e embora não tivesse colocado Costa à prova, procurou através de alguns cruzamentos e jogadas rápidas incomodar a defesa farense, sem contudo inverter o marcador até ao intervalo. Destaque nesta primeira parte para peças como Andrezinho e Bruno que estiveram em bom nível, ainda que limitados relativamente ao piso, mas sempre presentes no jogo, e com notável capacidade de posicionamento e qualidade de passe no caso de Andrezinho, sem nunca esquecer Edinho, que na verdade, mostra que a idade é um posto e têm alguns pormenores deliciosos nos lances divididos levando a melhor à custa da sua experiência.

Na segunda parte, a partida revelou-se um pouco mais confusa e equilibrada, trazendo um Farense na expectativa e que espreitava sempre o golo através de duas flechas que Portela colocou na frente, Brasa e Edinho, uma vez que Bruno, estava muitas vezes mais recuado, no apoio aos dois homens da frente, e na expectativa de ganhar as segundas bolas ou mesmo de assistir de cabeça os seus companheiros. André teria o primeiro lance de perigo desta segunda parte aos 55 minutos, na sequencia dum pontapé de ressaca que passou um pouco por cima da baliza dos Machados, enquanto que os Machados responderia um pouco mais tarde após uma falha de Sousa que não foi convenientemente aproveitada pelo atacante, atirando por cima. Num jogo algo quezilento e desgastante do ponto de vista físico, foram várias as paragens para prestar assistência a alguns jogadores que após choques e jogadas divididas se viam impossibilitados de continuar em jogo, obrigando a partida a inúmeras quebras de ritmo que prejudicaram o espectáculo. Neste aspecto, realce para uma situação que não é virgem nos jogos que temos acompanhado e que traduz a irresponsabilidade das organizações dos jogos, pois no recinto não havia uma maca, quanto mais uma ambulância para levar um jogador lesionado para um lugar conveniente, situação que ocorreu com o jogador Aurélio, que teve uma lesão traumática na perna, após um lance em que um colega seu trocou a bola pela sua perna, tal era a ansiedade para fazer o golo…
Tal demora na assistência do jogador, bem como de mais uma ou duas situações idênticas mas de menor gravidade, estiveram na origem dos 12 minutos de descontos concedidos pelo árbitro Mário Fernandes, que apesar de algo contestados se justificaram plenamente face a estas incidências. Seria mesmo neste últimos 12 minutos que o jogo entraria novamente num ritmo electrizante, deixando os adeptos farenses de credo na boca, mas também na expectativa do golo do descanso. Luís Pires, mais uma vez, deu tudo por tudo e colocou homens na área farense, na procura do golo do empate. Tal situação esteve iminente aos 92 minutos quando um remate em plena pequena área do Farense foi defendido espectacularmente por Costa que ainda a socou após o ressalto e afastou o perigo. Imediatamente na jogada seguinte, o Machados criaria mais perigo e enviaria uma boa ao ferro, estando Costa completamente batido, deixando no ar a sensação de que o empate estava na forja. Contudo o Farense teve o discernimento necessário e soube segurar melhor o jogo a partir dessa altura e garantiu uma preciosa vitória que o deixa com uma mão e meia na Taça de Campeão Regional. Neste momento a diferença pontual é de 9 pontos, faltando 3 jogos para jogar, sendo que o factor de desempate inicial é o goal-average que só pode ser aquilatado no final da prova, mas que actualmente é amplamente favorável aos Leões de Faro, deixando assim a equipa praticamente promovida aos Nacionais. Arbitragem razoável.

Ficha de Jogo:
Campo António Coelho (Machados)
16 horas, 03/05/2008
Assistência: 700 espectadores
MACHADOS 0-1 FARENSE

(30 mn, por Bruno, após arremesso lateral de Barão, Bruno foge da marcação do centrais dos Machados, eleva-se, e de cabeça envia o esférico para o poste direito da baliza dos Machados, anichando-se depois nas redes)

Farense: Costa; Amilcar, Né, Sousa, Caras; Arlindo (Hernâni 66mn), Barão (Márcio 100 mn), Andrezinho, Brasa; Bruno, Edinho (Wilson 86mn). Treinador: Jorge Portela

Sem comentários: