domingo, 9 de janeiro de 2011

Em tarde de homenagens, nasce um novo herói...


As Notas do Farense 2-2 Mafra

Notas Positivas:
  • Num jogo difícil, no qual a haver um vencedor teria que ser o Mafra, o empate, nas circunstâncias em que foi obtido acaba por ser um prémio para a equipa e em especial para o herói deste e dos últimos jogos, Serrão, que ao cair do pano, empatou a partida e devolveu a esperança aos adeptos farenses.
  • Destaque para o espírito de grupo da equipa, muito solidária e efusiva na comemoração dos golos. Tudo isto não são mais que situações laterais de "reportagem", mas que no fundo demonstram a união do grupo, numa fase delicada da época.
  • Nota positiva também para os novos princípios de jogo que João de Deus quer implantar na equipa algarvia, ao nível da circulação de bola, pois nota-se que dispondo a equipa num 4x4x2 em losango, vai privilegiar o futebol assente no passe curto, num futebol mais apoiado. Contudo há muito trabalho pela frente e a época já vai a meio.
  • Nota final para o fantástico golo de Barão, ao quarto de hora, dedicado de forma emocionada a Joaquim Sequeira. Após atrapalhação de Márcio Santos na recepção e alivio dum bola, o médio farense, disferiu um enorme chapéu a uns 40 metros da baliza, mostrando sangue frio, arte e inteligência. Estava feito o 1-0, o mais difícil seria aguentar a vantagem.

Notas Negativas:

  • Pese embora algumas fases de jogo, o Mafra foi quase sempre superior ao Farense, dispondo de várias chances de golo para fazer o 1-3, que sentenciaria a partida. Serrão começava aí a construir umas das suas melhores exibições no Farense, mas a imagem macia da equipa algarvia a defender, com falhas de marcação e dispelicência em lances divididos, poderia ter consequências mais graves.
  • João de Deus não pode estar contente com o que a equipa apresentou na sua estreia. Mesmo a perder não dispôs a equipa de forma ofensiva em campo, anulando dessa forma os seus contra ataques rápidos, pois a equipa recuava por completo em lances de bola parada. Raras foram as vezes que os laterais iam à linha de fundo, o que demonstra o medo e pouca ambição, neste jogo, do novo timoneiro da nau farense.
  • Houve alguns jogadores que apesar de acabarem extenuados o jogo, pouco se viram em campo. Sem dúvida uma questão para reflectir e melhorar.

Momento do jogo:

Muitos já abandonavam a bancada, quando o Farense conquistou um canto no seu lado direito do ataque. Foi a primeira e única vez durante mais de 95 minutos que a equipa algarvia subiu em peso para a área contrária, e desta forma os resistentes adeptos algarvios, empolgaram-se com tamanha "loucura". O que parecia impossível, foi conseguido pelo inesperado intruso que estava na grande área contrária. Serrão, o homem que tinha salvo a equipa duma goleada, aproveitaria de forma decidida o desvio de Mamadou e faria o empate 2-2. Foi o delírio!

Farense: Serrão, Caniggia, Mamadou, Tiago Sousa, Joshua; Bilro, André Calado, Barão (Justo, 62mn), Bruno Carvalho; Zambujo e Adérito (Bruno 79 mn).

1 comentário:

Nuno disse...

Ó Sam,se o Farense se apresentou em 4x4x4,acho que o Mafra vai protestar o jogo,lol.