domingo, 7 de setembro de 2008

A sorte Conquista-se: Castrense 0-1 Farense

A estreia de Ivo Soares ao comando dos Leões de Faro não podia ter começado com melhor presságio. Na verdade, sem justificar em jogo jogado a vitória na tarde de hoje, o Farense conseguiu sobretudo inverter a tendência negativa das últimas semanas, garantindo em Castro Verde uma vitória nos últimos segundos da partida, para gáudeo dos muitos farenses que se deslocaram àquela localidade do Baixo Alentejo.
Ivo Soares promoveu nova revolução no onze inicial do Farense, mas desta feita acabou por sorrir no final, o que na nossa opinião também se explica porque soube finalmente trocar algumas unidades que evidenciavam um rendimento aquém do exigido por um Clube com a dimensão do Farense.

A primeira parte foi jogada a meio campo, mas com ritmo competitivo pelas duas formações, e se ambas denotavam alguma dificuldade em alvejar com êxito as redes contrárias, seria contudo o Castrense a queixar-se logo nos minutos iniciais duma hipotética grande penalidade de Kula sobre um atacante alentejano, o que no local onde nos encontrávamos era impossível perceber. A acontecer seria um lance determinante na partida, justificando a expulsão de Kula e permitindo ao Castrense jogar com mais um elemento durante grande parte do jogo. Ultrapassado este episódio, assistiu-se então a alguns bons momentos de circulação de bola do Farense, jogando preferencialmente pelas alas, mas raramente criando chances de golo. Ainda assim, o Castrense mostrava ser mais perigoso pois lançando alguns contra ataque venenosos ia incomodando aos poucos Kula que durante a partida efectuou 3 ou 4 defesas de grande dificuldade, salvando o Farense dum resultado negativo. Na primeira parte apenas registaríamos um remate perigoso dos homens de Faro, pelo brasileiro Edinho, que de cabeça respondeu bem a um cruzamento de Cannigia, enviando o esférico ao lado da baliza do guardião Castrense.

Na segunda parte as equipas entrariam num ritmo mais lento, quiçá ressentindo-se duma primeira parte algo movimentada, mas pareceu-nos que seria este também o ritmo desejado pela equipa de Castro Verde, pois dispondo de apenas 3 jogadores de campo no banco e percebendo alguma fragilidade do Farense nos contra ataques criados, preferia deixar a partida decorrer duma forma monótona. Foram também algumas as paragens para assistir jogadores alentejanos, uma vezes justificadas, outras algo duvidosas, em especial na parte final da partida quando o jogo ainda se mantinha empatado.
Na verdade, o Farense realizava um inicio de segunda parte fraco e Ivo Soares apercebendo-se da situação, esteve bem nas substituições, alterando um pouco o sistema táctico, que privilegiava agora dois pontas de lança – Edinho e Della Pasqua – abdicando do amarelado Rui Graça, que hoje apareceu no lugar de trinco. Foi perceptível que a partir do minuto 65/70, apenas o Farense mostrava vontade genuína para vencer a partida, e mesmo sem jogar bem foi apostando num futebol directo e em jogadores nas alas como Everson, Justo ou mesmo Duarte, que inúmeras vezes subiu pelo seu flanco. Para o final da partida estavam então guardadas grandes emoções: primeiro ao minuto 91 quando Wilson tirou sobre a linha um golo que parecia certo para os castrenses, após defesa incompleta (de recurso) por Kula, ao qual o Farense responderia no momento seguinte com um lance de contra ataque em que Bruno, após tirar um adversário do caminho e se enquadrar com a baliza, chutou contra um defesa, quando já muitos cantavam golo. E seria já mesmo no fim da partida, numa altura em que os ânimos estavam mais voltados para a bancada, onde se havia gerado uma troca de palavras mais acesa entre adeptos das duas equipas, que o Farense chegaria ao golo, por Everson, devolvendo a alegria perdida pelos adeptos farenses, nesta agradável deslocação a Castro Verde. Arbitragem razoável, condicionada contudo pelo lance da possível grande penalidade, ao qual não temos opinião formada.


Ficha de Jogo: Estádio Municipal 25 de Abril (Castro Verde)
17h00, 07/09/2008
Assistência: 650 espectadores
Árbitro: João Letras (Évora)
CASTRENSE 0-1 FARENSE
(90+5 mn, por Everson, numa jogada rápida do Farense pela direita, a bola é endereçada a Everson, que junto à entrada da área se enquadra e remata rasteiro para junto do poste direito da baliza defendida por Peraltinha)

Farense: Kula; Cannigia, Né, Wilson, Duarte; Rui Graça (David Justo 65mn), Barão, Luís Afonso; Della Pasqua (Bruno 76mn) Everson, Edinho. Treinador: Ivo Soares

4 comentários:

Zé de Fare disse...

Defendemos bem e marcamos quando tinha que ser... no momento em que já não dava para recuperar.

O nosso melhor jogador foi o kula.

SamM disse...

Para mim o Kula e o Everson foram determinantes... O Kula fez 3 defesas fantásticas e o Everson mostrou qualidades e marcou um golo muito muito importante!

Anónimo disse...

Hoje será o grande dia?O futuro,ou será melhor dizer a sobrevivência do clube dependerá das propostas que eventualmente entrem hoje (data limite)para a aquisição do S.Luís.Duvido que alguem de perfeito juízo,apresente uma candidatura quando se sabe que o SCF e a Comissão Mandatária apresentaram a concurso a venda com o problema do Pingo Doce como arrendatário e o consultório do dr Veloso Gomes tambem arrendado...

Anónimo disse...

Apesar de um jogo bem disputado pelas duas equipas, vi no farense muita falta de cordenação, ao qual acho que o resultado mais justo seria o empate, pelo trabalho realizado pelas duas equipas. um golo do farense quando ja ninguem esperava ditou um resultado um pouco injusto . mas como se costuma dizer... Ganha quem marca mais golos. e assim foi