segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

A segunda vida de Portimão


Uma cidade que vivia na sombra dos vizinhos está à procura de um lugar debaixo do foco. Nos últimos anos, angariou uma mão-cheia de trunfos para tentar conquistar uma nova importância regional. É um crescimento que não se faz sem dores e que perderá dentro de dois anos o seu estratega.

Calaram-se as sirenes das fábricas, as traineiras desapareceram - a vida mudou em Portimão. Um pescador reformado pergunta: "Já conhece o museu?" Paulino Marques, 79 anos, gorro na cabeça, percorre a zona ribeirinha dando os "bons dias". "Pertenço ao Clube dos Amigos do Museu. Ofereci ao museu os arpões com que apanhava golfinhos." As recordações da comunidade piscatória, boas e más, projectam-se no interior desta antiga fábrica de conservas transformada em museu de sucesso, distinguido com o prémio "Museu Conselho da Europa 2010", o que significa que no ano passado foi considerado um dos melhores deste continente.

Nem todo o passado de Portimão se guardou no museu, e nem tudo o que é presente é tão bom que mereça ser exposto. Décadas marcadas pela destruição das vivendas (chalés) da praia da Rocha permitiram dar lugar a torres e mais torres de apartamentos. Há mais caos urbanístico por aqui, à imagem do muito mau que se fez no Algarve, uma região que, para o reitor da universidade pública do Algarve, João Guerreiro, é "um arquipélago" de centros urbanos "de pequena dimensão, dispersos, e sem muita coerência entre eles, e sob a liderança de Faro, capital algarvia e centro regional".

Porém, Faro é como o seu presidente da câmara, Macário Correia (PSD): divide opiniões, está na ribalta sem nunca estar em foco. Porque o concelho rico do Algarve é Loulé. E a terra que está nas bocas do mundo é, muitas vezes, Portimão.

Pôr a capital fora-de-jogo

É tal a popularidade de Manuel da Luz, o socialista que lidera os destinos desta terra - conhecida pelas sardinhas, por ser o berço de Manuel Teixeira Gomes, sétimo presidente da I República, pelo seu autódromo internacional, pelo seu clube de futebol na I Liga, pela beleza natural da ria de Alvor, pelo museu premiado na Europa e pelo seu novíssimo teatro -, que está a ser empurrado para outros voos pelo Partido Socialista e pelos seus amigos. Com tantos "trunfos", será que Portimão põe Faro fora-de-jogo?

O semanário Barlavento é um dos jornais de referência na região, sobretudo nos temas de política, ambiente e cultura, e tem sede em Portimão. Foi distinguido com o prémio Gazeta da Imprensa Regional em 2006, atribuído pelo Clube de Jornalistas. O jornal tem um quadro redactorial com cinco jornalistas, reclama para si o estatuto de periódico mais lido na região e foi fundado há mais de três décadas por Hélder Nunes, seu director desde então, que considera Portimão "estratégica" em termos de turismo e dos negócios. A construção do Autódromo Internacional do Algarve, diz, "veio dinamizar o ramo das tecnologias avançadas do mundo automóvel". O que falta, quando a compara com Faro, é a vertente universitária. "Um pólo universitário com capacidade para gerar massa crítica. Apesar de ter o Instituto Manuel Teixeira Gomes [da Universidade Lusófona, privada] com cerca de 1000 alunos, a Universidade do Algarve precisa de lançar aqui o seu pólo, como tem previsto", defende.

O jornal mais antigo da região, O Algarve, tem 103 anos. Porém, publica-se a partir de Faro. Este semanário foi comprado em 2008 pelo Grupo Lena - empresa detentora de outros títulos regionais. Tem seis jornalistas e uma directora interina, Pedra Luz, para quem "Portimão consegue ter mais protagonismo do que Faro, por via da realização de grandes eventos".

In Público

Um artigo interessante hoje no Público que tenta fazer uma comparação entre as duas maiores cidades do Algarve, do ponto de vista social e económico. Trata-se de mais um episódio no debate instalado nos últimos anos, e que me parece está aos poucos a tornar-se num lobby com interesses obscuros, mas que no fundo não são mais que um conjunto de movimentações para fazer de Portimão a capital do Algarve...

Do breve artigo poder-se-ão tirar algumas conclusões, mas o esquecimento na alusão ao Parque das Cidades, projecto ambicioso entre Faro e Loulé, e o facto de não se questionar o endividamento dos "portimonenses", a triplicar em relação à capital de distrito, poderiam explicar algumas das razões para a apregoada segunda vida de Portimão...

Sem comentários: