quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Armindo Araújo no WRC com a MINI


Após quatro anos e dois títulos absolutos no Campeonato do Mundo de Ralis - Produção, Armindo Araújo conseguiu garantir os apoios necessários para o tão desejado e esperado salto para a categoria máxima dos ralis mundiais.

Pela primeira vez, Portugal vai ter um representante no WRC
e a MINI foi a marca escolhida pelo piloto de Santo Tirso para esta nova fase da sua carreira.


"Antes de mais queria deixar uma palavra de apreço à Mitsubishi, marca que representei nos últimos sete anos e com a qual consegui as maiores conquistas da minha carreira. Obrigado por terem acreditado, tal como eu, num projeto ganhador", começa por dizer Armindo Araújo que parte agora para um novo e ambicioso desafio. "Após alguns meses de intenso trabalho consegui assegurar a minha entrada no WRC e isso é, sem dúvida, a realização de um sonho. Este novo projeto não é apenas meu, mas sim de todos aqueles que acreditaram ser possível dar este salto e que, durante meses a fio, me motivaram e apoiaram no sentido de por de pé um projecto desta envergadura. Nesse sentido quero agradecer desde já à TMN, GALP, LUSITANIA e MCA que continuarão a ser meus parceiros e também à MINI Portugal que se juntará a esta grande equipa", afirma ainda o bicampeão do PWRC.

Para esta nova aventura, a MINI, que regressa quase meio século depois ao Campeonato do Mundo de Ralis, teve um papel muito importante. "É uma grande honra poder entrar no WRC com uma marca com tanta história nos ralis como é o caso da MINI. Vou integrar a equipa satélite da formação oficial, que terá as mesmas condições de trabalho, e me dá todas as garantias para evoluir e que contará comigo para desenvolver um carro que acredito vir a ser ganhador. Durante este ano não vamos já pensar em lutar pelas vitórias antes sim criar uma linha de progressão que nos levará a isso no futuro. Neste momento penso sobretudo em prestigiar o nome do nosso país e as cores dos meus parceiros e a marca com que vou trabalhar daqui em diante. Este é sem dúvida o mais ambicioso projeto desportivo da minha carreira e penso que também o primeiro a este nível em Portugal", concluiu Armindo Araújo, que continuará a fazer dupla com Miguel Ramalho.

Todos os detalhes da época de Armindo Araújo com a MINI serão divulgados brevemente, durante a apresentação oficial da equipa que ocorrerá nas próximas semanas.



E parece que a GALP, uma empresa com capitais públicos, que aumentou o seu lucro em 43% no ano de 2010, resolvei dar uma mãozinha ao bi-campeão mundial de Produção, por sinal, português e com muito talento. Foi a muito custo que tal aconteceu e pelo que se diz à boca pequena, a Repsol estava na expectativa dum eventual rotura nas negociações para entrar em cena e ganhar um novo fôlego no mercado nacional com este trunfo de luxo.

Felizmente para o desporto motorizado português, teremos pela primeira vez um "tuga" na "Champions League" dos Rallys, o denomina WRC. E se a escolha pela MINI é neste momento uma aposta de sucesso a médio prazo, por certo o mediatismo que Armindo terá, no regresso desta mítica marca ao grande circo do WRC, será proveitoso para ele e apara os patrocinadores, tendo em conta que na FORD seria mais um dos muitos pilotos que teriam um carrinho da marca inglesa, ao alcance de qualquer um que tenha dinheiro...

Espera-se por isso que o Rally de Portugal, a disputar de 24 a 27 de Março no Algarve, seja tremendo, na luta de topo entre as novas máquinas da FORD e CITROEN, com a estreia da MINI na Europa e com a presença de três portugueses com viaturas super competitivas. Se tudo correr bem, acredito ver Bruno Magalhães, Bernardo Sousa e Armindo Araújo no top-12...

Sem comentários: