terça-feira, 26 de outubro de 2010

FARO | Espaço onde ia ser erguido museu pode converter-se em hotel


O edifício que deveria albergar um museu de arte contemporânea em Faro poderá converter-se num hotel, disse à Lusa o presidente da Câmara, que garante não haver dinheiro para erguer o museu, um projeto do anterior executivo.

O projeto do museu, a instalar na antiga fábrica da cerveja de Faro, atualmente sem qualquer utilização, foi lançado pelo socialista José Apolinário, que estava a estabelecer contactos com a Fundação Serralves, no Porto, para formalizar uma parceria.

Pouco antes de perder as eleições para Macário Correia (PSD), em 2009, Apolinário acreditava que o concurso para a obra pudesse avançar até ao final desse ano, uma vez que os projetos de especialidade e arquitetura tinham sido aprovados.

Contudo, a obra acabou por nunca sair do papel e agora “não há dinheiro” para realizá-lo, disse à Lusa o líder da autarquia, que admite vender o espaço para onde estava previsto o museu a um grupo hoteleiro.

A expetativa de José Apolinário era a de obter metade do financiamento (a obra estava orçada em quatro milhões de euros) através de fundos comunitários, mas neste momento, segundo Macário Correia, é impossível obter esse apoio.

De acordo com o atual presidente da Câmara, a antiga fábrica já foi visitada pelos grupos portugueses Vila Galé e Pestana, mas também por grupos hoteleiros internacionais, estando previstas mais visitas para os próximos dias.

Seria importante para a economia da cidade ter um hotel na zona do casco histórico central”, sublinha o autarca, que recorda já ter havido há uns anos grupos interessados em converter aquele espaço numa unidade hoteleira.

Contudo, o social democrata não descarta a hipótese de ter na cidade um espaço para expor obras de arte contemporânea e pensa usar o dinheiro da venda da antiga fábrica na requalificação do museu municipal da cidade, situado a escassos metros.

“Existe um conjunto de anexos e uma área que ainda pode ser expandida no museu municipal onde pode ser integrada a vertente de arte contemporânea de forma mais simples e sem custos”, conclui.

JA/AL, In Jornal do Algarve

Sem comentários: