terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Mais uma "bronca" entre estudantes e a CMF...


Faro: RUA FM contesta declarações de Macário Correia

Rádio Universitária do Algarve (RUA FM) manifesta-se surpreendida com as declarações do autarca de Faro, que afirma que o concelho “não tem uma rádio local”.


Pedro Duarte, diretor de antena da RUA FM, argumenta que ao afirmar-se que Faro não tem uma rádio local “é ignorado todo o trabalho que a Rádio Universitária do Algarve tem feito ao longo dos últimos oito anos”.

“A RUA é uma rádio local (sediada em Faro) de cariz universitário, mas com algumas limitações na exploração de fundos publicitários, que dificultam (mas não impedem) o atingir alguns dos pontos que refere e aos quais nos propusemos”, afirma.

O diretor estranha as palavras de Macário Correia (ver aqui) e lembra que por diversas vezes o atual edil farense “passou pelos estúdios da RUA, quer para entrevistas relacionadas com o seu atual cargo, quer para falar de questões ligadas com o Algarve e Faro, estando ainda presente em diversos debates por nós organizados (ou em parceira)”.

Pedro Duarte enumera ainda diferentes instituições locais e regionais, como Cineclubes, a ACTA, Direção Regional da Cultura, a Universidade do Algarve e até autarquias, bem como grupos de pessoas, “que procuram diretamente a RUA para a divulgação das suas atividades sendo, muitas vezes, das poucas portas abertas que encontram e - para alguns - a única onde gratuitamente o podem fazer”.

Pedro Duarte recorda que em tempos foram atribuídas a Faro três frequências para radiodifusão e que o facto de não estarem localmente ativas é motivo para reflexão.

“A existência de uma rádio é mais que um atribuir de uma licença, deve ser uma necessidade sentida pela população, mas também a possibilidade de manter um modelo de negócio, algo que estranhamente não foi possível numa capital de distrito. Mais estranho ainda foi o retirar de uma frequência (para concurso) em Faro, tendo sido atribuída a um grupo estatal para retransmissão de um dos seus canais, privando a cidade da existência de mais um media radiofónico”, ironiza.

Para o diretor de antena da RUA FM “muito mais pode ser atingido se se unirem esforços e os apoios aparecerem para que possamos ter uma rádio ainda mais informativa, cultural e plural no concelho, porque uma rádio local Faro já tem”.


In Observatório do Algarve



"Sarna para se coçar"... Foi este termo que me veio à memória acerca das declarações da CMF acerca da inexistência de uma (verdadeira) rádio local em Faro. Com a tomada pública de posição já dissecada ontem, Macário Correia pouco ou nada ganhará e desta feita, só têm a perder coleccionando mais uma guerrilha com a Associação de Estudantes da Universidade do Algarve, depois da rábula da recepção ao caloiro e dos estacionamentos nas Gambelas.


Em parte percebe-se o porquê da posição da CMF quanto à inexistência duma "verdadeira" rádio local em Faro, mas no meu entender o que choca é ler o comunicado e não haver uma única alusão à RUA FM, que, com os poucos recursos que têm, mantêm-se activa e resiste num contexto de crise, sendo a única emissora com sede no concelho de Faro. Por isso não é de estranhar esta tomada de posição do director de antena da RUA FM, Pedro Duarte... Têm agora a palavra a CMF!

Sem comentários: