domingo, 28 de novembro de 2010

Farense afunda-se em Lagoa e na tabela...



As Notas do Lagoa 1-0 Farense


Notas Positivas:

  • Num jogo que era aguardado com enorme expectativa pela hostes farenses, dada a proximidade geográfica entre as equipas, a situação desportiva do Farense e a paragem nos campeonatos, foi agradável verificar que os farenses eram o dobro dos sócios locais, o que mostra a fidelidade de uma parte dos farenses. Sabemos contudo que neste momento estamos muito longe da mobilização de épocas passadas...
  • A atitude do Farense quando se encontrava em desvantagem numérica e no marcador foi positiva, indo em busca do empate e encostando o Lagoa no seu meio campo, embora sem jogar conexadamente...

Notas Negativas:

  • Apresentado-se em Lagoa com o melhor 11 possível, ou seja, "sem desculpas" de maior em relação à competitividade da equipa, os orientados de Joaquim Mendes não assumiram o favoritismo declarado por Luís Coelho antes da partida e perderam com justiça um desafio que estava ao seu alcance. O Lagoa mostrou o porquê de não estar mais acima na tabela, sendo uma equipa macia e perdulária no ataque e limitada no meio campo e defesa.
  • Exigia-se que a equipa do Farense, recheada de valores com escola nos melhores clubes de Portugal, nos oferecesse uma exibição mais consistente. Analisando a partida, e referindo-me em especial à primeira parte, em que jogámos 11 contra 11, fomos dominados pelo Lagoa, demonstrando mais uma vez incapacidade em "jogar à bola". Digo jogar à bola, porque o Farense não é capaz de nos 2 terços do campo mais afastados do seu guarda redes, fazer mais que 5 passes seguidos. Desta forma torna-se muito difícil deixar a bola jogável nos homens da frente, que poucas vezes rematam enquadrados com a baliza, demonstrando ainda a equipa pouca organização posicional em campo.
  • A tendência para o Farense se apresentar muito recuado em campo, permitiu ao Lagoa construir o seu jogo com tranquilidade em muitas fases do jogo. O sistema de jogo, inicialmente em 4x2x3x1, privilegiava o contra ataque, que foi ensaiado com sucesso raras vezes, com Kéu a falhar numa delas um golo na cara do guarda redes e noutra possivelmente derrubado pelo guardião adversário.
  • A arbitragem de Nuno Almeida foi recheada de controvérsia com o Farense a ter amargos de boca, especialmente num lance em que Kéu nos pareceu obstruído pelo guarda redes Peraltinha, quando estava isolado na zona frontal da área. Seria por certo a expulsão do guardião contrário mas minutos mais tarde seria Mamadou o contemplado pelo critério de Nuno Almeida, saindo expulso e originando um penalty no inicio da segunda parte, que embateu na trave de Serrão, num jogo com muitos cartões para ambos os lados.
  • Nota final para o desterro onde enfiaram os adeptos do Farense, ao nível da relva, num peão separado por uma rede bem alta que dificultava visão bem como dos paíneis publicitários. Numa Segunda Divisão B não se podem dar aos adeptos condições deste género, quando muitas vezes se pagam bilhetes ao nível duma liga profissional. Outra nota para o aparatoso dispositivo policial que revistou toda a gente cirurgicamente. No meu caso, que já assisti a imensos jogos de futebol, entre as melhores equipas portuguesas ou mesmo noutras deslocações de maior risco, nunca havia tido um cuidado tão grande. Curioso que nem Luís Afonso e Carlinhos, jogadores com equipamentos de treino do Farense foram perdoados, sendo revistados... Um escândalo...

Momento do Jogo:

  • Costuma-se dizer que o cântaro tantas vezes vai à fonte, que um dia deixa lá a asa... Ora o Lagoa, depois de duas bolas à trave e de ter um sem número de cantos, estranho seria que num desses lances não violasse a baliza de Serrão. Aos 64 minutos, Ivo Nicolau subiu ao primeiro andar, e no primeiro poste conferiu de cabeça o único golo da partida, na sequência de um canto da direita, dando justiça ao resultado final.



Farense: Serrão; Caniggia, Mamadou, Tiago Sousa, Joshua; Bilro, Barão, Justo, Zambujo, Bruno Carvalho e Kéu. Jogaram ainda: Adérito, Calado e Bruno.

1 comentário:

F. Neves disse...

Não vi o jogo, mas fica-me a ideia de que em Lagoa se pensa que os adeptos do Farense são uma horda de selvagens...
À imagem do jogo do Parchal, a que assisti, e onde me quiseram revistar pela primeira vez num jogo de futebol, pergunto quem paga as forças da ordem para fazer tanto serviço...
Lamentável a revista a 2 atletas do clube. Não dá para acreditar.