domingo, 29 de agosto de 2010

Apresentação para irredutíveis farenses termina com picardias andaluzas...




As Notas do Farense 3-0 Olont F. C.


Notas Positivas:


  • Num jogo que marcava definitivamente o arranque do Farense para a disputa do campeonato foi agradável de um modo geral seguir a partida, num jogo que marcava um fim de um ciclo de 40 dias de preparação intensiva para a nova temporada. A equipa apresentou-se com níveis físicos satisfatórios para esta fase da época e presentou os espectadores com uma exibição positiva, perante um adversário que enquanto pôde, tentou equilibrar a balança, mas que cedo se percebeu que não tinha argumentos para contrariar o futebol da equipa do Farense.



  • O resultado volumoso, e que ainda podia ser mais explicito, não fosse Paulinho permitir ao guardião espanhol um espantosa defesa a uma grande penalidade na segunda parte, mostrou que o entrosamento dos jogadores mais ofensivos é aceitável, tendo em conta que a maior parte são elementos novos. O Farense criou oportunidades de golo em quantidade mostrou força a meio campo, com nota positiva para Bilro, que ao contrário de outras ocasiões esteve mais sóbrio, mas mesmo assim com garra e muita força para dominar os adversários, conseguindo dominar a intermediária.
  • Oscilando num sistema de jogo em 4x4x2 ( 4x2x4 em ataque) e um 4x2x3x1, o Farense teve em Zambujo um jogador desequilibrador na zona central, ele que havia começado na esquerda e que por muitos momentos jogou no centro, dessa forma surpreendendo os defesas espanhóis e marcando um golo de belo efeito de cabeça. Antes havia falhado outra ocasião idêntica. Haveria de marcar o segundo na conversão duma grande penalidade, sendo o 3-0 fixado por Adérito após um cruzamento/remate de Justo.

  • Para os novos equipamentos do Farense. Tanto o tradicional (branco) como o alternativo (preto com marcas brancas nos ombros), são apelativos à vista. Faltará eventualmente fechar contrato para o patrocínio da frente das camisolas...

Notas Negativas:


  • O público farense ficou em casa. Depois do esforço da Direcção em poder manter uma equipa de futebol competitiva de pé e de estar a efectuar obras de manutenção no estádio, seria expectável que os farenses deixassem o comodismo de lado, e pudessem conhecer a sua equipa num noite agradável de Agosto. Ao invés não foram mais de trezentos os presentes, enquanto uma grande parte ficou pela cidade a ver um jogo na televisão...



  • Para as picardias, ameaças de agressão e entradas duras de parte a parte nos últimos quinze minutos de jogo. Dois espanhóis e o farense Paulinho saíram de campo após mau comportamento, fruto dessas mesmas quezílias que tiveram durante e após o jogo, não havendo contudo nenhuma situação de elevada gravidade a assinalar.

  • Com os processos de Hugo Gomes e Hassan ainda por resolver é um pouco preocupante a ausência de jogadores com experiência e qualidade inegável no banco, para suster uma eventual onda de lesões e castigos. Aguarda-se que o bom senso destes nossos ex- atletas impere e não prejudique directamente o Farense, pois desta forma o Farense não poderá equilibrar o plantel com duas ou três unidades.

Farense: Serrão; Caniggia, Mamadou, Tiago Sousa, Arlindo; Bilro, Barão, Justo, Zambujo; Adérito e Kéu. Jogaram ainda: Luís Afonso, China, Joshua, Calado, Carlinhos, Paulinho, André Calado e Zé Silva.

2 comentários:

Anónimo disse...

Ao contrário do que diz o artigo, o público farense não estava em casa.. Estava em Olhão! É que isto de marcar um Farense-Olont praticamente à mesma hora de um Olhanense - Leiria é só mesmo para inteligentes farenses. Futebol algarvio é em Olhão e Portimão

SamM disse...

Para além do público farense não trocar um jogo do Farense por outro clube da região, fique sabendo que os jogos aludidos foram em dias diferentes.

Há situações em que mais valia estar calado, para não cair no rídiculo.