sexta-feira, 10 de abril de 2009

Funcionárias da Loja do Cidadão de Faro proibidas de usar saias curtas e decotes

As funcionárias da Loja do Cidadão de Faro, inaugurada a 3 de Abril, foram proibidas de usar saias curtas, decotes, saltos altos, roupa interior escura, gangas e perfumes agressivos. As instruções foram dadas numa acção de formação antes da abertura da loja, denunciou uma funcionária.

Segundo conta hoje o “Correio da Manhã”, as instruções foram apresentadas durante uma acção de formação promovida pela Agência de Modernização Administrativa.“Esta acção incide sobre várias matérias e, em particular, sobre o que deve constituir um atendimento de qualidade, que ajuda ou prejudica o relacionamento com os cidadãos”, justificou Maria Pulquéria Lúcio, vogal do Conselho Directivo da agência, ao jornal. Os “aspectos de postura pessoal foram abordados como importantes para uma imagem cuidada” das funcionárias, acrescentou.
Pulquéria Lúcio confirmou a proibição do uso de decotes exagerados, perfumes agressivos e gangas, mas negou a referência a saltos altos e a roupa interior escura.


Numa sociedade onde a perda de valores está cada vez mais implantada, banalizando-se cada vez mais o uso de vestuário impróprio para os locais frequentados, mas também muitas outras situações que põe em causa a moralidade, vejo nesta recomendação um acto digno e quiçá em extinção nos dias que correm...

3 comentários:

Anónimo disse...

Resolvia-se o problema com o simples facto de instituirem uma farda de trabalho, igual para todas as funcionárias, ao exemplo de como fazem por exemplo, os correios...

Jorge Camões disse...

Isto é gente sem visão, então com decotes e mini saias a malta nem se impotava de esperar pra ser atendido!!!

Jorge Camões

SamM disse...

Estes dois comentários, personificam também a minha opinião sobre o assunto.

O ideal era as funcionárias/os terem um traje uniforme. Evitava-se confusões e chatices, mas o que me parece também é que as pessoas quando estão em serviços desta natureza, já sabem para o que vão e não podem depois vir reclamar porque não devem vestir "isto ou aquilo".

Em relação ao comentário do Jorge Camões, seria mentiroso e hipócrita da minha parte ao dizer que não gosto de ver... :)), mas acho que há determinados sítios e ocasiões em que isso tem que ser evitado, por uma questão de decência e moralidade.