sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Mais casas da ilha de Faro podem vir a ser demolidas


Se forem seguidas as soluções técnicas apontadas para o plano de pormenores da praia da ilha de Faro, mas habitações podem vir a ser destruídas. O autarca Macário Correia frisa que tratam-se apenas de propostas que a Câmara ainda vai avaliar.

O plano de pormenor da praia da ilha de Faro deverá estar concluído dentro de um mês e aponta para o avanço de demolições na zona desafectada, ou seja, na zona onde a Câmara de Faro tem jurisdição.

As demolições estavam previstas serem efectuadas apenas nos extremos da ilha, onde há casas clandestinas, mas Valentina Calixto, presidente do conselho de administração Sociedade Polis Ria Formosa, indica que os estudos técnicos prevêem mais do que isso.

«As soluções técnias dos especialistas avançam para a construção de uma duna, em toda a extensão da ilha de Faro, no sentido de reforçar o cordão dunar e criar uma barreira protectora que permita que o mar não atravesse a ilha. Agora vai ter consequências, ou seja, onde a duna for construída vamos ter que demolir casas», explicou.

Na zona desafectada há centenas de casas, mas a Sociedade Polis não revela quando poderão ser destruídas.

Ao longo dos anos, a autarquia de Faro vendeu alguns terrenos aos proprietários, mas a grande maioria paga um aluguer do espaço à Câmara Municipal.

Oiça a Reportagem Completa da TSF aqui

1 comentário:

Daniel disse...

Ora bem conheço a ilha de Faro desde que nasci e sou Farense, e sempre gostei de ir e ainda vou, agora sobre este problema que tem causado, acerca de maior parte não quererem deixarem demolirem a sua casa compreendo, vivem lá há muitos anos e respeito mas uma coisa não podem evitar, é a mãe natureza, estão a pensar construir uma barreira que nem vai servir para nada, mais cedo ou mais tarde parte-se com a pressão/força do mar como por exemplo nestas alturas das tempestades, há limites para tudo, e a câmara tem avisado há uns meses atrás para saírem da ilha para o vosso bem, parece que as pessoas só saiem ou algo do género quando acontecer um problema ainda mais grave e aí é que começam acordar que não dá mesmo para evitar o problema. Acho até o grande exagero também construirem lá grandes casas e maior parte que vive lá nem são algarvios, gastam á pala para nada, gente fina também, egoísmo e burrice a mais. Mas pronto quem ignora este problema não há nada a fazer, fazer há mas ás vezes só depois de acontecer é que se resolve infelizmente enquanto já foram demolidas pelo mar, se preferem serem engolidas pelo mar cada um lá sabe, o que se há-de fazer.