sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Em vésperas da final da Supertaça no Estádio Algarve, vale a pena reflectir sobre este números...

Estádio Algarve no prejuízo
A empresa que gere Estádio Algarve teve prejuízo de 939 mil euros em 2007


A empresa municipal que gere o Estádio Algarve registou um prejuízo de 939 mil euros em 2007 e deverá fechar o ano com um saldo negativo de 605 mil euros, revelou à Agência Lusa fonte oficial.
"Poderemos dizer com toda a certeza que as receitas suplementarão os custos, aquando da maturidade do empréstimo [2022]", referiu fonte da Sociedade de Concepção, Execução e Gestão Parque das Cidades (SCEGPC), que gere o Estádio Algarve.
As duas autarquias envolventes - Loulé e Faro - contraíram, em 2002, um empréstimo de 17 milhões de euros, por um prazo de 20 anos, para financiar a construção do Estádio Algarve e infra-estruturas conexas para receber jogos do Campeonato Europeu de Futebol, o "Euro 2004".
A mesma fonte salientou que o resultado de 2007 foi "claramente influenciado pelo valor elevado das amortizações do exercício na ordem dos 1,8 milhões de euros".
"Tendo por base o valor das amortizações do exercício verifica-se que os resultados operacionais do exercício de 2007, através dos fluxos gerados, foi positivo na ordem dos 108 mil euros", acrescentou.
Para este prejuízo contribuiu também a diminuição das transferências de subsídios das duas autarquias em cerca de 400 mil euros, as receitas dos "eventos de natureza desportiva e de carácter educacional" que ficaram abaixo do orçamentado, e o "agravamento dos custos financeiros derivados ao aumento das taxas de juro e do atraso das comparticipações das bonificações da componente PIDDAC".
Até ao momento, os dois municípios já transferiram cerca de 40,6 milhões de euros para a empresa municipal.
Só em 2007, a despesa total ascendeu a 3,9 milhões de euros, mais 500 mil euros do que em 2006.
De acordo com documentação fornecida pelo presidente da câmara de Faro, José Apolinário, o custo final da obra atingiu os 38 milhões de euros.
Mas de acordo com a auditoria realizada em 2005 pelo Tribunal de Contas (TC), só o estádio custou 46,1 milhões de euros. Em termos globais, as obras representaram um investimento de 66,3 milhões de euros.
A fonte da SCEGPC justificou esta diferença com o facto de o valor mencionado no relatório do TC "incluir, além das respectivas empreitadas, os encargos relativos ao projecto, terrenos adquiridos e expropriados, trabalhos de integração paisagística, coordenação e fiscalização de obras, os quais foram imputados parcialmente a cada componente [estádio, acessibilidades, estacionamento, outros]".
Em 2007, a empresa municipal gastou cerca de 125,9 mil euros na "conservação e manutenção de bens" e 708,8 mil euros em vigilância e segurança.
Ainda segundo com o relatório de actividades, as dívidas de curto prazo da empresa atingiram o montante de 429 mil euros em 2007, e as dívidas de médio e longo prazo 20,4 milhões de euros.

Sem comentários: