quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Demolições nos ilhotes da Ria Formosa vão começar no início de 2009

As demolições nos ilhotes da Ria Formosa iniciam-se nos primeiros meses de 2009, revelou ontem a presidente da Sociedade Polis Litoral Ria Formosa."Nos ilhotes sabemos, desde já, que são apenas intervenções de renaturalização e estamos em crer que o ano de 2009 permitirá, desde logo, avançar com as demolições nos ilhotes. É essa a solução técnica enquadrável desde já", declarou Valentina Calixto, a presidente do Conselho de administração da Sociedade Polis Litoral Ria Formosa. Na semana em que o Polis Ria Formosa iniciou o levantamento das construções naquele meio natural protegido, a responsável pelo programa foi categórica, garantindo que "vão haver demolições nas áreas a renaturalizar", prevendo-se igualmente uma "requalificação e reestruturação do existente".

A Sociedade Polis Ria Formosa realça, no entanto, que os habitantes que vivem da pesca na Ria Formosa e que vejam as suas casas demolidas têm "alojamento previsto", mas só se conhecerão os locais para as novas casas depois dos projectos de intervenção e do plano de pormenor estarem terminados. "Nos termos do Plano de Ordenamento da Orla Costeiro (POOC), todos os residentes de primeira habitação que estão ligados à pesca e à mariscagem têm legalmente enquadramento no sentido de se realojarem em sítios que se vão equacionar nos projectos de intervenção ou no plano de pormenor", garantiu Valentina Calixto. Alguns dos habitantes da Ilha de S. Lourenço, Olhão, ainda têm esperança que as suas casas não tenham um dia de vir abaixo mas já decidiram dar os dados das habitações aos técnicos do Polis Ria Formosa. Manuel Paulo, mais conhecido por "Manuel das Conquilhas", tem uma casa da família na ilha S. Lourenço há 25 anos. A sua vida é a apanha de bivalves na Ria Formosa e nem quer ouvir falar de ver a sua casa demolida. Também Manuel Guerreiro, com casa no núcleo do Coco há 36 anos, recusa a hipótese de sair do ilhote e recorda que há muitos anos que ouve falar em demolições, mas que nunca se avançaram com esses trabalhos. "Eu gosto é de viver neste sossego. Eu podia viver na Culatra mas é muita confusão, tem muitos restaurantes" e "aqui é calmo, não há barafundas", observa.

A Sociedade Polis Ria Formosa iniciou esta semana no núcleo das Ratas e Coco (Ilha S. Lourenço) o levantamento das construções na Ria Formosa, um inventário que se prolongará por seis meses e que prevê a intervenção em 48 quilómetros de frente costeira. O inventário das construções está a ser desenvolvido, numa primeira fase, nos ilhotes do Ramalhete, Cobra, Altura, Coco, Ratas e Ilha Deserta. Já as ilhas com mais população serão avaliadas numa fase posterior que deverá arrancar para a semana, nomeadamente na Culatra, e vai-se prolongar pelos Hangares, Farol, Armona, Fuseta, ilha de Tavira e ilha de Faro. O Polis é um plano estratégico de valorização e requalificação da Ria Formosa que envolve investimentos na ordem dos 87,5 milhões de euros, a aplicar entre 2008 e 2012, e prevê a intervenção em cinco concelhos algarvios: Loulé, Faro, Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António.

Sem comentários: